In order to view this object you need Flash Player 9+ support!

Get Adobe Flash player
Joomla! Slideshow

VELO CAB2012


SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

UNITED STATES GRAND PRIX PREVIEW Round 17 of 20
 
ULTRASOFT TURNS PINK IN AUSTIN TO SUPPORT SUSAN G.KOMEN®
  Formula 1 heads to Austin for the first race of an American double-header, with Mexico following just one week later. The three softest tyres in the range have been selected for both: P Zero Yellow soft, P Zero Red supersoft and P Zero Purple ultrasoft. However, to support the Susan G.Komen® foundation – which will be a key feature of the United States Grand Prix – the ultrasofts will be coloured pink for this weekend only. As has been the case for many races this year, this nomination is one step softer than 2016, which – in combination with the new 2017 regulations and wider tyres – is likely to lead to another lap record being broken, as has also been the case on recent tracks. The Circuit of the Americas borrows elements of other famous venues in its layout, making it universally popular among the drivers. Contrary to most circuits, it also runs anti-clockwise.
 
THE THREE NOMINATED COMPOUNDS
  
 
 
THE CIRCUIT FROM A TYRE POINT OF VIEW
 
 
 Turn 1 forms a unique challenge: an uphill then downhill hairpin, where braking is hard to judge.  There are several overtaking opportunities, which means that race strategy options to gain track position are quite open.  There are three long straights, which have the effect of cooling the tyres on each lap.  Weather can be quite variable in Texas, ranging from bright sunshine to heavy rain.  Last year, Lewis Hamilton’s winning strategy was a two-stopper, while Sebastian Vettel was on the podium with a three-stopper.
 
MARIO ISOLA - HEAD OF CAR RACING “For America, we’re once again taking a softer range of compounds that we have done for previous races there, with the ultrasoft available in Austin for the first time: but in pink
 
 
 
 
as a one-off, to highlight the brilliant work of the Susan G.Komen® foundation. This should bring lap times down, continuing the trend we have seen over the course of the season. Austin though is one of the hardest tracks to predict, also due to variable weather, and we’ve seen quite a variety of pit strategies there in the past. These could involve all three compounds this time, with the soft being a good potential option for the race as well”.
 
WHAT’S NEW?     The ultrasoft tyre appears at the Circuit of the Americas for the very first time: only this time coloured pink! For more info: www.pirelli.com/global/enww/race/austin-in-the-pink  Carlos Sainz makes his debut for Renault, and will use Jolyon Palmer’s tyre nomination. Daniil Kvyat, replacing Sainz at Toro Rosso, will use Sainz’s choices. This year’s Le Mans winner Brendon Hartley, driving the ex-Kvyat Toro Rosso, will use the tyre choices originally made by Kvyat.  The championship frontrunners have made slightly different tyre choices for America, with Lewis Hamilton selecting three sets of soft (the only driver to do so, along with Pascal Wehrlein).  Pirelli won all the classes in the FIA European Rally Championship standings, with Poland’s Kajetan Kajetanowicz taking a record third consecutive overall European title.
 
CIRCUIT OF THE AMERICAS MINIMUM STARTING PRESSURES (SLICKS)
 
 
22.0 psi (front) – 19.0 psi (rear)
 
EOS  CAMBER LIMIT
 
 
-3.50° (front) | -2.00° (rear)
 
THE TYRES NOMINATED THIS SEASON
 
      Australia      China  

UNITED STATES GRAND PRIX PREVIEW

 

alt

  

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

Antevisão Grande Prémio do Japão 2017

 

 

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

JAPANESE GRAND PRIX QUALIFYING
 
LEWIS HAMILTON CLAIMS POLE FOR MERCEDES SMASHING SUZUKA ALL-TIME LAP RECORD ON SUPERSOFT
 
ALTERNATIVE STRATEGY FOR FERRARI’S KIMI RAIKKONEN AND MERCEDES DRIVER VALTTERI BOTTAS, WHO WILL START THE RACE ON SOFT
 
TWO PIT STOPS EXPECTED FOR MOST DRIVERS IN THE 53-LAP RACE TOMORROW, IF IT REMAINS DRY AND WARM
  a169 Copy Mercedes driver Lewis Hamilton demolished the Suzuka alltime lap record to claim pole position on the supersoft tyre. Hamilton and Ferrari’s Sebastian Vettel were the only two drivers to get through Q1 on the soft tyres only while their team mates, Valtteri Bottas and Kimi Raikkonen, adopted an alternative strategy for Q2. Both set their fastest Q2 times on the soft tyre, which they will begin the race on tomorrow. However, Bottas and Raikkonen are among several drivers to have collected grid penalties, so they will start further back tomorrow. With today’s dry weather expected to remain tomorrow, two pit stops should be the optimal strategy. However, there is always the possibility of a safety car to disrupt the strategy in Suzuka, with red flags seen in free practice as well as during Q1.
 
MARIO ISOLA - HEAD OF CAR RACING “Hamilton’s remarkable lap, which obliterates the previous all-time Suzuka record, has underlined the pace of the latest-generation Formula 1 car and tyres, even though preparation for the race has been interrupted by weather and red flags up until now. Pole this year was in fact 3.3 seconds faster than 2016, with the tyres performing perfectly. We would expect two pit stops for most drivers in the race tomorrow, as this is one of the circuits that takes the most energy out of the tyres of the entire year. Already we’ve seen some tactics in qualifying, with two of the drivers carrying grid penalties opting to start on the soft tyres. This should allow them to gain track position by running a longer first stint than their direct rivals. Last weekend in Malaysia proved that, with the right strategy, it’s still possible to get a good result even starting from the back.”
 
HOW THE TYRES BEHAVED TODAY
      All the drivers in the top 10 grid positions will start on this tyre, except for Bottas. Bottas and Raikkonen were the only drivers to use this tyre in Q2. Seen only at the beginning of FP3 today for installation laps.   
 
 
 
 
 
FREE PRACTICE 3 – TOP 3 TIMES
 
 
QUALIFYING TOP 10
 
 
 
MOST LAPS BY COMPOUND SO FAR
 
 
 
 
 
 
DRIVER TIME COMPOUND
Bottas 1m29.055s SOFT NEW
Hamilton 1m29.069s SOFT NEW
Vettel 1m29.379s SUPERSOFT USED
DRIVER TIME COMPOUND
Hamilton 1m27.319s SUPERSOFT  NEW
Bottas 1m27.651s SUPERSOFT  NEW
Vettel 1m27.791s SUPERSOFT  NEW
Ricciardo 1m28.306s SUPERSOFT  NEW
Verstappen 1m28.332s SUPERSOFT  NEW
Raikkonen 1m28.498s SUPERSOFT  NEW
Ocon 1m29.111s SUPERSOFT  NEW
Perez 1m29.260s SUPERSOFT  NEW
Massa 1m29.480s SUPERSOFT  NEW
Alonso 1m30.687s SUPERSOFT  NEW
COMPOUND DRIVER LAPS
MEDIUM Alonso, Grosjean, Magnussen 3
SOFT Perez 18
SUPERSOFT Raikkonen 19
WET Hamilton, Stroll 4
 
 
 
 
BEST TIME BY COMPOUND SO FAR
 
 

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

2017 Japanese Grand Prix  – Sets available for the race – Infographics

alt

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

JAPANESE GRAND PRIX RACE – INFOGRAPHICS

alt

alt

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

SELECTED SETS PER DRIVER

 – The FIA communicated to Pirelli each team’s tyre choices for the forthcoming United States Grand Prix (October 20-22).

alt

 

A PRIMEIRA FOTO DE SAINZ JR NA RENAULT

 

 Eis a primeira foto de Carlos Sainz com as cores da Renault. Foi também assim vestido que o pai se estreou em circuitos na início da década de 80 (ainda que tenha feito antes uns testes de F.Ford).

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1

 

 

Qual foi a última vez que uma equipa de F1 trocou os seus dois pilotos de um GP para outro como tudo indica a Toro Rosso vai fazer nos EUA? P

 

NISSAN VAI PARA A FÓRMULA E EM 2018

  1. A NIssan vai tomar o lugar da Renault na Fórmula E, a partir da temporada 2018/2019. A divulgação oficial será feita no Salão de Genebra, em Março de 2018. Haverá resposta da Toyota e Honda? Promete muito a quinta temporada da disciplina. Já a quarta, começa dentro de 50 dias.

 

HAAS NO G.P.DO JAPÃO

 

Evento:  Grande Prémio do Japão (16º Round de 20)

Data:  Domingo, 8 de Outubro

Local:  Suzuka Circuit

Layout:  5,807 quilómetros, 18 curvas

Condições climatéricas:  Sol parcialmente encoberto

Temperatura do ar:  25,5-27,3ºC

Temperatura da pista:  38,6-44,8ºC

Vencedor:  Lewis Hamilton da Mercedes

Haas F1 Team:

●  Kevin Magnussen – Arrancou de 12º, terminou em (completou 53/53 voltas)

●  Romain Grosjean – Arrancou de 13º, terminou em (completou 53/53 voltas)

 

 

 

Pela segunda vez na história da Haas F1 Team, os seus pilotos, Kevin Magnussen e Romain Grosjean, terminaram ambos nos pontos, no oitavo e nono lugares, respectivamente, tendo sido o palco o Grande Prémio do Japão, que hoje se realizou no Circuito de Suzuka.

 

Magnussen arrancou de décimo segundo e garantiu o oitavo posto, seguido do seu colega de equipa, Grosjean, que subiu de décimo terceiro para nono. A primeira vez que ambos os pilotos terminaram nos pontos foi há dez corridas, no Mónaco, quando Grosjean assegurou o oitavo lugar e Magnussen e o décimo.

 

Este resultado permitiu à Haas F1 Team recuperar o sétimo lugar no Campeonato de Construtores, ultrapassando a equipa de fábrica da Renault. A Haas F1 Team chegou à décima sexta ronda do Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1 a cinco pontos da Renault. Abandona o circuito japonês apenas com um ponto de vantagem sobre a Renault, e diminuiu a desvantagem que detinha para a Toro Rosso apenas para nove pontos.

 

Magnussen aproveitou todas as oportunidades desde o início da corrida de cinquenta e três voltas, suplantando Kimi Raikkonen, da Scuderia Ferrari, e Stoffel Vandoorne, da McLaren Honda, para ascender ao décimo posto na primeira volta de 5,807 quilómetros e dezoito curvas.

 

A ascensão de Grosjean aos dez primeiros foi mais gradual. Ultrapassou o Toro Rosso de Pierre Gasly, subindo a décimo segundo, para depois alcançar a décima primeira posição, ao passar Lance Stroll, quando o piloto da Williams saiu largo numa curva. Quando Felipe Massa parou nas boxes para trocar de pneus, na décima sétima volta, ambos os pilotos da Haas F1 Team ganharam posições, tendo Magnussen subido ao nono posto e Grosjean ao décimo.

 

Seguiram-se as paragens nas boxes, com Magnussen e Grosjean em estratégias semelhantes, de uma paragem. Magnussen trocou de pneus na décima nona volta, passando de Pirelli P Zero Vermelho/Supermacio por macios que os levariam até à bandeirada de xadrez. Grosjean parou na vigésima terceira volta, imitando a escolha de pneus do seu colega de equipa.

 

Ambos os pilotos subiram aos dez primeiros até à quadragésima volta, uma vez que os pilotos da Renault, Nico Hulkenberg e Jolyon Palmer foram os últimos a parar nas boxes. Quando o fizeram, os pilotos da Haas F1 Team emergiram à frente deles.

 

A rodarem em nono o décimo, Magnussen e Grosjean lançaram-se em conjunto ao ataque do oitavo lugar de Massa. Depois de uma perseguição tensa, Magnussen realizou uma ultrapassagem agressiva, por dentro, entre as curvas 1 e 2 na quadragésima segunda volta. Depois de alguns toques, Magnussen estava em oitavo. Isto abriu a porta a Grosjean, que também ultrapassou Massa. Sem hesitação, Grosjean seguiu Magnussen.

 

Magnussen e Grosjean mantiveram as suas posições confortavelmente durante as últimas dez voltas ao Circuito de Suzuka, assinando performance impressionantes para a equipa norte-americana.

 

O trabalho incansável da Haas F1 Team para colocar direito o carro de Grosjean, depois de um despiste na qualificação de sábado, tornou este feito ainda mais saboroso. Os membros da equipa tiveram que reconstruir o monolugar depois de um pião na Curva 5 que o enviou contra os muros de protecção. Grosjean saiu do carro pelo seu pé e sem mazelas físicas, mas o seu Haas VF-17 sofreu danos profundos. No entanto, quando se chegou ao início do Grande Prémio do Japão, a normalidade foi restaurada e Grosjean teve um carro na grelha de partida com o qual pôde atacar.

 

Lewis Hamilton, o tricampeão mundial, venceu o Grande Prémio do Japão. O piloto da Mercedes conquistou a sua sexagésima primeira vitória na Fórmula 1, a oitava da temporada e a segunda em Suzuka. Hamilton deixou Max Verstappen da Red Bull, o segundo classificado, a 1,211s. Este triunfo, combinado com o abandono de Sebastian Vettel da Scuderia Ferrari, o segundo classificado no Campeonato de Pilotos, permitiu a Hamilton subir a sua vantagem no Campeonato de Pilotos para cinquenta e nove pontos.

 

Grosjean é o décimo terceiro classificado no Campeonato de Pilotos, com vinte e oito pontos, e Magnussen o decimo quarto, com quinze.

 

Com quatro corridas por disputar da vinte que compõem o calendário, a competição dirige-se agora à corrida caseira da Haas F1 Team. O Grande Prémio dos Estados Unidos realiza-se no dia 22 de Outubro no Circuit of the Americas, em Austin, Texas.

 

 

 

É a segunda vez que a equipa terminou com os seus dois carros nos pontos, é fantástico. Estou muito feliz pela equipa. Sabia desde ontem que o nosso carro tinha um bom ritmo. Não o pude demonstrar, uma vez que estive sempre atrás do Kevin ao longo de toda a corrida, mas tinha muito mais andamento no carro. Gostava de ter estado à frente dele. Penso que poderíamos lutar com os Force India, isso é muito bom. Conseguimos perceber a forma de funcionar dos pneus um pouco melhor. Essa é claramente a chave. Quando funcionam, o carro fica muito mais rápido. Quando não funcionam sentimos dificuldades. Temos ainda que melhorar esse aspecto, mas senti o carro muito melhor. Senti-me satisfeito com os travões, tudo correu bem. É fantástico irmos agora para Austin para a nossa segunda corrida lá. É uma pista porreira. Estou ansioso por ver os adeptos a dar-nos as boas-vindas e, de preferência, com mais alguns pontos.”

 

 

 

Gostei da corrida. Maximizámos o nosso potencial, uma vez que a equipa terminou em oitavo e nono e marcou pontos. Penso que era difícil esperar mais, portanto, estou feliz por nós. Sinto que temos tido algumas boas corridas, mas não tivemos aquela ponta de sorte que precisavamos para chegarmos aos pontos. Hoje, correu bem. Esperamos poder continuar a marcar pontos durante a restante temporada. Resultados como o de hoje não são fáceis de obter. Tudo tem que correr bem, e penso que foi isso que nos aconteceu hoje, portanto a equipa está de parabéns.”

 

 

 

É um grande resultado para equipa. É a segunda vez que terminamos nos pontos com os dois carros. Ambos os pilotos realizaram corridas fantásticas. Era o melhor a que poderíamos aspirar e conseguimos concretizar o potencial. Estou orgulhoso de todos. Foi um fim-de-semana que começou mal. Foi complexo, mas terminou bem e é isso que conta.”

 

 

 

O décimo sétimo round do Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1 é o Grande Prémio dos Estados Unidos da América, que se disputa no Circuit of the Americas. Os treinos-livres iniciam-se no dia 20 de Outubro, a qualificação a 21 e a corrida a 22.

 

 

A Haas F1 Team estreou-se em 2016 no Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1, tornando-se na primeira equipa de Fórmula 1 americana desde 1986. Fundada pelo industrialista Gene Haas, a Haas F1 Team está sediada nos Estados Unidos da América em Kannpolis, América do Norte, o mesmo centro onde está baseada a sua equipa Campeã na NASCAR Spint Cup Series, Stewart-Haas Racing. Haas é o fundador da Haas Automation, a maior construtora de máquinas CNC da América do Norte e o presidente da Haas F1 Team.

 

 

A Haas Automation, Inc. é o construtor de máquinas CNC líder na América. Fundada em 1983 por Gene Haas, a Haas Automation constrói uma linha completa de centro de maquinação verticais e horizontais, centros basculantes, mesas rotativas, etc. Todos os produtos da Haas são construídos na fábrica de 93.000m2 da empresa, sediada em Oxnard, Califórnia, e distribuídas através de uma rede mundial de Haas Factory Outlets que fornecem à indústria os melhor serviço de venda, serviços e apoio, enquanto oferece uma relação custo/performance sem paralelo. Para mais informação visitar www.HaasCNC.com, , on Facebook at www.Facebook.com/HaasAutomationInc, on Twitter @Haas_Automation and on Instagram @Haas_Automation.

 

Sobre a Haas Factory Outlet - Portugal

A Haas Automation, Inc está representada em Portugal através da Haas Factory Outlet – Portugal. Um empresa situada nos arredores do Porto, perto do Aeroporto Francisco Sá Carneiro. Desta forma, pode aceder aos produtos da Haas Automation e todos os seus serviços. Para mais informação visitar haasportugal.com/ ou facebook.com/haasportugal. 

 

 

DI GRASSI COMPLETA TESTES

 

Confiante, Lucas di Grassi encerra testes de pré-temporada da Fórmula E

Próximo encontro da categoria dos carros elétricos será em Hong Kong no dia 2 de dezembro, na primeira etapa da temporada 2017-2018. Brasileiro campeão aponta evolução da equipe Audi Sport Abt Schaeffler

 

 

VÍDEO DISPONÍVEL PARA DOWNLOAD:
Lucas conta como foi o último dia dos testes de pré-temporada da Fórmula E em Valência em vídeo. O material está disponível no link https://we.tl/xzQ2dyadv1   até o dia 12 de outubro.

Terminou nesta quinta-feira (5) a pré-temporada da Fórmula E. Com três dias de treinos que reuniram todas as equipes do grid no circuito Ricardo Tormo em Valência, na Espanha, as sessões representaram a oportunidade final para os ajustes rumo ao campeonato que começa no dia 2 de dezembro em Hong Kong. E Lucas di Grassi, atual campeão da categoria, destacou sua satisfação com o trabalho desenvolvido até agora pela equipe Audi Sport ABT Schaeffler.

O brasileiro completou 229 voltas nos três dias sem qualquer problema técnico. No dia final, terminou com o oitavo melhor tempo no combinado e o segundo no treino da tarde. Junto de seu companheiro de equipe Daniel Abt, foram 474 voltas completadas, fazendo da equipe Audi Sport ABT Schaeffler a que mais giros completou pelo traçado espanhol.

“Estou bastante satisfeito com o progresso da equipe. Terminamos a sessão final em segundo; no entanto, mais importante que isso é que o trabalho foi feito, o carro está bom, e estou muito confiante para a abertura da temporada em Hong Kong”, resumiu Di Grassi.

Lucas, que parte rumo ao bicampeonato, destacou também o equilíbrio de forças do grid. “Pelo que pudemos ver nesta pré-temporada, todo mundo evoluiu e o grid está mais compacto em termos de tempo de volta em Valência”, destacou. “Claro que quando o campeonato começar a coisa pode ser um pouco diferente – lembrando que testamos em um autódromo e as corridas são somente em circuito de rua com dois treinos livres, classificação e corrida no mesmo dia – então as condições em Hong Kong serão mais realistas para nos dar um panorama. De qualquer forma, estou bastante confiante”, ressaltou.


Testes, 3º Dia (Top-10, combinado do dia):
1. 16 Oliver Turvey (NIO Formula E Team) – 1:21.822
2. 66 Daniel Abt (Audi Sport ABT Schaeffler) – 1:21.946
3. 25 Jean Eric Vergne (Techeetah) – 1:22.078
4. 19 Felix Rosenqvist (Mahindra Racing) – 1:22.120
5. 9 Sébastien Buemi (Renault e.Dams) – 1:22.247
6. 7 Jerôme D’Ambrosio (Dragon Racing) – 1:22.252
7. 36 Alex Lynn (DS Virgin Racing) – 1:22s267
8. 1 Lucas di Grassi (Audi Sport ABT Schaeffler) – 1:22.328
9. 8 Nicolas Prost (Renault e.Dams) – 1:22.383
10. 20 Mitch Evans (Panasonic Jaguar Racing) – 1:22.432

CALENDÁRIO FIA FORMULA E temporada 2017-2018
02/12 – Hong Kong
03/12 – Hong Kong
13/02 – Marrakesh, Marrocos
03/02 – Santiago, Chile
03/03 – Cidade do México, México
17/03 – SÃO PAULO, Brasil
14/04 – Roma, Itália
28/04 – Paris, França
19/05 – Berlim, Alemanha
10/06 – Zurique, Suíça
14/07 – Nova York, Estados Unidos
15/07 – Nova York, Estados Unidos
28/07 – Montreal, Canadá
29/07 – Montreal, Canadáa185 Copy

 

DI GRASSI SATISFEITO

 

Di Grassi contente com progresso no segundo dia de testes da Fórmula E

Pré-temporada elétrica conclui o segundo de três dias no circuito de Valência, na Espanha. A quarta-feira (4) não será de atividades na pista, e os carros voltam à ação na quinta (5)

 

 

Lucas di Grassi tem se mostrado contente com o progresso obtido até agora na evolução do Audi e-tron FE04, carro com o qual defenderá o título na temporada 2017-2018 da Fórmula E, que começa no dia 2 de dezembro em Hong Kong. Atual campeão da categoria, o brasileiro da Audi Sport Abt Schaeffler foi um dos poucos a melhorar o tempo em relação à sessão da manhã nesta terça-feira (3) em Valência e ficou com a segunda melhor marca da tarde, fechando o dia em sexto no geral.

A posição e o tempo de volta importam pouco em tal estágio de desenvolvimento, qualquer que seja o time, segundo Lucas. O que tem deixado Di Grassi feliz é o progresso da equipe. “Um dia muito bom. Terminamos em segundo a sessão da tarde. O mais importante de tudo isso foi que pudemos cumprir com toda a programação de hoje. Tem muita coisa para melhorar ainda, mas no geral estou bem feliz com o ritmo de progresso que temos demonstrado”, afirmou.

