In order to view this object you need Flash Player 9+ support!

Get Adobe Flash player
Joomla! Slideshow

VELO CAB2012


PARA AS 24 HORAS DE LE MANS 2018

 

PARA AS 24 HORAS DE LE MANS 2018

 

 Para quem os encomendou, devem chegar hoje...

  1. Só faltam 32 semanas!

 

SERÁ ESTE O FUTURO EM LE MANS??

SERA´ESTE?

 

O futuro em Le Mans ???a465 Copya466 Copya467 Copy

 

ELMS PORTIMÃO

ELMS 2017 - PORTIMÃO

 

Peuqeno grupo de imagens da autoria  de Paulo Maria na sua passagem por Portimão.

 

Fotos de Paulo Maria - www.velocidadeonline.com22728678 1955748594700484_6652204072714782148_n_Copy22728902 1955748601367150_1213924834137698336_n_Copy22728961 1955748621367148_7866976144253650326_n_Copy22729010 1955748794700464_8810984806301554957_n_Copy22815298 1955748801367130_8771134336516764653_n_Copy22814007 1955748724700471_5585925303461042032_n_Copy22780647 1955748624700481_4620878770388835153_n_Copy

 

ALBUQUERQUE EM TESTES

ALBUQUERQUE EM TESTES COM A LIGIER

 

  Depois da passagem por Protimão, o piloto portugues  Filipe Albuquerque esteve em Magny-Cours a testar com a Ligier. Terá sido as peças do “joker”?!?

 

SEGUNDO A OPINIÃO DO COMENTADOR EUROSPORT JOÃO CARLOS COSTA

SEGUNDO A OPINIÃO DE JOÃO CARLOS COSTA

 

COMENTADOR EUROSPORT

 

 Bring a chair team for Daytona.

 

WEC 2017

  1. A Toyota está quase quase segura no WEC, o que quer dizer que as regras para 2018/2019 agradam aos japoneses. Será um passeio triunfal... escondido numa pertença batalha com os outros LMP1 não híbridos.

 

WEC 2017 - DOBRADINHA TOYOTA EM FUJI

  1. Thomas Laurent terá uma merecida primeira hipótese de guiar um LMP1-h quando se sentar no Toyota no rookie-test a realizar no Bahrain.

 

ECURIE ECOSSE

 

Penalty denies Ecurie Ecosse dream Le Mans Cup finale in Portimao
 

The final round of the Le Mans Cup proved to be bitter-sweet for Ecurie Ecosse as the team travelled to Portimao this weekend (20-22 October). A strong run in qualifying and then a great first stint from Tony Wells ultimately yielded a fifth-place finish as Colin Noble struggled with the handling of his Ligier.
alt

With second position in the championship all but wrapped up, the Nielsen Racing prepared team were looking to add to their great run of four podiums already secured. The weekend got off to a strong start with both Wells and Noble running in the top four in practice, before a great lap in qualifying from the former gave Ecurie Ecosse a front row start for the season finale.

alt

Wells made a great start, briefly taking the lead of the race before settling into second position behind the dominant #3 Norma entry. Under pressure from the Pro-driver in the #14, Wells allowed the car through to claim second position, aware that that would come back to Ecurie Ecosse later in the race. It was a fine stint from Wells who pitted third having kept the #79 Ligier very much in the hunt for the win.

Noble was immediately on the pace as ever, quickly clearing the #14 to close on the #3 Norma in the race lead. Catching is one thing and passing another as despite Noble’s best efforts, he was unable to make the pass. Later the race winning #3 would be excluded for fuel irregularities adding further frustration to the race weekend.

He continued to push hard to try and gain the lead, but found his tyres going away and as a result, suffered increasingly from understeer which ultimately resulted in two drive-through penalties for track limit infringements. Noble took the chequered flag sixth, later to be promoted to fifth.

The result gives the team 90 points, second in the standings as they now begin preparations for the 2018 challenge ahead.

David ‘Sven’ Thompson, Team Manager Nielsen Racing

"We’re P2 in our first season so there’s a lot of positives, many more than there are negatives. Today we should have finished second or third and we were fifth, so that’s not a positive. But a great effort from all of the team who have performed flawlessly and now we refocus on our plans for next year and take away the lessons learned this."

alt
Tony Wells

“I had a great time, a really good stint. I made a great start. I was told to go to squeeze them into turn one and go around the outside and cut back in for two. That’s exactly what I did and it was very satisfying. It was a great run after that and I let the #14 through as I knew that Colin would get it back later on. From there it was a fairly simple.”

alt
Colin Noble

“Tony did a really good job, good off the start, good off the safety car restarts too and he handed to me with a good gap. But then I had a lot of understeer that got progressively worse over the rest of the race and I struggled to keep it on the track. Then I got the drive through penalty. But a good season as a whole with some highs and lows, and it’s just a shame we couldn’t end the year on a high.”

Next...

Drivers interested in joining the team for the 2018 season can now apply here

alt
alt
alt

 

ELMS PORTIMÃO

  1. Filipe Albuquerque vice-campeão do European Le Mans Series

    Filipe Albuquerque é, pela segunda vez, vice-campeão do European Le Mans Series depois do segundo lugar conseguido esta tarde na última prova da época em Portimão. O piloto português e o seus companheiros de equipa não conseguiram a vitória nem chegaram ao título mas estão felizes pelo vice-campeonato.

    A penalização imposta no decorrer da corrida ao trio do Ligier com o #32 foi determinante para o resultado final: "Começámos da melhor forma. Saímos de quinto, rapidamente nos posicionámos em segundo e pouco depois estávamos na liderança da corrida. Tudo estava no caminho certo quando uma penalização de 55 segundos por excesso de velocidade na via das boxes nos rouba a possibilidade de vitória. Foi frustrante admitir essa decisão, porque estava tudo a correr tão bem e a vitória era certa. Quando entrei em pista tinha muito para recuperar, dei o meu melhor, subi para segundo mas já não dava tempo para mais. Queria muito esta vitória na frente do meu público e fiquei com um sabor agri-doce. Mas pódio é pódio", começou por dizer.

    No que ao Campeonato diz respeito, Filipe sabia que chegar ao título seria uma missão complicada: "Não dependíamos unicamente do nosso desempenho, daí que vencer a corrida teria uma sabor especial, já que o Campeonato seria uma missão quase impossível. Este 'vice' é o reflexo da nossa época: vencemos duas vezes, fomos 3 vezes ao pódio, mas nas restantes corridas fomos vitimas de uma estratégia menos feliz e de penalizações que tornaram o nosso trabalho complicado. Ainda assim, acho que fizemos uma época óptima tendo em conta que os Ligier sempre foram, em termos de performance, inferiores aos Oreca. Mas, as corridas são assim e temos de estar felizes com este resultado, mesmo que comece a parecer sina não conseguir chegar ao título. À terceira não foi de vez, mas pode ser que seja à quarta", rematou o piloto português que dá assim por terminada a sua época desportiva de 2017, centrando já atenções no ano que se avizinha.

    Os resultados do ELMS podem ser vistos em: http://www.europeanlemansseries.com

 

GALERIA DE IMAGENS

GALERIA DE IMAGENS

 

ELMS PORTIMÃO 2017

 

MAIS BASTIDORES

 

Fotos de JoDSC 9501_CopyDSC 9502_CopyDSC 9503_CopyDSC 9504_CopyDSC 9505_CopyDSC 9506_CopyDSC 9507_CopyDSC 9508_CopyDSC 9509_CopyDSC 9510_CopyDSC 9511_CopyDSC 9512_CopyDSC 9513_CopyDSC 9514_CopyDSC 9515_CopyDSC 9516_CopyDSC 9517_CopyDSC 9518_CopyDSC 9519_CopyDSC 9520_CopyDSC 9521_CopyDSC 9522_CopyDSC 9523_CopyDSC 9524_CopyDSC 9525_CopyDSC 9526_Copyão Raposo Photography - www.velocidadeonline.com

 

GALERIA DE IMAGENS

GALERIA DE IMAGENS

 

NOS BASTIDORES DO ELMS EM PORTIMÃO

 

Mais um grupo de imagens dos bastidores no passado fim de semana no circuito de Portimão.

 

Fotos de João Raposo Photography - www.velocidadeonline.comDSC 0269_CopyDSC 0270_CopyDSC 0271_CopyDSC 0272_CopyDSC 0273_CopyDSC 0274_CopyDSC 0275_CopyDSC 0276_CopyDSC 0277_CopyDSC 0278_CopyDSC 0279_CopyDSC 0280_CopyDSC 0281_CopyDSC 0282_CopyDSC 0283_CopyDSC 0284_CopyDSC 0285_CopyDSC 0286_CopyDSC 0287_Copy

 

SEGUNDO A OPINIÃO DE JOÃO CARLOS COSTA

SEGUNDO A OPINIÃO DE JOÃO CARLOS COSTA

 

COMENTADOR EUROSPORT

 

 

Ficou o amargo de boca da penalização, pois a vitória nas 4 Horas de Portimão / ELMS estava no horizonte. Mas fica o segundo lugar, na prova e no campeonato, para Filipe Albuquerque. Não sendo o que todos desejávamos, é mais um grande resultado para o Desporto Motorizado nacional.
Numa nota pessoal: agradecer o convite da RTP e do Paulo Solipa (e consegui evitar a palavra Eurosport no ar...). A milésima foi na casa que me deu a primeira hipótese de fazer carreira ao microfone.

 

ELMS PORTIMÃO

ELMS - PORTIMÃO

 

 

No Algarve à espera do primeiro título de Filipe Albuquerque no ELMS.
A corrida é transmitida na RTP2 das 13 às 17 horas. Quatro horas sem paragens.

 

ELMS PORTIMÃO - BASTIDORES

ELMS PORTIMÃO 2017

 

MAIS BASTIDORES

 

Fotos de JoDSC 9501_CopyDSC 9502_CopyDSC 9503_CopyDSC 9504_CopyDSC 9505_CopyDSC 9506_CopyDSC 9507_CopyDSC 9508_CopyDSC 9509_CopyDSC 9510_CopyDSC 9511_CopyDSC 9512_CopyDSC 9513_CopyDSC 9514_CopyDSC 9515_CopyDSC 9516_CopyDSC 9517_CopyDSC 9518_CopyDSC 9519_CopyDSC 9520_CopyDSC 9521_CopyDSC 9522_CopyDSC 9523_CopyDSC 9524_CopyDSC 9525_CopyDSC 9526_Copyão Raposo Photography - www.velocidadeonline.com

 

ELMS PORTIMÃO

ELMS - PORTIMÃO

 

  1. Filipe Albuquerque sai de quinto em Portimão

  2.  

    Título do ELMS decide-se hoje

    Filipe Albuquerque vai largar para as 4h de Portimão do quinto lugar da grelha, resultado conseguido hoje na sessão de qualificação. Uma posição que continua a dar ao piloto português e aos seus companheiros de equipa na United Autosports, Will Owen e Hugo de Sadeller a possibilidade de vencer a corrida.

    As quatro horas de prova no Autódromo Internacional do Algarve serão decisivas. Filipe Albuquerque sabe que não está na melhor posição para chegar ao título uma vez que tem 18 pontos de desvantagem para o primeiro classificado, mas nem assim as suas ambições esmorecem: "O resultado da qualificação demonstra a nossa estratégia que se focou sobretudo na corrida e não tanto na qualificação. Decidimos poupar um jogo de pneus enquanto outras equipas optaram por utilizar dois. Cada um sabe de si. O quinto lugar da grelha para uma prova de quatro horas significa muito pouco e nós mantemos o obejctivo de vencer a corrida e esperar para ver o que acontece aos nossos adversários. Neste momento não temos nada a perder, vamos arriscar um pouco mais sem entrar em loucuras desmedidas. É importante para nós independentemente de tudo, fazer uma boa corrida e dar um bom espectáculo para o público. Não há nada melhor que correr em Portugal", rematou Filipe Albuquerque.

    As 4h de Portimão arrancam hoje pelas 13h com transmissão em directo na RTP2 e no Motorsport TV.

 

ELMS PORTIMÃO

  1. O piloto portugues Filipe Albuquerque sai de quinto para as 4 Horas de Portimão. Os adversários na luta pelo título ELMS (#22) de terceiro.

 

ELMS PORTIMÃO

 

Tudo ou nada para Filipe Albuquerque

Última ronda do ELMS discute-se este fim-de-semana em Portimão

Filipe Albuquerque já está em Portimão onde vai disputar a última ronda do European Le Mans Series. O piloto português é segundo nas contas do Campeonato e ainda pode, matematicamente, chegar ao título do Campeão. Título esse, que lhe escapou por duas vezes em edições anteriores.

Para Filipe é o tudo ou nada numa jornada onde precisa de fazer a ‘pole’, vencer a corrida e esperar que os seus mais directos adversários não façam melhor que sexto lugar. Contas complicadas que não esmorecem as ambições de Filipe: “Vamos entrar para ganhar isso é certo pois não podemos ter outras ambições. As contas não são fáceis é certo, mas nem eu, nem os meus companheiros de equipa vamos baixar os braços. Até à bandeirada xadrez há campeonato! Tenho a vantagem de estar a correr em casa com o apoio da família, dos amigos e do público português que é sempre fantástico. Quero acreditar que desta vez as coisas vão acontecer…”, disse Filipe Albuquerque que espera que o público aceda em massa ao Circuito de Portimão.

Mas para aqueles que não puderem deslocar-se a Portimão, haverá a opção de acompanhar a corrida em directo na RTP2 no Domingo a partir das 13h.a279 Copya280 Copy

 

ELMS PORTIMÃO - BASTIDORES

ELMS PORTIMÃO

 

NOS BASTIDORES

 

Grupo de imagens referente aos bastidores este fim de semana na pista de Portimão.

 

Fotos de JOão Raposo em Portimão - www.velocidadeonline.comDSC 9479_CopyDSC 9481_CopyDSC 9482_CopyDSC 9483_CopyDSC 9484_CopyDSC 9485_CopyDSC 9486_CopyDSC 9487_CopyDSC 9490_CopyDSC 9491_CopyDSC 9492_CopyDSC 9493_CopyDSC 9494_CopyDSC 9495_CopyDSC 9496_CopyDSC 9497_CopyDSC 9498_CopyDSC 9499_CopyDSC 9500_CopyDSC 9501_CopyDSC 9503_CopyDSC 9504_CopyDSC 9505_CopyDSC 9506_CopyDSC 9507_CopyDSC 9508_CopyDSC 9509_Copy

 

ELMS PORTIMÃO - O DUELO EM PISTA

ELMS PORTIMÃO 2017

 

O DUELO EM PISTA

 

 

 

  1. Será este o duelo este fim de semana na pista de Portimão, onde a vitória final no campeonato será feita entre estas duas equipas, na qual se inclui o piloto portugues Filipe Albuquerque.

 

HORÁRIO ELMS - 4 HORAS DE PORTIMÃO

  1. O  horário para as 4 Horas de Portimão.

 

VILLORBA CORSE EM PORTIMÃO

 

Cetilar Villorba Corse at the 2017 ELMSshowdown inPortimao

 

First LMP2 attempt in Portugalfor the Italian team with Lacorte / Sernagiotto / Belicchi and the #47 Dallara

 

a249 Copya250 Copy.The maingoal is to end their first LMP2 season in style. Cetilar Villorba Corseis ready for the sixth and last round of the 2017 European Le Mans Series2017 in Portugal. Italian team will be in action from October 20 to 22 taking part in the 4 Hours of Portimao, a modern track with a “classic taste” withits up and downhill sections and blind bends where the squad led by Raimondo Amadio will make its LMP2 debut with racing driversRoberto Lacorte, Giorgio Sernagiottoand Andrea Belicchion #47Dallara P217 powered by Gibson. Thirty-five cars are expected to compete in Portimao: on Sunday, October22, the race will start at 13:00 (14:00 CET; live streaming on www.europeanlemansseries.com).

Team Principal Amadiosays:Portimao will mark the end of a very long season that, among several commitments, meant our debut in the LMP2 class and our first time at the 24 Hours of Le Mans. An analysis is about to come but for nowwe just want to stay focused on this final round. Itwill be far from an easy weekend because of the difficulty of the track that we are facing for the first time with a LMP2 prototype. Very important for us is to be protagonists of a consistent race without making mistakes and to end it hoping for a good result.

 

HAAS NO G.P.ESTADOS UNIDOS

 

Regresso a #Haastin

Circuit of the Americas Dá as Boas-Vindas à Haas F1 Team

 

 Desde que começou haver uma noção de uma equipa americana, quando em Janeiro de 2014 Gene Haas respondeu ao desafio da FIA para ingressar na Fórmula 1, que os nomes da Haas e do Circuit of the Americas estão inexoravelmente ligados.

 

Antes da Haas F1 Team, desde 1986 que não havia uma equipa de Fórmula 1 americana. E antes do Circuit of the Americas, ou COTA como é mais conhecido, não havia uma corrida de Fórmula 1 em solo americano desde 2007, quando foi disputado na Indianapolis Motor Speedway o Grande Prémio dos Estados Unidos.

 

O COTA voltou a colocar a Fórmula 1 no mapa americano quando se tornou no primeiro circuito construído propositadamente para a Fórmula 1. Construído em 2011 e albergando a Fórmula 1 pela primeira vez em 2012, o COTA, e a sua “cidade de residência”, tornou-se num destino para a indústria da Fórmula 1, que visitará a cidade da Violet Crown pela pela quinta vez, quando o Grande Prémio dos Estados Unidos se iniciar no próximo fim-de-semana.

 

Coincidentemente, Gene Haas assegurou a sua primeira vitória na NASCAR Sprint Cup Series em 2011, quando o seu piloto e sócio, Tony Stewart, venceu o campeonato de forma épica ao bater Carl Edwards no desempate. Os dois terminaram a temporada empatados no número de pontos, mas as cinco vitórias de Stewart sobrepuseram-se ao triunfo de Edwards.

 

Esse campeonato colocou a Stewart-Haas Racing (SHR) na elite das equipas que venceram campeonatos de NASCAR. Três anos mais tarde e seis anos depois da sua estreia, a SHR venceu o seu segundo título com Kevin Harvick, em 2014. A organização está novamente na luta pelo ceptro deste ano, com Harvick no no comando do campeonato.

 

Gene Haas fundou a Haas Automation em 1983 e desde então transformou a companhia sediada em Oxnard, Califórnia, na maior companhia de construção de máquinas CNC da América do Norte e demonstra ter pelo automobilismo mais que uma paixão. É um pilar no crescimento da sua companhia e parte do ADN da Haas Automation. O envolvimento de Gene Haas na Fórmula 1 deve-se parcialmente ao desafio da competição, mas também ao crescimento da Haas Automation para lá da América do Norte.

 

“De um ponto de vista internacional, a Fórmula 1 é o escalão mais elevado do desporto automóvel e a Haas Automation constrói ferramentas mecanizadas da mais elevada qualidade”, afirmou Haas. “Quando ouvimos ‘F1’ sabemos exactamente o que é – uma competição global que demonstra a mais recente tecnologia e atrai os melhores talentos de engenharia e design. A Haas Automation tem uma excelente reputação no Estados Unidos e pretendo que essa reputação cresça a nível mundial. Ligar a Haas Automation à Fórmula 1 através do nome e da prática é a melhor forma para fazer crescer o nosso negócio e elevar a Haas Automation a uma marca global premium”.