Como os testes de pré-temporada representam a primeira – e última – oportunidade de ajustar os bólidos para o início da temporada com a rodada dupla de Hong Kong em 2 e 3 de dezembro, todo tempo é precioso. A quarta-feira será um dia sem atividades de pista, para que os carros retornem ao traçado na quinta para o dia final de treinos.

“Amanhã vai ser um dia de muita análise dos dados coletados até aqui, um dia sem treinos, para depois na quinta-feira tentar chegar no nível que queremos estar antes das corridas de Hong Kong, porque vai ser o último dia de testes”, finalizou.

Testes, 2º Dia (Top-10, combinado do dia):
1. 9 Sebastien Buemi (Renault e.Dams) - 1:21.890
2. 19 Felix Rosenqvist (Mahindra Racing) - 1:21.934}
3. 2 Sam Bird (DS Virgin Racing) - 1:21.950
4. 16 Oliver Turvey (NIO Formula E Team) - 1:22.135
5. 8 Nicolas Prost (Renault e.Dams) - 1:22.173
6. 1 Lucas Di Grassi (Audi Sport ABT Schaeffler) - 1:22.215
7. 66 Daniel Abt (Audi Sport ABT Schaeffler) - 1:22.256
8. 7 Jerome D'Ambrosio (Dragon Racing) - 1:22.422
9. 20 Mitch Evans (Panasonic Jaguar Racing) - 1:22.455
10. 3 Nelson Piquet Jr. (Panasonic Jaguar Racing) - 1:22.476

CALENDÁRIO FIA FORMULA E temporada 2017-2018
02/12 – Hong Kong
03/12 – Hong Kong
13/02 – Marrakesh, Marrocos
03/02 – Santiago, Chile
03/03 – Cidade do México, México
17/03 – SÃO PAULO, Brasil
14/04 – Roma, Itália
28/04 – Paris, França
19/05 – Berlim, Alemanha
10/06 – Zurique, Suíça
14/07 – Nova York, Estados Unidos
15/07 – Nova York, Estados Unidos
28/07 – Montreal, Canadá
29/07 – Montreal, Canadáa183 Copy

 

HAAS NO G.P.DO JAPÃO

 

Evento:  Qualificação para ao Grande Prémio do Japão (1º Round de 20)

Data:  Sábado, 7 de Outubro

Local:  Suzuka Circuit

Layout:  5,807 quilómetros, 18 curvas

Condições climatéricas:  Céu enevoado

Temperatura do ar:  22,2-23,4ºC

Temperatura da pista:  25,9-27,9ºC

Pole-position:  Lewis Hamilton da Mercedes (1m27,319 – novo recorde)

Resultado:  Kevin Magnussen 13º/ Romain Grosjean 16º

Nota:  Magnussen alinhará do décimo segundo lugar da grelha de partida devido à penalização sofrida pelo décimo classificado, Fernando Alonso.

 

 

 

●  Tem a duração de 18 minutos, com a participação de todos os 20 pilotos
●  Os 15 pilotos mais rápidos avançam para a Q2

Magnussen:  15º (1m30,774s), avançou para a Q2

Grosjean:  16º (1m30,849s)

Piloto mais rápido:  Lewis Hamilton da Mercedes (1m29,047s)

Cutoff:  15º, Kevin Magnussen da Haas F1 Team (1m30,774s)

 

 

 

●  Tem a duração de 15 minutos, com a participação dos 15 pilotos mais rápidos provenientes da Q1
●  Os 10 pilotos mais rápidos avançam para a Q3

Magnussen:  13º (1m29,972s)

Piloto mais rápido:  Lewis Hamilton da Mercedes (1m27,819s)

Cutoff:  10 Fernando Alonso da McLaren (1m29,749s)

 

 

 

●  Tem  a duração de 12 minutos, com a participação dos 15 pilotos mais rápidos provenientes da Q2, lutando todos pela pole-position

Pole- position:  Lewis Hamilton da Mercedes (1m27,319s)

Segundo:  Valtteri Bottas da Mercedes (1m27,651s)

 

 

 

Os pilotos da Haas F1 Team, Kevin Magnussen e Romain Grosjean, qualificaram-se no décimo terceiro e décimo sexto, respectivamente, para o Grande Prémio do Japão, que se realiza no domingo no Circuito de Suzuka. No entanto, devido à penalização do décimo classificado, Magnussen arrancará de décimo segundo.

 

Magnussen assinou o décimo quinto crono na Q1, com uma volta ao circuito de 5,807 quilómetros e 18 curvas realizada em 1m40,774s. Grosjean foi o décimo sexto mais rápido, 1m30,849s. Apenas os quinze mais rápidos avançam para a Q2.

 

Grosjean estava a realizar uma volta lançada quando, a dois minutos do final da Q1, um pião na Curva 5 lançou-o com violência para fora de pista, embatendo nas barreiras de protecção. Grosjean saiu do seu carro sem qualquer mazela, mas o seu VF-17 sofreu danos extensos. A bandeira vermelha foi amostrada, quando faltava 1m18s para o final da sessão e o longo processo de limpeza da pista significou que a Q1 não foi recomeçada.

 

Na Q2, Magnussen assegurou o décimo terceiro tempo, 1m29,972s. Os dez primeiros da Q2 avançaram para a Q3.

 

Ambos os pilotos, Magnussen e Grosjean, rodaram exclusivamente com pneus Pirelli P Zero Vermelho/Supermacio ao longo da qualificação.

 

Lewis Hamilton, da Mercedes, conquistou a pole-position para o Grande Prémio do Japão. A sua melhor volta, 1m27,319s, deixou o segundo mais rápido, o seu colega de equipa Valtteri Bottas, a 0,332s e marcou a melhor volta de sempre a Suzuka, batendo o recorde que Michael Schumacher tinha registado na Q2 de 2006, ao serviço da Scuderia Ferrari, 1m28,954s. Foi a septuagésima primeira pole-position de Hamilton na Fórmula 1, a décima da temporada, a segunda consecutiva e a sua primeira em Suzuka.

 

Antes de Grosjean, Magnussen e o resto do pelotão participarem na qualificação tiveram ainda a sessão final de treinos-livres.

 

O duo da Haas F1 Team realizou programas semelhantes. Iniciaram a sessão com pneus médios para realizarem duas voltas de instalação, seguindo-se uma série de voltas com pneus macios, que foi comprometida por duas bandeiras vermelhas. Para simular a qualificação, ambos os pilotos saíram para a pista uma última vez com pneus supermacios, com os quais conseguiram a suas melhores marcas da sessão.

 

Magnussen completou doze voltas e registou o décimo quarto lugar, 1m30,982s, na sua penúltima passagem pela meta. Grosjean realizou treze circuitos, registando o seu melhor crono, 1m31,459s, na sua décimo volta, o que o deixou no décimo sétimo posto.

 

O mais rápido na terceira sessão foi Bottas, com a marca de 1m29,055s, o que deixou Hamilton, o segundo mais rápido, a 0,014s. 

 

 

 

Estou bem. A primeira volta lançada foi muito boa. Tive um momento complicado na Curva 11, o que me custou muito tempo, relativamente ao Kevin. Portanto, penso que o carro era capaz de entrar nos dez primeiros, na Q1. Fui para uma segunda volta lançada, e estava a fazer o que sempre fiz, de repente o carro sobrevirou subitamente sem qualquer motivo. Temos que analisar o que aconteceu. Certamente que ataquei a Curva 3 um pouco mais depressa que na volta anterior, mas nada de louco. Perdi o seu controlo e tentei recuperá-lo para a Curva 4, mas era já tarde. Tentei mantê-lo em pista o máximo que pude, para evitar o acidente, mas fugiu ao meu controlo pela segunda vez e alarguei a trajectória. Uma vez na relva, que estava molhada, era impossível evitar a barreira.”

 

 

 

Este fim-de-semana estamos mais fortes. Desde sexta-feira que o carro parece melhor, mais vivo. Isso deve-se em parte às temperaturas estarem mais frescas, portanto, os pneus estão a trabalhar um pouco melhor, ou pelo menos, é mais fácil colocá-los a funcionar sem os sobreaquecer. Se estamos atrasados no que diz respeito a apoio aerodinâmico e aderência, os pneus não sobreaquecem tanto quando está mais fresco, como está aqui. Isso colocou-nos um pouco mais próximos do meio do pelotão. Esperávamos estar no décimo sexto e décimo sétimo lugares na qualificação e estou em décimo terceiro, que passará amanhã a décimo segundo. Portanto, não posso estar infeliz com isso. Quando é assim tão competitivo, gostaríamos de ser um pouco mais rápidos, portanto, é um pouco frustrante não estar lá. Estamos ainda perto dos pontos. Vamos ver se conseguimos marcar alguns, amanhã.”

 

 

 

Foi um dia duro, novamente, mas parece que amanhã o Kevin arranca de décimo segundo. Não é uma má posição para arrancar, aqui. Temos que verificar quais são os danos no carro do Romain e se é necessário mudar algum componente que implique uma penalização. Mas foi um longo dia para toda a equipa. A sorte não parece estar do nosso lado, de momento, mas isso mudará. Temos apenas que olhar em frente, estar prontos para a corrida de amanhã e, pelo menos tentar colocar um carro nos pontos.”

 

 

 

A Haas F1 Team estreou-se em 2016 no Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1, tornando-se na primeira equipa de Fórmula 1 americana desde 1986. Fundada pelo industrialista Gene Haas, a Haas F1 Team está sediada nos Estados Unidos da América em Kannpolis, América do Norte, o mesmo centro onde está baseada a sua equipa Campeã na NASCAR Spint Cup Series, Stewart-Haas Racing. Haas é o fundador da Haas Automation, a maior construtora de máquinas CNC da América do Norte e o presidente da Haas F1 Team.

 

 

A Haas Automation, Inc. é o construtor de máquinas CNC líder na América. Fundada em 1983 por Gene Haas, a Haas Automation constrói uma linha completa de centro de maquinação verticais e horizontais, centros basculantes, mesas rotativas, etc. Todos os produtos da Haas são construídos na fábrica de 93.000m2 da empresa, sediada em Oxnard, Califórnia, e distribuídas através de uma rede mundial de Haas Factory Outlets que fornecem à indústria os melhor serviço de venda, serviços e apoio, enquanto oferece uma relação custo/performance sem paralelo. Para mais informação visitar www.HaasCNC.com, , on Facebook at www.Facebook.com/HaasAutomationInc, on Twitter @Haas_Automation and on Instagram @Haas_Automation.

 

Sobre a Haas Factory Outlet - Portugal

A Haas Automation, Inc está representada em Portugal através da Haas Factory Outlet – Portugal. Um empresa situada nos arredores do Porto, perto do Aeroporto Francisco Sá Carneiro. Desta forma, pode aceder aos produtos da Haas Automation e todos os seus serviços. Para mais informação visitar haasportugal.com/ ou facebook.com/haasportugal.

 

HAAS NO G.P.DO JAPÃO

 

Evento:  1ª e 2ª sessões de treinos-livres

Data:  Sexta-Feira, 6 de Outubro

Local:  Suzuka Circuit

Layout:  5,807 quilómetros, circuito de 18 curvas

Condições climatéricas na 1ª Sessão:  Céu enevoado com chuva no final.

Temperatura do Ar na 1ª Sessão:  18,9-20ºC

Temperatura da pista na 1ª Sessão:  22,6-24,4ºC

Condições climatéricas na 2ª Sessão:  Chuva

Temperatura do Ar na 2ª Sessão:  15,2-15,8ºC

Temperatura da pista na 2ª Sessão:  17,2-18,4ºC

Pilotos:  Romain Grosjean e Kevin Magnussen 

 

 

 

Grosjean:  9º (1m31,032s), 22 voltas

Magnussen:  11º (1m31,216s), 15 voltas

Piloto mais rápido:  Sebastian Vettel da Scuderia Ferrari (1m29,166s)

Mais voltas completadas:  Valtteri Bottas da Mercedes (30)

 

 

 

Grosjean:  Sem tempo

Magnussen:  Sem tempo

Piloto mais rápido:  Lewis Hamilton da Mercedes (1m48,719s)

Mais voltas completadas:  Lewis Hamilton da Mercedes (4 voltas)

 

 

 

O décimo sexto round do Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1 teve um início abreviado devido à chuva, que teve impacto no tempo de pista que as equipas tiveram ao longo desta sexta-feira no Circuito de Suzuka, quando iniciavam a preparação para o Grande Prémio do Japão, que se realiza no domingo.

 

Ambas as sessões de noventa minutos – a primeira e a segunda sessões – no circuito de 5,807 quilómetros e dezoito curvas foram afectadas pelas chuva, tendo a segunda sido quase completamente afligida por uma intempérie.

 

Os pilotos da Haas F1 Team, Romain Grosjean e Kevin Magnussen, só participaram na primeira sessão, com ambos os pilotos a terminaram entre os onze mais rápidos.

 

Grosjean liderou a equipa com o nono posto – 1m31,032s, alcançada na décima sétima das vinte e duas voltas que completou, que foi marcada com pneus Pirelli P Zero Vermelho/Supermacios. Magnussen foi o décimo primeiro mais rápido, 1m31,216s, garantida na décima quinta e volta final da sua sessão, tendo também nos seu Haas VF-17 pneus supermacios.

 

Ambos os pilotos usaram todos os três tipos de pneus de seco levados pela Pirelli para Suzuka, iniciando a sessão com uma volta de instalação com pneus médios, seguidos de duas séries para experimentar os macios, para depois montar supermacios.

 

O mais rápido na primeira sessão foi o piloto da Scuderia Ferrari, Sebastian Vettel, com a marca de 1m29,166s, o que lhe permitiu bater o líder do Campeonato de Pilotos, Lewis Hamilton da Mercedes, por 0,211s.

 

A segunda sessão foi uma exercício muito sossegado, devido à chuva. Dos catorze pilotos que se aventuraram na pista molhada, Hamilton foi o mais rápido, 1m48,719s. O seu registo deixou o segundo mais rápido, Esteban Ocon da Force India, a 0,799s.

 

 

 

Tviemos uma primeira sessão sólida, apesar das gostas de chuva. Conseguimos fazer tudo o que queríamos, mais ou menos. Teria sido bom fazer mais algumas voltas, durante a serie longa de volta com tanque cheio antes da chuva, mas conseguimos ver o quão rápido é o carro, de qualquer forma. O carro está bom, para já, portanto, temos que manter esta tendência. Temos que continuar a melhorar e garantir que não nos vamos perder. As condições climatéricas podem ser determinantes. Vamos ver o que acontece entre a segunda e a terceira sessões. Penso que temos algumas ideias sobre o que fazer para melhorar o carro.”

 

 

 

Senti o carro são desde o início, portanto, estamos satisfeitos com isso. Penso que temos que tentar encontrar mais velocidade, é claro, dado que todos os outros farão o mesmo. Se queremos marcar pontos este fim, temos que acertar. Tive alguns problemas com uma fuga de água e pude apenas realizar uma volta por série. Portanto, não andei muito, mas espero que possamos recuperar.”

 

 

 

Tivemos uma boa primeira sessão, mas é ainda muito cedo para perceber tudo. Tivemos apenas um pequeno problema no carro do Kevin. Não pudemos fazer mais que algumas voltas devido a uma pequena fuga de água, que resolvemos para a segunda sessão. Infelizmente, choveu muito na segunda sessão, portanto, não andámos muito em pista. Estamos ansiosos pelo dia de amanhã.”

 

 

 

Os pilotos terão mais uma sessão de treinos-livres no sábado (12h00-13h00) antes do início da qualificação, às 15h00. A qualificação consiste em três segmentos, com os dezasseis mais rápidos da Q1 a passarem para a Q2. Os dez mais rápidos da Q2 avançam para a Q3, onde disputam a pole-position.

 

 

 

A Haas F1 Team estreou-se em 2016 no Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1, tornando-se na primeira equipa de Fórmula 1 americana desde 1986. Fundada pelo industrialista Gene Haas, a Haas F1 Team está sediada nos Estados Unidos da América em Kannpolis, América do Norte, o mesmo centro onde está baseada a sua equipa Campeã na NASCAR Spint Cup Series, Stewart-Haas Racing. Haas é o fundador da Haas Automation, a maior construtora de máquinas CNC da América do Norte e o presidente da Haas F1 Team.

 

 

A Haas Automation, Inc. é o construtor de máquinas CNC líder na América. Fundada em 1983 por Gene Haas, a Haas Automation constrói uma linha completa de centro de maquinação verticais e horizontais, centros basculantes, mesas rotativas, etc. Todos os produtos da Haas são construídos na fábrica de 93.000m2 da empresa, sediada em Oxnard, Califórnia, e distribuídas através de uma rede mundial de Haas Factory Outlets que fornecem à indústria os melhor serviço de venda, serviços e apoio, enquanto oferece uma relação custo/performance sem paralelo. Para mais informação visitar www.HaasCNC.com, , on Facebook at www.Facebook.com/HaasAutomationInc, on Twitter @Haas_Automation and on Instagram @Haas_Automation.

 

Sobre a Haas Factory Outlet - Portugal

A Haas Automation, Inc está representada em Portugal através da Haas Factory Outlet – Portugal. Um empresa situada nos arredores do Porto, perto do Aeroporto Francisco Sá Carneiro. Desta forma, pode aceder aos produtos da Haas Automation e todos os seus serviços. Para mais informação visitar haasportugal.com/ ou facebook.com/haasportugal.

 

 

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

JAPANESE GRAND PRIX PRACTICE SESSIONS
 
VETTEL GOES QUICKEST IN A DRY FP1 ON SUPERSOFT.  HEAVY RAIN AFFECTS FP2, WITH HAMILTON FASTEST ON FULL WET
 
VETTEL’S FASTEST TIME OF THE DAY BEATS LAST YEAR’S POLE BY MORE THAN A SECOND AND IS JUST 0.2 SECONDS OFF ALL-TIME SUZUKA RECORD 
 
LAP TIME GAP BETWEEN SOFT AND SUPERSOFT IS AROUND 0.7 SECONDS  BUT LACK OF RUNNING MAKES DATA INCONCLUSIVE
  a126 Copy Free practice at Suzuka was interrupted twice: firstly by a red flag in FP1, and then again by heavy rain that severely limited FP2. However, Ferrari’s Sebastian Vettel proved the potential pace of this year’s race by setting a fastest time in FP1 that was nearly three seconds quicker than the equivalent time last year, and more than a second faster than the 2016 pole. This was even though the German had far from a perfect lap, with some humidity already making the track tricky and a bit of traffic as well. Although there was a red flag that interrupted FP1, the teams were still able to complete some runs on the soft and supersoft compounds, which are currently separated by about 0.7 seconds per lap in terms of pace. Only the full wet tyre was used in the heavy rain this afternoon, for a limited number of laps. Conditions for the rest of the weekend are expected to be mixed: wet for some of Saturday and then dry on Sunday. 
 
MARIO ISOLA - HEAD OF CAR RACING “Lap times in FP1 were much faster than we’ve seen in the past once more, both because of the new regulations with wider tyres, and a softer tyre nomination for Japan than we have had in the past. As Suzuka is quite intensively used during the year, there was already some rubber on the track that enabled the cars to be quick straight away this morning, and the supersoft to work very well right out of the box. With the red flag in FP1 and the rain in FP2 – which meant that no cars took to the track for the first 45 minutes of the session – the amount of running was of course severely limited, but already the potential when it comes to race pace is clear to see”.
 