 

O COTA funciona como um componente-chave para a visão de Gene Haas.

 

“Como uma equipa americana, ter uma corrida de Fórmula 1 em solo americano é incrivelmente importante”, disse Haas. “Quando chegámos o ano passado a Austin, penso que provamos que poderíamos encarar as equipas estabelecidas de igual para igual. Tivemos uma entrada na Fórmula 1 bem-sucedida. Alcançámos a maior parte dos nossos objectivos, mas verdade ultrapassámos as expectativas que tínhamos no início da época. Agora, regressamos com uma temporada no nosso currículo. Temos marcado pontos consistentes e já marcámos mais pontos. Mas podemos ainda ser melhor e poderemos mostrar o nosso crescimento e o que podemos fazer em casa, o que será muito gratificante.”

 

Em vez de Austin, talvez devamos chamar de #Haastin, uma vez que o cinzento e o vermelho, as cores da Haas F1 Team, são prevalentes na cidade e na pista.

 

Estas cores podem ser orgulhosamente exibidas pela Haas F1 Team no COTA, quando está evolvida numa acirrada luta no meio do pelotão contra equipas que têm décadas de experiência. O Grande Prémio dos Estados Unidos é a quarta corrida antes do final da temporada de 2017 e, graças a um resultado com ambos os pilotos nos pontos no Grande Prémio do Japão, no Circuito de Suzuka, a Haas F1 Team ultrapassou a equipa de fábrica da Renault para recuperar o sétimo posto no Campeonato de Construtores. Depois de ter chegado ao Japão a cinco pontos da Renault, a equipa americana saiu de lá com um ponto de vantagem sobre a Renault, tendo igualmente diminuído a sua desvantagem para a Toro Rosso, a sexta classificada, para nove pontos.

 

Os pontos são sempre o objectivo da Haas F1 Team e ambos os pilotos já terminaram entre os dez primeiros no COTA. Na segunda participação no traçado de 5,513 quilómetros e vinte curvas, em 2013, Romain Grosjean terminou no segundo lugar, atrás do Red Bull de Sebastian Vettel, o melhor resultado da sua carreira. É um dos três resultados nos pontos que Grosjean alcançou em cinco arranques no COTA. O seu colega de equipa, Kevin Magnussen, terminou nos pontos na primeira vez que esteve no COTA, em 2014, quando terminou em oitavo. E na sua segunda corrida de Fórmula 1 no COTA, o ano passado, Magnussen cruzou a linha de meta num respeitável décimo segundo posto.

 

Com uma história de pontos no COTA e de pontos nas suas corridas mais recentes, no Japão, a Haas F1 Team chega a casa a apontar na direcção certa.

Circuit of the Americas

 

Perímetro: 5,513  km

Voltas: 56

Distância: 308,405 km

Transmissão: Sport TV5 – 20h00

 

 

Sobre a Haas Automation

A Haas Automation, Inc. é o construtor de máquinas CNC líder na América. Fundada em 1983 por Gene Haas, a Haas Automation constrói uma linha completa de centro de maquinação verticais e horizontais, centros basculantes, mesas rotativas, etc. Todos os produtos da Haas são construídos na fábrica de 93.000m2 da empresa, sediada em Oxnard, Califórnia, e distribuídas através de uma rede mundial de Haas Factory Outlets que fornecem à indústria os melhor serviço de venda, serviços e apoio, enquanto oferece uma relação custo/performance sem paralelo. Para mais informação visitar www.HaasCNC.com.

 

Sobre a Haas Factory Outlet - Portugal             

A Haas Automation, Inc está representada em Portugal através da Haas Factory Outlet – Portugal. Um empresa situada nos arredores do Porto, perto do Aeroporto Francisco Sá Carneiro. Desta forma, pode aceder aos produtos da Haas Automation e todos os seus serviços. Para mais informação visitar haasportugal.com/ ou facebook.com/haasportugal.

 

 

A viagem ao Estremo Oriente envolveu muitos altos e baixos para a Haas F1 Team. Tiveram que recuperar de dois acidentes – um na Malásia e outro no Japão – ainda assim, conseguiram somar sete pontos para recuperar o sétimo lugar no Campeonato de Construtores. Descreva a forma como a equipa geriu essa adversidade e conseguiu resultados quando foi tempo de competir.

“Em dois dos três fins-de-semana conseguimos pontos, que é sempre o nosso objectivo. É claro que tornámos a nossa tarefa mais difícil com os acidentes nas sessões de treinos-livres – isso não ajuda. Mas o que provámos é que os nossos mecânicos conseguem gerir essas situações. É evidente que eles prefeririam não ter que mudar todas aquelas peças do carro durante a noite, mas foi feito de forma diligente. Os carros não tiveram problemas quando foram para as corridas. Estavam em boa forma. Conquistar pontos em duas de três corridas foi um sucesso. É muito duro e manter o sétimo lugar no Campeonato de Construtores será desafiante. Não vamos desistir. Vamos lutar.”

 

Esses pontos foram mais gratificantes para os mecânicos, sabendo o que tiveram que recuperar para assegurar esses resultados?

“É claro. São pessoas que fazem isto há muito tempo e sabem que os resultados aconteceram por causa deles. Todos estão do lado deles e estão orgulhosos do que fizeram.”

 

O Japão foi, obviamente, o momento alto do périplo pelo Extremo Oriente, com ambos os carros nos pontos. Esse resultado foi importante, quando a equipa vai agora para a sua corrida caseira – o Grande Prémio dos Estados Unidos da América?

“É sempre motivador. Estes homens trabalham para o sucesso. Para nós, o sucesso é marcar pontos. Marcámos pontos com ambos os carros pela segunda vez desde que entrámos na Fórmula 1, que foi há menos de dois anos. Todos estão entusiasmados e agora vamos para os Estados Unidos da América, o país da Haas F1 Team. É claro que motivador e todos querem continuar assim.”

 

O Circuito de Suzuka, no Japão, tem sido uma pista onde a Haas F1 Team se mostrou muito forte. Foi a primeira pista onde a equipa colocou ambos os carros na Q3 e foi o cenário onde a equipa somou pontos com ambos os carros pela segunda vez. Por que motivo essa pista parece fazer sobressair as melhores características da Haas F1 Team?

“O nosso carro, este ano e o ano passado, é muito bom em circuitos técnicos com curvas de alta-velocidade. Talvez tenhamos um pouco de sorte, também. Diria que Suzuka é um dos circuitos mais, se não for o mais, técnicos do calendário. Muito de carro tem que ser bom e os pilotos precisam de estar ao seu melhor nível. Tudo correu bem nos dois anos em que lá estivemos.”

 

De que forma tentam transferir os bons resultados do Japão para mais uma boa classificação no COTA?

“Não há uma receita. Vamos para a primeira sessão, vemos onde estamos, e partir daí tentamos evoluir. Como digo habitualmente, realizar previsões este ano, no meio do pelotão, é impossível. Ninguém consegue prever. As pessoas colocaram-nos de parte depois da Malásia. Disseram que tínhamos marcado os nossos últimos pontos. Depois fomos para o Japão e marcámos pontos com os dois carros. Tudo pode acontecer. Não depende apenas do que fazemos, mas também do que as outras equipas fazem. Isso é óbvio, mas ao ser muito competitivo, tudo pode acontecer. No ano passado marcámos um ponto no COTA e este ano vamos tentar fazer melhor.”

 

Disse anteriormente que algumas evoluções técnicas para o Haas VF-17 estavam planeadas para o COTA. Quais são?

“É a última evolução para o carro deste ano. As modificações serão realizadas nas derivas laterias e no fundo plano. Será fácil reconhecê-las, quando virem o carro.”

 

Relativamente às evoluções técnicas, o processo entre a ideia original e a montagem no carro é muito longo?

“Depende da evolução. Depende se as peças são muito grandes e intricadas. Por vezes encontramos algo que é melhor, mas não é eficiente fazê-lo, portanto, temos que esperar ter mais componente para colocar no carro. Pode variar entre um a três meses.”

 

Apesar das equipas terem parado o desenvolvimento dos seus respectivos carros, o meio do pelotão parece mais competitivo que nunca. Isto deve-se ao facto de agora as equipas conseguirem tirar o máximo partido do que têm? Se é, de que forma podem evoluir nas últimas corridas?

“Para encontrar a afinação certa, os pneus têm que funcionar. Ao longo de todo este ano, colocar os pneus funcionar correctamente tem sido o mais importante. É nisso que nos estamos a focar.”

 

O Grande Prémio dos Estados Unidos é importante para a Haas F1 Team e para o reconhecimento da Fórmula 1 na América?

“O COTA é uma prova muito reconhecida. Na Fórmula 1 todos gostam dela. Têm boas vendas de bilhetes – mas do que um quarto de milhão de pessoas vão ao circuito – o que é fantástico. A pista é muito excitante. Não há nada de negativo a dizer sobre o COTA. Adiccionou algo de muito bom ao calendário, ao marcar presença novamente na Fórmula 1, que é a maior economia do mundo. Penso que todos anseiam por ir lá e muita gente está ansiosa por assistir à corrida pela TV.”

 

Gostaria de ver outra corrida de Fórmula 1 na América?

“Claro, gostaria que todas as corridas fossem na América. Teríamos menos viagens! É evidente, que isso não pode ser, mas uma ou duas corridas, penso que é possível. Deveria ser numa grande cidade, onde existisse uma grande população e onde houvesse uma grande base de fãs. Miami, Los Angeles e Nova Iorque seriam locais fantásticos, até Las Vegas poderia funcionar. Creio que não há falta de lugares aonde ir. A questão é mais aonde podemos ir o mais rapidamente possível.”

 

Outra corrida na América seria benéfico ou prejudicial para a presença do COTA na Fórmula 1?

“Existe mercado suficiente para termos uma segunda corrida nos Estados Unidos da América. É um país grande. Desde que não seja próxima de Austin, penso que poderia funcionar.”

 

Austin tornou-se num destino para a Fórmula 1 à semelhança do que aconteceu com Singapura e Mónaco. Por que motivo a cidade ressoa tão bem entre a comunidade da Fórmula 1?

“É uma cidade porreira. Há muita coisa que as pessoas podem fazer que não encontram noutro local. Não é como outras cidades aonde vamos. É uma cidade porreira com uma boa energia. As pessoas gostam disso. O clima é bom, a pista é boa e os edifícios de apoio também. É por isso que todos adoram ir a Austin.”

 

Foi anunciado que 2017 será o último ano da NBC como televisão que transmite a Fórmula 1 para os Estados Unidos da América para em 2018 esse papel ser realizado pela ESPN. A NBC transmitiu a Fórmula 1 exclusivamente desde 2013 e foi importante para a promoção da Haas F1 Team na sua época de estreia, o ano passado. Pode apontar de que forma a NBC contribuiu para o crescimento da Fórmula 1 na América?

“Quando vemos alguém partir – alguém que realizou um bom trabalho e nos ajudou a crescer – é triste. A NBC apoiou-nos e acreditou em nós e temos uma excelente relação com a sua equipa. Sabem do que estão a falar – são entendidos. É triste ver pessoas, companhias irem para outro lado. Em nome da Haas F1 Team, gostaria de agradecer a todos os envolvidos, desde os produtores, cameraman’s, repórteres e comentadores – ajudaram-nos muito.”

 

 

 

A viagem ao Estremo Oriente envolveu muitos altos e baixos para a Haas F1 Team. Tiveram que recuperar de dois acidentes – um na Malásia e outro no Japão – ainda assim, conseguiram somar sete pontos para recuperar o sétimo lugar no Campeonato de Construtores. Descreve a forma como a equipa que geriu essa adversidade e conseguiu resultados quando foi tempo de competir.

“Penso que foi um bom périplo de três corridas pela Ásia. Tivemos altos e baixos, mas no geral, aprendemos bastante, especialmente depois de Sepang – ao acertar nas afinações de Suzuka. Um resultado nos pontos com ambos os carros foi muito bom. Em Singapura, salvámos o que podíamos. Não eramos muito performantes, mas tivemos uma boa corrida. No Japão encontrámos a afinação correcta para os pneus, portanto foi bom.”

 

O Japão foi, obviamente, o momento alto do périplo pelo Extremo Oriente, com ambos os carros nos pontos. Esse resultado foi importante, quando a equipa vai agora para a sua corrida caseira – o Grande Prémio dos Estados Unidos da América?

“É importante para o Campeonato de Construtores, dado que a luta é muito dura. Austin é sempre especial para nós. Mostra que estamos a crescer. Vamos lá pela segunda vez na nossa história e isto depois de um oitavo e nono lugares, o que é muito bom.”

 

O Circuito de Suzuka, no Japão, tem sido uma pista onde a Haas F1 Team se mostrou muito forte. Foi a primeira pista onde a equipa colocou ambos os carros na Q3 e foi o cenário onde a equipa somou pontos com ambos os carros pela segunda vez. Por que motivo essa pista parece fazer sobressair as melhores características da Haas F1 Team?

“É uma combinação de diversas coisas. É uma pista de pilotos, onde podemos tentar fazer a diferença. O ano passado encontrámos uma boa afinação e tentámos usá-lo novamente este ano, mas não creio que se deva à pista. Penso que temos estado bem também em outros locais, este ano. No geral, diria que os circuitos de alta-velocidade são melhores para nós que os de baixa-velocidade.”

 

De que forma tentam transferir os bons resultados do Japão para mais uma boa classificação no COTA?

“A verdade numa corrida não é a verdade na seguinte. Foi um bom para um resultado para nós, para o Gene (Haas) – que estava lá – foi um momento de orgulho. Estou orgulhoso por todos nós, mas para Austin temos que nos focar no que podemos fazer. Temos que ter a afinação correcta, ter as ferramentas correctas e trabalhar, como usualmente. Tivemos um bom resultado no Japão, mas não significa que aconteça necessariamente o mesmo em Austin. Temos que trabalhar arduamente para conseguir resultados.”

 

Ao ingressares na Haas F1 Team, deste um salto de fé para a visão que o Gene Haas tinha para uma equipa de Fórmula 1 americana. Como tem sido fazer parte deste desafio e o que torna a Haas F1 Team  numa equipa diferente das outras?

“Penso que todas as equipas são diferentes, mas temos o Gene, que adora corridas. É o dono de equipa fantástico. Está muito envolvido. Adora tudo isto. Está sempre a tentar compreender tudo e a tirar o máximo de todos. É fantástico de ver. Diria que a equipa funciona como qualquer outra equipa de Fórmula 1, mas sabemos que temos o Gene por detrás de nós. Ele gosta que dêmos o nosso melhor e isso cria um ambiente fantástico.”

 

A Haas F1 Team conquistou muitos objectivos na sua temporada de estreia. Podes descrever o crescimento da equipa este ano e, especificamente, como conseguiu superar os resultados do ano passado?

“Nunca percebemos o que poderemos crescer até vermos o que estamos a fazer. Relativamente ao nosso início, a equipa é agora muito mais experiente e mais forte. São muitas as coisas que podemos melhorar. Desde o primeiro dia que a equipa cresceu em todas as áreas. Temos aspectos em que somos menos fortes. Somos melhores estrategicamente, temos melhor engenharia, melhores mecânicos – tudo é mais bem organizado. As coisas são o que são quando começamos, depois crescemos. Sabemos aonde podemos ainda melhorar a equipa e sabemos que temos margem de progressão, portanto, isso é bom para o futuro. Quando pensamos que a maior parte das equipas estão no seu máximo, sabemos o que poderemos fazer para melhorar. Mostra que poderemos ter um futuro brilhante.”

 

Estás a competir por uma equipa americana no Grande Prémio dos Estados Unidos. Isto intensifica o significado e o teu sentido de orgulho quando caminhas no paddock ou sais da garagem?

“Sim, é fantástico lá ir. Sempre gostei de Austin, mas desde que sou pilotos da Haas, adoro-o. Nunca tive a possibilidade de ter um piloto no meu país – isso acontecerá no próximo ano em França – mas em Austin posso representar a América.”

 

A Fórmula 1 regressou aos Estados Unidos no COTA, em 2012, depois de quatro anos de ausência. Participaste nessa corrida. Qual foi a reacção das pessoas no regresso da Fórmula 1 à América?

“Foi fantástica. Tínhamos muito adeptos e as pessoas foram ao circuito para nos verem. É um grande evento e uma das melhores novas pistas que tivemos durante algum tempo. A pista é fantástica, a cidade muito simpática, foi uma experiência muito boa.”

 

Quando competiste pela primeira vez no COTA, o que pensaste do circuito?

“Foi um evento muito simpático e bem organizado. A cidade é fantástica. Havia muitos bares e concertos a acontecerem na cidade e as pessoas vieram de todo o país para assistir à corrida. Foi fantástico.”

 

Igualaste a tua melhor classificação na Fórmula 1 no Grande Prémio dos Estados Unidos de 2013. Fala-nos dessa corrida.

“Foi uma corrida fantástica. Arranquei de terceiro e consegui efectuar uma boa partida. Não acreditávamos que pudéssemos manter a Red Bull Racing no nosso encalço. Tínhamos um bom carro e, no final, eu tive uma boa corrida.”

 

A primeira curva do COTA é no topo de uma colina – uma esquerda cega e apertada que envia os pilotos para uma secção inspirada no complexo de Maggotts – Becketts – Chapel, em Silverstone. Como abordas essa curva, sabendo que existe um momento em que não sabes o que há do outro lado?

“Sabemos que ninguém virá no sentido errado, isso ajuda bastante quando chegamos à curva. O mais importante é focarmo-nos naquilo que interessa no momento certo. Primeiro o ponto de travagem, depois o ponto de viragem e, então, o apex e a saída. Sim, é uma curva cega, mas uma vez no ritmo, fazemos tudo passo a passo e não há surpresas.”

 

O COTA tem sido descrito como o circuito de Fórmula 1 com mais oportunidades de ultrapassagem. Isto é correcto e, se for, o que torna o COTA melhor que outros para as ultrapassagens?

“Não é assim tão simples ultrapassar no COTA. Temos uma recta enorme, recta das traseiras, o que ajuda, é claro, com o DRS. A travagem para a Curva 1 é muito larga e temos algumas possibilidades ali. Mas, por outro lado, é muito complicado seguir alguém no primeiro sector, e na longa direita antes das últimas duas curvas.”

 

Qual é a tua zona preferida do COTA?

“Todo o Sector 1.”

 

Descreve uma volta ao COTA.

“Primeiro travamos na zona larga da pista, a caminho da Curva 1. Depois temos uma zona complicada para a tracção, a descer, no sector 1. É de altíssima velocidade – muito semelhante a Silverstone. Aqui tentamos manter uma velocidade elevada. Depois vamos para o gancho, antes de começarmos a recta traseira, novamente, queremos ter boa tracção. Temos uma travagem muito forte e depois, uma direita a rápida, feita quase a fundo na qualificação. Mais tarde temos as duas últimas curvas, de velocidade média, que são muito interessantes, vamos a descer para a primeira e a segunda a subir para terminarmos a volta.”

 

Austin tornou-se num destino para a Fórmula 1 à semelhança do que aconteceu com Singapura e Mónaco. Por que motivo a cidade ressoa tão bem entre a comunidade da Fórmula 1?

“Penso que por ser o Grande Prémio dos Estados Unidos. Austin é uma cidade fantástica, recebe, também, muitos adeptos. Para além disso, existe uma grande atmosfera em redor da pista.”

 

Já pudeste explorar Austin e qual é a área da cidade de que mais gostas?

“Já conheci um pouco de Austin. A vida nocturna é fantástica. Durante o dia existem alguns centros comerciais simpáticos. Este ano vamos andar de bicicleta para conhecer mais. É um local fantástico.”

 

 

 

 

 

 

A viagem ao Estremo Oriente envolveu muitos altos e baixos para a Haas F1 Team. Tiveram que recuperar de dois acidentes – um na Malásia e outro no Japão – ainda assim, conseguiram somar sete pontos para recuperar o sétimo lugar no Campeonato de Construtores. Descreve a forma como a equipa que geriu essa adversidade e conseguiu resultados quando foi tempo de competir.

“Fizemos o que tínhamos a fazer. Obviamente, fiquei satisfeito com os resultados no Japão. É bom regressar ao sétimo lugar, mas será um grande desafio manter essa posição para o restante ano. Vamos dar o nosso melhor.”

 

O Japão foi, obviamente, o momento alto do périplo pelo Extremo Oriente, com ambos os carros nos pontos. Esse resultado foi importante, quando a equipa vai agora para a sua corrida caseira – o Grande Prémio dos Estados Unidos da América?

“Penso que era o melhor resultado que poderíamos alcançar no Japão. Vamos esperar ser fortes também na América. Seria fantástico ter um bom resultado em frente ao público da equipa.”

 

O Circuito de Suzuka, no Japão, tem sido uma pista onde a Haas F1 Team se mostrou muito forte. Foi a primeira pista onde a equipa colocou ambos os carros na Q3 e foi o cenário onde a equipa somou pontos com ambos os carros pela segunda vez. Por que motivo essa pista parece fazer sobressair as melhores características da Haas F1 Team?

“Penso que tirámos o máximo partido da situação. Não foi por que eramos suficientemente rápidos para lá estar. Mostrámos isso na qualificação. Tirámos o máximo de partido numa corrida com muitos acontecimentos e marcámos pontos com ambos os carros.”

 

A Haas F1 Team conquistou muitos objectivos na sua temporada de estreia. Podes descrever o crescimento da equipa este ano e, especificamente, como a comparas com as outras equipas para as quais pilotaste?

“Foi fantástico. Temos mais pessoas a chegar. Estamos a melhorar e a crescer em todas as áreas. É fantástico ver a equipa a seguir na direcção certa.”

 

Estás a competir por uma equipa americana no Grande Prémio dos Estados Unidos. Isto intensifica o significado e o teu sentido de orgulho quando caminhas no paddock ou sais da garagem?

“É fantástico estar numa equipa americana, competir numa pista americana.”

 

Quando competiste pela primeira vez no COTA, o que pensaste do circuito?

“É uma pista porreira. É uma das melhores pistas novas do calendário da Fórmula 1. Fizeram um bom trabalho.”

 

A primeira curva do COTA é no topo de uma colina – uma esquerda cega e apertada que envia os pilotos para uma secção inspirada no complexo de Maggotts – Becketts – Chapel, em Silverstone. Como abordas essa curva, sabendo que existe um momento em que não sabes o que há do outro lado?

“A zona de travagem é a subir, portanto, podemos travar bastante tarde. Não conseguimos ver o apex da saída, mas a pista é tão larga que podemos escolher trajectórias diferentes.”

 

O COTA tem sido descrito como o circuito de Fórmula 1 com mais oportunidades de ultrapassagem. Isto é correcto e, se for, o que torna o COTA melhor que outros para as ultrapassagens?

“É certamente uma das melhores pistas para ultrapassar. Oferece sempre bons espectáculos.”

 

Qual é a tua zona preferida do COTA?

“O sector um. Gosto simplesmente por que é rápido.”

 

Descreve uma volta ao COTA.

“Grande, largo e subidas e descidas.”

 

Austin tornou-se num destino para a Fórmula 1 à semelhança do que aconteceu com Singapura e Mónaco. Por que motivo a cidade ressoa tão bem entre a comunidade da Fórmula 1?

“A cidade é fantástica para sair. Tem restaurantes fantásticos e locais fantásticos para nos divertirmos. Ter uma corrida de Fórmula 1 lá é o pacote perfeito para ter um bom fim-de-semana.”

 

O teu pai, Jan, conseguiu realizar uma carreira de GT impressionante nos Estados Unidos da América, tendo recentemente vencido o título de pilotos e equipas GTLM da IMSA de 2017. Como é ter carreiras paralelas, ainda que em competições diferentes?

“Penso que é fantástico. Ele tem uma carreira de vinte anos nos Estados Unidos da América. Sempre o segui e tenho estado em muitas corridas. Sempre gostei do automobilismo americano. Talvez um dia, quando terminar a minha carreira de Fórmula 1, possa explorar as corridas na América.”

 

O teu pai disse que, para vencer o título, ele e a equipa tiveram que se superar nos maus fins-de-semana e tirar o máximo partido nos bons fins-de-semana. É isto que são as corrias, e esta filosofia é aplicável ao que tu fazes com a Haas F1 Team?

“Vencer um Campeonato – é muitas vezes minimizando os momentos mais baixos, invés de conquistar bons resultados episódicos. Tudo tem a ver com consistência e penso que isso é o que temos feitos este ano. Na Haas F1 Team não estamos a lutar pelo campeonato. A nossa situação é um pouco diferente. Temos apenas que marcar o máximo de pontos que pudermos. Nem sempre somos naturalmente rápidos para estarmos nos pontos. Temos que tentar verdadeiramente e superar-nos nos nossos melhores fins-de-semana para alcançar esses pontos.”

 

 

 

Circuit of the Americas

  • Número de voltas: 56 
  • Distância de corrida 308,405 quilómetros
  • Velocidade na via das boxes: 80 Km/h
  • Este circuito de 5,513 quilómetros e 20 curvas alberga o Grande Prémio dos Estados Unidos desde 2012, sendo esta edição a quarta.
  • Sebastian Vettel detém o recorde da volta ao COTA (1m39,347s), assinado em 2012 ao serviço da Red Bull.
  • Sebastian Vettel detém o recorde da volta de qualificação ao COTA (1m35,657s), assinado em 2012 ao serviço da Red Bull durante a Q3.
  • O COTA é realizado no sentido contrário dos ponteiros do relógio – um dos cinco circuitos dos vinte e um que compõem o calendário deste ano da Fórmula 1, juntando-se ao Azerbaijão, Singapura, Brasil e Abu Dhabi. Apenas 14% da volta ao COTA é realizada a travar, com os pilotos a rodarem com o acelerador a fundo cerca de 60%. Rápidas mudanças de direcção de alta velocidade caracterizam o traçado entre as curvas 2 e 10, com o primeiro sector a assemelhar-se ao complexo de Silverstone, Inglaterra, de Maggotts – Becketts – Chapel. O final da volta, entre as curvas 12 e 20, antes de alcançarem a recta da meta, apresenta combinações de baixa velocidade, sobretudo de segunda velocidade. A longa recta das traseiras, contudo, impede as equipas de apresentarem configurações de máximo apoio aerodinâmico, dado que os pilotos têm que ter uma elevada velocidade máxima para poderem atacar ou defender a posição na aproximação da apertada Curva 12. Esta curva, juntamente com a subida para a Curva 1 e o gancho da Curva 11, fornecem boas oportunidades de ultrapassagem.
  • DYK? A primeira edição do Grande Prémio dos Estados Unidos data de 1950, quando as 500 Milhas de Indianapolis contou para o Campeonato Mundial. Durante onze anos, entre 1950 e 1960, os pontos registados na Indy 500 eram contabilizados no Campeonato do Mundo. Em 1959 a América teve duas corridas de Fórmula 1, quando juntaram a Indianapolis, o Grande Prémio dos Estados Unidos disputado em Sebring (Flórida). Foi a nona e a última etapa de 1959. Em 1960 a Fórmula 1 deslocou-se até Riverside (Califórnia) International Raceway, antes de assentar arraiais durante vinte anos em Watkins Glen International (Nova Iorque), entre 1961 e 1980. De 1976 e 1980, Watkins Glen foi acompanhado pelas provas de Long Beach, Califórnia, no calendário da Fórmula 1. Las Vegas marcou presença por duas vezes (1981 e 1982), com o Grande Prémio do Caesars Palace a ser realizado num parque de estacionamento de um hotel. Em 1982 a América albergou três corridas de Fórmula 1, uma vez que, para além de Long Beach e Las Vegas também Detroit fez parte da temporada. Detroit foi o palco de uma corrida de Fórmula 1 num circuito citadino cheio de ressaltos durante sete anos, tendo o último Grande Prémio sido realizado em 1988. Dallas fez uma aparição única em 1984, quando Fair Park foi convertido num circuito de Fórmula 1 para o Grande Prémio de Dallas. Seguiu-se Phoenix entre 1989 e 1991, antes de uma ausência de nove anos. Mas então, o presidente da Indianapolis Motor Speedway, Tony George, construiu um circuito no meio da histórica oval de 2,5 milhas e a Fórmula 1 regressou com o Grande Prémio dos Estados Unidos em Indianapolis, que decorreu entre 2000 e 2007. Infelizmente, a América caiu da Fórmula 1 novamente. Foi apenas quando o COTA foi construído em 2011, tornando-se no primeiro circuito americano construído especificamente para a Fórmula 1, que a Fórmula 1 pôde regressar à América em 2012 com o Grande Prémio dos Estados Unidos. Desde então, o COTA tem vindo a ser a única casa americana para a Fórmula 1.
  • Durante o Grande Prémio dos Estados Unidos,a temperatura mínima variará entre os 11ºC e os 14ºC e a máxima entre os 26ºC e os 29ºC.
  • A humidade relativa estará entre os 37% e os 92%. O vento variará entre os 0 Km/h e os 24 Km/h, raramente excedendo os 31 Km/h. 

 

  • A Pirelli para o COTA os seguintes compostos:
    • P Zero Amarelo/Macio pouca aderência, menos desgaste (usado para séries longas de voltas)
    • P Zero Vermelho/Supermacio mais aderência, desgaste médio (usado para pequenas séries de voltas e para o segmento inicial da qualificação)
    • P Zero Roxo/Ultramacio maior quantidade de aderência, elevado nível de desgaste(usado para a qualificação e para situações específicas de corridas)
  • Dois dos três compostos disponíveis têm que ser usados durante a corrida. As equipas podem decidir quando querem utilizar cada uma dos compostos, o que proporciona um elemento de estratégia para a corrida. Cada piloto pode usar todos os três tipos de pneus na corrida, se assim desejar.(Se a corrida for disputada com a pista molhada, os Cinturato Azul, pneu de chuva, e o Cinturato Verde, intermédios, estarão disponíveis).
  • A Pirelli fornece a cada piloto 13 jogos de pneus para seco durante o fim-de-semana. Destes 13 jogos, os pilotos e as suas equipas podem escolher a especificação de dez entre os compostos selecionados pela Pirelli. Os três restantes são definidos pela Pirelli – dois pneus de especificação obrigatória  para a corrida (um de P Zero Amarelo/Macio e outro P Zero Vermelho/Supermacio) e um obrigatória para a Q3 (um P Zero Roxo/Ultramacio).
  • Os pilotos da Haas F1 Team escolheram da seguinte forma:
    • Grosjean: um jogos de P Zero Amarelo/Macio, cinco jogos de P Zero Vermelho/Supermacio e sete jogos de P Zero Roxo/Ultramacio
    • Magnussen: dois jogos de P Zero Amarelo/Macio, quatro jogos de P Zero Vermelho/Supermacio e sete jogos de P Zero Roxo/Ultamacio   

 

TF SPORT EM PORTIMÃO - ELMS

 

All to play for as TF Sport heads to ELMS finale at Portimao

 

It’s been a dramatic European Le Mans Series already for TF Sport and heading into the final round of the championship this weekend (20 – 22 October) at Portimao, the British-based team enjoy a one-point advantage at the head of the championship standings.

Aiming for the LM GTE title at their first attempt, TF Sport and drivers Salih Yoluc, Euan Hankey and Nicki Thiim have racked up one win and a further three podiums in their #90 Aston Martin V8 Advantage from the five rounds to date.  

With 87 points on the board and potentially 26 still remaining, there are numerous possibilities but for TF Sport, a second victory of the year would wrap up the title regardless of what their rivals achieve.

alt
Tom Ferrier, TF Sport Director

"We need a clean run. We have the car, team and drivers to win the race and that's the aim. If we do that we will win the championship. We have tested there for two days at the start of the year so know where we are going. It would be lovely to seal the championship for Salih, for AMR and for all the boys involved."

alt
Salih Yoluc

"There is a lot of maths to go into this, but I think we’ll concentrate on going for the win and finish this off. All other options depend on what and how our opponents will do, so this is the only approach this final race.
 
"The car felt good there when we tested back in March. I was happy with my performance. I’m playing the race in my head and also dreaming the end of it too obviously. Hopefully we will get this sorted."

alt
Euan Hankey

"I just want us to do the best we can and hope we don't have anything interrupt us. It's going to be tough after a disappointing race at Spa but I'm hoping we can bounce back in style give the TF boys a result we all deserve."

Click here for the ELMS timetable

Review our ELMS season so far on our official Instagram.

alt
alt
alt

 

SEGUNDO A INFORMAÇÃO DO JORNALISTA JOÃO CARLOS COSTA

SEGUNDO A OPINIÃO DO JORNALISTA JOÃO CARLOS COSTA

 

 

 Não deixa de ser interessante como a perspectiva pode ser diferente dos dois lados do Atlântico. Nós, europeus, a puxarmos pela panaceia DPi para os males de Le Mans e WEC, mesmo se esse campeonato tem apenas uma dezena de carros confirmados para 2018. E um piloto americano a ficar como que magicamente deliciado com a quantidade de protótipos numa grelha do ELMS...

 

ELMS PORTIMÃO - TRANSPORTES

 

Para todos os interessados que queiram ver o ELMS que irá decorrer este fim de semana no AIA para  ver as 4 Horas de Portimão começam a surgir boas novidades. E transportes são fundamentais.

 

SEGUNDO A INFORMAÇÃO DO JORNALISTA JOÃO CARLOS COSTA

  1. Se fosse necessário preciso explicar o que continua a significar a F1 para os pilotos de velocidade este tweet de Brendon Hartley diz tudo...
    Lá no fundo, uma grande grande grande maioria continua a ter isso como meta. Mesmo se digam que não!

 

ORECA TOMA POSIÇÃO

 

ORECA Group responds to ACO's announcements regarding LM P2 class

Following on the press release published Saturday afternoon by the ACO regarding performance adjustments to be made to the LM P2 prototypes of the three other manufacturers, Hugues de Chaunac, President of ORECA Group - major player in endurance and the 24 Hours of Le Mans - wishes to respond.

"ORECA Group acknowledges ACO and FIA's decisions, and though we've been informed, more dialogue and consultation would have been appreciated. We disagree with these decisions and contest their legitimacy, considering the detailed analyses conducted and provided by ORECA. Only European Le Mans Series races were looked at - four rounds to start with, then five. As for IMSA races, they haven't been taken into account, which we think is regrettable. Contrary to technical regulations, these decisions regarding performance adjustments are not based on data evaluating performance deficits."

 

"As the only manufacturer not allowed to develop its car, ORECA finds itself unfairly penalised today, together with all the teams which have put their trust in us and have successfully entered the ORECA 07. We would like to express our support to them. In the early days of the project, all LM P2 players had agreed on the idea of an open competition between four chassis manufacturers sharing the same rules, with the same engine too. Less than a year in, we are now moving towards a balance of performance system which has nothing to do with this original idea. Originally, performance evolutions were possible and clearly intended to make sure that no manufacturer facing difficulties would be left by the wayside. Only one of us is in this situation today."

 

WEC 2017 - DOBRADINHA TOYOTA EM FUJI

 

''Dobradinha'' para a TOYOTA GAZOO Racing nas 6 horas de Fuji

A TOYOTA GAZOO Racing VENCEU EM “CASA”, com a dobradinha (1ª e 2ª posição) nas 6 HORAS de Fuji SPEEDWAY, NUMA SÉTIMA ronda do Campeonato do Mundo FIA de Endurance 2017 (wec), FORTEMENTE AFETADA pela CHUVA.
 
Sébastien Buemi, Anthony Davidson e Kazuki Nakajima venceram a corrida de “casa” no TS050 HYBRID #8, alcançando a quinta vitória da TOYOTA em seis corridas em Fuji Speedway.
 
A vitória de ontem, com o TS050 HYBRID de 1000cv ocorre num momento especial na história da tecnologia híbrida - Foi o fim de semana do 20º aniversário do lançamento do Prius, o primeiro carro híbrido do mundo produzido em série.
 
Mike Conway, Kamui Kobayashi e José María López, no carro #7, asseguraram o segundo lugar, num dia em que o TS050 HYBRID mostrou o seu forte desempenho em condições atmosféricas muito difíceis de chuva e nevoeiro.
 
A chuva persistente durante toda a manhã significou que a corrida começou atrás do ”safetycar”, com Kamui Kobayashi ao volante do TS050 HYBRID #7 e Sébastien Buemi no TS050 HYBRID #8, mas depois de 12 minutos surgiram as bandeiras verdes e a corrida iniciou.
 
Com chuva intensa e o nevoeiro a descer sobre o circuito de Fuji, várias foram as interrupções na corrida. A primeira aconteceu aos 40 minutos com um período de safetycar, 40 minutos depois a corrida foi interrompida com bandeira vermelha com o Toyota #8 em segundo e o Toyota #7 em terceiro.
 
Imediatamente após o reinício da corrida, os dois TS050 HYBRID assumiram o primeiro e o segundo lugar, numa luta intensa pela vitória com o Porsche #1, mas a corrida foi novamente interrompida pela entrada do “safetycar” devido a chuva, nevoeiro e acidentes.
 
Os TS050 HYBRID apresentavam velocidade superior em condições muito adversas, mas com diferentes estratégias de combustível e com a entrada do “safetycar”, qualquer vantagem desvanecia, por isso, a ordem final do pódio continuou a ser uma incógnita.
 
Mas com a aproximação dos 75% da corrida percorrida, após o qual os pontos completos do Campeonato do Mundo já podiam ser atribuídos, um nevoeiro mais cerrado e novo “safetycar” marcaram o fim da corrida, com Kazuki Nakajima a liderar no TS050 HYBRID #8 e com Mike Conway em segundo no Toyota #7.
 
A TOYOTA GAZOO Racing chega assim à penúltima ronda da temporada, as 6 Horas de Xangai a 5 de novembro ainda com possibilidade em ambos os Campeonatos Mundiais (de Fabricante e Pilotos). No final da corrida nipónica a TOYOTA encontra-se a 58,5 pontos da Porsche na classificação de fabricantes, enquanto na classificação de pilotos Sébastien, Anthony e Kazuki estão a pouca distância dos pilotos do Porsche #2.
 