FREE PRACTICE 1 – TOP 3 TIMES
 
 
FREE PRACTICE 2 – TOP 3 TIMES
 
DRIVER TIME COMPOUND
Vettel 1m29.166s SUPERSOFT USED
Hamilton 1m29.377s SUPERSOFT NEW
Ricciardo 1m29.541s SUPERSOFT NEW
DRIVER TIME COMPOUND
Hamilton 1m48.719s WET NEW
 
 
 
 
 
FP1 - BEST TIME BY COMPOUND 
 
 
 
FP2 - BEST TIME BY COMPOUND 
 
 
MOST LAPS BY COMPOUND SO FAR
 
 
TYRE STATISTICS OF THE DAY
 
 
* The above number gives the total amount of kilometres driven in FP1 and FP2 today, all drivers combined. ** Per compound, all drivers combined.
Ocon 1m49.518s WET NEW
Perez 1m51.345s WET NEW
COMPOUND DRIVER TIME
MEDIUM - -
SOFT Vettel 1m29.419s
SUPERSOFT Vettel 1m29.166s
COMPOUND DRIVER TIME
MEDIUM - -
SOFT - -
SUPERSOFT - -
WET Hamilton 1m48.719s
COMPOUND DRIVER LAPS
MEDIUM Alonso, Hulkenberg,  Palmer, Sainz
2
SOFT Perez 18
SUPERSOFT Bottas, Ericsson, Hamilton 17
WET Hamilton, Stroll 4
 
   
Kms driven* 81 905 1678 174
Sets used overall** 10 20 29 14
 
 
 
 
 
 
MINIMUM PRESCRIBED TYRE PRESSURES
 
 
22.5 psi (fronts) – 20.5 psi (rears)
 
 
 
 
 
 
Copyright-free videos and photos f1pressarea.pirelli.com
Follow us on @pirellisport Facebook/PirelliMotorsport Instagram/pirelli_motorsport
 
More info

 

SAM BIRD CONDUZ

SAM BIRD, PILOTO DA DS VIRGIN RACING, CONDUZ O CONCEPT CAR  DS E-TENSE NUMA VOLTA SECRETA PELO CENTRO COMERCIAL WESTFIELD LONDON 
 
 O
concept car DS E-TENSE 100% elétrico faz a sua estreia no Reino Unido com uma aparição noturna.  Sam Bird, piloto da DS Virgin Racing, conduziu este GT elétrico no interior do Westfield London, centro comercial que conta com uma DS Urban Store.  O DS E-TENSE é o primeiro carro a circular no interior do Centro Comercial Westfiled London, fazendo-o sem ninguém por perto.  O novo DS 7 CROSSBACK faz também a sua aparição no vídeo deste acontecimento: https://www.youtube.com/watch?v=PieuZOliPbo  
 
 
No âmbito da realização de um filme promocional especial, a DS juntou quatro dos seus maiores ativos, enquanto Marca: o DS E-TENSE, a DS Urban Store Westfield London, Sam Bird (piloto da DS Virgin Racing) e ainda o DS 7 CROSSBACK, o SUV da DS Automobiles, que será brevemente lançado no mercado.
A DS Automobiles juntou-se ao Centro Comercial Westfield London, em Sheperd’s Bush, que também acolhe a luxuosa DS Urban Store, para dar uma outra dimensão ao conceito de compras noturnas. Para o efeito, a Marca obteve uma autorização especial para circular com o seu concept DS E-TENSE, um modelo GT elétrico, no interior destas luxuosas instalações.
Ao volante deste concept 100% elétrico da DS esteve Sam Bird, piloto da DS Virgin Racing no Campeonato do Mundo de Fórmula E, conduzindo o DS E-TENSE pelo interior do Westfield London durante a noite, nas primeiras voltas do modelo no Reino Unido. O E-TENSE ficou trancado no centro e foi tudo registado em imagens. Silencioso e sem emissões, o concept car 100% elétrico foi o veículo perfeito para Bird - cujo trabalho diário consiste em tripular o DSV de competição, um monolugar igualmente 100% eléctrico - dar uma volta secreta frente ao conjunto de luxuosas lojas e outlets existentes no interior do Westfield London. 
Revelado no Salão Automóvel de Genebra de 2016, o vistoso DS E-TENSE junta a tecnologia de ponta ao design avant-garde . Com as suas linhas fluidas e um estilo único, este concept evoca o desejo de ser
 
 
 
 
 
 
 
 
 
conduzido. O DS E-TENSE representa a expressão máxima do
savoir-faire da DS, com revestimentos de
qualidade superior, uma cor de carroçaria exclusiva verde ametrine metalizado e óticas dianteiras LED VISION, cujo desenho semelhante a uma jóia reflete na perfeição o espírito avant-garde que é sinonimo da marca DS. As luzes de circulação diurna acentuam o olhar expressivo do modelo, enquanto os indicadores de mudança de direção, inspirados no icónico DS de 1955, estão integrados na secção traseira do tejadilho. Com 4,72 m de comprimento, desenvolve 516 Nm de binário, 402 cv de potência. Com zero emissões, o DS E-TENSE desenvolve uma propulsão limpa, silenciosa, eficiente e potente.
Desde 2015 que a DS Automobiles tem vindo a desenvolver uma forte relação com o Westfield London. O luxuoso centro comercial, localizado em Sheperd’s Bush, acolhe mais de 300 lojas de moda, lazer e entretenimento, incluindo mais de 30 marcas premium inseridas no The Village , espaço de luxo em permanente evolução. Também por tudo isto, tornou-se no local ideal para a abertura da primeira DS Urban Store, um novo conceito de boutique DS em ambiente digital.
A DS Urban Store convida os visitantes a explorar o estilo de vida da marca parisiense num dos mais requintados destinos de compras de Londres. O seu propósito é promover a marca junto de potenciais clientes DS num local onde estes passam uma boa parte do seu tempo de lazer. O design de espírito avant-garde , presente em todos os modelos DS, está em perfeita linha com alguns dos nomes mais luxuosos do mundo da moda presentes em Westfield.
Paul Buttigieg, Diretor de Operações do Westfield, declarou:
“Gostamos sempre de ir pouco mais longe quando é preciso ajudarmos os nossos parceiros a criar conteúdos inovadores, capazes de chamar a atenção e fomentar as vendas. Dar luz verde a um dos melhores pilotos do mundo para dar uma volta no interior de um dos nossos centros foi realmente uma estreia, mas o facto de termos criado uma relação tão positiva com a DS Automobiles nos últimos anos fez com que fosse possível ajudá-los a conceber um momento de grande destaque e projeção, de forma a assinalar a estreia do DS E-TENSE no Reino Unido.” 
Sam Bird, que abraçará a sua terceira temporada com a DS Virgin Racing, tem no seu palmarés 5 vitórias e 9 presenças no pódio, o que faz dele o terceiro melhor piloto de Fórmula E em termos de pontos obtidos. O britânico é também uma das poucas pessoas a ter conduzido o concept 100% elétrico E-TENSE em locais como Paris e Mónaco, repetindo-o agora, em estreia, no Reino Unido. Bird é um dos pilotos de topo do Campeonato do Mundo FIA de Fórmula E, tendo vencido, em Julho passado, a primeira competição motorizada realizada na cidade de Nova Iorque.
Bird também esteve ao volante do requintado e exclusivo DS 7 CROSSBACK, o SUV da DS cujo lançamento acontecerá em breve. Este SUV combina as mais recentes inovações técnicas, tais como DS ACTIVE LED VISION, DS ACTIVE SCAN SUSPENSION e DS CONNECTED PILOT, com o savoir-faire da marca parisiense a marcar novos e elevados padrões em termos de conforto de condução e performancea105 Copy

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

JAPANESE GRAND PRIX PREVIEW

 

 

JAPANESE GRAND PRIX PREVIEW Round 16 of 20 Suzuka, 6-8 October 2017
  The epic, old-school Suzuka circuit is well-known for being one of the biggest challenges for tyres on the calendar, thanks to its high-energy loads, yet for the first time Pirelli isn’t bringing the hardest tyre: instead the nominated compounds are P Zero White medium, P Zero Yellow soft, and P Zero Red supersoft. These will have to cope with long and fast corners such as 130R – providing the longest continuous g-force loading of the year – and Spoon, which put the tyres under constant stress throughout the lap. With fastest race laps that have been up to five seconds faster than 2016 so far, another significant improvement is expected in Suzuka. A wide range of strategy options are available to find the best compromise between performance and durability. 
 
THE THREE NOMINATED COMPOUNDS
  
 
THE CIRCUIT FROM A TYRE POINT OF VIEW
 
 
 Lateral forces through corners are the main feature, rather than traction and braking.  Weather, and therefore track temperatures, are quite unpredictable at this time of year.  Generally, there are high levels of wear and degradation: two stops was the winning strategy last year, with varied tactics.  Teams normally run high downforce: pushing down on the tyres to help cornering.  Track is quite narrow, making overtaking tricky, so strategy can make the difference.  Track evolution is often hard to predict and safety cars can provide another variable.
 
MARIO ISOLA - HEAD OF CAR RACING “The Japanese Grand Prix continues the trend we’ve seen so far this year of bringing softer, and therefore faster, tyres to several grands prix compared to last season. In the case of Suzuka, this is particularly pertinent as it’s one of the most challenging tracks for tyres of the entire year, with a very big emphasis on lateral loads that can cause thermal degradation if the tyres are not properly managed. This is also one of the reasons why the drivers enjoy Suzuka so much; with the cars travelling a lot faster through the
 
 
 
 
corners this year under the new regulations with wider tyres, it’s very possible that we will see another lap record fall and some truly impressive maximum g-force loadings”.
 
WHAT’S NEW?     There are no hard tyres in Japan for the first time.  The final of the Pirelli-equipped Blancpain GT Series Endurance Cup took place in Barcelona last weekend, with GRT Grasser Racing Team winning the title for Lamborghini.  Former F1 driver Erik Comas recently claimed the European Historic Rally Championship with a Lancia Stratos, running on Pirelli P7 Corsa Classic tyres.  McLaren has made the most aggressive tyre selection at Honda’s home race, choosing more supersoft tyres than any other team.
 
SUZUKA INTERNATIONAL RACING COURSE MINIMUM STARTING PRESSURES (SLICKS)
 
 
22.5 psi (front) | 20.5 psi (rear)
 
EOS  CAMBER LIMIT
 
 
-3.00° (front) | -1.75° (rear)
 
 
THE TYRES NOMINATED THIS SEASON
 
      Australia      China      Bahrain      Russia      Spain      Monaco      Canada      Azerbaijan      Austria      Great Britain     
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

alt

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

 

 

 

  1. A LIberty  vai anunciar regras dos motores para 2021 a 31 de Outubro. E o primeiro draft do orçamento das equipas com tecto máximo a 7 de Novembro. 

 

NOVIDADES EM PONTO PEQUENO

NOVIDADES EM PONTO PEQUENO

 

MUNDIAL DE FÓRMULA 1 - 2017a150 Copya151 Copya152 Copya153 Copy

 

Novedades MINICHAMPS F1 2017 (69,95€ unidad), proximamente en www.motorsport43.com

MC-417170055 Scuderia Toro Rosso Renault STR12 GP China 2017 #55 C.Sainz Jr.

MC-417170026 Scuderia Toro Rosso Renault STR12 GP China 2017 #26 D.Kvyat

...

MC-417170019 Williams Mercedes FW40 GP Australia 2017 #19 F.Massa

MC-417170018 Williams Mercedes FW40 F1 2017 #18 L.Stroll

Ya podeis reservar estas miniaturas enviandonos un mensaje o un mail a Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript activado para o visualizar

 

RECORDAR É VIVER

RECORDAR É VIVER

 

A LOGISTICA NA FÓRMULA 1 HÁ TRES DECADAS ATRÁS

 

 

 

 Este é o lado do passado das corridas que mais gosto. Estas pequenas pérolas.A logistica da equipa de Fórmula 1 da Lotus, antes de participar no Grande Prémio do Mónaco, isso no já longiquo ano de 1979.

 

ATENÇÃO A TODOS OS LEITORES - TERÁ ISTO FUNDAMENTO??

ATENÇÃO A TODOS OS LEITORES

 

TERÁ ISTO FUNDAMENTO???????

 

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1  - GRANDE PRÉMIO DO JAPÃO

 

 

O ESCÂNDALO QUE TODO MUNDO SUSPEITAVA NO GP DO JAPÃO!

Talvez, isso explique a razão de Sebastian Vettel ter declarado a seguinte frase: "Se as pessoas soubessem o que aconteceu no GP do Japão, ficariam enojadas". 

Todos os ferraristas ficaram chocados e tristes por verem Vettel abandonar o GP do Japão por causa de uma vela de ignição. Não deveriam. O que está exposto abaixo é a notícia em primeira mão que está sendo investigada por rádios e jornais de todo o Brasil e alguns estrangeiros, mais especificamente Wall Street Journal of Americas e o Gazzeta dello Sport e deve sair na mídia em breve, assim que as provas forem colhidas e confirmarem os fatos. 

Fato comprovado: A Ferrari vendeu o título do mundial de pilotos para Mercedes. Sebastian Vettel foi avisado, às 9:00 do dia 8 de outubro (dia do GP do Japão), em uma reunião envolvendo o Sr. Sérgio Marchionne (na única vez que o presidente Ferrari compareceu a uma reunião pré corrida da Ferrari), Maurízio Arrivabene e o Presidente da FIA, Jean Todt. Kimi Raikonen foi isolado com seis engradados de vodka finlandesa, em seu motorhome. A princípio muito contrariado, Vettel se recusou a trocar pentacampeonato mundial para vencer em 2018. 

A aceitação veio através do pagamento total dos prêmios, US$70.000.000,00 para Vettel, mais um bônus de US$40.000.000,00 para dividir entre todos os funcionários da Ferrari, pago através da FIA. 

Mesmo assim, Vettel se recusou a aceitar o esquema, o que obrigou Arrivabene a tirá-lo da corrida, dizendo que o seu carro estava com problemas na vela de ignição (em primeira notícia divulgada às 13:30 - horário local- no centro de imprensa).  

A sua situação só foi resolvida após o representante do alto escalão da Ferrari ameaçou rescindir o seu contrato,  avaliado em mais de US$ 90.000.000,00 (noventa milhões de dólares). 

Assim, combinou-se que o Vettel abandonaria nas metade da prova, porém a apatia que se abateu sobre o piloto alemão fez que ele abandonasse logo nas primeiras voltas. Isso fez que Lewis Hamilton, sem nenhuma participação no esquema, vencesse a prova. 

O Sr. Jean Todt, presidente da FIA, aplaudiu a colaboração da equipe italiana, uma vez que o campeonato mundial para Hamilton trará um britânico tetracampeão de F1, sendo que alemão já tem um com sete. Todt Garantiu que a Ferrari teria seu caminho facilitado para o título de 2018. 

Por gentileza passem esta mensagem para o maior número possível de pessoas, para que todos possam conhecer a sujeira que ronda a F1.

Por Gunther Schweitzer, diretor de esportes da TV Globo
 

HAAS NO G.P.DO JAPÃO

 

Vemo-nos em Suzuka

Expectativas Elevadas para a Haas F1 Team na Terra do Sol-Nascente

 

) – O Grande Prémio do Japão, que se realiza no próximo domingo no Circuito de Suzuka, marca o fim de uma etapa de três corridas no Extremo Oriente, uma viagem que testou a Haas F1 Team, assim como os seus pilotos, Romain Grosjean e Kevin Magnussen.

 

A equipa americana marcou pontos há duas semanas e meia, em Singapura, depois de aproveitar a oportunidade criada por uma pista molhada. Depois lutou contra a adversidade, no fim-de-semana passado na Malásia, quando Grosjean se despistou na sexta-feira, durante a segunda sessão de treinos-livres. Uma grade de escoamento de águas no apex da Curva 13 destruiu o pneu traseiro/direito do seu Haas VF-17 e enviou-o para um pião que terminou contra uma barreira de protecção no exterior da curva.

 

Os membros da equipa fizeram horas extraordinárias, literalmente, uma vez que os responsáveis da FIA permitiram à Haas F1 Team trabalhar durante o período de recolha nocturno para reparar o carro, devido à natureza pouco usual do incidente. Apesar de Magnussen se ter qualificado em décimo sétimo e Grosjean em décimo sexto, o duo terminou em décimo segundo e décimo terceiro, respectivamente, recuperando, colectivamente, oito posições.

 

Apesar do progresso, os resultados não garantiram qualquer ponto. No entanto, num testemunho da competitividade do meio do pelotão, a equipa que está à frente da Haas F1 Team no Campeonato de Construtores não marcou qualquer ponto.

 

Com apenas cinco rondas das vinte que compõem o calendário deste ano da Fórmula 1 por disputar, a Haas F1 Team está no oitavo lugar do Campeonato de Construtores com trinta e sete pontos, a cinco da sétima classificada, a Renault, e a quinze da Toro Rosso, a sexta. A McLaren está a catorze pontos da Haas F1 Team, no nono posto.

 

Mesmo com margens tão curtas entre os competidores, a Haas F1 Team olha para a corrida realizada no circuito de 5,807 quilómetros e dezoito curvas com optimismo.

 

Na sua primeira visita a Suzuka, no ano passado durante a sua temporada de estreia na Fórmula 1, a Haas F1 Team avançou com ambos os seus carros para a Q3 pela primeira vez. Evidenciou rapidez durante todo o fim-de-semana, e quando a equipa regressa à terra do Sol-Nascente para sua segunda passagem por Suzuka, as expectativas são elevadas para a possibilidade de ser competitiva e marcar pontos.

 

Grosjean, em particular, já teve ambas as coisas em Suzuka. Liderou o Grande Prémio do Japão de 2013 durante vinte e seis voltas, acabando por terminar no terceiro posto, no encalço dos Red Bull de Sebastian Vettel e Mark Webber. No Grande Prémio do Japão de 2015, Grosjean terminou nos pontos, com um sólido sétimo lugar.

 

Magnussen participou em apenas duas corridas de Fórmula 1 em Suzuka, em 2014 e em 2016, tendo terminado ambas em décimo quarto. Mas os resultados não reflectem a afinidade que Magnussen tem com o circuito, uma vez que afirma ser um dos seus preferidos.

 

Magnussen não é o único nesse sentimento, uma vez que Suzuka é um circuito de pilotos, onde os carros são levados aos seus limites absolutos sem estar colados à pista por via do apoio aerodinâmico máximo.

 

O layout de Suzuka perfaz um oito e é único traçado entre os vinte e um que compõem o calendário da Fórmula 1 com esta configuração. A ponte que passa por cima da recta que liga a curva 9 (Degner 2) à 10 é a sua assinatura, com os pilotos a rodarem próximos dos 330Km/h quando atravessam a pista a caminho da Curva 15, mais conhecida por 130R, baptizada desta forma devido ao seu raio de 130 metros.

 

O primeiro sector da pista sublinha a eficiência aerodinâmica dos carros, ao passo que o segundo sector recompensa a potência. O traçado oferece todos os tipos de curvas e o seu asfalto relativamente antigo fornece um elevado nível de aderência.

 

A ilha-nação transforma-se nação de aceleração, uma vez que Suzuka inicia um sprint de cinco corridas para o final do Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1 de 2017. O plano da Haas F1 Team passa por marcar pontos antes de se por a caminho da sua corrida caseira, o Grande Prémio dos Estados Unidos da América, que se realiza no Circuit of the Americas em Austin, Texas, que se realiza no dia 22 de Outubro.

Suzuka Circuit

 

Perímetro: 5,807 km

Voltas: 53

Distância de corrida: 307,471 km

Transmissão: Sport TV5 – 6h00

 

 

Sobre a Haas Automation

A Haas Automation, Inc. é o construtor de máquinas CNC líder na América. Fundada em 1983 por Gene Haas, a Haas Automation constrói uma linha completa de centro de maquinação verticais e horizontais, centros basculantes, mesas rotativas, etc. Todos os produtos da Haas são construídos na fábrica de 93.000m2 da empresa, sediada em Oxnard, Califórnia, e distribuídas através de uma rede mundial de Haas Factory Outlets que fornecem à indústria os melhor serviço de venda, serviços e apoio, enquanto oferece uma relação custo/performance sem paralelo. Para mais informação visitar www.HaasCNC.com.

 

Sobre a Haas Factory Outlet - Portugal             

A Haas Automation, Inc está representada em Portugal através da Haas Factory Outlet – Portugal. Um empresa situada nos arredores do Porto, perto do Aeroporto Francisco Sá Carneiro. Desta forma, pode aceder aos produtos da Haas Automation e todos os seus serviços. Para mais informação visitar haasportugal.com/ ou facebook.com/haasportugal.

 

 

O meio do pelotão tem estado muito apertado ao longo de todo o ano, mas parece ainda mais competitivo na ponta final da temporada. O sétimo lugar do Campeonato de Construtores – uma posição melhor que no ano passado – é um objectivo alcançável?

“É claro que vamos tentar terminar em sétimo. Neste momento ficaríamos satisfeitos com esse resultado. Parámos o desenvolvimento do carro de 2017 há já algum tempo para nos concentrarmos no carro do próximo ano. Temos que nos focar na estabilidade de um ano para o outro, sem altos e baixos, dado que então criamos o efeito de uma onda e nunca estamos em controlo do que estamos a fazer. Vamos dar o nosso melhor. Esperamos marcar alguns pontos. Espero também que os nossos piores circuitos tenham ficado para trás, como os de baixa velocidade e elevado apoio aerodinâmico. O nosso carro não gosta de esse tipo de pistas. O meio do pelotão é muito duro.”

 

A estabilidade a alta velocidade, que se consegue através de rigidez mecânica e equilíbrio aerodinâmico, parece ser a chave para o sucesso em Suzuka. O que fazem para a alcançar?

“Não podemos fazer muito para além daquilo que o carro já tem e estamos muito confiantes de que o que temos poderá funcionar bem. Precisamos apenas de encontrar um equilíbrio para o fim-de-semana. O Japão é um traçado de alta velocidade e tem algumas curvas muito desafiantes, mas é um local simpático e espero que possamos encontrar uma boa afinação e demonstrar o que podemos fazer.”

 

Em Suzuka parece ser delicado alcançar um equilíbrio aerodinâmico. Se for demasiado apoio aerodinâmico, sofre-se nas rectas. Se for pouco, os pilotos não sentem confiança para atacar as zonas mais sinuosas e as curvas. Evidentemente, o nível do apoio aerodinâmico é previsto tendo em conta o conforto que os pilotos têm a dada velocidade. Como encontram o equilíbrio entre a necessidades do carro e as necessidades do piloto?

“É uma daquelas coisas que têm de andar de mão dada. Uma vez encontrada a forma mais rápida de efectuar a pista, ao equilibrar a velocidade de ponta com o apoio aerodinâmico, o piloto fica satisfeito, uma vez que ele pretende ser o mais rápido possível no circuito. Para eles, quanto melhor for o tempo da volta, melhor.”

 

A subviragem ao longo dos esses entre a curvas 3 e 7 é, normalmente, uma das coisas resolver em Suzuka. Como resolvem a subviragem e em que ponto uma alteração para ajudar o carro num determinado ponto do circuito o prejudica noutra?

“Tem sobretudo a ver com a forma como o carro é afinado desde o início. É sempre possível ter um pouco de subviragem, mas depois ficamos com sobreviragem em outras zona do circuito. Vamos ver como corre.”

 

Com todo o investimento realizado na Fórmula 1, o investimento que uma dada equipa realiza na sua dupla de pilotos sobressai em Suzuka?

“Sim, sem dúvida. É preciso ser corajoso em Suzuka. Quando se sai é a alta velocidade e, por vezes, o embate não é simpático. É preciso ser corajoso, mas é também necessário ser muito técnico para afinar o carro. Definitivamente, Suzuka é uma pista que testa as qualidades dos pilotos.”

 

Para lá da pista, outro assunto muito discutido em Suzuka é a paixão dos adeptos. Pode descrever a atmosfera que se sente na pista e o fervor que os adeptos japoneses têm pela Fórmula 1?

“Penso que é muito especial. Se alguém é fã em Suzuka é dos intensos. Estarão a fazer filas fora do circuito. É fantástico a paixão que têm. Penso que muita gente gosta deste evento por ser tão diferente de todos os outros.”

 

O Japão tem uma cozinha fantástica e única. Qual é a sua favorita?

“Qualquer sushi ou sashimi. Gosto muito. Aparentemente, há um restaurante muito bom perto do circuito que eu não conheço, portanto, estou ansioso por experimentar.”

 

Quando deixarem o Japão, estarão a preparar-se para a corrida caseira da equipa – o Grande Prémio dos Estados Unidos da América, em Austin, Texas. Onde quer que a Haas F1 Team esteja então e quais serão os pensamentos que terá no longo voo de regresso à Carolina do Norte?

“Penso que o mais importante é não cometer erros. O nosso carro é o sexto ou o sétimo mais rápido da grelha de partida, neste momento. Esperamos que seja o sexto e conseguir uma boa qualificação para chegar à Q3. O mais importante é não cometer erros. Queremos mostrar o nosso carro da melhor forma possível a todos os adeptos americanos e dar-lhes um bom espectáculo.”