Akio toyoda - Presidente da Toyota Motor Corporation: "De todos os que fornecem os componentes para construir o nosso carro de corrida, até aos nossos fãs que continuam a dar-nos o seu apoio apaixonado, a TOYOTA GAZOO Racing está a lutar no Campeonato Mundial de Endurance com o apoio de tantos no Japão!.. Esta luta em Fuji foi muito importante para nós, pois é aqui que os nossos corações se unem como um só. Estou muito satisfeito por competir na corrida, consciente dos sentimentos de todas essas pessoas e poder vencer. Obrigado a todos pelo apoio. Foi um pouco dececionante que os pilotos não conseguissem dar o máximo de velocidade devido ao mau tempo que se fez sentir. Quero agradecer a todos os nossos pilotos que conduziram em segurança com condições tão adversas, confiando nos engenheiros, mecânicos e máquinas TOYOTA. Esta corrida foi também uma das poucas que restam a lutar contra a nossa concorrente Porsche. Como companheiros que lutam com a mesma missão para o futuro dos automóveis, espero que a Porsche, depois de competir em mais duas corridas, diga que: "A TOYOTA era um bom rival, queremos competir com TOYOTA novamente um dia". A chuva de hoje não permitiu que os carros lutassem no máximo da velocidade, no entanto, gostaríamos de continuar a luta renhida nas duas provas que restam. Aos nossos colegas da Porsche: vamos fazer o nosso melhor para dar alegrias aos nossos fãs. Aos nossos fãs: somos encorajados pelo seu contínuo apoio. Obrigado."
 
Resultados finais da TOYOTA GAZOO Racing:
TS050 HYBRID #7 (Mike Conway, Kamui Kobayashi, José María López)
Terminou em: 2º, 113 voltas, 3 paragens. Posição na grelha de partida: 4º.
Volta mais rápida: 1min 38.747 segs
 
TS050 HYBRID #8 (Sébastien Buemi, Anthony Davidson, Kazuki Nakajima)
Terminou em: 1º, 113 voltas, 2 paragens. Posição na grelha de partida: 3º.
Volta mais rápida: 1min 38.070 segs
 
Classificação final das 6 Horas de Fuji:
1º       #8 TOYOTA GAZOO Racing                113 voltas
2º       #7 TOYOTA GAZOO Racing                +1.498segs
3º       #1 Porsche (Jani/Lotterer/Tandy)           +2.272segs
4º        #2 Porsche (Bernhard/Bamber/Hartley)  +1 volta
5º        #13 Rebellion (Canal/Prost/Senna)        +3 voltas
6º        #36 Alpine (Lapierre/Menezes/Negrao)   +3 voltas
 
a148 Copya149 Copya150 Copy
 

WEC 2017

GALERIA DE IMAGENS

 

WEC 2017 EM FUJI

 

GRupo de imagens dos treinos de mais uma jornada da WEC onde a Porsche dominou na casa da Toyota.a200 Copya201 Copya202 Copya203 Copya204 Copya205 Copya206 Copya207 Copya208 Copya209 Copya210 Copya211 Copy

 

WEC 2017

WEC / Fuji - Qualificação: Porsche dá o primeiro passo para os títulos em casa da Toyota, mas os japoneses não estão longe. Vaillante na frente entre os LMP2. Porsche comanda também nos GTE-PRO e Pedro Lamy sai de terceiro nos GTE-AM.
Agora resta esperar que a chuva deixe acontecer uma bela corrida, a partir das 03:00 da manhã de domingo.

 

ALBUQUERQUE PODE SER CAMPEÃO EM PORTIMÃO

  1. Filipe Albuquerque pode ser campeão do European Le Mans Series no Autódromo do Algarve a 22 de Outubro

    A última jornada do European Le Mans Series tem lugar no próximo fim-de-semana de 21 e 22 de Outubro no Autódromo Internacional do Algarve e Filipe Albuquerque pode sagrar-se campeão! O piloto português e os seus companheiros de equipa na United Autosports, Will Owen e Hugo de Sadeller ocupam a segunda posição nas contas do Campeonato mas a correr em casa e com o apoio do pú...blico, o piloto português espera inverter o resultado e conseguir o ceptro que já lhe escapou por duas vezes em 2014 e 2015.

    Filipe Albuquerque que conquistou no passado fim-de-semana o título de vencedor da Taça Norte Americana de Resistência chega ao Algarve para o ELMS com a motivação em alta e determinado em faz jus ao provérbio: “à terceira é de vez”.

    “É uma prova decisiva e onde vamos ter de dar tudo. Estamos na segunda posição, não temos nada a perder. Temos de pressionar os líderes e mostrar confiança. O facto de conhecer o circuito poderá ser uma vantagem. É o tudo ou nada para nós”, começou por explicar.

    Pelo terceiro ano a disputar o Campeonato e com jovens companheiros de equipa, que mesmo menos experientes, têm mostrado garra, determinação e adaptação fantástica Filipe acredita que tudo é possível: “Não dependemos única e exclusivamente de nós, mas vamos lutar pela vitória na prova e esperar para ver o que acontece aos nossos adversários em termos de campeonato. Temos de fazer o nosso trabalho bem. Seria muito especial para mim vencer perante o meu público e se a isso acrescentar o título, seria excepcional”, rematou.

    As 4h de Portimão terão transmissão em directo no Motorsport TV a partir das 13h de Domingo, 22 de Outubro.

 

WEC 2017

  1. Para seguriem  em Fuji. A hora portuguesa é a BST.

 

IMSA 2018

IMSA 2018

 

Como já aqui tinhamos informado, Ricky Taylor será o parceiro de Castroneves no segundo Penske Acura. Pagenaud e Rahal completam a formação para as corridas de resistência do IMSA 2018.

 

EURASIA

 

Eurasia Motorsport in the hunt for Am title honours in Blancpain Asia
 

CMRT Eurasia Motorsport are all set for the Blancpain GT Series Asia season finale that takes place this weekend (October 14-15) at Zhejiang Circuit China. For the team and drivers James Cai and Kenneth Lim, rounds 11 and 12 of the championship offer the opportunity to claim the GT3 Am Drivers championship.
The duo has enjoyed a great run of form of late, securing a second and third position last time out in Shanghai in the #69 Aston Martin Vantage GT3 to move them fourth in the championship standings.
 
With the string of consistent results, coupled with a fantastic victory in round four of the championship at Chang International Circuit, they find themselves just 12 points behind the series leader with 50 points still to play for.
 
"The race for the Am title is very close,” said team principal Mark Goddard. “James and Kenneth drove very well in the last event at Shanghai, in fact they have been improving with every race, which gives the whole team confidence we can win the class championship."
 
The new circuit, which at 3.3 kilometres in length, is expected to be quite a challenge with the mountain section of the circuit being especially twisty, something that the team expect should play to their favour.
 
"The team already has race winning experience at Zhejiang in the FRD LMP3 Series and this allows our engineers to develop a good starting set up for the Aston. It’s a circuit of two halves, one tight and narrow and the other fast with long straights. This should suit our car and help bring us a great result."
 
Practice takes place on Friday morning with qualifying from 15.55 local time. The first race is at 14:00 Saturday with the season finale Sunday at 10:50.
alt
Facebook
Twitter
Instagram

 

4 HORAS DE PORTIMÃO ELMS - LISTA DE INSCRITOS

A lista  de Inscritos para as 4 Horas de Portimão. Os títulos estão em aberto em todas as categorias.

 

MAIS CALENDÁRIOS PARA 2018

MAIS CALENDÁRIOS PARA 2018a148 Copya149 Copy

 

 

Os calendários das 24H Series 2018.DE referir que Portimão é contemplado por duas vezes....not bad

 

A OBSERVAÇÃO DO JORNALISTA JOÃO CARLOS COSTA

A OBSERVAÇÃO DO JORNALISTA JOÃO CARLOS COSTA

 

 

Ele guia tudo... até com o filho ao colo.

 

WEC 2017

WEC 2017

 

 A Porsche mantém kit de maior apoio para Fuji.

 

RICK TAYLOR

Rick Taylor será o quarto piloto da Penske na IMSA 2018. Anúncio durante esta semana, sendo também revelados os terceiros pilotos para as provas de resistência.

 

NOS ESTADOS UNIDOS

NOS ESTADOS UNIDOS

 

 O piloto brasileiro Castroneves dá a pole-position à Penske no Petit Le Mans. Fittipaldi não consegue melhor que 9º com o Caddy #5. Mas amanhã, a partir da 16H00, há mais que uma volta...

 

WEC 2018

WEC 2018

 

LMP 1

 

,Inicialmente era encomendas para 10 unidades do Ginetta depois passaram a 6, agora finalmente uma equipa encomendou 3 (sendo um para spare). Vamos devagarinho na classe dos LMP1 mais... vagarosos.

 

LEGO DOS CARROS.....

  1. LEGO! Dos carros...

 

PETIT LE MANS - USA

PETIT LE MANSa921 Copya922 Copy

 

 

A Penske vai participar no Petit Le Mans com um Oreca, mas com motor Gibson. A tripla de pilotos é fortíssima: Juan Pablo Montoya, Helio Castroneves e Simon Pagenaud.

 

ELMS EM PORTIMÃO - ATT LEITORES

 

 Para que os nossos leitores prepararem as 4 horas de Portimão. Só mais uma informação - a RTP transmite a corrida para quem não consiga ir ao Algarve.

 

WEC 2017

 

WEC 2017

 

 Nas 6 Horas de Fuji vão ter "Circuit Safari". Para tal. haverá uma sessão de treinos especial, de 10 a 15 minutos, antes do FP3.

 

PORSCHE NÃO DEIXA OS SEUS PILOTOS NO DESEMPREGO

 

WEC 2017

 

PORSCHE NÃO DEIXA OS SEUS PILOTOS NO DESEMPREGO DEPOIS DO ENCERRAMENTO DO PROGRAMA DA WEC

 

 

 

A marca alemã Porsche mete os seus pilotos a rodar na Fórmula E. O primeiro teste está marcado para a semana em Valência. Sai Sarrazin.Andre Lotterer e  Jean-Eric Vergne estarão na  Techeetah Formula E 

 

ECURIE ECOSSE

 

Ecurie Ecosse shines at Spa Francorchamps in the Le Mans Cup
 

Ecurie Ecosse continued their podium streak in the Michelin Le Mans Cup at Spa Francorchamps at the weekend (22-23 September) as they notched up another second position to all but confirm the runner-up position in the championship.
alt

Tony Wells and Colin Noble teamed up once again in the #79 Ligier LMP3, recording the third fastest time in both of the free practice sessions. With just 15 minutes of qualification, Wells put in a hot lap good enough for a start on the outside of the front row.

alt

Race day saw Wells make a good start, but found himself pushed wide on exit for the La Source hairpin. With wheels on the astroturf on the outside of the corner, Momentum was lost and on the run to Eau Rouge, Wells dropped to sixth position.

Undeterred, Wells pushed on, picking up two positions in his stint before pitting at the end of his 25th lap and handing over to his teammate.

Noble was immediately right on the pace, closing down a significant margin to move third ahead of the #4 Cool Racing Ligier and then up to second passing the RLR MSport entry with 18 laps remaining. With the leading DKR Engineering car leading by a minute by that point, Noble managed the gap to those behind to record yet another podium position for Ecurie Ecosse.

David ‘Sven’ Thompson, Team Manager Nielsen Racing

"In all honesty, we should be really happy with second position. We beat the rest of the field by a minute which is fantastic and credit to the team, but we’re still a minute behind the race winner... Colin and Tony did all they could and we’re on the podium again, so we can take that away from the weekend."

alt
Colin Noble

“We’ve got second in the championship with that, so it was a good race in what has been a very good season. The pace from both us was very competitive, so we can only be pleased with that. With the gap to the leader after the stop, I knew I didn’t have the two-seconds a lap needed to go for the win, so it was the case a little of a ‘safe second’ by monitoring the gaps.”

alt
Tony Wells

“I made a good start and then it got busy into the first turn and I was squeezed out onto the run off area. The car was very strong and we I managed to pick up some places to hand over to Colin in P4 and he put in a good run to the chequered flag. We couldn’t beat the Norma today, so we were next best and it was a good result.

Ecurie Ecosse now prepares for the final round of the championship which takes place at Portimao, Portugal 20-22 October.
 

Drivers interested in joining the team for the 2018 season can now apply here

alt
alt
alt

 

VILLORBA CORSE

 

Cetilar Villorba Corse finds points and concreteness at Spa

 

Lacorte / Sernagiotto / Belicchi ended the fifth ELMS round with a precious seventh position on Dallara

 

a748 Copya749 Copya750 Copy.After not so lucky events, Cetilar Villorba Corse found points and concreteness again at the 4 Hours of Spa, penultimate round of the 2017 European Le Mans Series, probably the most challenging of them all. The Italian team and the crew formed by Roberto Lacorte, Giorgio Sernagiotto and Andrea Belicchi ended their racing weekend showing reliability and a good race pace and clinching the seventh position after a positive comeback from tenth on the grid with their #47 Dallara P217 of the LMP2 class. An important result that brings back a smile in the team lead by Raimondo Amadio, that now is already thinking about the showdown in Portugal to be held in Portimao next month.

 

Team Principal Amadiosays:At Spa we got the maximum possible thanks to a regular race and concreteness. Main goal was to finish our weekend without any issues and we did it also finding a crucial reliability back. This result means a lot to us, we are on the right way again so we will try to get ready for Portimao in the best possible way. We are going to test there before the final event of our very demanding endurance racing season.

 

MUDANÇAS NA IMSA

  1. Continental  Tyre deixa IMSA no final de 2018. Michelin ganha o contrato de exclusividade a partir de 2019.

 

WEC 2017

WEC 2017

 

 

  1. Teste de By Kolles em Hungaroring já a pensar nos LMP1 de 2018. Kraihamer e Webb ao volante durante três dias.

 

CASTRO NEVES TESTOU

  1. O piloto brasileiro Hélio Castro Neves  testou Acura Penske em Sebring. E gostou.

 

A ACO DEVE ANUNCIAR

  1.  A ACO deve anunciar por estes dias que a prova do WEC em Sebring / 2019 terá 1500 milhas.

 

TESTES MAZDA

  1. Renea605 Copya606 Copya607 Copya608 Copya609 Copy Rast junta-se ao teste do Mazda Joest em Hockenheim

 

ECURIE ECOSSE

 

Ecurie Ecosse left disappointed despite LMP3 Cup title honours
 

Having started fourth and stormed through the field to pull out a lead of over 40 seconds, Ecurie Ecosse were left disappointed on Sunday (17 September) at Donington with the first failure to finish a Henderson Insurance Brokers LMP3 Cup Championship race all season.
alt

Alasdair McCaig and Colin Noble finished the opening race of the weekend in sixth position after contact with a rival forced a puncture and extra stop. McCaig started fourth for the season finale after rain interrupted the ten-minute qualifying session. He then put in a phenomenal drive to lead convincingly at the half way stage. With the track conditions deteriorating, Noble was a passenger as the Ligier aquaplaned off the circuit and into the first retirement of what was a sensational championship-winning campaign.

alt
alt
Alasdair McCaig

“I was very happy with my stint. Christian (England) is very quick obviously as ELMS champion, so I was happy to follow close behind. With the limited testing I have had compared to our competitors I now feel fully on top of my driving as a bronze rated driver in my first season in LMP3. It was unfortunate we sustained contact from Matt Bell, but we have had a good run up until now.”

alt
Colin Noble

“We got up into the lead with the #3 car coming with me and then he out-braked himself and ran into the back of me into the last turn, giving me a puncture.

“We had really good pace and closed back up on the battle for fifth from over 20 seconds behind, but just ran out of laps.”

alt
alt
Alasdair McCaig

“First of all, it’s been a fantastic season for us in the Henderson LMP3 Cup. We’ve won half of the races and to claim the title ahead of the final meeting was a fantastic result for us and a credit to all of those at Nielsen Racing and our partners.

“It’s disappointing to end the season with a DNF, but I can go into the long winter period knowing that was one of my best drives ever. I love the rain and to bring the car in at the half way mark with a substantial lead is very satisfying.”

alt
Colin Noble

“I aquaplaned off on the uphill run after the Old Hairpin. I was at half-throttle and then I was aquaplaning and had no chance. It’s pretty frustrating as the pace was pretty good. Next is Spa for the Michelin Le Mans Cup and I hope it’s dry.”

Ecurie Ecosse now heads to Spa-Francorchamps for the sixth race of the Michelin Le Mans Cup this weekend.

Drivers interested in joining the team for the 2018 season can now apply here

alt
alt
alt

 

WEC 2017

 

TOYOTA GAZOO Racing sobe ao pódio nas 6h do Circuito das Américas

DEPOIS DE UMA LONGA LUTA PELA VITÓRIA, A TOYOTA GAZOO RACING TERMINOU A CORRIDA DE AUSTIN NO PÓDIO. NUMA EMOCIONANTE SEXTA RONDA DO CAMPEONATO DO MUNDO FIA DE ENDURANCE 2017 (WEC).
 
Os TS050 HYBRID recuperaram de uma sessão de qualificação difícil para realizar um bom desempenho na corrida de Austin (Texas), com o Toyota #8 de Sébastien Buemi, Stéphane Sarrazin e Kazuki Nakajima a terminar em terceiro, a 21,680 segundos do Porsche # 2, o vencedor após 1.058 km de corrida.
 
Mike Conway, Kamui Kobayashi e José María López no TS050 HYBRID #7 participaram também na luta emocionante terminando em quarto lugar. Com este resultado, os TOYOTA terminaram a corrida na mesma posição da geral em que começaram.
 
Logo no início da corrida, sob o sol intenso do meio-dia, ambos os TOYOTA travaram uma luta renhida com a Porsche e ao final da primeira volta, Sébastien Buemi já tinha passado o Porsche #2 subindo para a segunda posição, com o Mike Conway a subir para terceiro, alguns minutos depois.
 
Devido às temperaturas na ordem dos 34 °C, os regulamentos do WEC exigem que as equipas mudem os condutores em cada paragem. Logo na primeira paragem nas boxes, Kazuki Nakajima e José María López passaram a pilotar ambos os TOYOTA que não trocaram de pneus, apesar da troca de pneus por parte da Porsche.
 
Ao final de uma hora Kazuki Nakajima liderava a corrida ao volante do TS050 HYBRID #7, mas José Mara López, usando um composto de pneus diferente, acabou por sofrer maior desgaste caindo para quarto lugar, apesar de protagonizar uma luta roda-a-roda durante duas voltas com o Porsche #1.
 
Na próxima ronda de paragens nas boxes, Stéphane e Kamui assumiram os comandos dos TS050 HYBRID, com novos pneus do mesmo composto e mantiveram a luta com a Porsche, graças às suas rápidas paragens para colocar combustível. Nesta fase um impressionante desempenho de Kamui Kobayashi permitiu ultrapassar o Stéphane Sarrazin alcançando o terceiro lugar e reduzindo a distância para o Porsche # 2.
 
Passadas 3 horas de corrida, troca de pilotos e abastecimento de combustível, entrou o safety car durante 10 minutos aproximando os quatro carros LMP1 na frente, com Mike Conway em segundo e Sébastien Buemi em terceiro lugar.
 
Quando a corrida reiniciou os TS050 HYBRID, com pneus usados, tentaram segurar as posições para um Porsche #2 com pneus novos. Desta feita, Mike Conway caiu para quarto, enquanto Sébastien Buemi defendeu temporariamente o seu segundo lugar até à paragem seguinte, onde o TOYOTA #8 caiu para o terceiro lugar.
 
Com duas horas restantes de corrida, apesar do calor intenso, os pilotos continuaram a pressionar os Porsche, no entanto, as posições mantiveram-se inalteradas, com Kazuki Nakajima e Kamui Kobayashi a cortar a bandeira de xadrez em terceiro e quarto lugares, respetivamente.
 