 

 

 

Foram-te atribuídas declarações em que dizes que Suzuka é a tua pista preferida no mundo inteiro. Porquê?

“É sempre difícil dizer porquê. Penso que é a sua fluidez, as curvas, a natureza de alta-velocidade da pista. Há o risco, também, com todas as escapatórias de gravilha e as zonas mais estreitas do circuito. No geral, contudo, não se trata apenas de uma coisa e, por vezes, não sabemos porque gostamos de uma determinada coisa, apenas gostamos.”

 

Em 2013 lideraste vinte seis voltas do Grande Prémio do Japão em Suzuka, para depois terminares em terceiro. Essa foi a maior quantidade de voltas que passaste no comando num circuito de Fórmula 1. Fala-nos dessa corrida e de que forma te foi possível rodar na frente durante tanto tempo?

“Arranquei do quarto lugar da grelha e parti muito bem. Liderei desde a primeira curva. A Red Bull apostou na sua estratégia. Puseram um carro numa estratégia de duas paragens e outro numa de três. Liderámos vinte e seis voltas, mas perdemos posições para eles. Foi fantástico, porém. Lembro-me de dizer para mim mesmo para não sair de pista, dado que todas as câmaras apontavam para mim. Foi um grande sentimento estar na liderança. Adorei. Lembro-me de ir para a estação do caminho de ferro depois da corrida e de estar rodeado de fãs. Foi agitado, mas memorável.”

 

Em Suzuka parece ser delicado alcançar um equilíbrio aerodinâmico. Se for demasiado apoio aerodinâmico, sofrem nas rectas. Se for pouco, vocês não sentem confiança para atacar as zonas mais sinuosas e nas curvas. Evidentemente, o nível do apoio aerodinâmico é previsto tendo em conta o conforto que vocês sentem a dada velocidade. Como encontram esse equilíbrio?

“É uma daquelas pistas onde é necessário muito apoio aerodinâmico e um carro verdadeiramente bom nas curvas de alta velocidade. Há também algumas curvas de baixa velocidade que são muito importantes. Tudo tem a ver com sentir confiança certa para poder dar o máximo naquelas curvas complicadas do sector 1. Não é uma pista fácil para afinar o carro, mas é decididamente fantástica para se rodar.”

 

A subviragem ao longo dos esses entre a curvas 3 e 7 é, normalmente, uma das coisas resolver em Suzuka. Como resolvem a subviragem e em que ponto uma alteração para ajudar o carro num determinado ponto do circuito o prejudica noutra?

“Há uma linha muito fina. Se começamos a sentir subviragem muito cedo, entramos na trajectória errada bastante cedo para as curvas 3, 4, 5, 6, 7 e 8. Se começamos com sobreviragem, também é mau. Existe uma linha muito fina para se poder ter o equilíbrio correcto, e para não se ser demasiado lento nas curvas mais lentas.”

 

Dirias que Suzuka é uma pista de pilotos?

“Definitivamente.”

 

É possível que seja mais fácil para um piloto fazer a diferença em Suzuka que noutro circuito?

“Infelizmente, não. Tem tudo a ver com encontrar um bom equilíbrio para o carro. A performance do carro dita a nossa performance. É mais ou menos o mesmo em todo o lado. Podemos tentar contornar as situações, e ser mais consistentes.”

 

Onde existem oportunidades para ultrapassar em Suzuka?

“Decididamente, com o DRS, na Curva 1. Existe também uma grande travagem para a chicane, a última curva. Há o gancho do meio do circuito, onde podemos tentar na zona de travagem.”

 

Qual é a tua zona preferida de Suzuka?

“É muito complicado escolher uma, mas eu decido-me pelo primeiro sector.”

 

Descreve uma volta a Suzuka.

“As curvas 1 e 2 são de altíssima velocidade na entrada. São curvas longas, com uma saída complicada. O primeiro sector tem uma fluidez de curvas que nos obriga a ter uma tajectória perfeita ao longo delas, sendo a mais complicada a 7 e a 8, aonde se sobe em tracção. Depois temos um dupla direita, de elevadíssima velocidade, e um corrector de saída muito complicado a meio. Passamos então por baixo da ponte para seguirmos para a travagem forte para o gancho. A tracção é muito importante para sairmos a caminho das curvas Spoon. Aqui acontece o mesmo que na Curva 1 – uma entrada de altíssima velocidade, a reduzir a velocidade para a segunda parte e uma saída muito importante, que nos leva para a recta das traseiras. Depois temos a 130R, feita a fundo, seguida por uma grande travagem para a última chicane, em que a aplicação do acelerador é muito complicada.”

 

Para lá da pista, outro assunto muito discutido em Suzuka é a paixão dos adeptos. Podes descrever a atmosfera que se sente na pista e o fervor que os adeptos japoneses têm pela Fórmula 1?

“É uma atmosfera louca desde quinta-feira. Todas as bancadas estão completamente cheias. Depois da corrida, continuam lá a ver as repetições do Grande Prémios nos ecrãs. Mostram também modas muito engraçadas, com alguns acessórios loucos. Eles adoram a Fórmula 1 e são muito apaixonados. É uma atmosfera electrizante. É fantástico ver toda aquela paixão e tanta gente a torcer por equipas como a nossa.”

 

O Japão tem uma cozinha fantástica e única. Qual é a tua favorita?

“Quando falamos do Japão, toda gente menciona o suhsi. Há muito mais para além disso no país. Há boa carne, bom peixe. As técnicas são muito distintas das francesas. É muito delicada. Adoro.”

 

Quando deixares o Japão, estarás a preparar-te para a corrida caseira da Haas F1 Team – o Grande Prémio dos Estados Unidos da América, em Austin, Texas. Onde queres que a Haas F1 Team esteja então?

“Gostaria que estivéssemos no degrau mais alto do pódio de Austin. Isso seria um sonho. Estou ansioso por chegar lá. Será fantástico. Espero que tenhamos muito apoio. Mal posso esperar por chegar aos Estados Unidos. Em pista, é evidente, estamos ainda num estágio de desenvolvimento. Temos que verificar todas as nossas peças de evolução, garantir que funcionam bem e começar a olhar para a direcção que vamos tomar para o próximo ano.”

 

 

 

 

 

 

Muitos pilotos apontam que Suzuka é a sua pista de Fórmula 1 preferida. És um deles?

“Decididamente, sou um deles. É um circuito fantástico. É extremamente rápido e temos uma secção, o primeiro sector, com todos os esses – é uma sensação fantástica passar por lá num carro de Fórmula 1. Temos, também, a curva mais rápida do mundo, a 130R.

 

Dirias que Suzuka é uma pista de pilotos?

“Claro. É uma verdadeira pista para pilotos, com curvas de alta-velocidade, onde precisamos mesmo de levar o carro ao limite.”

 

É possível que seja mais fácil para um piloto fazer a diferença em Suzuka que noutro circuito?

“Bem, é um pouco mais fácil, mas a não é assim que a Fórmula 1 funciona actualmente. Todos nós andamos no limite dos carros.”

 

Onde existem oportunidades para ultrapassar em Suzuka?

“Não é a pista mais fácil para ultrapassar. Penso que a Curva 1 é um bom local – provavelmente o melhor.”

 

Qual é a tua zona preferida de Suzuka?

“Provavelmente, o primeiro sector.”

 

Descreve uma volta a Suzuka.

“É sinuoso, estreito e rápido.”

 

Para lá da pista, outro assunto muito discutido em Suzuka é a paixão dos adeptos. Podes descrever a atmosfera que se sente na pista e o fervor que os adeptos japoneses têm pela Fórmula 1?

“A atmosfera é fantástica, lá. Os fãs japoneses são fantásticos. São mesmo apaixonados.”

 

O Japão tem uma cozinha fantástica e única. Qual é a tua favorita?

“Adoro sushi.”

 

Quando deixares o Japão, estarás a preparar-te para a corrida caseira da Haas F1 Team – o Grande Prémio dos Estados Unidos da América, em Austin, Texas. Onde queres que a Haas F1 Team esteja então?

“Gostaria de estar lá à frente. Vamos dar o nosso melhor para podermos oferecer o melhor resultado possível aos nossos adeptos americanos.”

 

 

 

 

Suzuka Circuit

Circuito de Suzuka

  • Número de voltas: 53 
  • Distância de corrida: 307,471 quilómetros
  • Velocidade na via das boxes: 80 Km/h
  • Este circuito de 5,807 quilómetros e 18 curvas alberga a Fórmula 1 desde 1987, tendo no ano passado sido o palco do seu 28º Grande Prémio.
  • Kimi Raikkonen detém o recorde da volta a Suzuka (1m31,540s), assinado em 2005 com a McLaren.
  • Michael Schumacher detém o recorde da qualificação em Suzuka (1m28,954s), assinado em 2006 com a Scuderia Ferrari durante a Q2.
  • O layout de Sukuza tem a configuração de um oito e é a única pista dos vinte e um circuitos que compõem o calendário da Fórmula 1 com esta configuração. Ostenta todo o tipo de curvas, o que o torna num dos preferidos entre os pilotos. Podem puxar os limites sem que os carros fiquem colados a pista devido ao apoio aerodinâmico máximo, desde que os seus carros estejam devidamente equilibrados aerodinamicamente. Demasiado apoio aerodinâmico limita os carros nas rectas, ao passo que se tiver pouco os pilotos não têm confiança para que possam dar o máximo nas zonas mais sinuosas da pista. Os pilotos são, no entanto, ajudados pelo elevado nível de aderência de Suzuka. O asfalto relativamente antigo abusa dos pneus, uma vez que a sua superfície rugosa fornece uma elevada quantidade tracção. Isto combinado com as elevadas forças laterais ao longo das curvas, produz um elevado desgaste nos pneus. Realizar uma volta perfeita é difícil em Suzuka, mas é extremamente recompensador quando alcançada.
  • Sabia que: A NASCAR realizou duas corridas no Circuito de Suzuka, em 1996 e 1997. Ambas foram eventos de exibição e foram efectuadas depois do final da temporada regular da NASCAR, em Novembro. A primeira corrida foi vencida por Rusty Wallace e a segunda por Mike Skinner. Em 1997 foram utilizados pneus de chuva pela primeira vez num evento da NASCAR, com as equipas a rodarem com pneus de chuva da Goodyear nos treinos-livres e na qualificação. A volta mais rápida realizada por um Stock Car em Suzuka foi alcançada em 1996, quando Wallace garantiu a pole-position com a velocidade média de 133,703 Km/h, aos comandos de um Ford Thunderbird.
  • Durante o fim-de-semana do Grande Prémio do Japão, a temperatura mínima andará entre os 16ºC e 18ºC e a máxima entre os 18ºC e os 27ºC. A humidade relativa estará entre os 59% e os 88%. O vento variará entre os 5 Km/h e os 26 Km/h, raramente excedendo os 35 Km/h. 

 

  • A Pirelli leva para o Japão três compostos de pneus:
  • P Zero Branco/Médiopouca aderência, menos desgaste (usado para séries longas de voltas)
  •  P Zero Amarelo/Macio mais aderência, desgaste médio (usado para pequenas séries de voltas e para o segmento inicial da qualificação)
  • P Zero Vermelho/Supermacio maior quantidade de aderência, elevado nível de desgaste(usado para a qualificação e para situações específicas de corridas)
  • Dois dos três compostos disponíveis têm que ser usados durante a corrida. As equipas podem decidir quando querem utilizar cada um dos compostos, o que proporciona um elemento de estratégia para a corrida. Cada piloto pode usar todos os três tipos de pneus na corrida, se assim desejar. (Se a corrida for disputada com a pista molhada, os Cinturato Azul, pneu de chuva, e o Cinturato Verde, intermédios, estarão disponíveis).
  • A Pirelli fornece a cada piloto 13 jogos de pneus para seco durante o fim-de-semana. Destes 13 jogos, os pilotos e as suas equipas podem escolher a especificação de dez entre os compostos selecionados pela Pirelli. Os três restantes são definidos pela Pirelli – dois jogos de pneus de especificação obrigatória para a corrida (um de P Zero Branco/Médio e outro P Zero Amarelo/Macio) e um obrigatório para a Q3 (um P Zero Vermelho/Supermacio).

Os pilotos da Haas F1 Team escolheram da seguinte forma:

  • Grosjean: dois jogos de médios, quatro jogos de macios e sete de supermacios
  • Magnussen: um jogos de médios, cinco jogos de macios e sete de supermacios

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

MALAYSIAN GRAND PRIX RACE – INFOGRAPHICS

alt

alt

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

CAMPEONATO MUNDO DE FÓRMULA 1

 

AS CONTAS APÓS O G.P. DO JAPÃOa68 Copya69 Copy

 

As contas que se podem fazer após GP do Japão é que Hamilton só precisa de ser quarto no final nas quatro provas que faltam para o final da temporada. Ou, pior ainda para o interesse do campeonato, o inglês pode chegar ao tetra já nos EUA se vencer e Vettel não ficar nos cinco primeiros

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

MALAYSIAN GRAND PRIX RACE
 
ONE-STOP SUPERSOFT-SOFT STRATEGY AS EXCPECTED  FOR ALL THE FRONTRUNNERS ON THE GRID 
 
FERRARI DRIVER SEBASTIAN VETTEL USES ALTERNATIVE SOFT-SUPERSOFT STRATEGY TO FINISH FOURTH FROM THE BACK
 
SOME VERY LONG STINTS SEEN AT THE LAST SEPANG RACE:  FORCE INDIA’S ESTEBAN OCON STOPS JUST ONCE ON LAP THREE
 
 The final Malaysian Grand Prix was won by Red Bull’s Max Verstappen from the second row of the grid, after stopping just once to change from supersoft to soft tyres. This was the strategy that was adopted by all the frontrunners, with the notable exception of Ferrari driver Sebastian Vettel, who staged a brilliant fightback to fourth from last. The German chose to start the race on the soft tyres to try and gain track position, switching to the faster supersoft tyres on the same lap that Verstappen pitted from the lead to change from supersoft to soft. Vettel was then able to use the extra speed of the supersoft to make his way into the top four places.
 
MARIO ISOLA - HEAD OF CAR RACING “After practice was interrupted by weather and a red flag, the teams still had to fully calculate degradation rates over long runs, which was the main challenge today. In the end, track temperatures were relatively cool by Malaysia standards – around 40 degrees centigrade – and degradation was low on both compounds, so the stints were able to be stretched out. With all the frontrunners selecting similar one-stop supersoft-soft strategies, one of the highlights of the race was Vettel’s charge up the field from last, helped by an alternative strategy by starting on the soft. Force India’s Esteban Ocon was forced into an early stop following a puncture caused by contact with another car: he then ran all the way to the end on the soft tyre after pitting on lap three.”
 
BEST TIME BY COMPOUND
 
 
 
LONGEST STINT OF THE RACE
 
   
-
Hamilton 1m34.452s
Vettel 1m34.080s
-
Verstappen 1m34.467s
Hulkenberg 1m34.266s
-
Ricciardo 1m34.770s
Grosjean 1m35.796s
COMPOUND DRIVER LAPS
MEDIUM - -
 
 
 
 
 
 
TRUTHOMETER Verstappen was the winner of the 56-lap race with a one-stop strategy as we expected, going from supersoft to soft on lap 28 – later than we had anticipated owing to lower levels of tyre degradation. This was incidentally the same lap that Vettel switched from soft to supersoft. 
 

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

 

 

Grande Prémio da Malásia 2017 - Corrida

 









 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

 

GRANDE PRÉMIO DO JAPÃO

 

SEGUNDO A OPINIÃO DO JORNALISTA JOÃO CARLOS COSTA

 

 

71, 10, 1. O número total de poles; as que conseguiu este ano; e o facto de ter “esfolado o frango” de Suzuka, onde antes nunca tinha conseguido ser a estrela mais brilhante na qualificação. É o que fica da performance de Hamilton em Suzuka.

  1. Mas houve mais: novo recorde de pista aniquilado (como dizia Vettel, estes carros são fabulosos de guiar aqui); uma vez mais as expectativas de maior competitividade de um marca goradas (com muitas curvas rápidas de apoio esperava-se um domínio Ferrari); mas, sobretudo, a dobradinha da Mercedes que pode ter influência determinante no resultado da corrida e do campeonato (ou não, porque esta F1 2017 não pára de nos dar a volta ao... argumento!).

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

2017 Malaysian Grand Prix  – Sets available for the race – Infographics

alt

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

MALAYSIAN GRAND PRIX QUALIFYING
 
LEWIS HAMILTON CLAIMS POLE FOR MERCEDES  LOWERING ONCE MORE THE SEPANG LAP RECORD 
 
FERRARI’S KIMI RAIKKONEN AND RED BULL’S MAX VERSTAPPEN  USE JUST THREE SETS OF SUPERSOFT THROUGHOUT QUALIFYING
 
ONE PIT STOP POSSIBLE FOR 56-LAP RACE TOMORROW: IN THE CASE OF HOTTER CONDITIONS, A TWO-STOPPER COULD BE CHOSEN
  a5 Copy Mercedes driver Lewis Hamilton has claimed pole position for the Malaysian Grand Prix, following a dramatic qualifying held in warm conditions with just over 40 degrees of track temperature. Both Mercedes drivers, as well as the Ferrari of Kimi Raikkonen and Red Bull of Max Verstappen, got through Q1 using the soft tyres only, which were around 0.8 seconds per lap slower than the supersofts during free practice. From then on, the supersoft tyre was used throughout the rest of qualifying, which unusually took place at 5pm: two hours after tomorrow’s scheduled race start time.
 
MARIO ISOLA - HEAD OF CAR RACING “The supersoft was used throughout the qualifying hour, apart from four drivers who ran the soft to set their quickest times in Q1. Once more, the general tendency of seeing faster times this season after bringing softer compounds than last year has continued, with this year’s pole position nearly three seconds faster than the 2016 equivalent. Despite the increased demands on the tyres and faster cornering speeds – which have led to the quicker lap times, with the lap record falling many times this weekend – it’s possible we’ll see a one stop race tomorrow, using a supersoft-soft strategy. A twostopper could become interesting if conditions are significantly warmer than in qualifying today. However, the variable weather here means that Sepang is always one of the hardest races to predict.”
 
HOW THE TYRES BEHAVED TODAY
      Used throughout the majority of qualifying: top 10 will start on this. The top four drivers in Q1 used the soft to get through the session. Seen in FP3 but unlikely to feature in race, with a big performance gap to soft  
 
 
 
 
 
 
 
 
FREE PRACTICE 3 – TOP 3 TIMES
 
 
QUALIFYING TOP 10
 
 
 
MOST LAPS BY COMPOUND SO FAR
 
 
 
 
DRIVER TIME COMPOUND
Raikkonen 1m31.880s SUPERSOFT NEW
Vettel 1m32.042s SUPERSOFT NEW
Ricciardo 1m32.091s SUPERSOFT NEW
DRIVER TIME COMPOUND
Hamilton 1m30.076s SUPERSOFT  NEW
Raikkonen 1m30.121s SUPERSOFT  NEW
Verstappen 1m30.541s SUPERSOFT  NEW
Ricciardo 1m30.595s SUPERSOFT  NEW
Bottas 1m30.758s SUPERSOFT  NEW
Ocon 1m31.478s SUPERSOFT  NEW
Vandoorne 1m31.582s SUPERSOFT  NEW
Hulkenberg 1m31.607s SUPERSOFT  NEW
Perez 1m31.658s SUPERSOFT  NEW
Alonso 1m31.704s SUPERSOFT  NEW
COMPOUND DRIVER LAPS
MEDIUM Stroll 9
SOFT Ericsson 23
SUPERSOFT Palmer 17
INTERMEDIATE Gasly 13
WET 14 drivers 1
 
 

 

F 1 CLÁSSICOS NO ESTORIL

Estoril Classic 2017 será o evento do ano no Autódromo do Estoril

 

 

10 MOTIVOS PARA NÃO PERDER O ESTORIL CLASSIC

 

O GRANDE EVENTO DE CORRIDAS HISTÓRICAS COMEMORA OS 45 ANOS DO AUTÓDROMO E ARRANCA A 21 DE OUTUBRO.

 

A primeira edição do Estoril Classic, organizado pela Race Ready em parceria com a Câmara Municipal de Cascais, decorre no fim-de-semana de 21 e 22 de Outubro no Autódromo do Estoril e apresenta inúmeros motivos de interesse. Destacamos dez:

 

  1. 1. 45 anos do Autódromo do Estoril

Solo sagrado para os entusiastas do desporto automóvel. Por ali mostraram a sua arte os melhores pilotos do mundo, da Fórmula 1 aos ralis, sem esquecer os karts e os clássicos. Continua a ser um circuito muito exigente e técnico, mas é agora muito mais seguro para todos os envolvidos.

 

2. O regresso da Fórmula 1

Todos temos saudades da Fórmula 1 no autódromo e esta será uma oportunidade para reviver essa experiência. Haverá quatro corridas de F1 históricos, duas dedicadas aos F1 dos períodos pré-1966 (HGPCA Formula 1) e duas aos F1 de que correram entre 1966 e 1985 (FIA MASTERS HISTORIC F1).

 

3. Mais de 150 automóveis de corrida

Serão mais de centena e meia os automóveis de competição históricos, de categorias tão diversas como os carros de Turismo ou Grande Turismo e Fórmula Júnior, avaliados em mais de 40 milhões de euros, e representando mais de 20 nacionalidades diferentes.

 

4. Um evento para toda a família

Com diversas atracções durante todo o fim-de-semana, o Estoril Classic é também o evento ideal para mostrar às crianças que o desporto pode ser praticado com respeito e admiração pelos adversários.

 

5. Bancada grátis e preços do paddock acessíveis

O regresso da Fórmula 1 ao Estoril não recupera os valores exorbitantes dos bilhetes. O acesso à bancada principal é livre. Os bilhetes do paddock começam nos 10 euros de sábado, custam 15 euros no Domingo e apenas 20 euros para os dois dias. E as crianças até 16 anos não pagam.

 

6. Dez corridas sensacionais

No sábado a acção divide-se entre os treinos de qualificação e quatro corridas, enquanto que no Domingo serão seis as corridas a que o público poderá assistir.

 

7. 70 Anos da Ferrari

A marca mais afamada da Fórmula 1 celebra este ano o seu 70º aniversário, que será comemorado numa concentração de vários modelos da marca no paddock.

 

8. 50 anos do motor Cosworth DFV

Foi há meio século que Michael Costin e Keith Duckworth conceberam um dos mais famosos motores de F1, o Ford-Cosworth DFV. Vários dos F1 que vão correr no Estoril estão equipados com este lendário motor V8.

 

9. Concentração de automóveis clássicos

Junto ao paddock vai ser possível ver de perto alguns dos mais interessantes e bem preservados modelos clássicos da Alfa Romeo, Porsche, BMW e Lotus, entre outros, que irão também desfilar na pista.

 

10. Uma roda gigante no paddock

Venha ver as corridas no autódromo do Estoril de uma forma inédita, com a nossa roda gigante montada no paddock, junto da zona comercial e dos especialistas em Street Food presentes para assegurar uma experiência única.

 a3 Copya4 Copy

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

FORMULA 2 AT JEREZ WITH MEDIUM AND SOFT TYRES FOR STAND-ALONE RACE WEEKEND, WITH GP3 ON HARD


 While Formula 1 races at Suzuka in Japan this week, the FIA Formula 2 Championship and GP3 Series are in action at Jerez in Spain for the penultimate rounds of the season. This is the only stand-alone round of the season, as both championships normally race alongside Formula 1.

Formula 2 will use the P Zero White medium and P Zero Yellow soft tyres, while the hard tyre is nominated for GP3.

While there hasn’t been a Formula 1 race at Jerez for 20 years – since 1997, where the world championship was decided – it’s been used much more recently as a Formula 1 test venue, thanks to its all-round technical challenge and generally warm climate.

Pirelli’s head of car racing says:

Mario Isola: “After having been completely re-asphalted recently, the surface characteristics have changed, resulting in much smoother asphalt and fewer bumps, according to our engineers who have assessed the new asphalt. Jerez is a venue that we know well from Formula 1 testing, and it's a track with a wide variety of quite technical corners that can challenge every aspect of driver and car performance: one of the reasons why it was originally chosen for testing purposes.”

The challenge for the tyres:

Neither F2 or GP3 has raced at Jerez before but teams have tested there in previous years, although the new smoother surface could reduce the relevance of their historical data on tyre performance.

Jerez features a range of different types of corner but the biggest demands on the tyres probably come at the rear under traction. The lack of many long straights mean the tyres are constantly working through the lap.

Overtaking can be difficult on the twisty Jerez layout, so tyre strategy could be crucial in the F2 feature race as a way of making up positions.

The race and the rules:

Formula 2

Every car will have five sets of dry tyres and three sets of wet weather tyres available for the Formula 2 race weekend. The five sets of dry tyres comprise three sets of the medium compound and two sets of the soft compound.

The drivers can use their tyre allocation in any way they like, but at least one set of each compound must be used in the feature race (unless it is a wet race). One set of the harder compound must be returned after free practice.

Qualifying takes place at 15:30 on Friday, after practice at 11:00. The feature race on Saturday at 14:00 lasts 39 laps and each driver must complete one compulsory pit stop. This cannot take place within the first six laps. Unlike Formula 1, the drivers do not have to start the race using the tyres they qualified on.

The grid for the sprint race on Sunday at 14:00 is determined by the finishing order of the first race, with the top eight positions reversed. It is run over 28 laps, with no compulsory pit stops.

GP3

Every car will have three sets of dry tyres and two sets of wet weather tyres available for the GP3 race weekend. Only one compound is nominated: hard for this weekend. The drivers can use the tyre allocation in any way they like.

Drivers are allowed to carry over one tyre set from the previous round for use in free practice only. This will be the soft compound from Monza.

Qualifying takes place at 14:00 on Saturday after a single free practice session on Friday at 10:00. Race 1 starts at 11:00 on Saturday and lasts for 23 laps, followed by Race Two at 11:00 on Sunday (lasting 17 laps). The grid for Race 2 is determined by the finishing order of the first race, with the top eight positions reversed.

 

***

 

 56I2999

P Zero White medium and Yellow soft tyres will be available for F2 drivers at Jerez

MALC7310A

P Zero Orange hard tyres will be used in GP3

 

NO G. P . DA MALÁSIA

Caixa de velocidades  do Ferrari de Vettel não ficou danificada com o incidente de Sepang. O alemão escapa aos 5 lugares da penalização em Suzuka.

 

DI GRASSI EM TESTES COM O FÓRMULA E

 

No reencontro da Fórmula E, Lucas di Grassi classifica como positivo o primeiro dia de testes

Atual campeão da categoria, brasileiro da Audi Sport Abt Schaeffler completou 71 voltas no circuito de Valência e fechou o dia como o terceiro mais rápido na Espanha

 

 

Lucas di Grassi teve o reencontro com sua equipe e seus adversários nesta segunda-feira (2) no circuito Ricardo Tormo em Valência, na Espanha. O traçado recebe os treinos coletivos visando a temporada 2017-2018 da Fórmula E, que começa no dia 2 de dezembro em Hong Kong. Agora carregando o número 1 no bólido da Audi Sport Abt Schaeffler, o brasileiro foi o terceiro mais rápido do primeiro dia de testes.

“Um dia bem positivo, sem nenhum tipo de problema, em que pudemos experimentar diversas regulagens no carro. Pena que tivemos duas pequenas interrupções por bandeira vermelha, sem isso poderíamos ter andado um pouco mais; entretanto, não foi nada que comprometesse o programado para hoje”, disse o campeão da Fórmula E.

Lucas foi o segundo colocado no turno da manhã, a apenas 0s049 do melhor tempo, registrado por Sam Bird, da DS-Virgin; à tarde, as marcas baixaram e o brasileiro ficou com o terceiro melhor tempo, mais uma vez em uma sessão na qual os carros marcaram voltas extremamente próximas – principalmente entre os seis primeiros.

Di Grassi marcou 1min18s579, enquanto o mais rápido do dia foi Oliver Turvey, da NIO, e Sébastien Buemi, da Renault e-Dams, foi o segundo. Os três primeiros separados por apenas 14 milésimos de segundo – a diferença entre o atual vice-campeão e campeão foi de apenas dois milésimos.

“Ainda não podemos tirar qualquer tipo de conclusão, até porque estamos testando em um autódromo, que não é o habitat natural da Fórmula E, que corre em circuito de rua. Por isso, não andamos aqui pensando nos tempos de volta, mas sim em ajustar o carro e testar todos os seus componentes”, afirmou.

Os testes coletivos de pré-temporada da Fórmula E prosseguem nesta terça (3) e quarta-feira (4) no autódromo espanhol.

Testes, 1º Dia (Top-5):
1. 16 Oliver Turvey (NIO Formula E Team) - 1:18.565
2. 9 Sebastien Buemi (Renault e.Dams) - 1:18.577
3. 1 Lucas Di Grassi (Audi Sport ABT Schaeffler) - 1:18.579
4. 19 Felix Rosenqvist (Mahindra Racing) - 1:18.643
5. 2 Sam Bird (DS Virgin Racing) - 1:18.669

CALENDÁRIO FIA FORMULA E temporada 2017-2018
02/12 – Hong Kong
03/12 – Hong Kong
13/02 – Marrakesh, Marrocos
03/02 – Santiago, Chile
03/03 – Cidade do México, México
17/03 – SÃO PAULO, Brasil
14/04 – Roma, Itália
28/04 – Paris, França
19/05 – Berlim, Alemanha
10/06 – Zurique, Suíça
14/07 – Nova York, Estados Unidos
15/07 – Nova York, Estados Unidos
28/07 – Montreal, Canadá
29/07 – Montreal, Canadáa984 Copy

 

ESTATISTICA DO DIA

  1. Estatistica do dia: Max Verstappen só ganha quando a Red Bull castiga Daniil Kvyat - “cartão amarelo” (Barcelona 2016) e “cartão vermelho” (Malásia 2017).

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1

 

 Esteve quase sempre (ou quase) fora das imagens. Mas que vitória, que domínio, sem um erro. E que corrida, no seu todo! Até este final...

  1. 5º vencedor diferente do ano - nunca tinha acontecido na Era híbrida. No grupo da frente, só falta... Kimi, que definitivamente está fora da luta pelo título!
    No campeonato, Hamilton ganhou 6 pontos a Vettel. Fica com 34 de vantagem, mas não é suficiente para ser apenas 2º nas cinco provas até ao final (precisava de 36). Ou seja, o campeonato está mais que vivo, até porque o Evo4 da Ferrari... voa, mesmo se ainda "aquece".

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1

 

A IMAGEM DO FIM DE SEMANA

 

A imagem do fim de semana do G.P.de Fórmula 1 na Malásia .Um momento de enorme desilusão para Jock Clear. Que não resistiu à pressão e por isso mostrou o lado humano do Desporto Motorizado. Porque, profissional ou fã, há sempre a paixão e a vontade de ser o melhor que exacerba de várias formas. Esta é apenas uma delas...

 

SEGUNDO A OPINIÃO DO JORNALISTA JOÃO CARLOS COSTA

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

 

SEGUNDO A OPINIÃO DO JORNALISTA JOÃO CARLOS COSTAa954 Copya955 Copya956 Copy

 

 

 A solidão de máquina e homem... mas também o belo gesto de agradecimento aos mecânicos do #7.

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

 

NOS BASTIDORES

 

 

  A F1 passou a ter apenas um teenager no pelotão.

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

MALAYSIAN GRAND PRIX PRACTICE SESSIONS
 
ALL-TIME SEPANG LAP RECORD BROKEN IN FP2 WITH SUPERSOFT TYRES, AFTER RAIN RESTRICTS RUNNING IN FP1
 
RED BULL LEADS IN THE WET, WITH FERRARI GOING FASTEST  IN THE DRY FP2 SESSION 
 
PERFORMANCE GAP BETWEEN SOFT AND SUPERSOFT CURRENTLY AROUND 0.8 SECONDS. FP2 SESSION ENDS EARLY FOLLOWING A LOOSE DRAIN COVER    – After only 10 minutes of dry running in FP2 the 12-year-old lap record was broken in Sepang, with Ferrari’s Sebastian Vettel eventually setting the fastest time of the day (1m31.261s) on the P Zero Red supersoft, nominated together with the soft and medium this weekend. This was 1.6 seconds faster than last year’s pole position, and 3.7 seconds faster than last year’s best FP2 time. The FP1 session was interrupted by rain, which limited the running to just one hour, when mostly intermediate tyres were used apart from some installation laps on full wets. During the afternoon, FP2 started with an ambient temperature of 30 degrees centigrade and track temperature of 37 degrees centigrade, steadily climbing throughout the session.
 
MARIO ISOLA - HEAD OF CAR RACING  “Despite the lack of grip from a ‘green’ circuit following the rain this morning, it took only a few minutes for the all-time track record to be broken in FP2 – and not even on the softest compound tyres that we have brought this weekend. With the lack of running this morning and the red flag in the afternoon, teams were not able to properly assess degradation rates. However, for the first time this year, FP3 takes place tomorrow at a time similar to the race, so this will be an important opportunity to collect valuable data in order to extrapolate an effective strategy.”
 
FREE PRACTICE 1 – TOP 3 TIMES
 
 
FREE PRACTICE 2 – TOP 3 TIMES
 
DRIVER TIME COMPOUND
Verstappen 1m48.962s INTERMEDIATE USED
Ricciardo 1m49.719s INTERMEDIATE NEW
Alonso 1m50.597s INTERMEDIATE USED
DRIVER TIME COMPOUND
Vettel 1m31.261s SUPERSOFT NEW
Raikkonen 1m31.865s SUPERSOFT NEW
Ricciardo 1m32.099s SUPERSOFT NEW
 
 
 
 
 
FP1 - BEST TIME BY COMPOUND 
 
 
 
FP2 - BEST TIME BY COMPOUND 
 
 
 
MOST LAPS BY COMPOUND SO FAR
 
 
 
TYRE STATISTICS OF THE DAY
 
 
* The above number gives the total amount of kilometres driven in FP1 and FP2 today, all drivers combined. ** Per compound, all drivers combined.

MALAYSIAN GRAND PRIX PRACTICE SESSIONS

 

alt


 
 

 

HAAS NO G.P. DA MALÁSIA

 

Evento:   Grande Prémio da Malásia (15º Round de 20)

Data:  Domingo, 1 de Outubro

Local:  Sepang International Circuit, em Kuala Lumpur

Layout:  5,543 quilómetros, 15 curvas

Condições climatéricas:  Céu enevoado

Temperatura do ar:  29,7-32,1ºC

Temperatura da pista:  37,2-42ºC

Vencedor:  Max Verstappen da Red Bull

Haas F1 Team:

●  Kevin Magnussen – alinhou em 17º, terminou em 12º (completou 55/56 voltas)

●  Romain Grosjean – alinhou em 16º, terminou em 13º (completou 55/56 voltas)

 

 

 

Os pilotos da Haas F1 Team, Kevin Magnussen e Romain Grosjean, terminaram em décimo segundo e décimo terceiro lugares, respectivamente, o Grande Prémio da Malásia, que se disputou este domingo no Sepang International Circuit, em Kuala Lumpur.

 

Ambos os pilotos realizaram ganhos significativos durante a corrida de cinquenta e seis voltas ao circuito de 5,542 quilómetros e quinze curvas, uma vez que Magnussen arrancou de décimo sétimo e Grosjean de décimo sexto.

 

Magnussen começou a recuperar assim que as luzes dos semáforos se apagaram, guindando-se ao nono posto ao longo das duas primeiras curvas. As paragens nas boxes e o ritmo dos seus adversários ao longo da corrida levaram Magnussen até ao décimo segundo lugar, que usou uma estratégia de apenas uma paragem.

 

Magnussen trocou os Pirelli P Zero Vermelho/Supermacio com que iniciou a corrida por macios, quando estavam cumpridas dez voltas. Isto atirou-o para o décimo sétimo lugar, mas conseguiu, tenazmente, recuperar, tendo protagonizado intensas lutas com o McLaren de Fernando Alonso e com o Renault de Jolyon Palmer.

 

Grosjean, por seu lado, adoptou uma estratégia de duas paragens, o que o atirou para o décimo nono lugar na primeira volta, em parte devido a ter sido obrigado a sair de pista para evitar o Toro Rosso de Pierre Gasly na Curva 4. Grosjean entrou nas boxes na décima primeira volta para trocar pneus supermacios por macios, e, depois, regressou na trigésima terceira volta para um jogo novo de supermacios que o levou até ao final da corrida. A borracha fresca permitiu-lhe atacar, subindo desde décimo sétimo até décimo terceiro, aquando da bandeirada de xadrez.

 

Max Verstappen, que completou recentemente vinte anos, venceu o Grande Prémio da Malásia. O piloto da Red Bull conquistou a sua segunda vitória na Fórmula 1, a sua primeira da temporada e em Sepang. Verstappen deixou o segundo classificado, Lewis Hamilton, da Mercedes, a 12,770s.

 

Apesar de não ter vencido, Hamilton incrementou a sua liderança no Campeonato de Pilotos para trinta e quatro pontos relativamente ao seu perseguidor, Sebastian Vettel, da Scuderia Ferrari, que terminou o Grande Prémio da Malásia no quarto posto.

 

Com quinze rondas completadas das vinte que compõem o calendário deste ano da Fórmula 1, a Haas F1 Team continua no oitavo lugar, a cinco pontos da sétima classificada, a Renault, e a quinze da Toro Rosso, a sexta. Grosjean está no décimo terceiro posto do Campeonato de Pilotos, com vinte e seis pontos, e Magnussen em décimo quinto, com onze.

 

Com apenas cinco corridas por disputar no Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1 de 2017, o próximo evento será o Grande Prémio do Japão, que se disputa no Circuito de Suzuka entre os próximos dias 6 e 8 de Outubro.

 

 

 

Não tive um grande arranque. Penso que estava numa zona húmida da pista. Atiraram-me para fora de pista na Curva 4. Subitamente, um carro foi do interior para o exterior e tive que o evitar. Caí para último e o que se pode fazer quando no final da primeira volta estamos no último lugar? O carro estava muito difícil de pilotar no início. Ficou muito melhor depois da última paragem nas boxes, quando equilibrámos a sua aerodinâmica. Penso que não escolhemos as afinações técnicas correctas para este fim-de-semana, e incluo-me no processo de decisão. Podemos aprender muito com este fim-de-semana. Tenho a certeza de que no Japão estaremos mais fortes.”

 

 

 

“Consegui realizar um bom arranque e conquistei algumas posições na primeira volta. Tentei manter o lugar. Hoje, não tínhamos ritmo para o fazer como deve ser. Conversei com o Jolyon (Palmer) depois da corrida quando saímos do carro. É sempre difícil perceber o que realmente aconteceu, quando estamos em pista, mas ele disse-me que tinha perdido a traseira.”

 

 

 

Uma ponta final de fim-de-semana melhor do que o esperado, muito embora não tenhamos conseguido chegar aos pontos, que é sempre o nosso objectivo. Penso que tivemos uma boa corrida. Ultrapassámos muitos carros e mostrámos o que o nosso monolugar pode fazer. A nossa conclusão é que ontem não aproveitámos o potencial do nosso pacote durante a qualificação. Temos que encontrar a performance para a qualificação, tal como encontrámos para a corrida. Se arrancarmos de melhores posições, estaremos de volta aos pontos. Todos fizeram um bom trabalho. Ontem, ninguém desistiu. Viemos preparados e todos deram o seu máximo. No fundo, foi uma fim-de-semana difícil para todos. Teria sido bom ter marcado um ponto, mas não foi possível, mas ainda assim estamos orgulhosos com o resultados depois de termos arrancado de onde arrancámos.”

 

 

 

O décimo sexto round do Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1 é o Grande Prémio do Japão, que se disputa no Circuito de Suzuka. Os treinos-livres iniciam-se no dia 6 de Outubro, a qualificação a 7 e a corrida a 8.

 

 

A Haas F1 Team estreou-se em 2016 no Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1, tornando-se na primeira equipa de Fórmula 1 americana desde 1986. Fundada pelo industrialista Gene Haas, a Haas F1 Team está sediada nos Estados Unidos da América em Kannpolis, América do Norte, o mesmo centro onde está baseada a sua equipa Campeã na NASCAR Spint Cup Series, Stewart-Haas Racing. Haas é o fundador da Haas Automation, a maior construtora de máquinas CNC da América do Norte e o presidente da Haas F1 Team.

 

 

A Haas Automation, Inc. é o construtor de máquinas CNC líder na América. Fundada em 1983 por Gene Haas, a Haas Automation constrói uma linha completa de centro de maquinação verticais e horizontais, centros basculantes, mesas rotativas, etc. Todos os produtos da Haas são construídos na fábrica de 93.000m2 da empresa, sediada em Oxnard, Califórnia, e distribuídas através de uma rede mundial de Haas Factory Outlets que fornecem à indústria os melhor serviço de venda, serviços e apoio, enquanto oferece uma relação custo/performance sem paralelo. Para mais informação visitar www.HaasCNC.com, , on Facebook at www.Facebook.com/HaasAutomationInc, on Twitter @Haas_Automation and on Instagram @Haas_Automation.

 

Sobre a Haas Factory Outlet - Portugal

A Haas Automation, Inc está representada em Portugal através da Haas Factory Outlet – Portugal. Um empresa situada nos arredores do Porto, perto do Aeroporto Francisco Sá Carneiro. Desta forma, pode aceder aos produtos da Haas Automation e todos os seus serviços. Para mais informação visitar haasportugal.com/ ou facebook.com/haasportugal. 

 

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1

 

G.P. MALÁSIA

 

ACONTECEU NUMA DAS SESSÕES D ETREINOS

 

 

  1. FP2 / F1 Malásia: voa a tampa de escoamento, voa Grosjean para fora da pista... voam os minutos que faltavam para o final da sessão. Mas também se voa, baixinho, na pista de Sepang, com o recorde da pole a ser pulverizado logo no primeiro dia. Se São Pedro deixar, amanhã o melhor tempo da qualificação é coisa para ficar abaixo do 1m30s...

 

HAAS NO G.P. DA MALÁSIA

 

Evento:  Qualificação para o Grande Prémio da Malásia (15º de 20 rounds)

Data:  Sábado, 30 de Setembro

Local:  Sepang International Circuit, em Kuala Lumpur

Layout:  5,543 quilómetros, 15 curvas

Condições climatéricas:  Parcialmente encoberto

Temperatura do ar:  30,4-31,4ºC

Temperatura da pista:  43,3-47,3ºC

Pole-Position:  Lewis Hamilton da Mercedes (1m30,076s – novo recorde)

Resultado:  Romain Grosjean 16º / Kevin Magnussen 17º

 

 

 

●  Tem a duração de 18 minutos, com a participação de todos os 20 pilotos
●  Os 15 pilotos mais rápidos avançam para a Q2

Grosjean:  16º (1m33,308s)

Magnussen:  17º (1m33,434s)

Piloto mais rápido:  Lewis Hamilton da Mercedes (1m31,605s)

Cutoff:  15º, Fernando Alonso da McLaren (1m33,049s)

 

 

 

●  Tem a duração de 15 minutos, com a participação dos 15 pilotos mais rápidos provenientes da Q1
●  Os 10 pilotos mais rápidos avançam para a Q3

Piloto mais rápido:  Valtteri Bottas da Mercedes (1m30,803s)

Cutoff:  10º, Fernando Alonso da McLaren (1m32,010s)

 

 

 

●  Tem  a duração de 12 minutos, com a participação dos 15 pilotos mais rápidos provenientes da Q2, lutando todos pela pole-position

Pole-position:  Lewis Hamilton da Mercedes (1m30,076s)

Segundo:  Kimi Räikkönen da Scuderia Ferrari (1m30,121s)

 

 

 

Os pilotos da Haas F1 Team, Romain Grosjean e Kevin Magnussen, qualificaram-se no décimo sexto e décimo sétimo lugares, respectivamente, para o Grande Prémio da Malásia, que se disputa no domingo no Sepang International Circuit, em Kuala Lumpur.

 

Grosjean registou o décimo sexto tempo na Q1 com uma volta ao circuito de 5,543 quilómetros e 15 curvas em 1m33,308s. Magnussen perseguiu o seu colega de equipa, no décimo sétimo lugar, com uma volta concluída em 1m33,434s. Apenas os quinze primeiros passam à Q2.