Kamui Kobayashi terminou ao volante do TOYOTA #7 a 13,070 segundos do colega de equipa, mas foi penalizado em 10 segundos devido a um toque com o LMP2 #24, já no final da corrida.
 
Apesar de não alcançar a terceira vitória da temporada em Austin, a equipa prepara agora, com confiança renovada, a sua corrida em casa no Fuji Speedway a 13 de outubro.
 
Hisatake Murata - Presidente da Equipa: "A equipa trabalhou muito para recuperar de uma qualificação difícil e fico satisfeito por podermos desafiar a Porsche e dar aos fãs uma corrida emocionante. Todos testemunharam hoje o nosso espírito de luta, por isso agradeço à equipa pelo seu grande esforço. Tivemos uma boa estratégia, paragens nas boxes rápidas e uma corrida com temperaturas elevadas e bastante desgastante para os pilotos. Parabéns à Porsche pela vitória. Embora não tendo vencido, o desempenho de hoje é um grande encorajamento para nossa corrida em casa. Iremos ao Fuji Speedway para lutar pelo lugar mais alto do pódio."
 
Resultados finais da TOYOTA GAZOO Racing:
TS050 HYBRID #7 (Mike Conway, Kamui Kobayashi, José María López) Terminou em: 4º, 192 voltas, 6 paragens. Posição na grelha de partida: 4º.
Volta mais rápida: 1min 47.391 segs
 
TS050 HYBRID #8 (Sébastien Buemi, Anthony Davidson, Kazuki Nakajima) Terminou em: 3º, 192 voltas, 6 paragens. Posição na grelha de partida: 3º.
Volta mais rápida: 1min 47.556 segs
 
Classificação final das 6 Horas do Circuito das Américas (COTA):
1º       #2 Porsche (Bernhard/Bamber/Hartley)                   192 voltas
2º       #1 Porsche (Jani/Lotterer/Tandy)                           +0.276 segs
3º       #8 TOYOTA GAZOO Racing                                 +21.956 segs
4º       #7 TOYOTA GAZOO Racing                                 +45.026 segs
5º        #36 Alpine (Lapierre/Menezes/Negrao)                  +15 voltas
6º        #13 Rebellion (Beche/Heinemeier Hansson/Piquet)  16 voltas
a538 Copya539 Copy
 

WEC 2017

WEC 2017

 

PORSCHE NÃO DÁ HIPÓTESE NENHUMA

  1. A Porsche esmaga Toyota na qualificação do WEC no Texas. Lamy foi o melhor dos GTE-AM.
    Calor e pneus, para além da necessidade de mudar de piloto a cada paragem, mesmo quando não se trocar de pneus, são a chave para a corrida de hoje, que pode ver ser directo no Eurosport 1, a partir das 17.50.

 

WEC2018 - CALENDÁRIO

 

 

  1. CALENDÁRIO 2018/2019 DO WEC
  2. Volta a ser refeito. Silverstone está de volta e no Verão. E não temos a mesma data em Fuji e Petit Le Mans. Mas desaparece a data de Fevereiro e temos 4 meses de defeso... a meio da temporada. Não se arranja uma prova no Brasil, Austrália, África do Sul ou nos... Algarves?!?!

 

WEC 2017

WEC 2017 - ESTADOS UNIDOS

 

TOYOTA NA FRENTE

 

O melhor tempo é pertença da Toyota parav a prova deste fim de semana  a ter lugar nos EStados UNidos, onde o piloto Poa486 Copya487 Copyrtugues Pedro Lamy é o lider em termos da sua categoria.

 

ECURIE ECOSSE

 

Newly crowned champions Ecurie Ecosse return to Donington Park for LMP3 Cup finale
 

Ecurie Ecosse are gearing up for the final round of the Henderson Insurance Brokers LMP3 Cup Championship this weekend (16-17 September) at Donington Park and aim to cap off their fantastic season with another memorable result.

Having wrapped up the championship last time out at Snetterton, the Nielsen-Racing run team and drivers Alasdair McCaig and Colin Noble are aiming for their seventh victory whilst maintaining their season-long podium streak.
 
The season began at Donington Park and produced a sensational double victory for the team, something they are very keen to replicate second time around.
 
“I’m looking forward to the final race of the season,” said driver-manager Alasdair McCaig. “It’s been a great year for us in the LMP3 Cup and heading into the final two races with no championship pressure makes the weekend all the more pleasurable. We’re still here to win and we want to put on a show for the series and the fans.”

See Colin catching - and passing - for the win at Donington earlier this year, with the stories of the season below…

alt
Testing
Donington
Brands Hatch
Spa
Silverstone
Snetterton

 

WEC 2017

WEC 2017

 

MUDANÇAS NA EQUIPA DA TOYOTA

 

 

 

  1. Sarrazin no lugar de Davidson na Toyota para as 6 horas do Texas.

 

CONFLITO DE DATAS???

  1. As datas das próximas 24 horas de Nurburgring. Pelo caminho parece haver um "encontro imediato" com as 24 Horas de Le Mans. Mas se calhar há acordo prévio...

    10-13 May 2018 (ASCENSION DAY)
    20-23 June 2019 (Christi)
    21-24 May 2020 (ASCENSION DAY)...
    03-06 June 2021 (Christi)
    16-19 June 2022 (Christi)
    08-11 June 2023 (Christi)

 

NOS ESTADOS UNIDOS

 

NOS ESTADOS UNIDOS

 

  1. Estamos em Setembro de 2017  mas já se promove a prova de Março 2018. E não estamos a falar de uma corrida que ninguém conhece. Bem pelo contrário. Os exemplos são para se analisar. Este é apenas um entre muitos que os rapazes do outro lado da banheira nos dão nestas coisas da promoção atempada. Mais do que isso: pensada!

 

GT OPEN - VICTÓRIA PORTUGUESA

 

Beirão-Da Costa take maiden win in BMW Teo Martín 1-2 party

Lusitanian duo wins fierce family duel with team mates Rueda-Bouveng

Costa-Frommenwiler (E.Frey Lexus) round excellent weekend with 3rd

Venturini (4th with Mapelli) keeps close lead in the standings

Maiden Pro-Am win for Witt-Meadows and the Jordan Racing Bentley

Moiseev-Rizzo (Kaspersky Ferrari) win in Am a relaunch class title bid

Lourenço Beirão and António Félix Da Costa took their maiden win of the season in a lively Race 2 at Silverstone, after a race-long duel with team mates Fran Rueda-Victor Bouveng, giving a 1-2 to the BMW Team Teo Martín.  Yesterday’s winners Albert Costa-Philipp Frommenwiler (Emil Frey Lexus) took third in the closing minutes, ahead of the Lambo Huracan of Giovanni Venturini-Marco Mapelli. Venturini keeps the lead in the standings with 4 points over Costa-Frommenwiler, 6 on Biagi and 8 on Rueda-Bouveng.

The Jordan Bentley of Jordan Witt-Michael Meadows took at home its maiden win in Pro-Am ahead of Hamaguchi-Liuzzi (FFF Lambo) and class leaders Balfe-Bell (Balfe McLaren), while Alex Moiseev-Davide Rizzo (Kaspersky Ferrari) won in Am.


Beirão-Da Costa take maiden win in BMW Teo Martín 1-2 party 
Lusitanian duo wins fierce family duel with team mates Rueda-Bouveng
Costa-Frommenwiler (E.Frey Lexus) round excellent weekend with 3rd
Venturini (4th with Mapelli) keeps close lead in the standings
Maiden Pro-Am win for Witt-Meadows and the Jordan Racing Bentley
Moiseev-Rizzo (Kaspersky Ferrari) win in Am a relaunch class title bid 
a325 Copya326 Copya327 Copy  
Lourenço Beirão and António Félix Da Costa took their maiden win of the season in a lively Race 2 at Silverstone, after a race-long duel with team mates Fran Rueda-Victor Bouveng, giving a 1-2 to the BMW Team Teo Martín.  Yesterday’s winners Albert Costa-Philipp Frommenwiler (Emil Frey Lexus) took third in the closing minutes, ahead of the Lambo Huracan of Giovanni Venturini-Marco Mapelli. Venturini keeps the lead in the standings with 4 points over Costa-Frommenwiler, 6 on Biagi and 8 on Rueda-Bouveng.
The Jordan Bentley of Jordan Witt-Michael Meadows took at home its maiden win in ProAm ahead of Hamaguchi-Liuzzi (FFF Lambo) and class leaders Balfe-Bell (Balfe McLaren), while Alex Moiseev-Davide Rizzo (Kaspersky Ferrari) won in Am.
THE RACE – Rueda and Costa start well from row 1, with Ledogar taking third after going wide at turn 1. Follow Venturini, Giammaria, Postiglione and Khodair, passed by Mac and Liuzzi. In lap 2, Mowlem spins after a contact while Costa attacks fiercely Rueda and takes first. The track is slightly wet in some places, and Ledogar drops from 3rd to 8th after an off-track. The Frenchman will repeat himself in lap 4 but three laps later he takes 6th from Mac (he will later receive a 5-second penalty). 
In lap 10, Da Costa leads by 2.5 seconds on Rueda, followed by the three Imperiale cars of Venturini, Giammaria and Postiglione, then Ledogar, Mac, Liuzzi, Khodair, D.Farnbacher, Frommenwiler and Ratcliffe. Konrad pits with a problem. In lap 12, Venturini passes Rueda, who opens the pit stop phase, followed by Frommenwiler, Calamia, Ratcliffe and Balfe. 
In lap 17, after all changes, Beirão leads, with Bouveng 6 seconds behind, Fontana 9 and West 12; then, Hahn, Hamaguchi, M.Farnbacher, Biagi, Ramos and Mapelli. Hahn’s car loses oil, which provokes a couple of spins before the Brazilian stops in the pits. 
 
 
 
By lap 21, Bouveng has reduced the disadvantage on Beirão to 3 seconds, while Fontana is third, followed by M.Farnbacher and Mapelli, who have passed West (whose car stops soon after, with a clutch problem), with Biagi, Costa and Keen also in the top-8. In Am, the Kaspersky Ferrari is a solid leader. 
In the final phases, Mapelli takes fourth from Farnbacher, who spins shortly after dropping to 6th.  Bouveng presses Beirão until the end but without getting through. 
The word of the winners: 
Lourenço Beirão: “First at last! We were really waiting for this first win and I hope this is only the first of many… It has been a tough race, the handling of the car wasn’t perfect at the end, because of a broken splitter, but I could hold off Victor until the end. It was an intense but fair fight.”
António Félix Da Costa: “It was a very good weekend for the entire team, who worked really hard to achieve this result. We had no team orders and I was a little bit faster than Fran at the very beginning, but obviously he was defending his advantage. It was a hot few laps but in all fairness.” 
 
PROVISIONAL STANDINGS AFTER ROUND 10 OF 14
Overall: 1. Venturini, 80 points; 2. Costa-Frommenwiler, 76; 3. Biagi, 74; 4. Rueda-Bouveng, 72; 5. Ramos-Mac, 62; 6. D.Farnbacher, 57; 7. M.Farnbacher, 49; etc… Pro-Am: 1. Bell-Balfe, 56 points; 2. Cioci-Perazzini, 50; 3. Pierburg, 41; 4. Hahn, 36; 5. West-Ledogar, 34; 6. Benham-Tappy, Witt-Meadows, 30; etc...  GT-Am: 1. Silva Sardinha-Coimbra Da Costa, 33 points; 2. Rizzo-Moiseev, 32; 3. Hrachowina-Konrad, 30; 4. Basso, 27; 5. Figueiredo, 14; etc...    Teams: 1. Imperiale Racing, 72 points; 2. BMW Team Teo Martin, 58; 3. Emil Frey Racing, 44; 4. Spirit of Race, . Farnbacher Racing, 33; 6. Garage59, 24; etc…  

 

WEC 2017

 

Corrida difícil para a TOYOTA GAZOO Racing nas 6h do México


APESAR DE SUBIR AO PÓDIO NAS 6 HORAS DO MÉXICO, A TOYOTA GAZOO RACING NÃO ATINGIU O SEU OBJETIVO, NA QUINTA RONDA DO CAMPEONATO DO MUNDO FIA DE ENDURANCE 2017 (WEC).

O TS050 HYBRID #8 de Sébastien Buemi, Anthony Davidson e Kazuki Nakajima alcançou o quinto pódio da temporada para a equipa com o terceiro lugar na Cidade do México, mas não escondeu a frustração da equipa ao não poder desafiar a Porsche.
 
O TS050 HYBRID #7 de Mike Conway, Kamui Kobayashi e José María López terminou em quarto, numa corrida em que ambos os carros terminaram uma volta atrás do Porsche # 2, que venceu.
 
Esse resultado não ajuda a equipa em ambos os Campeonatos Mundiais; a TOYOTA agora encontra-se a 56,5 pontos da Porsche na classificação de fabricantes, enquanto os pilotos do TOYOTA #8 estão a 41 pontos da liderança no campeonato de pilotos.
 
Apesar de competir no México com os TS050 HYBRID de maior apoio aerodinâmico, o desempenho da corrida foi comprometido por uma relativa falta de apoio, no ar fino a 2,285m de altitude da capital mexicana, colocando ambos os TOYOTA em desvantagem já desde a qualificação para a corrida.
 
No período de abertura, Mike Conway no carro #7 liderou os TOYOTA em terceiro lugar da geral com Sébastien Buemi atrás em quarto, mas ambos um pouco atrás dos líderes.
 
Logo após a marca de 90 minutos, Sébastien Buemi aproveitou o tráfego para passar Mike Conway e passou o carro #8 ficando na terceira posição, apesar de um susto pouco depois, quando um LMP2 lhe embateu numa curva lenta, tendo o piloto do carro #28 recebido um aviso dos comissários de pista por esta manobra.
 
A meio da corrida José María López aos comandos do carro #7 e Kazuki Nakajima no carro #8, alternaram no terceiro posto.
 
A 90 minutos do final da corrida Kamui Kobayashi e Anthony Davidson rodaram em pista com bandeira amarela, para limpeza da pista. A 35 minutos do fim, surgiu novamente a bandeira amarela e alguns pingos de chuva, no enanto, a chuva prevista nunca chegou a cair.
 
A fim de maximizar o total de pontos para a equipa no Campeonato do Mundo - perseguido pelo TOYOTA TS050 HYBRID #8, a equipa controlou o período final e Kamui Kobayashi diminuiu o andamento para permitir que Sébastien Buemi terminasse em terceiro, apesar de uma pequena paragem para combustível nos minutos finais.
 
A equipa não precisa de aguardar muito pela oportunidade de melhorar o resultado no México, com a sexta ronda da temporada do outro lado da fronteira, nos Estados Unidos no Circuito das Américas em Austin, Texas, já a 16 de setembro.
 
Hisatake Murata - Presidente da Equipa: "Estamos desapontados com esta corrida. Chegamos aqui com o objetivo de ganhar e encurtar a distância nos dois Campeonatos do Mundo, mas não conseguimos desafiar a Porsche. Parabéns pela vitória. A equipa, incluindo os pilotos, deram o seu máximo esta semana, mas não obtivemos o resultado que queríamos, por isso vamos preparar a próxima corrida. Não desistimos do nosso sonho de vencer o Campeonato do Mundo, por isso vamos continuar com todos os esforços para sermos competitivos na próxima corrida."
 
 
Resultados finais da TOYOTA GAZOO Racing:
TS050 HYBRID #7 (Mike Conway, Kamui Kobayashi, José María López) Terminou em: 4º, 239 voltas, 6 paragens. Posição na grelha de partida: 3º.
Volta mais rápida: 1min 26.240 segs
 
TS050 HYBRID #8 (Sébastien Buemi, Anthony Davidson, Kazuki Nakajima) Terminou em: 3º, 239 voltas, 6 paragens. Posição na grelha de partida: 4º.
Volta mais rápida: 1min 26.445 segs
 
 
Classificação final das 6 Horas do México:
1º        #2 Porsche (Bernhard/Bamber/Hartley)               240 voltas
2º       #1 Porsche (Jani/Lotterer/Tandy)                        +7.141segs
3º       #8 TOYOTA GAZOO Racing                              +1 volta
4º       #7 TOYOTA GAZOO Racing                              +1 volta
5º        #31 Rebellion (Canal/Senna/Albuquerque)           +21 voltas
6º        #36 Alpine (Lapierre/Menezes/Negrao)                +21 voltas
 
a274 Copya275 Copya276 Copy
 

WEC 2017

A revolução obrigatória. Algo tinha de ser feito e aqui está o projecto para 2018/2020 no WEC. Há boas soluções em termos de regulamento técnico para tentar criar mais oportunidades. Entende-se agora a razão porque em Le Mans se apresentou aquele draft para 2020. Era tão pouco esclarecedor que, se calhar, foi apenas para mostrar algo e ver como o "jogo jogava". Mas custa-me acreditar que tudo seja definitivo. O BoT nos LMP1 será complicado de gerir. Havendo, porque razão não há apenas umas 12 horas de Sebring? Podia ser um bom ensaio geral para a ida dos DPi a Le Mans 2019...


Acho que uma vez mais se está a perder uma hipótese de unificação, não de regulamentos, mas de verdadeiras oportunidades. Seguir a via da diferença é interessante através das novas tecnologias, mas permitir que essas se comparem com as actuais, para mostrar a sua valia, também é um caminho válido de promoção das mesmas, sobretudo se os custos forem iguais ou menores.
O calendário em cima de dois anos é algo que clamo há uma década, mas parece-me mal aproveitado (tal como na F. E) deixando demasiado espaço entre provas no Inverno. Problema que se agravará quando passar apenas a 7 provas. Percebo que esse espaço temporal tem a ver com o transporte por via marítima, três vezes mais barato (aquele tipo de anúncio a evitar, por ser miserabilista).
Posto isto: quantos mais construtores são aderir ao Mundial LMP1, privados ou oficiais? E como é que os que estão nos GT (e os que virão) aceitarão esta nova estratégia?


E fica também uma pergunta mázinha: com um final em Le Mans quem terá mais publicidade - a marca campeã do Mundo ou a vencedora da prova? Se calhar essa é a razão pela qual o NASCAR começa em vez de terminar nas 500 milhas de Daytona...

 

New look, strengthened FIA World Endurance Championship for the future

President of the Automobile Club de l’Ouest (ACO), Pierre Fillon, and CEO of the FIA World Endurance Championship (WEC), Gérard Neveu, today outlined the pathway to an exciting new-look, strengthened WEC.
The plans include several innovative features which will not only continue the close and exciting competition between prototypes and GTE cars that has become the calling card of the WEC, but also offer competitors a viable and sustainable business model for the future.
The recent announcement of the withdrawal of certain manufacturers has offered the FIA and ACO an opportunity to accelerate the evolution process which was already underway, and to develop an exciting and enticing vision for the future.
Full details are still being finalised and will be announced in due course, but several innovative features were revealed which will ensure the continuation of a strong world endurance championship, one that has since its inception in 2012 become a vital part of manufacturers’ marketing and technical development strategies and the draw for entrants wishing to compete at the highest level in endurance racing.
Three fundamental parameters have been taken into account during the formulation of the new-look WEC, with the calendar, logistics, sporting and technical regulations being at the heart of the decisions:

• All decisions must stay in line with Endurance Racing and the values of the discipline. The 24 Hours of Le Mans remain the point of reference.

• The major focus remains the client (the competitor), the product (the sporting competition that is delivered) and the fans.