 

Ambos os pilotos, Grosjean e Magnussen, rodaram exclusivamente com pneus Pirelli P Zero Vermelho/Supermacios ao longo da qualificação.

 

Lewis Hamilton, da Mercedes, conquistou a pole-position para o Grande Prémio da Malásia. A sua melhor volta, 1m30,076s, bateu Kimi Raikkonen, o segundo mais rápido, por 0,045s. Foi a septuagésima pole-position de Fórmula 1 da carreira de Hamilton, a sua nona da temporada e a quinta em Sepang, quatro delas consecutivas. Hamilton empatou com o lendário Michael Schumacher no número de pole-positions em Sepang.

 

Antes de Grosjean, Magnussen e o resto do pelotão participarem na qualificação tiveram ainda a sessão final de treinos-livres. Ambos os pilotos experimentaram todos os pneus da gama que a Pirelli levou para Sepang, tendo cada um deles iniciado a terceira sessão com pneus médios para duas voltas de instalação para depois montarem pneus macios, terminando com os supermacios, para efectuar algumas simulações de qualificação.

 

Apesar de um problema eléctrico a meio da sessão ter limitado o seu programa, Magnussen assegurou o décimo terceiro tempo, 1m33,787, na sua décima e última volta. Grosjean completou dezanove voltas, alcançando o décimo oitavo crono, 1m34,914s, na sétima passagem pela meta. Magnussen registou a sua marca com pneus supermacios e Grosjean com macios.

 

O mais rápido na terceira sessão foi Raikkonen, 1m31,880s, batendo seu colega de equipa na Scuderia Ferrari, Sebastian Vettel, por 0,162s.

  

 

 

Foi fantástico o que a equipa conseguiu fazer, ontem. É uma grande equipa e mostra o quão melhorou desde o início. Conseguiram reparar o carro depois do recolher, mas ainda assim num curto espaço de tempo. Estou muito orgulhoso deles, e fiquei feliz por poder sair para a pista. Infelizmente, fomos eliminados na Q1. Estamos a trabalhar e a analisar tudo para fazermos o máximo que pudermos. Estamos a dar o nosso melhor, mas nestas últimas corridas não temos tido performance. Sabemos que os supermacios não são os melhores pneus para nós, no geral. Estamos com dificuldades para encontrar a janela de funcionamento dos pneus. Temos que continuar a trabalhar nisso. Estamos todos no mesmo barco e a trabalhar arduamente. Em algum momento seremos recompensados. Amanhã teremos uma longa corrida. Estará muito calor. As condições climatéricas podem ser complicadas. Vamos dar o nosso melhor, como fizemos em Singapura e esperamos marcar alguns pontos.”

 

NOTA: Grosjean despistou na segunda sessão de sexta-feira, quando uma grade de escoamento se soltou do apex da Curva 13, rebentando com o pneu traseiro/direito do seu Haas VF-17 e lançando-o para um pião e contra as barreiras de protecção exteriores. Grosjean emergiu do seu carro sem lesões, mas este sofreu danos significativos. Os oficiais da FIA permitiram à Haas F1 Team uma dispensa especial para que pudesse trabalhar durante o recolher obrigatório e reparasse o carro devido à natureza pouco usual do incidente.

 

 

 

A sensação não era muito má. Apenas não somos competitivos, parece-me. É duro para nós, mas é assim que é. O carro não é rápido. Já foi rápido em outras ocasiões, em outras corridas. Apenas não somos consistentes em algumas áreas. Algo está a fazer com que a nossa performance varie muito. Estamos a trabalhar nisso. O essencial é que concebemos um bom carro. Mas por vezes não funciona e hoje foi um desses dias.”

 

 

 

O fim-de-semana não parece melhorar. Não há nada que possamos fazer que possa ser pior para amanhã. Estamos a ter um daqueles fins-de-semana em que nada parece ir no sentido correcto. Temos que continuar a tentar e fazer o máximo que pudermos para amanhã.”

 

 

 

A Haas F1 Team estreou-se em 2016 no Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1, tornando-se na primeira equipa de Fórmula 1 americana desde 1986. Fundada pelo industrialista Gene Haas, a Haas F1 Team está sediada nos Estados Unidos da América em Kannpolis, América do Norte, o mesmo centro onde está baseada a sua equipa Campeã na NASCAR Spint Cup Series, Stewart-Haas Racing. Haas é o fundador da Haas Automation, a maior construtora de máquinas CNC da América do Norte e o presidente da Haas F1 Team.

 

 

A Haas Automation, Inc. é o construtor de máquinas CNC líder na América. Fundada em 1983 por Gene Haas, a Haas Automation constrói uma linha completa de centro de maquinação verticais e horizontais, centros basculantes, mesas rotativas, etc. Todos os produtos da Haas são construídos na fábrica de 93.000m2 da empresa, sediada em Oxnard, Califórnia, e distribuídas através de uma rede mundial de Haas Factory Outlets que fornecem à indústria os melhor serviço de venda, serviços e apoio, enquanto oferece uma relação custo/performance sem paralelo. Para mais informação visitar www.HaasCNC.com, , on Facebook at www.Facebook.com/HaasAutomationInc, on Twitter @Haas_Automation and on Instagram @Haas_Automation.

 

Sobre a Haas Factory Outlet - Portugal

A Haas Automation, Inc está representada em Portugal através da Haas Factory Outlet – Portugal. Um empresa situada nos arredores do Porto, perto do Aeroporto Francisco Sá Carneiro. Desta forma, pode aceder aos produtos da Haas Automation e todos os seus serviços. Para mais informação visitar haasportugal.com/ ou facebook.com/haasportugal. 

 

 

F 1 CLÁSSICOS NO ESTORIL

Estoril Classic 2017 traz 150 automóveis de competição ao mítico circuito

 

FÓRMULA 1 REGRESSA AO AUTÓDROMO DO ESTORIL APÓS 20 ANOS

 

Duas décadas após o último Grande Prémio de Portugal, a Fórmula 1 regressa ao Estoril, para comemorar os 45 anos do Autódromo.

 

 A primeira edição do Estoril Classic, um evento repleto de corridas internacionais organizado pela Race Ready em parceria com a Câmara Municipal de Cascais, vai decorrer no fim-de-semana de 21 e 22 de Outubroa909 Copya910 Copya911 Copy no Autódromo do Estoril.

 

Mais de 150 automóveis de competição históricos, avaliados em cerca de 40 milhões de euros, e representando mais de 20 nacionalidades diferentes, vão competir ao longo dos dois dias no mítico circuito do Estoril.

 

Para além dos F1 dos períodos pré-1966 (HGPCA Formula 1) e de 1966 a 1985 (FIA MASTERS HISTORIC F1), haverá também corridas dedicadas aos Carros de Sport e Grupo 4 (1962-74), bem como GT, Sport e Touring anteriores a 1966 (Masters Gentlemen Drivers) e ainda uma corrida Iberian GT and Touring pré-1976. A Fórmula Júnior também marcará presença através do Troféu Lurani.

 

Esta será uma oportunidade rara para ver no Autódromo do Estoril automóveis que habitualmente correm nos mais prestigiados circuitos, como Silverstone, Monza ou Le Mans.

 

Do programa, que se inicia às 9h00 de Sábado e termina às 18h30 de Domingo, destacam-se as dez corridas das referidas categorias quatro delas dedicadas aos Fórmula 1 históricos, duas no Sábado e duas no Domingo.

 

No paddock haverão ainda diversas actividades, como uma zona comercial, uma roda gigante, para além de uma oferta variada de “street-food”, oferecendo assim ao público as condições ideais para passar dois dias em contacto directo com o seu desporto favorito.

 

Os bilhetes de paddock são limitados e já estão à venda através do site oficial do evento em www.estorilclassic.com. A organização permite a compra dos bilhetes para cada um dos dias (Sábado: €10 euros; Domingo: €15) ou para o fim-de-semana (€20). O acesso às bancadas será gratuito.

 

Ainda no paddock vão estar várias concentrações de automóveis clássicos e desportivos, destacando-se uma dedicada à Ferrari, que assinala este ano o seu 70º aniversário.

 

Diogo Ferrão, responsável pela Race Ready, entidade organizadora do evento, revela: “Trazer um evento internacional para o Autódromo do Estoril, no ano em que se comemora o 45º aniversário do circuito, é uma grande responsabilidade, mas com o apoio da Câmara Municipal de Cascais e a ligação aos MASTERS FIA e a HGPCA (Historic Grand Prix Car Association), estou certo de que vamos apresentar ao público português um espectáculo inesquecível.”

 

 

HAAS NO G.P. DA MALÁSIA

 

Aumentar o Jogo na Malásia

A Haas F1 Team no Coração do Meio do Pelotão Enquanto o Campeonato Segue Para Kuala Lumpur

 

 Enquanto a Mercedes e a Ferrari lutam pelo Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1 de 2017, existe outra batalha intensa atrás destas duas, na qual a sorte de cada equipa sobe e desce de acordo com cada Grande Prémio.

 

Quarenta e dois pontos separam a quinta classificada, a Williams, da nona, a McLaren, com a Toro Rosso, Renault e Haas F1 Team entre elas. Estas três organizações estão separadas por apenas quinze pontos e a proximidade que ostentam no Campeonato de Construtores é replicado em pista, onde o Haas VF-17, o Renault R.S.17 e o Toro Rosso STR12 estão inúmeras vezes lado a lado ou nos escapes uns dos outros.

 

A Haas F1 Team chega ao Grande Prémio da Malásia, que se disputa no próximo dia 1 de Outubro no Sepang International Circuit depois de ter conseguido o seu nono resultado nos pontos da temporada, alcançado no Grande Prémio de Singapura, onde Romain Grosjean assinou uma recuperação de décimo quinto para nono. Esta performance demonstra o quão competitivo é o meio do pelotão, onde, muito embora tenha marcado pontos, a Haas F1 Team caiu de sétimo para oitavo no Campeonato de Construtores, uma vez que a ressurgente Renault a ultrapassou, subindo a sétima, graças ao sexto posto de Jolyon Palmer.

 

Quando se disputa a décima quinta ronda das vinte que compõem o calendário da Fórmula 1, a Haas F1 Team está a cinco pontos da Renault e a quinze da Toro Rosso, a sexta classificada. Tem, porém, uma saudável vantagem de vinte pontos sobre a nona classificada, a McLaren.

 

A mira da Haas F1 Team está agora apontada a Sepang, um circuito construído propositadamente para Fórmula 1 nos arredores da capital da Malásia, Kuala Lumpur. Sepang será o palco da décima nona e última edição do Grande Prémio da Malásia, uma vez que o evento não fará parte do calendário de 2018 da Fórmula 1. O layout da pista, que consiste em duas enormes rectas separadas por curvas apertadas, deverão beneficiar as características do Haas VF-17, aumentando as expectativas de mais um resultado nos pontos.

 

Construído em apenas catorze meses, Sepang foi o primeiro circuito de Fórmula 1 que o conhecido designer Herman Tilke construiu de raiz. Quando o circuito de 5,543 quilómetros e quinze curvas foi inaugurado, a 9 de Março de 1999, foi considerado uma estrutura revolucionária, com instalações modernas e únicas, com um design sinuoso que desafio pilotos e engenheiros.

 

A largura da pista permite inúmeras possibilidades de ultrapassagem, mas a incrível velocidade que pode ser atingida nas rectas é, na verdade, restringida pelas rápidas e fluídas curvas onde as equipas têm que sacrificar velocidade de ponta por aderência aerodinâmica e equilíbrio geral.

 

Estes locais colocam elevadas pressões nos pneus. As travagens fortes aumentam a pressão, uma vez que os pilotos passam cerca de dezassete porcento da volta a travar. Se juntamos a isto um asfalto abrasivo e elevadas temperaturas ambiente, podemos imaginar o castigo pelo qual os quatro pneus passam, que carregam o piloto e o sofisticado carro.

 

Mas com as condições climatéricas a ter impacto nos treinos-livres, qualificação e corrida, é esperado que os Pirelli Cinturato Azul/Chuva e os Cinturato Verde/Intermédio sejam usados em algum momento do fim-de-semana.

 

Chuva torrencial e tempestades são frequentes durante o Grande Prémio da Malásia, uma vez que o seu ambiente tropical e a sua partida a meio da tarde conspiram para condições complicadas. Isto foi particularmente evidente em 2009, quando a corrida foi forçada a terminar mais cedo, depois de apenas trinta e uma voltas completadas, quando a chuva inundou a pista. Isto implicou que a FIA atribuísse apenas metade dos pontos, a primeira vez que aconteceu desde o Grande Prémio da Austrália de 1991, que teve apenas catorze voltas devido à chuva.

 

A chuva protagonizou um papel importante no desfecho do Grande Prémio de Singapura, onde as equipas usaram estratégias bem delineadas para lidarem com a chuva, que introduziu uma variável que não tinha sido vista quer nos treinos-livres quer na qualificação.

 

Seja o Grande Prémio da Malásia disputado com a pista molhada ou seca, ou até uma mistura das duas, a Haas F1 Team está pronta. Grosjean alinhou por cinco vezes na prova de Sepang, tendo o seu melhor resultado surgido em 2013, um sexto posto, e o seu colega de equipa, Kevin Magnussen, disputou a prova malaia por duas vezes, tendo como melhor resultado o nono lugar, alcançado em 2014.

 

Os pontos são o grande objectivo da Fórmula 1 e outro resultado nos pontos seria o décimo da temporada deste ano da Haas F1 Team, o que dobraria o número alcançado na sua temporada de estreia, em 2016. Terminar com os dois pilotos nos pontos seria muito bem-vindo pela equipa, ajudando a sua causa no Campeonato de Construtores, algo que apenas aconteceu na história da Haas F1 Team por uma vez – a 28 de Maio, no Grande Prémio do Mónaco, há nove corridas.

 

Com a subida dos termómetros na Malásia, também o nível da competição do meio do pelotão sobe. Com carros prateados e vermelhos a lutarem no topo da classificação, a batalha entre as máquinas azuis, amarelas e cinzentas prossegue, com cinzento-navio de guerra da Haas F1 Team a ser um esquema cromático apropriado.

Sepang International Circuit

 

Perímetro: 5,543 km

Voltas: 56

Distância de corrida: 310.408 km

Transmissão: Sport TV5 – 8h00 (Domingo)

 

 

Sobre a Haas Automation

A Haas Automation, Inc. é o construtor de máquinas CNC líder na América. Fundada em 1983 por Gene Haas, a Haas Automation constrói uma linha completa de centro de maquinação verticais e horizontais, centros basculantes, mesas rotativas, etc. Todos os produtos da Haas são construídos na fábrica de 93.000m2 da empresa, sediada em Oxnard, Califórnia, e distribuídas através de uma rede mundial de Haas Factory Outlets que fornecem à indústria os melhor serviço de venda, serviços e apoio, enquanto oferece uma relação custo/performance sem paralelo. Para mais informação visitar www.HaasCNC.com.

 

Sobre a Haas Factory Outlet - Portugal             

A Haas Automation, Inc está representada em Portugal através da Haas Factory Outlet – Portugal. Um empresa situada nos arredores do Porto, perto do Aeroporto Francisco Sá Carneiro. Desta forma, pode aceder aos produtos da Haas Automation e todos os seus serviços. Para mais informação visitar haasportugal.com/ ou facebook.com/haasportugal.

 

 

Marcaram pontos em Singapura, ainda assim caíram para o oitavo lugar do Campeonato de Construtores, dado que a Renault marcou ainda mais pontos, ultrapassado a Haas F1 Team. O sétimo lugar é o objectivo desta temporada, ou os recursos são mais bem gastos a preparar o próximo ano?

“Já há bastante tempo que decidimos que nos deveríamos começar a concentrar a tempo inteiro no carro de 2018, em Agosto, e começámos parcialmente o projecto de 2018 em Março. Temos que planear tudo muito bem, dado que é muito complexo, mas todos os outros estão também a trabalhar nos seus carros de 2018. Quando desenvolvemos algo neste momento para o carro actual e colocamos em produção, quando fica pronto é já muito tarde. Se desenvolvemos algo agora, não chega às pistas este ano. É claro que queremos o sétimo lugar, ou o melhor resultado que pudermos. Não desistimos.”

 

“Singapura foi uma das piores pistas para nós, incluindo a Hungria. Sabíamos que teríamos dificuldades nessas pistas, e tivemos. Conseguimos dois pontos, portanto, foi melhor do que esperávamos. Esperamos que, em outras pistas, não estejamos tão atrás no meio do pelotão. No meio do pelotão tudo pode acontecer. Tudo muda de corrida para corrida. Apesar de tudo, vamos trabalhar arduamente para conquistar o sétimo lugar.”

  

Singapura foi um excelente exemplo de como nunca devemos desistir. Pode explicar de que forma ultrapassaram as dificuldades de sexta-feira e de sábado para conquistar pontos no domingo?

“Temos que nos concentrar no trabalho. Tentamos sempre dar o nosso melhor e manter toda gente motivada. As corridas são assim. Somos muito honestos sobre isso. Se nada tivesse acontecido, seria muito difícil alcançar os pontos. Mas em Singapura, normalmente, acontecem coisas e nós aproveitámos. Continuamos a lutar, como sempre.”

 

Roger Penske é conhecido por ter dito “a sorte é quando a preparação encontra a oportunidade”. Foi isso que aconteceu à Haas F1 Team em Singapura?

“Claro. Tivemos um bom arranque. Com conhecimento posterior, poderíamos até ter uma estratégia diferente, mas penso que estivemos bem. As nossas paragens nas boxes foram duas das mais rápidas entre os dez primeiros. Todos estavam focados e tentaram dar o seu melhor. No final, conseguimos dois pontos.”

 

Quando se tem um dia difícil em pista, refere-se sempre aos dados que conseguiram reunir para analisar durante a noite e desenvolver um plano melhor para o dia seguinte. Que tipo de dados analisam e que tipo de modificações vos permitem fazer?

“Alteramos um pouco a suspensão, um pouco a aerodinâmica – mas temos que tentar entender a forma como os pneus funcionam melhor e como podemos colocar os pneus na sua janela de funcionamento. Isso é uma das coisas mais difíceis de fazer este ano.”

 

Quando fazem alterações ao carro, são grandes ou pequenas, ou são diversas pequenas alterações que tendem a ajudar bastante?

“Depende da situação. Grande ou pequena é relativo. Por vezes fazemos pequenas alterações e funcionam. Por vezes mudamos o carro de uma ponta à outra e nada funciona.”

 

Quando tentam resolver um problema do carro, sobretudo no que diz respeito ao equilíbrio e comportamento, de que forma a resolução de um problema pode criar outro?

“Estamos um pouco afastados de evitar a subviragem que pode criar sobreviragem. Tem mais a ver com a forma de colocar os pneus a funcionar.”

 

Alguma vez sente que tentar encontrar a situação perfeita para o comportamento do carro é como andar no fio da navalha, em que por vezes existe e, no momento seguinte, deixa de existir?

“Sim, sem dúvida. Com estes pneus – tipo de pneus, temperatura da pista, temperatura do ar, pressão dos pneus – há tantas variáveis, se não acertarmos numa destas coisas, estamos completamente perdidos.”

 

O elemento humano é importante para colocar o carro melhor – do ponto de vista dos pilotos, que estão atrás do volante, até à interacção destes com os seus engenheiros?

“É muito importante. O piloto pilota o carro e precisa sentir-se confortável e confiante. Se não estiver, então não consegue ser rápido. Tem que dar informação ao engenheiro e, então, o engenheiro precisa de realizar modificações no carro. No final, tudo tem a ver com o elemento humano e não através dos computadores. No final, os computadores são alimentados pelos humanos.”

 

 

Singapura foi um excelente exemplo de como nunca devemos desistir. Podes explicar de que forma ultrapassaram as dificuldades de sexta-feira e de sábado para conquistar pontos no domingo?

“Penso que as condições nos ajudaram um pouco, com a chuva antes do arranque, e com a escolha de pneus intermédios para o primeiro stint. As primeiras voltas foram difíceis, especialmente se recordarmos a qualificação de Monza, mas passámos por esse período. Depois montámos slicks, talvez uma volta demasiado tarde, o timing não foi muito mau e dei o máximo do carro. O carro estava a funcionar muito bem em corrida – melhor do que na qualificação. Depois fiquei atrás do (Lance) Stroll e não o consegui ultrapassar. As condições, boas escolhas de pneus, uma boa paragem nas boxes, tudo isto junto, deu-nos a possibilidade de alcançarmos os pontos.”

 

Quando se tem um dia difícil em pista, referes-te sempre aos dados que conseguiram reunir para analisar durante a noite e desenvolver um plano melhor par ao dia seguinte. Que tipo de dados analisam e que tipo de modificações vos permitem fazer?

“Depois de um dia difícil muita coisa aconteceu, foi um dia em que o carro não estava onde queríamos que estivesse. É claro que, estamos a tentar tirar o máximo aerodinamicamente, dos pneus, do motor, da suspensão, da pilotagem – de tudo. Por vezes, são algumas pequenas alterações, mas uma boa pequena alteração pode fazer uma grande diferença nos tempos por volta. É isso que procuramos na sexta-feira à noite. Evidentemente, uma vez feita a qualificação, não temos muito para fazer para a corrida, mas tentamos fazer o melhor com o que temos.”

 

Quando tentam resolver um problema do carro, sobretudo no que diz respeito ao equilíbrio e comportamento, de que forma a resolução de um problema pode criar outro?

“As corridas são compromissos. Raramente temos um carro que está bom em todas as curvas de uma pista. Temos que verificar o tempo que cada curva custa e ver onde podemos perder tempo. Pode não ajudar noutros locais, mas a ideia é focarmo-nos onde podemos ganhar mais tempo por volta.”

 

Alguma vez sentes que tentar encontrar a situação perfeita para o comportamento do carro é como andar no fio da navalha, em que por vezes existe e, no momento seguinte, deixa de existir?

“Tudo é muito sensível, especialmente, quando alguns problemas se reúnem, como por exemplo se não tivermos um bom equilíbrio ou não estamos na janela correcta de utilização dos pneus, e, por vezes, não temos um bom apoio aerodinâmico. É como se fosse uma equação que não tem resolução – falta sempre uma peça do puzzle.”

 

O elemento humano é importante para colocar o carro melhor – do teu ponto de vista, que estás atrás do volante, até à interacção que tens com os teus engenheiros?

“É muito importante. Não somos robôs e os engenheiros também não. Tentamos traduzir as nossas sensações em palavras, e, depois, essas palavras em dados ou números mecânicos. Esses números são-nos fornecidos para compararmos com a sensação que temos do carro. Por vezes, os dados sugerem uma coisa, mas sentimos outra completamente diferente. É aí que as relações humanas – entre o piloto, os engenheiros e os mecânicos – são muito importantes. Temos que desenvolver e encontrar a solução.”

 

O que necessitas de sentir dentro de um carro de corridas para que te sintas confiante para ir ao limite?

“Queremos saber o que vai acontecer exactamente. Basicamente, queremos saber o que acontece quando fazemos alguma coisa. Quando temos isso – não diria que é fácil andar depressa – tudo fica mais rápido. Por exemplo, se entramos demasiado depressa numa curva, vamos ter um pouco de sobreviragem, mas se acontece sempre todas as voltas, podemos tentar encontrar o verdadeiro limite e a abordagem correcta e confiar que o carro não fará nada sem sentido. Por outro lado, se numa volta entramos na curva e temos subviragem e, na seguinte, quando tentamos evitar esse comportamento temos uma sobreviragem massiva, tudo fica pior a dobrar. O que queremos verdadeiramente é esperar o esperado.”

 

Apesar de toda a tecnologia que tens dentro do teu carro, ele continua em contacto com a pista por quatro pedaços de borracha. É importante encontrar a janela de funcionamento correcto dos pneus para perceber que as modificações realizadas no chassis foram, de facto, correctas?

“É a chave, e algo que estamos a melhorar e sobre a qual estamos a aprender. É aonde a experiência é valiosa. É claro que, só temos um ano e meio enquanto equipa, não temos muito experiência. Estamos a trabalhar arduamente para compreender os pneus e, sim, por vezes é frustrante passar tanto tempo a tentar que funcionem, mas é a chave principal.”

 

Singapura, o local do Grande Prémio anterior, estava calor. Mas na Malásia haverá ainda mais calor. Com Singapura a anteceder a Malásia, isso ajuda a preparar-te melhor para o calor e a humidade?

“Dou-me bem com essas características, geralmente. Singapura foi duro, mas não foi muito duro. A Malásia será mais dura fisicamente, mas vamos ter mais arrefecimento dentro do carro devido ás rectas mais longas. Não estou muito preocupado.”

 

Em Singapura, todo o tempo que estiveste em pista foi no lusco-fusco ou à noite. Na Malásia, tudo acontece no calor do dia. A Malásia é mais exigente fisicamente, dado que tudo acontece sob a luz intensa do Sol?

“É por causa disso e também por causa de haver mais curvas rápidas. É nas curvas rápidas que temos mais forças G e é isso que temos que combater dentro do carro.”

 

As condições climatéricas na Malásia são previsivelmente imprevisíveis, com fortes chuvadas ao fim da tarde a serem comuns. Abordas este fim-de-semana como o de Spa-Francorchamps, onde sabes que uma volta ao circuito pode ser suficiente para tudo mudar meteorologicamente?

“Sim, tivemos esse factor algumas vezes, começar a chover bastante numa parte do circuito – podemos estar com slicks e com tudo a correr bem e, de repente, está a pista molhada. Sabemos que é um clima tropical e que isso pode acontecer um dia. Temos apenas que montar pneus de chuva e continuar.”

 

As forças laterais em Sepang são elevadas. Os pneus sofrem bastante, mas os pilotos também. Entre o calor e as forças G que sofrem ao longo da corrida, o Grande Prémio da Malásia é muito exigente fisicamente?

“Penso que é a corrida mais difícil do ano. Singapura é uma pista mais lenta, com curvas lentas, ao passo que a Malásia tem altas velocidades e forças laterais elevadas. É um grande desafio, uma pista fantástica e, quando temos um bom carro, é uma experiência extraordinária.”

 

Quando está calor e a corrida é esgotante, é importante ter uma boa preparação mental antes do Grande Prémio da Malásia?

“É sempre muito importante. É claro que, quando estamos a sofrer fisicamente também, é mais importante manter a calma. É como subir uma montanha de bicicleta e alguém estar a conversar connosco ou o telefone estar sempre a tocar. Podemos ficar fartos da situação e isso é apenas por que estamos cansados. Temos que estar prontos para todas as corridas.”

 

Onde existem oportunidades de ultrapassagem em Sepang?

“Existem diversas. Há algumas rectas grandes com boas velocidades de ponta e, depois, grandes zonas de travagem. É uma pista com uma degradação de pneus elevada. As ultrapassagens são muito divertidas em Sepang.”

 

O Grande Prémio da Malásia de 2017 marca a última corrida de Fórmula 1 em Sepang. Nos últimos dezoito Grandes Prémios que a pista albergou há algum que se destaque? Se sim, porquê?

“Sempre gostei da pista. É a minha pista preferida há muito tempo. Adoro o seu desenho. Não há uma corrida particular de que me lembre, talvez a corrida em que o (Fernando) Alonso venceu e não se conseguia manter no pódio por que estava completamente desidratado. Adoro esta pista.”

 

Tens algum feito ou momento da tua carreira nas categorias de promoção que tenhas tido na Malásia?

“Lembro-me da GP2 Asia 2008. Estava na pole-position em Sepang com uma vantagem de um segundo, ou algo parecido. Foi uma volta muito rápida. Deixei o motor ir abaixo na grelha de partida, e de último recuperei para primeiro, mas fui empurrado para fora de pista por um piloto atrasado. Terminei em nono, e os oito primeiros invertiam as posições na grelha de partida para a segunda corrida. Iniciei a segunda corrida de nono e terminei em segundo. Foi um fim-de-semana em que deveria ter vencido ambas as corridas, mas infelizmente, não venci. Adoro a pista, porém.”

 

Qual é a tua zona preferia do Sepang International Circuit?

“Diria as curvas cinco e seis – são curvas de altíssima velocidade.”

 

Descreve uma volta ao Sepang International Circuit.

“Temos uma grande travagem para a primeira curva – é muito semelhante à China, tanto a primeira como a segunda curva. Temos uma longa direita e, depois, um gancho à esquerda. Temos que ter boa tracção. Depois temos uma longa recta até à Curva 4. Temos uma travagem forte, uma direita de noventa graus no cimo de uma colina. Vamos para as curvas de altíssima velocidade, as curvas cinco e seis, quase a fundo. Depois temos uma pequena travagem para a dupla direita, a Curva 8. É uma curva de media velocidade com tracção difícil para irmos para a curva seguinte, outro gancho à esquerda. A direita é muito longa. É divertida quando temos um carro bem equilibrado. Depois temos uma pequena recta que nos leva para as curvas 12 e 13. Uma curva a fundo, travagem forte, com muitas forças G da última curva. Vamos para uma longa recta que nos leva até a última curva. Temos uma grande travagem para levarmos a velocidade mínima, depois aceleramos o mais cedo que pudermos para terminarmos a volta.”

 

 

 

 

 

Quando se tem um dia difícil em pista, referes-te sempre aos dados que conseguiram reunir para analisar durante a noite e desenvolver um plano melhor par ao dia seguinte. Que tipo de dados analisam e que tipo de modificações vos permitem fazer?

“Olhamos para a telemetria do carro, para tentar encontrar algum problema de equilíbrio. Tentamos verificar se os dados que temos estão alinhados com o que sentimos em pista. Existem diversas discussões. No final, encontramos uma solução ou, pelo menos, uma direcção, para tentar encontrar soluções para os problemas.”

 

Quando fazem alterações ao carro, são grandes ou pequenas, ou são diversas pequenas alterações que tendem a ajudar bastante?

“Pode ser qualquer coisa. Varia, depende do problema. Por vezes, a alteração é massiva e, por vezes, requer apenas uma pequena alteração, como o camber traseiro ou uma afinação no diferencial.”

 

Alguma vez sentes que tentar encontrar a situação perfeita para o comportamento do carro é como andar no fio da navalha, em que por vezes existe e, no momento seguinte, deixa de existir?

“Sim, é assim mesmo.”

 

O elemento humano é importante para colocar o carro melhor – do teu ponto de vista, que estás atrás do volante, até à interacção que tens com os teus engenheiros?

“É importante. Não existe uma forma teórica de encontrar a melhor afinação para o carro. Tem que se adaptar ao piloto. Temos que saber o que queremos enquanto piloto, assim como o que pretendemos do carro. Depois, é claro, temos que trabalhar arduamente com os engenheiros e a equipa para tentar que o carro se comporte de acordo com o que pretendemos.”

 

O que necessitas de sentir dentro de um carro de corridas para que te sintas confiante para ir ao limite?

“Muitos pilotos são, geralmente, parecidos naquilo que pretendem. Alguns pilotos gostam mais de subviragem, outros mais de sobreviragem. Geralmente, queremos aderência, mas também queremos estabilidade para podermos levar o carro aos limites e travar tarde, de modo a podermos levar velocidade para as curvas e acelerarmos cedo. A maior parte disto tudo exige uma boa traseira. É evidente que, se não pudermos mudar de direcção, se não pudermos rodar o carro no meio da curva, por termos muita aderência, também não é benéfico. Portanto, temos também que ter aderência na dianteira. Em nove de dez situações, encontramo-nos na posição de dizer que o carro é instável a caminho da curva, depois com subviragem a meio da curva e, depois, com sobreviragem na saída.”

 

Singapura, o local do Grande Prémio anterior, estava calor. Mas na Malásia haverá ainda mais calor. Com Singapura a anteceder a Malásia, isso ajuda a preparar-te melhor para o calor e a humidade?

“Não posso dizer que estou mais bem preparado por causa de Singapura. Estivemos pouco tempo em Singapura. Para nos aclimatizarmos ás condições climatéricas, temos que estar nessas condições por um período de tempo mais longo que quatro dias. Portanto, não faz grande diferença.”

 

Em Singapura, todo o tempo que estiveste em pista foi no lusco-fusco ou à noite. Na Malásia, tudo acontece no calor do dia. A Malásia é mais exigente fisicamente, dado que tudo acontece sob a luz intensa do Sol?

“Faz lá muito calor. As rectas tornam a situação um pouco mais fácil, dado que nos dá tempo para descansar e mais ar no habitáculo. Em Singapura, é tudo de baixa velocidade e estamos constantemente a trabalhar no volante, com travagens e depois a acelerar. Trabalhamos muito mais em Singapura do que na Malásia. A temperatura é mais elevada na Malásia, mas de alguma forma, a corrida é um pouco mais fácil.”

 

Quando está calor e a corrida é esgotante, é importante ter uma boa preparação mental antes do Grande Prémio da Malásia?

“Não faço nada de particular para me preparar mentalmente. Treinamos fisicamente, depois a nossa performance mental melhora de acordo com isso.”

 

Onde existem oportunidades de ultrapassagem em Sepang?

“Na aproximação da Curva 1 é uma boa oportunidade. O gancho, depois da dupla direita, também. A última curva também, mas normalmente na Curva 1 é melhor.”

 

O Grande Prémio da Malásia de 2017 marca a última corrida de Fórmula 1 em Sepang. Nos últimos dezoito Grandes Prémios que a pista albergou há algum que se destaque? Se sim, porquê?

“Sempre gostei desta pista. Não é um mau circuito. Tem algumas curvas de alta velocidade e é disso que os pilotos gostam. Estou um pouco triste por ser a última corrida, dado que está no calendário há tanto tempo.”

 

Qual é a tua zona preferia do Sepang International Circuit?

“As curvas cinco e seis, que são muito rápidas, e depois as sete e oito, a dupla direita. Qualquer velocidade de alta velocidade é sempre excitante num carro de Fórmula 1.”

 

 

Descreve uma volta ao Sepang International Circuit.

“É quente, húmida e rápida.”

 

 

 

 

  • Pirelli is bringing three tire compounds to Monza:
  • P Zero Branco/Médiopouca aderência, menos desgaste (usado para séries longas de voltas)
  •  P Zero Amarelo/Macio mais aderência, desgaste médio (usado para pequenas séries de voltas e para o segmento inicial da qualificação)
  • P Zero Vermelho/Supermacio maior quantidade de aderência, elevado nível de desgaste(usado para a qualificação e para situações específicas de corridas)
  • Dois dos três compostos disponíveis têm que ser usados durante a corrida. As equipas podem decidir quando querem utilizar cada um dos compostos, o que proporciona um elemento de estratégia para a corrida. Cada piloto pode usar todos os três tipos de pneus na corrida, se assim desejar. (Se a corrida for disputada com a pista molhada, os Cinturato Azul, pneu de chuva, e o Cinturato Verde, intermédios, estarão disponíveis).
  • A Pirelli fornece a cada piloto 13 jogos de pneus para seco durante o fim-de-semana. Destes 13 jogos, os pilotos e as suas equipas podem escolher a especificação de dez entre os compostos selecionados pela Pirelli. Os três restantes são definidos pela Pirelli – dois jogos de pneus de especificação obrigatória para a corrida (um de P Zero Branco/Médio e outro P Zero Amarelo/Macio) e um obrigatório para a Q3 (um P Zero Vermelho/Supermacio).

Os pilotos da Haas F1 Team escolheram da seguinte forma:

Grosjean: um jogo de P Zero Branco/Médio, cinco jogos de P Zero Amarelo/Macio e sete jogos de P Zero Vermelho/Supermacio

Magnussen: um jogo de P Zero Branco/Médio, quatro  jogos de P Zero Amarelo/Macio e sete jogos de P Zero Vermelho/Supermacio

 

FÓRMULA E

 

Com o número 1 de campeão, Lucas di Grassi mostra novo carro da Audi para a temporada da Fórmula E

Apresentação da equipe aconteceu nesta quarta-feira (27) em Neuburg, sede da Audi Sport, na Alemanha. Na próxima semana já começam os testes coletivos da categoria, que serão realizados em Valência, na Espanha

 

A Audi mostrou nesta quarta-feira (27) na sede de sua divisão esportiva na cidade de Neuburg, na Alemanha, o e-tron FE04, o primeiro carro da fabricante na Fórmula E. Ostentando o número 1 graças ao título conquistado pelo brasileiro Lucas di Grassi na última temporada, o bólido traz também um novo esquema de cores bastante distinto do que foi usado nos últimos anos.

A surpresa foi geral quando Lucas di Grassi entrou com o carro onde era feita a apresentação. Saem o vermelho e o amarelo das últimas duas temporadas e o carro agora vem predominantemente branco com detalhes em verde, preto e amarelo. “O carro ficou lindo, gostei muito da cor. Ficou com cara de vencedor, mas vamos ter de trabalhar bastante para conseguir chegar lá”, disse o atual campeão da Fórmula E, que segue tendo Daniel Abt como seu companheiro de equipe.

A Audi passa a ter o controle da equipe até então gerida por Hans-Jürgen Abt, que continuará como parceiro. No evento de apresentação, o diretor de motorsports da Audi, Dieter Gass, anunciou o ex-piloto Alan McNish como novo chefe de equipe da Audi Sport Abt Schaeffler. A parte técnica é desenvolvida toda pela marca das quatro argolas em parceria com a Schaeffler, principalmente em peças como motor e câmbio.

“É uma nova temporada e uma nova era que se iniciam, agora com a Audi Sport completamente envolvida com o projeto, 100%, um trem-de-força totalmente novo desenvolvido para esta temporada. Estamos bem confiantes. Pelos testes que já fizemos pudemos perceber que a melhora de desempenho foi bem acentuada em relação ao carro do último campeonato. Agora temos o equipamento certo para partir na defesa do título e brigar por mais vitórias. Entretanto, só vamos saber como estamos e o quanto o carro é bom quando encararmos os concorrentes na pista, e isso vai acontecer agora nos testes da próxima semana”, afirmou o brasileiro. A partir do dia 2 de outubro, as equipes se reúnem em Valência, na Espanha, para três dias de treinos coletivos visando o início da temporada – marcado para 2 de dezembro em Hong Kong.

O calendário do campeonato 2017-2018 também foi destacado por Di Grassi. Serão 14 corridas em 12 eventos, incluindo novas praças como Zurique (Suíça), Roma (Itália), Santiago (Chile) e a entrada do Brasil no mapa da categoria com a prova de São Paulo em 17 de março.

“São Paulo vai ser a prova mais interessante, sem sombra de dúvida, finalmente correndo em casa, no Brasil, tendo família, amigos e fãs bem perto. O campeonato inteiro é bem legal; são provas bem difíceis e pistas novas que ninguém conhece – isso torna a Fórmula E muito interessante no ponto de vista do formato”, apontou.

Segundo Lucas, o trabalho daqui em diante para o início da temporada será ainda mais intenso. “Os testes já nos darão um norte e aí o foco é 100% na temporada e na primeira corrida do ano”, finalizou.

CALENDÁRIO FIA FORMULA E temporada 2017-2018
02/12 – Hong Kong
03/12 – Hong Kong
13/02 – Marrakesh, Marrocos
03/02 – Santiago, Chile
03/03 – Cidade do México, México
17/03 – SÃO PAULO, Brasil
14/04 – Roma, Itália
28/04 – Paris, França
19/05 – Berlim, Alemanha
10/06 – Zurique, Suíça
14/07 – Nova York, Estados Unidos
15/07 – Nova York, Estados Unidos
28/07 – Montreal, Canadá
29/07 – Montreal, Canadá

 

Lucas di Grassi exibe as novas cores - e número - de seu carro (Audi Sport)

Lucas di Grassi exibe as novas cores - e número - de seu carro (Audi Sport)
Alta  | Web

Brasileiro agora leva o número 1 para defender o título conquistado (Audi Sport)

Brasileiro agora leva o número 1 para defender o título conquistado (Audi Sport)
Alta  | Web

Surpresa se deu com Di Grassi entrando com o carro no palco da apresentação (Audi Sport)

Surpresa se deu com Di Grassi entrando com o carro no palco da apresentação (Audi Sport)
Alta  | Web

As novas cores da Audi na Fórmula E (Audi Sport)

As novas cores da Audi na Fórmula E (Audi Sport)
Alta  | Web

Apresentação ocorreu na sede da Audi Sport em Neuburg, na Alemanha (Audi Sport)

Apresentação ocorreu na sede da Audi Sport em Neuburg, na Alemanha (Audi Sport)
Alta  | Web

O Audi e-tron FE04 (Audi Sport)

O Audi e-tron FE04 (Audi Sport)
Alta  | Web

Audi e-tron FE04 (Audi Sport)

Audi e-tron FE04 (Audi Sport)
Alta  | Web

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1

 

  1. Pierre Gasly corre com o #10.

 

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1

 

 Alguem se enganou. O Max devia estar ao meio...

 

  1. Vá: digam lá - já está de cotovelos largos. E vejam como Vettel está ali todo encolhido!

 

 

FELIX DA COSTA JÁ TEM COLEGA NA FÓRMULA E

 

 Tom Blomqvist deve ser o novo companheiro de António Félix da Costa na Andretti para a quarta temporada da Fórmula E. Alexander Sims pode ser o piloto de reserva, com Robin Frijns a abandonar o barco. “Formiga”, Tom e Alexander vão estar no teste oficial de Valência na próxima semana ao volante dos carros da equipa americana que defende as cores da BMW no campeonato das “electricidades”.

 

 

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1

CAMPEOANTO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

 

 

 

 

 

70 pole position para Hamilton.

 

 

ALLAN MCNISH É O NOVO DIRECTOR

ALLAN MCNISa898 Copya899 CopyH É O DIRECTOR DA EQUIPA DA AUDI DE FÓRMULA E

 

O ex piloto da Audi, Allan Mcnish, é o novo director de equipa da Audi para a Fórmula E. Lucas di Grassi e Daniel Abt continuam como pilotos neste team que agora é 100 por cento oficial.

 

SEGUNDO A OPINIÃO DO JORNALISTA JOÃO CARLOS COSTA

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

 

SEGUNDO A OPINIÃO DO JORNALISTA JOÃO CARLOS COSTA

 

 

 Dois lados de uma batalha. Visto assim, só com números, a luta nem parece tão intensa. E fica a pergunta: onde está o elo fraco? Acho que é nisso que deviam pensar em Maranello.

 

DINAMARCA QUER G.P.F 1 EM 2020

CAMPEONATO MUNDO DE FÓRMULA 1

 

DINAMARCA QUER GRANDE PRÉMIO EM 2020

 

A Dinamarca quer organizar um Grande Prémio de Fórmula 1 já em 2020, montando assim um circuito citadino que irá percorrer parte da baiXa de copenhaga, isso conforme imagem anexa.Novos destinos para a F 1.

 

 

 

 

PIRELLI E AS CORES

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

 

CURIOSIDADESa896 Copya897 Copy

 

 A PIRELLI e a "mania" das cores, afinal é uma história antiga e "United"...

 

G.P.F 1 - MALÁSIA

 

 

FP3 / F1 Malásia:

Ferrari continua na frente, Mercedes mais perto e pânico para Vettel - problema eléctrico que afectava um cilindro leva a trocar do motor antes da qualificação. Agora é preciso confirmar se será a estreia do EVO 4 que só estava previsto para o Japão. Será o último dos motores de combustão novos (quarto do ano) que o alemão pode usar sem penalizações na grelha. Mas se mudar o turbo e a centralina haverá penalizações.

 

CALENDÁRIO F 1 - 2018

  1. CALENDÁRIO F1 / 2018:

  2. Como se esperava, China e Bahrain trocam de posição. E tal como em 2016, voltam as 21 provas, com o regresso de Alemanha e França a compensar a saída da Malásia. Sochi empurrado para o lugar da prova de Sepang, com Baku a recuperar o spot da corrida do senhor Putin. Ao todo, exactamente 8 meses de GP.

  3. March 25 Melbourne, Australia
    April 8 Sakhir, Bahrain
    April 15 Shanghai, China...
    April 29 Baku, Azerbaijan
    May 13 Barcelona, Spain
    May 27 Monaco, Monte Carlo
    June 10 Montreal, Canada
    June 24 Paul Ricard, France
    July 1 Red Bull Ring, Austria
    July 8 Silverstone, Great Britain
    July 22 Hockenheim, Germany
    July 29 Hungaroring, Hungary
    August 26 Spa, Belgium
    September 2 Monza, Italy
    September 16 Singapore
    September 30 Sochi, Russia
    October 7 Suzuka, Japan
    October 21 Austin, USA
    October 28 Mexico City, Mexico
    November 11 Interlagos, Brazil
    November 25 Yas Marina, Abu Dhabi

 

AUDI APRESENTOU ESBOÇO DO SEU FÓRMULA E

AUDI APRESENTOU ESBOÇO DO SEU FÓRMULA E

 

 A equipa oficial da Audi apresentou o seu carro de  Fórmula E.