• As a priority, for each of these decisions, the financial and economic aspects must be taken into consideration. It is essential to allow the WEC’s teams and partners to continue in the WEC with a viable and sustainable business model.

The plans have been presented to, and received the full support of, the President of the Federation Internationale de l’Automobile (FIA), Jean Todt and the FIA Endurance Commission led by its President, Sir Lindsay Owen-Jones. The calendar and new sporting regulations will be presented to the FIA World Motor Sport Council for ratification in the coming days.

Significant calendar changes for future races; 2018/19 to be a transitional season
Five years ago, when the WEC was newly created, the desire was expressed to work on an inversed calendar, finishing at Le Mans with the flagship 24 Hour race. This has not been possible until now.
In the future, there will be a 2018/2019 season and a 2019/2020 season and so on, the season’s races straddling two calendar years…and Le Mans will close the Championship each year.

2018/19
• 5 & 6 April: The Prologue, Circuit Paul Ricard (FRA) **
• 4 & 5 May: WEC 6 Hours of Spa-Francorchamps (BEL)
• 16 & 17 June: 24 Hours of Le Mans (FRA)
• 13 & 14 October: 6 Hours of Fuji (JPN)
• 03 & 04 November: 6 Hours of Shanghai (CHN)
• February 2019: Place and event TBC
• 15 & 16 March 2019: 12 Hours of Sebring (USA) *
• 3 & 4 May 2019 WEC 6 Hours of Spa-Francorchamps (BEL)
• 15 &16 June 2019: 24 Hours of Le Mans (FRA)

NB * The 12 Hours of Sebring will be a combined event with the IMSA WeatherTech Championship but two separate races will be held. From 10.00am to 10.00pm on Saturday, the IMSA WeatherTech race, and from 12 midnight to 12 noon Sunday the FIA WEC.
** The Prologue test at Circuit Paul Ricard will offer teams the opportunity to complete 36-hour endurance testing in preparation for the 24 Hours of Le Mans.
The provisional 2018/2019 calendar, which remains subject to validation by the FIA World Motors Sport Council, will see four races taking place in 2018 and four in 2019 as part of an 18-month “Super Season” - for the same budget as in 2017.
This transition season will be exceptional and include the WEC 6 Hours of Spa-Francorchamps twice and, even better, a double helping of the 24 Hours of Le Mans.
According to provisional calculations, in 2019/2020 an LMP2 team will run in the WEC with a budget similar to 2016; meaning 20% less than now.
With the new format of calendar, the number of races will be reduced from 9 in 2017 to 8 in 2018/2019 (over 18 months) then to 7 in 2019/2020 which is expected to be the ‘cruising speed’ for the WEC into the future.
This reduction automatically results in a cost reduction for the teams (entry fees, running costs, consumables etc) but also allows for new logistics to be used: using shipping rather than flying freight meaning that transportation costs are divided by three.

Changes to LMP1 technical and sporting regulations from 2018/2019 regulations
• From 2018/2019, and in the future, there will only be one category (and consequently one classification) in LMP1
• To make it as accessible as possible to join this category from the 2018-2019 season onwards, the level of performance of the current non-hybrid LMP1 regulations managed via equivalence of technologies will be aligned with the current LMP1 hybrid regulations.
• Each competitor entered in LMP1 will have the same potential of performance independent of the type engine power used. Very clearly there will always be a slight advantage for the hybrid engine in terms of autonomy related to lower fuel consumption.
• There will be no changes made to the current chassis regulations (only LMP1 chassis will be eligible) but to facilitate the access to LMP1, more choice and engine power options will be offered. Depending on the selected criteria, an Equivalence of Technology will be implemented between turbo compressed and normally aspirated engines (as done in the past between petrol and diesel).
All these decisions will apply for the next two seasons.

Other regulatory decisions, which are still being finalized, will be announced later on covering areas such as a reduction in the number of private tests and collective tests proposed.
The 2020 LMP1 regulations will be substantially altered as compared to the model presented during the last 24 Hours of Le Mans.
The ACO and the FIA remain wholeheartedly convinced that technology including Hybrid systems must keep its place of honour in Endurance racing, but not at any price. The budgets invested over these last years in LMP1 Hybrid are no longer sustainable and a return to reasonable budgets should allow all manufacturers to compete in this discipline.
More details on the Technical Regulations will be presented over the coming weeks.

President of the Federation Internationale de l’Automobile, Jean Todt: “I am delighted with the new schedule and the changes to the WEC championship that will allow this great discipline within motorsport to make a fresh start."

President of the Automobile Club de l’Ouest (ACO), Pierre Fillon, comments: “We would like to sincerely thank Jean Todt, President of the FIA and Sir Lindsay Owen Jones, President of the Endurance Commission and all the commission members for their support. Many decisions, essential for the future of the WEC, have been made in record time.
“With the support of the WEC’s friends and partners at IMSA, agreement has been reached to return to Sebring with the 12 Hours of Sebring in the WEC calendar and we are really delighted about this.
“With all these decisions, we are confident of seeing a full and very competitive grid next season. We are already discussing with several manufacturers and privateer teams who are investigating very seriously entrance from 2018/2019 season in LMP1, taking into consideration that the LMP2 and GTE grids are already strong with a high level of commitment for the future.”

 

WEC 2017

 

 

 

 

  1. WEC MÉXICO
  2. c
  3. Com horário alterado por causa dos atrasos nos voos devido ao mau tempo. E, nós, no Eurosport 1, também mudámos. Afinal, temos um resumo de 1 hora na manhã de segunda-feira, das 10:00 às 11:00. E depois mais um, de 30 minutos (o oficial), na quarta-feira, das 9:30 às 10:00.

 

UNITED AUTOSPORTS

  1. United Autosports pode levar dois Ligier a Daytona e Sebring 2018. Mas dai a trocar ELMS por IMSA vai um mundo. Agora "uma mista", talvez...

 

WEC 2017

WEC 2017

 

G.P. MEXICO EM RISCO????

 

  1. As 6 Horas da Cidade do México ainda acabam por ser em Cancum. Uma parte da "caravana" de pilotos (e não só) ficou a dormir na estância de veraneio, depois do mau tempo ter impedido os aviões de aterrar na capital mexicana.

 

VILLORBA CORSE

 

Cetilar Villorba Corse is ready to fight back in Belgium

 

Italian team thinks about the next ELMS round after not an easy race at Le Castellet

 

a343 Copy.Cetilar Villorba Corse took part in the fourth round of the 2017 European Le Mans Series at the 4 Hours of Le Castellet but the Italian team is already looking ahead for the next event in Belgium at Spa since in France the squad led by Raimondo Amadio was in the top-10 but after suffering electrical issues on the Dallara P217 of Roberto Lacorte, Giorgio Sernagiotto and Andrea Belicchi. Moreover, at the beginning of the race a contact with another LMP2 prototype caused a drive through penalty that forced the Cetilar Villorba Corse crew to fight back. Their comeback was difficult because of some alternator issues and only a great job by the team made it possible to reach the final tenth position and so to score one championship point.

 

Team Principal Amadiosays:We definitively were expecting more from Le Castellet. After two very positive practice sessions and a good qualifying session on Saturday, during the race we constantly had to fight against electrical issues that affected our entire performance. Nevertheless the team was able to react very well in order to finish the race. Unfortunately, that was not enough to get a better result. It was a pity not to take advantage of this opportunity, because Le Castellet was the right place to do well, but we are already focused on the next round at Spa where we will try our best to get revenge.

 

 

 

European Le Mans Series calendar:15apr.Silverstone(GBR); 14 may Monza (ITA); 23 july Spielberg(AUT); 27 aug. Le Castellet(FRA); 24 sept. Spa(BEL); 22 oct. Portimao(POR).

 

EURASIA

 

Eurasia Motorsport back on the podium in FRD Shanghai


Eurasia Motorsport enjoyed a strong weekend (26-27 August, 2017) as the FRD LMP3 Series reconvened at Shanghai International Circuit. A fine podium position in the first race of the weekend proved to be the highlight when Dan Wells started from ninth position and brought the #91 car home in a fine third position. 
Wells was joined by Alex Au for the first time in the #91 entry, the Hong Kong racer adapting to LMP3 machinery this weekend. Au took the start and was embroiled in a great battle for seventh before handing over to Wells.  The Bronze timing helped and Wells exited the pits in fifth, working his way past Ma Qinghua after another terrific battle to secure a great third position for the team.
 
It wasn’t such a great day for the sister #3 team as a clutch failure after qualifying resulted in lengthy repairs that saw them miss the start of the race. Despite this Martin Cao and Garnet Patterson showed great pace but ultimately with no reward.
 
The second day of racing brought better fortune for the #3 team with a fourth-place finish from fifth on the grid, but again hopes of a win or podium were dashed due to the extra time required in the pits to meet the driver grading rules. Cao took the start and the team opted to pit as soon as it could within the rules to get on an alternate strategy. This combined with a strong drive from Patterson, yielded the fourth-place finish.
 
Having secured a podium on Saturday, the #91 team had to be content with an eighth-place finish on Sunday. Wells started the race and progressed to fourth before Au ran to the flag.
 
“I’m impressed with the performance of Alex Au as this was his first race at this level in LMP3,” said team principal Mark Goddard. “He put in a strong showing and together with Dan, they did a superb job in claiming the Saturday podium. It was a bit of a mixed weekend for Martin and Garnet, but they too showed great pace which was very impressive. Overall it was another encouraging weekend for the team.”
 
The team now prepare for the next round of the championship which takes place at Zhuhai International Circuit on 17 September.
alt

 

ECURIE ECOSSE

 

Ecurie Ecosse impress with second position at Le Mans Cup Paul Ricard
 

Ecurie Ecosse brought home further silverware from the Michelin Le Mans Cup following a great run to second position in round four of the series at Paul Ricard at the weekend (25 – 26 August, 2017).
alt

The programme started well with Colin Noble and Tony Wells recording the third fastest time in the opening practice session, despite contact from behind that required a change of the rear floor ahead of the second session.

With the Nielsen crew making the required repairs, Noble was again on the pace in the second practice session before Wells took over the car for qualifying.

With just 15 minutes to qualify, Wells recorded his best lap on his seventh and final lap of the session with a best of 2:05.073s, a time that put him third on the grid for the two-hour race. While the time was impressive, Wells believed there was more time still in the car and so it proved to be the case as the race got underway.

alt

The start saw Wells maintain his third position before allowing two of the faster Silver graded drivers through for position by lap ten confident that the time could be clawed back as the race progressed. With the #65 Graff running into tyre trouble, Wells regained fourth position before pitting.

Noble was immediately on the pace, gaining a position in the pit stop sequence and then quickly closing down and passing the #14 entry. With eyes firmly on the race win, Noble set about closing the 20-second deficit to the race leading DKR Engineering Norma.

It was another impressive performance as Noble was able to more than halve the gap to the leader by the chequered flag and further underline the pace in the #79 Ligier package.

David ‘Sven’ Thompson, Team Manager Nielsen Racing

"It was a great team effort today and as usual the drivers put in a huge effort and didn’t put a wheel wrong the whole race. We closed the gap to the Norma and now we look forward to the next challenge at Spa."

alt
Colin Noble

“The pace was good; the car was really good. We were consistently the quickest car on the track as we closed the gap from over 20 seconds to nine. Tony is doing a good job, but unfortunately so is the other Bronze driver in the Norma. We’re closing the gap though and I’m confident we can get back on the top step of the podium at Spa.”

alt
Tony Wells

“We made some changes and I felt those immediately even going to the grid. I was a little frustrated after qualifying and thought I could have done better but realistically P2 would have been it. Then I made a good start and thought about going down the inside, but thought better of it. Then a couple of Silver (graded) guys came past and that was okay as I knew their Bronze drivers were slower. Then I could see the Graff car was struggling with rear tyres and he soon went off at Signes, so from there it was an easy run to give Colin a decent position.

Eccurie Ecosse now begin preparations for the Henderson LMP3 Cup at Donington Park on 16-17 September before returning to the Michelin Le Mans Cup at Spa Francorchamps on 22-23 September.

But first, to top off our 60th Le Mans anniversary celebrations we will have one of the largest gatherings of pre-1966 cars at the Goodwood Revival in 10 days. Please visit the event website for more information.

alt
alt
alt

 

EXCELENTE PROMOÇÃO

Promoção atempada numa das grandes publicações internacionais (Motorsport), apesar da revista não dar destaque à prova nos calendários da página ao lado. Mas trata-se de uma bela iniciativa para que o espectador vindo de fora tenha oportunidade de preparar a viagem.
Ainda assim, o mais interessante desta publicidade está no canto inferior direito...

 

FILIPE ALBUQUERQUE EM PAUL RICARD

 

Filipe Albuquerque vai sair de quinto para as 4h de Paul Ricard

Filipe Albuquerque, Will Owen e Hugo de Sadeller vão largar para as 4h de Paul Ricard, a quarta jornada do European Le Mans Series, da quinta posição da grelha. Um lugar longe das expectativas do trio da United Autosports mas que mesmo assim não desanima os pilotos que esperam conseguir na corrida recuperar lugares.

No final da sessão de qualificação, Filipe não escondia alguma desilusão: "Não era possível conseguir fazer melhor. O Ligier estava bom mas não conseguimos ter o andamento necessário para fazer frente aos nossos adversários. Não há muito mais a dizer nem a explicar. Foi a qualificação possível. Agora é pensar na corrida e recuperar os lugares perdidos", começou por referir Filipe Albuquerque.

As quatro horas de prova poderão ser suficientes para recuperar posições mas há que ter em atenção: "O desgaste dos pneus. Vamos ter de ser muito cuidadosos e delinear uma estratégia que nos seja favorável. Evitar problemas também será outro factor importante. Apesar do lugar na grelha não ser o melhor, acreditamos que podemos fazer um bom trabalho porque o carro está com um bom desempenho", concluiu Albuquerque ciente que nada está perdido e que o objectivo passa sobretudo por terminar a corrida na frente dos seus adversários na luta pelo campeonato.

A corrida poderá ser acompanhada amanhã a partir das 11h no Motors Tv.

 a751 Copy

 

VILLORBA CORSE EM PAUL RICARD

 

Cetilar Villorba Corse ready for the 4 Hours of Le Castellet

 

Italian team heads to Franceto take part in the fouth round of the European Le Mans Series(August25-27) with Lacorte / Sernagiotto / Belicchi on the #47 Dallara P217 Gibson

 

a720 Copy.After the summer break, the European Le Mans Series commitments of Cetilar Villorba Corse will start again from the Paul Ricard circuit with the fourth round of the season to be held from August 25 to 27: the 4 Hours of Le Castellet. It represents a new and crucial event for the Italian team led by Raimondo Amadio that will line up Roberto Lacorte, Giorgio Sernagiotto andAndrea Belicchi on the Dallara P217 in the LMP2 class. The three were among the protagonists at the 24 Hours of Le Mans, when Cetilar Villorba Corse clinched a stunning ninth place overall during their first participation,, but then, when they got back in ELMS, the crew was accidentally forced to retire while they were fighting for a podium position at the 4 Hours of the Red Bull Ring. Thirty-five cars will compete in Le Castellet: on Sunday, August 27, the race will start at 12:00 CET (live streaming onwww.europeanlemansseries.com).

 

Team Principal Amadiosays:We are back at Paul Ricard where we already tested this year and where in the past we were always competitive. We aim to a positive racing weekend and to confirm our increasing improvements that have been involving all the team since the beginning of the season. We know it is a demanding challenge but, since everything was solved on the Dallara after the Red Bull Ring round, we are ready to fight again.

 

SEBASTIEN BOURDAIS VOLTA A ENVERGAR O CAPACETE

 

SEBASTIEN BOURDAIS VOLTA A ENVERGAR O CAPACETE

 

 

 

  1. Três meses e meio depois do terrível acidente em Indianápolis, Sebastien Bourdais regressa este fim-de-semana às competições.

 

EX PILOTO PORSCHE COM FUTURO ASSEGURADO

 

EX PILOTO PORSCHE COM FUTURO ASSEGURADO

 

 

 O piloto da POrsche que marcou presença esta época no WEC, Neel Jani já tem emprego para 2018: Formula E com a Faraday Future Dragon.

 

SEGUNDO A OPINIÃO DO JORNALISTA JOÃO CARLOS COSTA

 

SEGUNDO A OPINIÃO DO JORNALISTA JOÃO CARLOS COSTA

 

  1. Fica a pergunta: a Mazda internacional investe? A Cadillac, Acura, Nissan aceitariam investir? As equipas americanas têm orçamento para um Mundial ou só querem mesmo ter a porta aberta para as 24 Horas de Le Mans? O que não vejo ninguém debater é se vale ou não a pena haver um Mundial WEC? Se bastaria o IMSA, o ELMS e o AsianLMS, fazendo de Le Mans uma espécie de grande final anual?!? Deixo a ideia, se quiserem.

 

EIS A VERSÃO DO NOVO ACURA

EIS A VERSÃO DEFINITIVA DO NOVO ACURA

 

Eis a versão decorativa do novo Acura, para além das versões anteriores.a415 Copya417 Copya418 Copya419 Copya420 Copya421 Copya422 Copya423 Copya424 Copya425 Copy

 

MAIS UM PROJECTO POR ÁGUA ABAIXO

MAIS UM PROJECTO POR ÁGUA ABAIXO

 

WEC

 

 

  1. Sem se saber quem estava verdadeiramente por detrás, acreditava neste projecto que poucos sabiam envolvia de forma algo indirecta a Dacia. Afinal, o Perrinn LMP1 revelou-se um castelo de cartas, não por culpa da empresa, antes dos financiadores.
    Agora, a marca aponta ao eléctrico na Garage 56 para 2019.

 

ECURIE ECOSSE

 

Ecurie Ecosse secure inaugural LMP3 Cup Championship
 

Ecurie Ecosse enjoyed a near-perfect race weekend at Snetterton at the weekend (12-13 August) securing a further race win – the sixth of the season – whilst claiming the inaugural Henderson Insurance Brokers LMP3 Cup Championship with two rounds remaining.

“It’s 60 years since Ecurie Ecosse last won at Le Mans, so to get this title is a fantastic result,” said driver-manager Alasdair McCaig. “We did the job that’s required to win the championship. Our last title was in the British GT championship in 2014, so to get another under our belt is perfect. We’ve had a great team behind us with Nielsen Racing and we’ve not had any mechanical failures, so credit to them. Now we start to think ahead for next year and see how we can step it up further.”
 
The weekend kicked off on a positive note with Colin Noble setting the pace in the #79 Ligier in the free practice session before teammate McCaig took over for qualifying ahead of the first race. McCaig started from fourth position, but crucially the #3 United Autosports entry pitted immediately with a power steering issue. As main rival in the championship, this provided the Ecurie Ecosse team with the perfect opportunity to further extend their points gap.
 
A good start from McCaig saw him vault second before ceding to the recovering Devon Modell in the Speedworks entry. McCaig shadowed Modell for the remainder of his stint before pitting and handing over to Noble.
 
With a 12 second time penalty for running a Silver-Silver line-up, Noble immediately cleared the Speedworks car to run second, quickly closing down and passing Evans for the lead. Acutely aware of the championship implications, Noble took no risks and gently extended his lead to 30 seconds by the chequered flag.
 
Sunday’s race saw McCaig qualify a strong second. With a 52-point in the championship and 80 left on the table the team lined up ready to claim the title should they finish ahead of the #3 Ligier.
 
The start saw McCaig battling hard into the first turn but on the outside, he found himself pushed wide, dropping to fourth as a result. McCaig shadowed Wells in the #3, before making a decisive pass to claim third on lap seven.
 
“Typically, I got a bit bullied by the United cars at the start, pushing me out wide, which allowed Tony down the inside, but all good racing all the same,” he explained. “We then had a good battle and I got by him at turn three and I just gapped him from there.”
 
Noble took over at mid-distance as the field closed up courtesy of a penalty for the leading #2 and the pit stops. With less than five seconds covering the leading quartet, a tense battle ensued with Noble trying to pass Modell in the #96 for second position. The race played out with Noble attacking and also defending from behind before finishing third and claiming the title for Ecurie Ecosse.
 
“I wanted to pass the Speedworks car for second, but he was very defensive which made it difficult,” said Noble. “In the end we got the third position and while I’m not that happy with P3, I am more than happy with the season as a whole and that we’ve claimed the title ahead of Donington. It’s a great achievement for all of the team.”
 
Ecurie Ecosse now prepare for the Le Mans Cup which takes place at Paul Ricard on 26 August. The final round of the LMP3 Cup takes place at Donington 16-17 September.
 

alt
alt

 

MAIS NOVIDADES NOS ESTADOS UNIDOS

MAIS NOVIDADES NOS ESTADOS UNIDOS

 

 

  1. Os piloto da Joest-Mazda DPi para 2018 devem ser anunciados em Outubro, talvez na semana do Petit Le Mans.

 

ACURA COM NOVIDADES

  1. Acura Penske DPi revelado oficialmente na sexta-feira (18). Alguns pilotos podem ser anunciados. Outros ficam em aberto.

 

TESTES EM PAUL RICARD

 

 

TESTES EM PAUL RICARD - FRANÇA

 

 

  1. O Acura (né Oreca) ARX-05 DPi da Penske já treina em Paul Ricard. Ben Hanley e Juan Pablo Montoya estão entre os pilotos que passaram pelo volante. Mas há quem diga que um dos outros que guiou é uma enorme surpresa.a112 Copya114 Copy

 

HÁ FOTOS

  1. Há fotos que não precisam de uma história, nem de um local. Contam tudo. A começar pela beleza do momento.

 

EURASIA EM SHANGAI

 

Eurasia enjoy further strong performances in FRD LMP3 Shanghai

The second round of the new-for-2017 FRD LMP3 Series Championship took place last weekend (28-30 July, 2017) at Shanghai International Circuit.
While Eurasia Motorsport were busy winning at Zhuhai in the Formula Masters Series, the team also fielded two LMP3 entries at Shanghai with Martin Cao and Garnet Patterson at the wheel of the #3 Ligier, Julio Acosta and Dan Wells driving the #91.
 
The opening race saw Patterson start from fourth position, gaining a position to run third before handing over to Cao. With Cao now reclassified as a gold driver, the team took an additional ten second success penalty in the pits, dropping Cao to seventh. Over in the #91, the duo of Acosta and Wells ran as high as fourth before dropping down and finishing ninth overall at the chequered flag.
 
The main race on Sunday saw both cars made strong starts with Cao in third and Wells in fourth. They both maintained those positions until Cao handed over to Patterson, but the mandated longer pit stop time again meant we dropped down to eighth position.
 
Patterson fought back and looked set for a fourth position, or even a third, but a spin cost him 15 seconds, dropping him behind Acosta who in turn held on to finish in sixth position.
 
The Eurasia team were pleased with the pace of both cars, especially as they were closing in on the cars in fourth and fifth positions.
 
“Without the spin and the mandated longer stops, for sure we could have been third – if not second. It makes it a lot harder for us to get the podiums we are seeking,” stated team principal Mark Goddard.
 
“Garnet Patterson drove a fantastic race anyway in what really is the most competitive LMP3 grid in the world at the moment with Platinum, Gold and Silver drivers. Eurasia Motorsport is proud to be part of a series that clearly has a bright future.”
 
The FRD LMP3 Series returns to the same venue in Shanghai for the next round on 27 August.

 

SEGUNDO A OPINIÃO DO JORNALISTA JOÃO CARLOS COSTA

 

SEGUNDO A OPINIÃO DO JORNALISTA JOÃO CARLOS COSTA

 

WEC 2017 - O ABANDONO DA PORSCHE

 

Assim, a nu. Uma máquina de guerra, para a batalha das vitórias. A beleza de um dos carros mais fantásticos que o ser humano produziu. Daqui a quatro meses vai para o museu. Terá sido feito antes de tempo? Terá sido apenas um sonho de grandeza de um regulamento demasiado ambicioso? Terá sofrido por males alheios? Pouco importa. Deixa saudades. Mas é apenas um capítulo na história das corridas. Outros se irão escrever. E isso é o mais importante. Que esse livro nunca tenha escrito a palavra "FIM"!

 

PORSCHE CONFIRMA ABANDONO DA WEC

Hoje bem cedo, pela manhã, às 07:00 na Alemanha, a Porsche confirmou o que se sabia. Adeus LMP1, olá Formula E, com algumas nuances: a equipa que trabalhou no programa LMP1 mantém-se, haverá um reforço de presença nos GT e está aberta a porta a outros programas (leia-se, vamos ver o que dá o novo regulamento de motores da F1?...)

 

PORSCHE PODERÁ ABANDONAR A WEC

PORSCHE PODERÁ ABANDONAR A WEC 

 

A noticia poderá ser hoje revelada ; ou pode ser amanhã. Mas vai ser anunciado até ao final da semana. Porsche está fora do WEC no final da temporada. O passo seguinte será a F. E, a partir da temporada 2019/2020. Algo que merece uma longa reflexão para os lados de Paris e ainda mais em Le Mans.

 

ECURIE ECOSSE

 

Ecurie Ecosse delighted with runner-up spot in Le Mans Cup Austria
 

Ecurie Ecosse finished a fighting second this weekend (21-22 July, 2017) as the Michelin Le Mans Cup reconvened for round three of the championship at the Red Bull Ring in Austria.
alt

It was a hard-fought result, but unfortunately, with main rivals DKR Engineering taking the victory, the Nielsen Racing-run squad lost ground in the title race, but are confident that they will remain a challenger on the faster circuits that dominate the rest of the calendar.

The team started the race weekend in style with Colin Noble setting the pace in the first free practice session, before repeating the same feat in the second before being bumped to fifth in the closing stages.

Tony Wells took charge in qualifying, making gains throughout the short session. A track limit infringement deleted his best lap however before his final tenth lap saw him heading for pole, only to encounter traffic in the final sector. This left Ecurie Ecosse a frustrated fourth on the grid.

alt

Wells made a great start from the second row of the grid, braving it around the outside to gain position at the first turn over the #99 to run third before being jumped at the safety car restart by the #3 race-winning entry.

Noble took over in third position and made light work of gaining second position, but with another safety car period cost him time and he resumed 28 seconds behind the race leader. Noble set fastest lap after fastest lap to narrow the margin to 13 seconds but ultimately had to be content with P2 on this occasion.

David ‘Sven’ Thompson, Team Manager Nielsen Racing

“A good result as we were the fastest Ligier on track this weekend by far. We can’t match the Norma over a race distance, but both Colin and Tony did a great job for us to get the runner-up position”

alt
Colin Noble

“Tony did a great job at the start, around the outside. The Norma pulled away and when I had my stint, I was able to set fastest lap and pull the gap down to 12-seconds at the end of the race. We ran out of time in that final stint, but I was really happy with the car and the team did a great job. Tony’s pace was good, as good as any AM.”

alt
Tony Wells

“A great job from Colin as ever, I just need to find those three-tenths out of me. I need to get in the gym honestly as around here it was so physical and after 20 laps (half distance) I was wiped. I started to get a bit neater, pushing less hard into the apex and then that’s when the times came, especially through turn one. We’re doing European racing and we’re second, how good is that with just 12 second off a car (Norma) that’s clearly better, how good is that?”

Ecurie Ecosse prepares for the Ignition Festival in Glasgow (4-6th August) where we will celebrate the 60th anniversary of the famous 1-2 Le Mans finish. The next race for the team will be the LMP3 Cup at Snetterton on August 12-13th. Le Mans Cup returns on the 26th of August in Paul Ricard.

 

 

ALBUQUERQUE VENCE NA AUSTRIA

 

Filipe Albuquerque com brilhante vitória em Red Bull Ring

Em três provas disputadas este mês, Filipe Albuquerque conseguiu duas vitórias e um segundo lugar. Venceu hoje a jornada do European Le Mans Series em Red Bull Ring com o Ligier da United Autosports. No início do mês venceu no Estados Unidos com o Cadillac da Action Express Racing e a semana passada foi segundo com o Oreca da Vaillante Rebellion na jornada do Campeonato do Mundo de Resistência em Nurburgring. Um mês perfeito para o piloto português que continua a somar sucessos na sua carreira desportiva.

O resultado conseguido hoje foi exactamente aquele que a equipa desejava. Albuquerque e os seus companheiros, Will Owen e Hugo de Sadeller reduziram a diferença em termos de campeonato para o primeiro classificado, estando agora a apenas quatro pontos.

A sair da terceira posição da grelha para a corrida, a luta foi renhida até ao final. Os três pilotos, assim como toda a equipa, foram exímios e não desperdiçaram as oportunidades para terminarem de forma exemplar esta importante jornada: "Estamos muito contentes. Foi uma vitória de um todo: pilotos, carro e equipa. Tudo funcionou na perfeição. Não podíamos estar mais felizes. Estamos mais perto do primeiro lugar e cientes que temos condições para continuar a discutir o primeiro lugar nas corridas mas sobretudo, o primeiro lugar no Campeonato", explicou.

Num excelente momento em termos de resultados, nos mais variados campeonatos, Filipe está muito feliz com o que tem conseguido fazer: "São resultados que me enchem de orgulho. Não são, no entanto, resultados individuais, são resultados de todos os pilotos e das equipas com quem trabalho. Espero que este momento se prolongue no tempo e que muitas mais vitórias e pódios se sigam e que culminem com títulos. Seria sem dúvida um ano perfeito. Fica a certeza que vou trabalhar para isso", concluiu Albuquerque.

Filipe terá agora umas semanas de férias antes de regressar ao ELMS para a jornada de Paul Ricard a 26 e 27 de Agosto.

 a434 Copy

 

FILIPE ALBUQUERQUE NA ALEMANHA

 

Filipe Albuquerque na segunda linha da grelha em Nurburgring

Filipe Albuquerque assegurou esta tarde a terceira posição da grelha para as 4h de Nurburgring pontuáveis para o European Le Mans Series. O piloto português e os seus companheiros de equipa na United Autosports, Will Owen e Hugo de Sadeller, terão as quatro horas de prova para lutar pela vitória.

Um resultado que Filipe acredita possível dada a performance do Ligier ao longo das sessões de treinos e até da própria qualificação: "Acredito que na corrida vamos dar a volta ao resultado e conseguir ficar na frente dos líderes do campeonato para reduzirmos a diferença. Não fomos os mais rápidos na qualificação mas acredito que na corrida sejamos mais consistentes e que isso jogue a nosso favor", explicou.

Amanhã o arranque para a prova está nas mãos de Hugo de Sadeller: "A equipa assim o definiu. O Hugo arranca, o Will faz o turno intermédio e eu o 'stint' final. Estamos muito confiantes e a planear a melhor estratégia para as 4 horas de corrida", concluiu.

Amanhã a corrida começa pelas 12h de Portugal e pode ser acompanhada em directo em: www.europeanlemansseries.coma409 Copy

 

VILLORBA CORSE

 

Cetilar Villorba Corse back in ELMS after Le Mans exploit

 

Italian team heads toAustria to take part in the4 Hours of Red Bull Ring at Spielberg (July 21-23)with Lacorte / Sernagiotto / Belicchi on the#47 Dallara P217 Gibson

 

a369 Copya370 Copy.After their magic debut inthe 24 Hours of Le Mans and the World Endurance Championship, Cetilar Villorba Corse returns to the2017European Le Mans Series, whose third roundwill be held from July 21 to 23 in Austria. The 4 Hours of Red Bull Ring representsa new and challenging commitmentbefore the summer break for the all-Italian team led by Raimondo Amadio and the #47 DallaraP217 Gibson ofRoberto Lacorte, Giorgio Sernagiotto and Andrea Belicchi. The three werestunning protagonists in Le Mans, where they finished ninth overalland seventh in the LMP2class, while in the Europe’s leading sportscar championship they shone both at Silverstone and Monza. The foothills of the Styrian Alps will reverberate to the sound of 36 European Le Mans Series competitors. The grid will feature 28 teams and 99 drivers representing 21 different nations from around the globe. The 4 Hours of Red Bull Ring will take place on Sunday 23 July. In addition to the free live stream of the race on the official website at www.europeanlemansseries.com, you can watch the race live on Motorsport.TV and MotorTrendonDemand across Europe and the USA. Live coverage will begin just before the race begins at 13h00 CET.

 

Team Principal Amadiosays:After our magic experience at Le Mans we get back to ELMS on a circuit that gave us a lot in terms of emotions in the past. In the first two rounds of the series we improved quite well both on performance and consistency so the key goal will be to continue this way toget at least one podium before the end of the season. I saw that harmony in the team has growna lot after our great effort at the 24 Hours of Le Mans and I believe that we can do well in Austria.

 

Attached:Photo by Paola Depalmas

 

European Le Mans Series calendar:15apr.Silverstone(GBR); 14 may Monza (ITA); 23 july Spielberg(AUT); 27 aug. Le Castellet(FRA); 24 sept. Spa(BEL); 22 oct. Portimao(POR).

 

ORECA É NOTICIA

 

HPD AND PENSKE PICK ORECA FOR THEIR DPi PROGRAMME!

 

20140704184123-1e7eadc8

HPD (Honda Performance Development) and Team Penske have decided to put their trust in ORECA for their future endurance programme. Indeed, during the upcoming months, Honda's branch in Northern America will be developing a DPi prototype (Daytona Prototype International) based on the ORECA 07 - winner of the latest 24 Hours of Le Mans.     


Through its premium brand Acura, Honda will be the fourth manufacturer to enter the DPi class, benefiting from ORECA's know-how in race car manufacturing to take on new sporting challenges and looking to further extend its prize list, which comprises titles clinched over the last years in the American Le Mans Series, in the Le Mans Series and at the 24 Hours of Le Mans.

The Japanese manufacturer will also be working with prestigious Team Penske, worldly famous for its many success in Indy Car, NASCAR and endurance and particularly well-known for having garnered 16 successes at the Indianapolis 500. Based in North Carolina, the team, which celebrated its 50th anniversary last year, has also won the 24 Hours of Daytona as well as the 12 Hours of Sebring several times. 


Together with HPD and Team Penske, ORECA is now getting ready for a new fantastic challenge in Northern America, a continent the company particularly loves. Establishing this partnership with two great motorsport players also opens new horizons in the young career of the ORECA 07, which for the first time is about to be used as a base for the developments of a DPi prototype.

Hugues de Chaunac (ORECA's CEO)

 

"ORECA Group is delighted to have been chosen by Honda Performance Development (HDP) for their new DPi programme in America. Over its first months of competition, the ORECA 07 has clinched particularly outstanding results, whether at the 24 Hours of Le Mans, in the FIA WEC, the IMSA or the ELMS. The fact that such a manufacturer as Acura has decided to base their future prototype on our model is an acknowledgement of the work we've conducted. There are many assets in the DPi class and we're really enthusiastic about this new project, especially with Team Penske. This prestigious team has got a great history, and such a prize list... with Honda's involvement, that's many new responsibilities for us. It'll be an important challenge, and that's exactly what we like at ORECA. We will be humble in our approach, yet ambitious." 

 

David Floury (Director of ORECA Technology)

 

"Everybody at ORECA is really pleased and looking forward to taking part in this great project. It's a real honour to have been picked as a chassis partner by HPD and Penske: both have got an amazing history in motorsport! We've got a lot of work ahead of us but as always, we're ready to take on the challenge."

About HPD


Based in Santa Clarita, California, USA. Founded in 1993.
• 24 Hours of Le Mans LM P2 Winner in 2010 and 2012
• 8 ALMS titles between 2009 and 2013
• 1 ELMS title in 2010
• 1 FIA WEC title in 2012
About Penske

Based in Mooresville, North Carolina, USA. Founded in 1966.
• 16 wins in the Indianapolis 500
• Over 450 wins and 500 pole positions across all competitions (Endurance, NASCAR, F1, Indy car...)
• Several wins at the 24 Hours of Daytona and 12 Hours of Sebring

 

GALERIA DE IMAGENS - WEC 2017

GALERIA DE IMAGENS

 

WEC 2017 - ALEMANHA

 

Grupo de imagens relativas à prova do passado fim de semana da WEC na Alemanha.

 

b2-paulomaria Copyb3 Copyb4 Copyb5 Copyb6 Copyb7 Copyb8 Copyb9 Copyb10 Copyb11 Copyb12 Copyb14 Copyb15 Copyb16 Copyb17 Copyb18 Copyb19 Copyb20 Copyb21 Copyb22 Copyb23 Copyb24 Copyb25 Copyb26 Copyb27 Copyb28 Copyb29 Copyb30 Copyb31 Copyb32 Copyb33 Copyb34 Copyb35 Copyb36 CopyFotos de Paulo Maria - idadeonline.comwww.velo 

 

ALBUQUERQUE NA AUSTRIA

Filipe Albuquerque prossegue este fim-de-semana com o ELMS na Áustria

Três fins-de-semana de competição, três campeonatos diferentes, três carros distintos. Filipe Albuquerque enfrenta nos próximos dias 22 e 23 de Julho o European Le Mans Series ao volante do Ligier da United Autosports focado em conseguir reduzir a diferença para os líderes do Campeonato. Meta que para ser tangível, em condições normais, obriga a uma vitória. É esse o foco do piloto português e dos seus comp...anheiros de equipa, Will Owen e Hugo de Sadeller.

O circuito de Red Bull Ring será palco da prova deste fim-de-semana, uma pista que Filipe tão bem conhece e que espera se adapte às especificidades do Ligier: “É um circuito que obriga a máximo ‘downforce’ e estou optimista quanto ao ‘set-up’ do carro para esta pista. Acho que vamos conseguir impor um bom ritmo que nos vai permitir estar na luta pelo primeiro lugar. Tanto eu como os meus companheiros de equipa estamos com esse foco, sobretudo depois das 24h de Le Mans que deram uma confiança extra a toda a equipa. O nosso principal rival na luta pelo título está identificado, estamos a dez pontos deles e temos de reduzir essa desvantagem. Temos trabalho pela frente e 4 horas de prova para atingir o objectivo”, referiu Filipe Albuquerque.

As 4h de Red Bull Ring podem ser acompanhadas em directo.

 

MAZDA MOTORSPORT

 

Mazda Motorsports anuncia criação

do Mazda Team Joest

              Nova equipa Mazda Prototype em competição na temporada de 2018

 

a345 Copy. A Mazda Motorsports dá início a uma nova era na competição com a criação do Mazda Team Joest, que será a equipa de fábrica da Mazda Prototype no âmbito do Campeonato Norte-Americano IMSA WeatherTech SportsCar, que se disputa sob as regras da categoria Daytona Prototype international (DPi). A equipa fará a sua estreia em competição na temporada de 2018, nas 24 Horas Rolex de Daytona, em Janeiro.

 

A Joest Racing é uma das mais bem sucedidas equipas de corridas de resistência da história do automobilismo, contando com 16 vitórias nas 24 Horas de Le Mans, múltiplas vitórias em prestigiantes corridas norte-americanas como as 24 Horas de Daytona, 10 vitórias nas 12 Horas de Sebring e 6 títulos no campeonato Petit Le Mans. Muito do sucesso da Joest deu-se como equipa de fábrica da Audi de 1999 a 2016, ano em que o construtor alemão terminou o seu programa de competição. Antes disso, a Joest Racing obteve múltiplas vitórias em Le Mans com a Porsche e foi a equipa de fábrica da Opel no Campeonato Alemão de Turismos (DTM). A empresa alemã nasceu em 1978, sendo criada por Reinhold Joest, então piloto de fábrica da Porsche.

 

Quanto à herança da Mazda nas corridas, destaca-se a manutenção do estatuto de único construtor asiático a vencer em Le Mans, a que se somam 22 vitórias na classe nas 24 Horas de Daytona, 13 vitórias na classe nas 12 Horas de Sebring e 11 outros grandes títulos em diversos campeonatos. De acordo com estatísticas da IMSA, a Mazda é o 3º fabricante melhor sucedido na história da competição norte-americana profissional, contabilizando 155 vitórias em diversos patamares.

 

“Desde a chegada da Mazda aos circuitos em 1964 que cada vez que corremos mantemos o nosso espírito de ‘Never Stop Challenging’, esforçando-nos por alcançar vitórias e campeonatos,” refere Masahiro Moro, Presidente e CEO da Mazda North American Operations (MNAO) e Director Executivo da Mazda Motor Corporation (MMC). “A criação do Mazda Team Joest garante-nos uma oportunidade única de realizar uma parceria com uma equipa de sucesso comprovado na categoria de protótipos, naquela que é a melhor oportunidade para voltar a colocar a Mazda no degrau mais alto do pódio. Congratulo-me com a integração da família Joest na família Mazda e estou convicto de que, juntos, vamos escrever muitas mais páginas no livro de sucessos da Mazda nas corridas.”

 

“Estamos animados e orgulhosos com esta nova oportunidade com a Mazda,” disse Ralf Jüttner, Director da Joest Racing. “A Mazda tem uma longa tradição no automobilismo e, em especial na América, criou-se uma enorme plataforma de entusiastas das corridas. Para nós, não só é um regresso às corridas em solo americano, de que sempre gostámos, como também é uma fantástica notícia para o nosso enorme grupo de fãs japoneses, que sempre nos abraçaram de  modo caloroso.”

 

Quanto a John Doonan, Director do departamento de Competição da Mazda North American Operations, reconhece que esta associação representa “uma oportunidade única. É um momento importante na história da Mazda Motorsports, em que nos apresentamos o nosso programa de competição de topo em associação com uma das melhores equipas de todos os tempos,” acrescentou. “O que o Sr. Joest, Ralf Jüttner e toda a organização da Joest Racing alcançaram não é susceptível de alguma vez ser igualado. Estamos, por isso, muito animados em trabalhar com eles para colocar a Mazda no caminho das vitórias, aumentando o número de troféus conquistados, aumentando os substanciais legados da Mazda e da Joest Racing ao longo dos próximos anos.”

 

A partir de agora totalmente focada na temporada de 2018, a actual equipa Mazda Prototype não irá alinhar nas três restantes corridas da presente temporada do campeonato IMSA.

 

WEC 2017

 

TOYOTA GAZOO Racing sobe ao pódio nas 6h de Nurburgring

pela primeira vez A Toyota GAZOO RACING subiu ao pódio nas 6 horas de nurburgring, Na quarta ronda do Campeonato do Mundo FIA de Endurance 2017 QUE FOI particularmente desafiante PARA TODA A EQUIPA.
 
A cerca de 90km de Colónia, a base Europeia da equipa, o circuito de Nurburgring é tradicionalmente um circuito difícil para a Toyota e este ano não foi exceção.
 
No entanto, o TS050 HYBRID #7 de Mike Conway e Kamui Kobayashi e José Maria López que obteve a pole position, terminou em terceiro lugar depois de liderar o início da corrida estabelecendo a volta mais rápida.
 
O TS050 HYBRID #8 de Sébastien Buemi, Anthony Davidson e Kazuki Nakajima teve um problema técnico logo no início terminando em 4º lugar, numa corrida em que o Porsche #2 venceu.
 
A corrida começou da pior maneira para o Toyota #8. Um problema na bomba de combustível não permitiu que Sébastien Buemi arrancasse normalmente. Ainda antes do arranque das 6 horas teve que voltar à box para substituir a bomba de combustível perdendo 8 minutos e 5 voltas.
 
Enquanto o Kamui Kobayashi no carro # 7 arrancava da pole position e liderou no início, Sébastien no carro # 8 começava a sua luta de regresso aos lugares da frente. Numa corrida emocionante Kamui Kobayashi, apesar de muito pressionado pelos dois Porsche, manteve a primeira posição durante a primeira hora até parar nas boxes para troca de piloto.
 
Depois de 80 minutos de corrida intensa o carro # 7 caiu para a terceira posição, mas José Maria López manteve a pressão. Com duas horas de corrida estava a dois segundos do líder.
 
Contudo, com o decorrer da corrida, uma alteração na performance aerodinâmica afetou negativamente o desempenho dos dois Toyota. A causa desta situação será analisada pela equipa de engenheiros nos próximos dias.
 
Com pouca possibilidade de alterar as posições naquela fase da corrida, os dois TS050 HYBRID concentraram-se em terminar a prova assegurando pontos importantes para o campeonato.
 
O primeiro Toyota TS050 de Kamui Kobayashi no carro #7 terminou assim em terceiro, conquistando o quarto pódio da equipa esta época. A 1min. 4.768 segundos do primeiro classificado. Kazuki Nakajima continuou a lutar aos comandos do TS050 HYBRID #8 e reduziu a diferença para 5 voltas, conseguindo terminar na quarta posição da geral.
 
Este resultado permite que a TOYOTA GAZOO Racing continue a lutar pelo campeonato de fabricantes, a 39,5 pontos do primeiro. A equipa de pilotos do carro #8 comanda os Toyota a 30 pontos dos líderes.
 
Esta corrida alemã marcou o fim da etapa Europeia da temporada WEC, com as equipas a deslocar-se para a América do Norte para as corridas na Cidade do México (3 de setembro) e Austin (16 de setembro), antes das três corridas finais de 2017 disputadas na Ásia.
 
 
Toshio Sato - Presidente da Equipa: "Nürburgring voltou a ser um grande desafio para nós. Mostramos boa velocidade por volta e apreciamos a luta renhida com a Porsche no início, mas o equilíbrio do carro mudou durante a corrida e isso levou a que perdêssemos algum desempenho. A corrida de hoje foi realmente um exercício de minimização de danos em termos do Campeonato Mundial. Acreditamos que seremos mais fortes durante o resto da temporada quando os circuitos se adequarem melhor ao nosso TS050 HYBRID. Minimizamos a distância para a Porsche e agora olhamos para as próximas corridas onde o objetivo será reduzir a diferença pontual e lutar pelo Campeonato do Mundo."
 
Resultados finais da TOYOTA GAZOO Racing:
TS050 HYBRID #7 (Mike Conway, Kamui Kobayashi, José María López) Terminou em: 3º, 204 voltas, 6 paragens. Posição na grelha de partida: 1º.
Volta mais rápida: 1min 40.633 segs
 
TS050 HYBRID #8 (Sébastien Buemi, Anthony Davidson, Kazuki Nakajima) Terminou em: 4º, 199 voltas, 6 paragens. Posição na grelha de partida: 4º.
Volta mais rápida: 1min 41.771 segs
 
 
Classificação final das 6 Horas de Nurburgring:
1st        #2 Porsche (Bernhard/Bamber/Hartley)               204 laps
2nd       #1 Porsche (Jani/Lotterer/Tandy)                        +1.606secs
3rd       #7 TOYOTA GAZOO Racing                              +1min 4.786secs
4th       #8 TOYOTA GAZOO Racing                              +5 laps
5th        #38 Jackie Chan ((Tung/Jarvis/Laurent)               +13 laps
6th        #31 Rebellion (Canal/Senna/Albuquerque)            +14 laps
 
a325 Copya326 Copya327 Copy
 

WEC 2017

 

TOYOTA GAZOO Racing sobe ao pódio nas 6h de Nurburgring

pela primeira vez A Toyota GAZOO RACING subiu ao pódio nas 6 horas de nurburgring, Na quarta ronda do Campeonato do Mundo FIA de Endurance 2017 QUE FOI particularmente desafiante PARA TODA A EQUIPA.
 
A cerca de 90km de Colónia, a base Europeia da equipa, o circuito de Nurburgring é tradicionalmente um circuito difícil para a Toyota e este ano não foi exceção.
 
No entanto, o TS050 HYBRID #7 de Mike Conway e Kamui Kobayashi e José Maria López que obteve a pole position, terminou em terceiro lugar depois de liderar o início da corrida estabelecendo a volta mais rápida.
 
O TS050 HYBRID #8 de Sébastien Buemi, Anthony Davidson e Kazuki Nakajima teve um problema técnico logo no início terminando em 4º lugar, numa corrida em que o Porsche #2 venceu.
 
A corrida começou da pior maneira para o Toyota #8. Um problema na bomba de combustível não permitiu que Sébastien Buemi arrancasse normalmente. Ainda antes do arranque das 6 horas teve que voltar à box para substituir a bomba de combustível perdendo 8 minutos e 5 voltas.
 
Enquanto o Kamui Kobayashi no carro # 7 arrancava da pole position e liderou no início, Sébastien no carro # 8 começava a sua luta de regresso aos lugares da frente. Numa corrida emocionante Kamui Kobayashi, apesar de muito pressionado pelos dois Porsche, manteve a primeira posição durante a primeira hora até parar nas boxes para troca de piloto.
 
Depois de 80 minutos de corrida intensa o carro # 7 caiu para a terceira posição, mas José Maria López manteve a pressão. Com duas horas de corrida estava a dois segundos do líder.
 
Contudo, com o decorrer da corrida, uma alteração na performance aerodinâmica afetou negativamente o desempenho dos dois Toyota. A causa desta situação será analisada pela equipa de engenheiros nos próximos dias.
 
Com pouca possibilidade de alterar as posições naquela fase da corrida, os dois TS050 HYBRID concentraram-se em terminar a prova assegurando pontos importantes para o campeonato.
 
O primeiro Toyota TS050 de Kamui Kobayashi no carro #7 terminou assim em terceiro, conquistando o quarto pódio da equipa esta época. A 1min. 4.768 segundos do primeiro classificado. Kazuki Nakajima continuou a lutar aos comandos do TS050 HYBRID #8 e reduziu a diferença para 5 voltas, conseguindo terminar na quarta posição da geral.
 
Este resultado permite que a TOYOTA GAZOO Racing continue a lutar pelo campeonato de fabricantes, a 39,5 pontos do primeiro. A equipa de pilotos do carro #8 comanda os Toyota a 30 pontos dos líderes.
 
Esta corrida alemã marcou o fim da etapa Europeia da temporada WEC, com as equipas a deslocar-se para a América do Norte para as corridas na Cidade do México (3 de setembro) e Austin (16 de setembro), antes das três corridas finais de 2017 disputadas na Ásia.
 
 
Toshio Sato - Presidente da Equipa: "Nürburgring voltou a ser um grande desafio para nós. Mostramos boa velocidade por volta e apreciamos a luta renhida com a Porsche no início, mas o equilíbrio do carro mudou durante a corrida e isso levou a que perdêssemos algum desempenho. A corrida de hoje foi realmente um exercício de minimização de danos em termos do Campeonato Mundial. Acreditamos que seremos mais fortes durante o resto da temporada quando os circuitos se adequarem melhor ao nosso TS050 HYBRID. Minimizamos a distância para a Porsche e agora olhamos para as próximas corridas onde o objetivo será reduzir a diferença pontual e lutar pelo Campeonato do Mundo."
 
Resultados finais da TOYOTA GAZOO Racing:
TS050 HYBRID #7 (Mike Conway, Kamui Kobayashi, José María López) Terminou em: 3º, 204 voltas, 6 paragens. Posição na grelha de partida: 1º.
Volta mais rápida: 1min 40.633 segs
 
TS050 HYBRID #8 (Sébastien Buemi, Anthony Davidson, Kazuki Nakajima) Terminou em: 4º, 199 voltas, 6 paragens. Posição na grelha de partida: 4º.
Volta mais rápida: 1min 41.771 segs
 
 
Classificação final das 6 Horas de Nurburgring:
1st        #2 Porsche (Bernhard/Bamber/Hartley)               204 laps
2nd       #1 Porsche (Jani/Lotterer/Tandy)                        +1.606secs
3rd       #7 TOYOTA GAZOO Racing                              +1min 4.786secs
4th       #8 TOYOTA GAZOO Racing                              +5 laps
5th        #38 Jackie Chan ((Tung/Jarvis/Laurent)               +13 laps
6th        #31 Rebellion (Canal/Senna/Albuquerque)            +14 laps
 
 
a236 Copya237 Copya238 Copy
 

SARRAZIN MOTORSPORT

 

Sarrazin Motorsport to take on the world of endurance racing!

20140704184123-1e7eadc8

Stéphane Sarrazin stands out as one of modern-day motorsport's true all-rounders, and his successful career has taken him from karting to Formula 1, prototype and GT racing, not to mention world rallying.

Today, just months after founding Sarrazin Motorsport, in April, 2017, with a view to running cars in rallies across Europe, the Frenchman has taken on a fresh challenge with the creation of « Sarrazin Motorsport Endurance » in a bid to notch up top results in international endurance racing.

An academy for endurance racers

Far from being just another racing team, « Sarrazin Motorsport Endurance » will primarily seek to scout, groom and guide promising young drivers within the framework of a professional endurance racing academy, providing them with a golden opportunity to make names for themselves in a discipline whose public popularity and media profile have grown consistently in recent years.

« For me, it was vital to be able to pass on the benefit of my experience in endurance racing to others » explains Stéphane Sarrazin. « Thanks to my extensive knowledge of the discipline and my spells competing for some of the most prestigious teams in the sport such as Oreca, Aston Martin, Peugeot and now Toyota, this new venture will be an ideal educational, technical and sporting platform for drivers from all over the world. Systems like this tend to target talented youngsters who are looking to work their way up the single-seater racing ladder. In our case, however, we want to offer an alternative to that career path, with the focus on endurance racing in association with both gentleman drivers and the sport's stars of the future. »

Participation in different championships

In addition to its driver grooming role, « Sarrazin Motorsport Endurance » plans to compete in some of the discipline's top championships around the globe, with entries already planned for the Asian Le Mans Series, European Le Mans Series and World Endurance Championship for this young, ambitious team.

« We have ordered our first Ligier JSP3 and we are keen to run it later this season in the Asian Le Mans Series [four rounds, beginning October 29, 2017] before stepping up to European competition in 2018 » announces Stéphane Sarrazin. « This will enable our drivers to take full advantage of the most comprehensive programme possible, from management support to carefully personalised coaching during testing and, of course, at races. At the same time, we plan to offer our services to non-hybrid LMP1 and LMP2 teams, which will allow them access to a raft of both human and logistical resources, aimed at helping them to progress and obtain better results. In every case, and irrespective of the challenges we face along the way, our watchwords will be professionalism, determination and performance. »

Targeting the top step of the podium

To achieve these objectives, Stéphane Sarrazin has joined forces with Philippe Charissoux, who will oversee this forward-looking initiative in addition to leading an international technical team to support the young driver academy. He will also act as Team Manager at races.

Says Philippe Charissoux: « Alongside my responsibilities in developing KCMG Composites, I am delighted that Stéphane and I have taken our fruitful collaboration to the next level. We have set our sights high and time is of the essence. We now need to finalise our young driver academy line-up for the Ligier JSP3 in the Asian Le Mans Series, while doing our utmost to challenge for PLM2 glory with an Oreca 05... »

It promises to be a busy summer indeed for « Sarrazin Motorsport Endurance! »

 

ALBUQUERQUE NA REBBELION

 

Filipe Albuquerque entusiasmado com a jornada de Nurburgring do WEC

É já este fim-de-semana de 15 e 16 de Julho que Filipe Albuquerque regressa ao Campeonato do Mundo de Resistência desta feita com a Vallante REBELLION para substituir Nicolas Prost. O piloto português junta-se a Bruno Senna e Julien Canal com o objectivo de conseguir uma vitória para a equipa que lhe permita continuar na discussão do título.

Filipe está optimista para as 6h de prova mesmo que ainda não se tenha sentado no carro: “Acho que o facto de não ter testado não representa, neste caso, um ‘handicap’. Os treinos livres serão certamente suficientes para a adaptação e para matar a minha curiosidade quanto ao desempenho do carro. O facto de conhecer e gostar do traçado de Nurburgring é certamente uma mais-valia. No que à prova diz respeito, e uma vez que os carros e os pneus são todos iguais, estou consciente que o trabalho dos engenheiros e pilotos é que pode fazer a diferença. Uma boa afinação e a destreza de quem está ao volante é que pode levar a um melhor ou pior resultado. Na minha mente, está a vitória como foco mas se porventura não for possível, amealhar o maior número de pontos é o segundo objectivo.”, concluiu o piloto português.

O programa do fim-de-semana prevê os treinos livres na sexta, a qualificação no sábado e a corrida no domingo. O Eurosport transmitirá em directo a partir das 17.45 a última hora de competição.

 
19a Copy

 

ECURIE ECOSSE

Ecurie Ecosse takes fifth win of the LMP3 Cup season at Silverstone
 

Ecurie Ecosse continued to show its race winning form this weekend (July 1-2, 2017) at Silverstone as the Henderson Insurance Brokers LMP3 Cup Championship reconvened for rounds seven and eight of the championship.
alt

Having secured four wins already this year, the Nielsen-run team added another win to the tally with Alasdair McCaig and Colin Noble on Saturday and followed that up with the runner-up position on the Sunday.  Here’s the story of the weekend….

alt
alt
Alasdair McCaig

“It was a good stint. I had heavy contact at the first turn from O’ Keeffe, so that was a real moment as I nearly spun and then ran wide onto the astro. From there it was just keeping it consistent and not worrying about the Pro car ahead. I handed over to Colin in a good position, and he did a great job to bring the car home with the victory.”

alt
Colin Noble

“That was as hard as it gets. The racing here in this championship is just as intense as in Europe (Le Mans Cup) and we had to really push to get the win.”

alt
alt
Alasdair McCaig

“My rear tyres overheated badly in my stint due to the increased temperatures. I radioed in for a change for Colin but overall while the car was good, we lost a little compared to yesterday. Tony (Wells) raised his game today, so United Autosports had the legs on us.”

alt
Colin Noble

“We are happy with the result, would rather be P1, but second today is fine. The car was a little off but that’s probably the same for all of us out there today. Silverstone is done now and we have the points we need with two races to go.”

Ecurie Ecosse now turn their attention back to the Michelin Le Mans Cup, with the next round taking place later this month at the Red Bull Ring in Austria. The  LMP3 Cup continues at Snetterton on August 12-13th.

alt
alt

 
Mais artigos...

João Raposo

Telemóvel: +351 961 686 867
E-mail: jraposo-air@portugalmail.pt