 

MUDANÇAS NA TORO ROSSO?

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1

 

MUDANÇAS NA TORO ROSSO ?

 

 

 O piloto frances Pierre Gasly no lugar de Daniil Kvyat já na Malásia. Mais uma dança de cadeiras nas equipas da água com açúcar. E alguém, hoje, tem razões para rir... ou estar ainda mais irritado. Com tudo isto, Palmer deve ter garantido de vez o lugar na Renault até ao final do ano.

Numa nota pessoal: também não considero o francês a última Coca-Cola do deserto. Mas tem seis provas para mostrar serviço no escalão mais alto. E fico intrigado quanto ao segundo piloto Toro Rosso para 2018. Virá também do Japão? Vamos lá fazer contas para saber qual dos pilotos Honda tem pontos para a Super-Licença de F1. Matsushita, por exemplo, tem suficientes. Acho que o russo ainda volta para o ano...

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

Antevisão Grande Prémio da Malásia 2017

 




 

A RENUALT E A DAMS

 

A Renault e.dams celebra o terceiro título consecutivo na Fórmula E e apresenta o novo monolugar e parceiros para a quarta temporada.

 

Os representantes da escuderia Renault e.dams, Alain Prost e Jean-Paul Driot, da Renault, Jérôme Stoll e Cyril Abiteboul, respetivamente, Presidente e Diretor Geral da Renault Sport Racing, e ainda Gilles Normand, Diretor da Divisão de Veículos Elétricos VE da Renault, bem como os pilotos Sébastien Buemi e Nicolas Prost encontraram-se para celebrar o título de equipas obtido na terceira temporada de Fórmula E.

_______________________________________________________________________________

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

 The FIA communicated to Pirelli each team’s tyre choices for the forthcoming Japanese Grand Prix (6-8 October).

alt

 

EQUIPA DA RED BULL MUDA DE DESIGNAÇÃO

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1

 

EM 2018, EQUIA DA  RED BULL MUDA DE DESIGNAÇÃOa751 Copya752 Copy

 

 

 

A Aston Martin será o patrocinador principal da Red Bull em 2018. O nome oficial da equipa passa para Aston Martin Red Bull Racing Team.

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

 

 A Aston Martin será o patrocinador principal da Red Bull em 2018. O nome oficial da equipa passa para Aston Martin Red Bull Racing Team.

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

MALAYSIAN GRAND PRIX PREVIEW Round 15 of 20 Kuala Lumpur, 29 September - 1 October 2017

   Having been one of the pioneers of Formula 1 in the Far East after joining the calendar in 1999, the Malaysian Grand Prix runs for the last time this weekend. This year’s tyre nominations are one step softer than last year, with the P Zero White Medium, P Zero Yellow soft and P Zero Red supersoft selected: the same combination last seen in Italy. The Sepang track underwent some significant changes in 2016, being entirely resurfaced to remove many of the bumps that were formerly a key characteristic of the circuit, originally built on a swamp. However, the tropical and humid weather, with regular monsoon-like downpours in the afternoon, remains a notable feature.
 
THE THREE NOMINATED COMPOUNDS
  
 
THE CIRCUIT FROM A TYRE POINT OF VIEW
 
 
 The resurfacing also reduced the high level of asphalt roughness Sepang was noted for, helping make a softer tyre choice possible.  With the new asphalt now being a year old, the ageing process may have given it different characteristics to last year.  The new asphalt also means that the camber and lines of some corners are now faster than in the past.  Malaysia’s tropical weather makes use of the wet weather tyres quite likely.  When it’s dry, track temperatures are high, leading to thermal degradation. At 59 degrees, last year was the highest track temperature seen all season.  Two stops won last year, but tactics were also influenced by virtual safety cars.
 
MARIO ISOLA - HEAD OF CAR RACING “The Malaysian Grand Prix we saw last year was somewhat different to previous seasons, thanks to its return to an autumn slot and the comprehensive resurfacing work that took place in 2016. This also had the result of improving drainage: an important aspect at a circuit where it can rain so heavily and frequently. However, the
 
 
 
 
characteristics of new asphalt can change from one year to the next, so it will be interesting to see what the effect of this is. This year we are bringing the softest selection of tyres ever seen in Malaysia, which we expect to result in even faster lap times, with the supersoft used there for the first time. Consequently, all previous strategy calculations will have to be adjusted, making the work done in free practice particularly important”.
 
WHAT’S NEW?     Supersoft tyres come to Malaysia for the first time.  Following all the work last year, there are no major modifications to Sepang this year.  Pirelli celebrated to more championships recently: Audi claimed its ninth title with Pirelli on a Blancpain GT Series by winning the sprint championship, while Italy’s Tamara Molinaro took the Ladies Trophy on the European Rally Championship.
 
SEPANG INTERNATIONAL CIRCUIT MINIMUM STARTING PRESSURES (SLICKS)
 
 
21.5 psi (front) | 18.0 psi (rear)
 
EOS  CAMBER LIMIT
 
 
-3.25° (front) | -1.75° (rear)
 
THE TYRES NOMINATED THIS SEASON
 
      Australia      China      Bahrain      Russia      Spain      Monaco      Canada      Azerbaijan      Austria      Great Britain      Hungary 

MALAYSIAN GRAND PRIX PREVIEW

 

alt

   

 

PIQUET E EVANS

 

NELSON PIQUET JR E MITCH EVANS PROMETEm uma ÉPOCA ELETRIZANTE nA PANASONIC JAGUAR RACING

 

a693 Copya694 Copy

 

 

 

 

 

A Panasonic Jaguar Racing anunciou hoje, num evento exclusivo em direto realizado na sede inglesa do Departamento de Design da Jaguar, a nova incorporação à sua equipa: Nelson Piquet Jr, campeão da primeira época da Fórmula E da FIA.

Ainda este mês, Piquet vai juntar-se aos pilotos da Panasonic Jaguar Racing Mitch Evans e Ho-Pin Tung para competir na segunda época da equipa na Fórmula E. A integração do campeão da edição 2014/15 ao grupo de pilotos é uma mais-valia para o começo da quarta época, cujas provas oficiais começam já no próximo mês.

Nelson Piquet Jr referiu: "É uma grande honra poder fazer parte da Panasonic Jaguar Racing. A Jaguar tem um trajeto impressionante no mundo da competição e este é um excelente momento para fazer parte da sua equipa. O seu compromisso com os veículos elétricos é uma verdadeira inspiração e estou ansioso por poder começar a trabalhar com eles.”

Mitch Evans acrescentou: "Depois de uma época excelente, é fantástico continuar na Panasonic Jaguar Racing nesta quarta época. Como equipa, continuamos no caminho certo. Mal consigo esperar pelo começo da época em Hong Kong".

A nova contratação foi anunciada em direto durante o evento “RE:CHARGE” da Jaguar, onde também foi apresentado o novo veículo de competição da equipa. Ho-Pin Tung, piloto de reserva oficial e vencedor da LMP2 de Le Mans, juntou-se aos apresentadores Amanda Stretton e George Lamb para revelar o Jaguar I-TYPE 2. Com uma carroçaria com novo design e um número significante de aperfeiçoamentos técnicos, o Jaguar I-TYPE 2 marca o início do seguinte ciclo evolutivo no lema da Panasonic Jaguar Racing, #RaceToInnovate.

A apresentação do Jaguar I-TYPE 2 acontece nove dias depois do anúncio, por parte da Jaguar Racing, do lançamento do Jaguar I-PACE eTROPHY, a primeira competição internacional do mundo para veículos totalmente elétricos baseados em modelos de produção em série. Esta prova, que certamente passará a fazer parte da história da da Fórmula E, terá início no final de 2018 e passará a ser o principal campeonato complementar desta competição. Estes últimos avanços consolidam a estratégia a longo prazo da Jaguar e o seu compromisso com o desenvolvimento de veículos elétricos Premium com bateria.

Depois de na passada semana ter anunciado a GKN como Official Partner, a equipa dá as boas-vindas ao novo Official Team Partner, a Viessmann, fabricante líder de sistemas de refrigeração e energia industrial que vai impulsionar o desenvolvimento e o rendimento da equipa durante a quarta época.

James Barclay, Team Director da Panasonic Jaguar Racing, referiu: “Estamos muito contentes por poder contar com Nelson nesta quarta época. Mitch foi também um dos estreantes que mais se destacou na última época, tendo efetuado tempos fantásticos nas classificativas e nas corridas. O objetivo deste novo grupo de pilotos é conseguir boas posições na linha de partida e lutar regularmente pelo maior número de pontos possível. Aprendemos muito durante a terceira época e a equipa aplicou-se imenso no design e no desenvolvimento do novo Jaguar I-TYPE 2 durante esta pausa na competição.”

E acrescentou: “Também estamos deveras entusiasmados por poder contar com a GNK e com a Viessmann nesta grande família que é a Panasonic Jaguar Racing. Precisamos dos melhores parceiros ao nosso lado para otimizar o rendimento, pelo que estamos extremamente satisfeitos por poder contar com o apoio na próxima época da GKN e da Viessmann, duas empresas líderes nas suas áreas.”

Craig Wilson, Race Director da Panasonic Jaguar Racing, referiu: “Não havia dúvidas de que íamos aprender muito durante a nossa primeira época na competição. A informação e os dados que recolhemos foram uma grande ajuda para desenvolver o Jaguar I-TYPE 2, que apresenta melhorias no peso, no equilíbrio e na eficiência. A equipa sofreu algumas alterações, destacando-se a nomeação de Phil Charles como Racing Technical Manager. Estamos todos ansiosos para começar as próximas sessões de treino em Valência, para podermos ver os primeiros resultados dos nossos aperfeiçoamentos em comparação com as outras equipas e que o mês de dezembro chegue rapidamente para que possamos competir pela primeira vez com o Jaguar I-TYPE 2 em Hong Kong".

Em linha com o desejo da Jaguar de inovar dentro e fora da pista, o RE:CHARGE celebrou hoje em direto o primeiro de um conjunto de eventos que irão decorrer ao longa da época, especialmente concebidos para aumentar o número de seguidores e aproximar este desporto das gerações futuras.

A Panasonic Jaguar Racing continuará igualmente a desenvolver a seguinte fase da sua colaboração pioneira com a Gorillaz, que tem como objetivo promover entre os jovens áreas como a ciência, tecnologia, engenharia e matemática (STEM). No início deste mês, a Jaguar Land Rover contratou o primeiro integrante da nova geração de engenheiros electrónicos e de software, fruto do desafio de codificação lançado na app Gorillaz.

A Panasonic Jaguar Racing vai regressar às ruas naquela que é a primeira corrida da quarta época do campeonato de Fórmula E, que terá lugar em Hong Kong nos dias 2 e 3 de dezembro.

 

Para estar a par das últimas novidades da equipa: @JaguarRacing

 

Notas à redação:

A Jaguar regressou à competição em outubro de 2016, tornando-se o primeiro fabricante premium a participar nas corridas urbanas de Formula E da FIA, com monolugares totalmente elétricos.

O programa de Fórmula E da Jaguar trará vantagens notórias de I+D para a eletrificação dos futuros automóveis de estrada da Jaguar Land Rover, tendo sido concebido com base no princípio fundador da equipa: "Race to innovate".

Os fabricantes podem projetar os seus próprios sistemas de propulsão, que incluem o motor, a transmissão, o inversor e a suspensão traseira. Entre os componentes comuns a todas as equipas incluem-se o chassis e a bateria em fibra de carbono, que contribuem para o controlo de custos. O principal objetivo é o desenvolvimento de sistemas de propulsão elétricos.

Para além do seu conceito 100% elétrico, a Fórmula E também se distingue no mundo da competição automóvel pela escolha dos locais das corridas. Com a exceção do ePrix do México, todas as rondas do campeonato têm lugar em circuitos provisórios nas ruas do centro das principais cidades do mundo.

Cada dia de corrida inclui a ação total na pista, os treinos, a classificativa e a corrida em si, que se realizam num único dia. O calendário de 2017/18 tem início a 2 de dezembro e conta com 14 corridas em 11 cidades, incluindo provas duplas em Hong Kong, Nova Iorque e a final da época em Montreal.

 

 

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1

 

ESTATISTICAS

 

  1. Daquelas coisas dos números e estatísticas que gosto. Ricciardo foi o único piloto que este ano já ocupou todas as posições (de 1 a 20) nos GP de F1.

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1

 

NOS BASTIDORES

 

 

  1. Pai Stroll junta Hamilton e Neymar num show de moda em Londres anteontem à noite. 

 

AUTOMOBILISMO MUNDIAL MAIS POBRE

 

 

AUTOMOBILISMO MUNDIAL MAIS POBRE

 

JOHN NICHOLSOM DEIXOU-NOS

 

O Eng. John Nicholson deixou-nos, tendo falecido esta manha em Inglaterra. Este engenheiro inglês foi responsavél por alguns Fórmula 1, tendo a estreia do seu primeiro carro no Grande Premio de inglaterra em 1975.John NIcholson tinha 75 anos de idade, as mais sentidas condolencias para toda a sua familia.

 

 

A ESTATISTICA NA FÓRMULA 1

 

A ESTATISTICA NA FÓRMULA 1

 

  1. Sean Kelly é fabuloso nas estatísticas. Esta não lembrava ao diabo. Mas talvez mostre como a F1 está cada vez mais intensa.
  2. This was only the fourth time in world championship history that the entire front row was eliminated on the opening lap, and amazingly the second time in consecutive seasons! Vettel and Verstappen joined the notorious lap one collisions between Lewis Hamilton and Nico Rosberg at the 2016 Spanish GP, as well as the Ayrton Senna and Alain Prost collision at Suzuka 1990 (you get bonus points if you knew the other one, Mario Andretti and John Watson at Zolder 1977).

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

SELECTED SETS PER DRIVER

 The FIA communicated to Pirelli each team’s tyre choices for the forthcoming Malaysian Grand Prix (29 September – 1 October).

alt

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1

CAMPEONATO MUNDO DE FÓRMULA 1

 

NOS BASTIDORES

 

 

  1. Ocon também assina mais um ano com a Force India. Mais vale acompanhado...

 

HAAS NO G.P.SINGAPURA

 

Evento:   Grande Prémio de Singapura (14º round de 20)

Data:  Domingo, 17 de Setembro

Local:  Marina Bay Street Circuit

Layout:  5,065 quilómetros, 23 curvas

Condições climatéricas:  Chuva no início para depois ficar céu limpo

Temperatura do ar:  28,2-28,7ºC

Temperatura da pista:  29,6-32,3ºC

Vencedor:  Lewis Hamilton da Mercedes

Haas F1 Team:

●  Romain Grosjean – Arrancou de 15º, terminou em (completou 58/58 voltas)

●  Kevin Magnussen – Arrancou de 16º, abandonou 13th (problemas eléctricos , completou 50/58 voltas)

 

 

 

A décima edição do Grande Prémio de Singapura, que se realizou no Marina Bay Street Circuit esta noite, começou com um estouro, quando o incidente com diversos carros lançou para o abandono ambos os pilotos da Scuderia Ferrari, Sebastian Vettel e Kimi Raikkonen, juntamente com o Red Bull de Max Verstappen, ainda antes de uma volta completada.

 

O caos do arranque permitiu ao piloto da Haas F1 Team, Kevin Magnussen, subisse do décimo sexto lugar em que alinhou na grelha de partida a décimo, ao passo que Romain Grosjean manteve-se no décimo quinto lugar, enquanto passava incólume pelo destroços espalhados pela pista. Grosjean conseguiu terminar em nono, conquistando valiosos pontos, ao passo que Magnussen foi obrigado a abandonar.

 

Mesmo antes de a corrida ter começado, o arranque esteve em dúvida, uma vez que a chuva abateu-se sobre os 5,065 quilómetros e vinte e três curvas, o que significou que a primeira parte do Grande Prémio da Singapura tenha sido disputado com a pista molhada.

 

Magnussen optou por começar com pneus Pirelli Cinturato Azul/Chuva, ao passo que Grosjean escolheu os Cinturato Verde/Intermédio.

 

Com o Safety-Car a marcar o ritmo do pelotão durante as primeiras quatro voltas de corrida, após o contratempo do início, ninguém parou para montar slicks, uma vez que a pista permaneceu molhada, mesmo quando a chuva amainou. Mas à medida que a corrida foi avançando, a pista começou a secar, obrigando os pilotos e equipas a debater quando era o momento para trocar os pneus de molhado para os slicks.

 

Mas enquanto as decisões eram pesadas, a corrida continuava em condições difíceis.

 

Isto foi bem visível na décima primeira volta, quando Magnussen estava a ser perseguido pelo Toro Rosso de Daniil Kvyat. Kvyat ultrapassou Magnussen para ascender ao décimo posto, na Curva 5, para devolver a posição a Magnussen, quando entrou em aquaplaning ao entrar na Curva 7, ficando com o carro na barreira.

 

A situação de Safety-Car permitiu a Magnussen entrar nas boxes e trocar os seus pneus de chuva por borrachas intermédias frescas. Grosjean, por seu lado, manteve-se em pista, subindo a décimo primeiro.

 

Quando a corrida foi retomada, na décima quinta volta, Grosjean estava no décimo primeiro lugar e Magnussen no décimo quarto.

 

Enquanto uma trajectória seca se começava desenhar e o spray levantado pelos carros evaporou, os intermédios passaram a ser mais um problema que uma ajuda. Ainda assim, as batalhas em pista continuaram, com Grosjean a ascender ao décimo posto na décima primeira sexta volta ao passar o Williams de Felipe Massa. Então Magnussen mostrou a sua performance, a ultrapassar Massa na décima sexta volta e o Force India de Esteban Ocon na décima sétima, subindo a décimo primeiro.

 

Magnussen foi o primeiro piloto a montar pneus slicks. Entrou nas boxes quando estavam cumpridas vinte e quatro voltas, montando Pirelli P Zero Roxo/Ultramacios – os mais aderentes da linha da Pirelli – no seu Haas VF-17.

 

O resto das equipas passaram a dar atenção aos tempos de Magnussen, quando ele começou a registar marcas muito rápidas. A decisão estratégica da Haas F1 Team estava agora a ser copiada por todo o pit-lane, com todas as equipas a chamarem os seus pilotos para montar pneus slicks.

 

As voltas rápidas de Magnussen permitiram-se ultrapassar Grosjean para o décimo lugar quando estavam cumpridas vinte e oito voltas, tendo então Grosjean realizado também a troca de intermédios por ultramacios, regressando à pista no décimo primeiro posto.

 

Grosjean ultrapassou Magnussen na trigésima terceira volta, para subir a décimo, permitindo que Ocon aproveitasse a oportunidade para avançar, ocupando o décimo primeiro posto, ao passo que Magnussen caia para décimo segundo.

 

O Safety-Car voltou a entrar em pista na trigésima oitava volta, quando Marcus Ericsson entrou em pião aos comandos do seu Sauber na Ponte Anderson.

Magnussen tirou vantagem da oportunidade e parou para montar ultramacios novos. Grosjean manteve-se em pista, mas com Nico Hulkenberg a entrar nas boxes com o seu Renault, Grosjean subiu a nono.

 

A corrida regressou a acção pela última vez na quadragésima segunda volta e, com todos os atrasos, o Grande Prémio de Singapura tornou-se num evento condicionado pelo tempo, alcançando o limite de duas horas, em vez de as sessenta e uma voltas de distância.

 

Grosjean iniciou a sua derradeira série no nono posto, ao passo que Magnussen seguia em décimo terceiro. Os trinta minutos finais da corrida viram Grosjean manter a sua posição, o que lhe permitiu conquistar o seu sétimo resultado nos pontos, esta temporada. Magnussen, entretanto, subiu a décimo segundo, quando Hulkenberg foi forçado a abandonar o seu carro, quando faltavam ainda treze minutos para o final da prova, mas Magnussen teve também que desistir, tendo sido chamado para as boxes a dez minutos da bandeirada de xadrez devido a um problema eléctrico no seu Haas VF-17

 

Lewis Hamilton, tricampeão mundial, venceu o Grande Prémio de Singapura. O piloto da Mercedes somou a sua sexagésima vitória na Fórmula 1, a sua sétima da temporada e a terceira consecutiva. Foi o seu terceiro triunfo no Grande Prémio de Singapura, perdendo apenas para Vettel, quatro. A margem da vitória de Hamilton foi de 4,507s para o Red Bull de Daniel Ricciardo. O triunfo, combinado com o abandono de Vettel, permitiu a Hamilton abrir a sua vantagem no Campeonato de Pilotos para vinte e oito pontos, depois de ter chegado a Singapura a apenas com três pontos face a Vettel.

 

Com catorze etapas disputadas das vinte que constituem a temporada deste ano, a Haas F1 Team está no oitavo lugar do Campeonato de Construtores com trinta e sete pontos, com vinte pontos de vantagem para a McLaren a cinco pontos da Renault, a sétima classificada, e a quinze da Toro Rosso, a sexta. Grosjean e Magnussen estão, respectivamente, no décimo terceiro e décimo quarto lugares no Campeonato de Pilotos. Grosjean tem vinte e seis pontos e Magnussen onze.

 

Com seis corridas por realizar, o próximo evento é o Grande Prémio da Malásia, que se disputa entre os dias 29 de Setembro e 1 de Outubro no Sepang Circuit.

 

 

 

Estou satisfeito por todos nós, especialmente, depois de um fim-de-semana difícil em que sabíamos que, na verdade, não tínhamos ritmo. Escolhemos começar com pneus intermédios, o que foi corajoso. Inicialmente, foi complicado. Depois todos foram às boxes, era o pneu certo para usar, portanto, estava muito satisfeito com a escolha que fiz. Trocámos para slicks demasiado tarde. Penso que o Kevin fez um trabalho melhor que o meu ao parar para montar pneus ultramacios. Daí para a frente, tive uma intensa batalha. Tentei apanhar o (Lance) Stroll. Ele bateu num muro uma vez e pensei que estava decidido, mas não foi suficientemente forte para realizar qualquer dano, portanto, ele continuou e não cometeu mais nenhum erro e não consegui ultrapassá-lo. As condições eram péssimas no início. Não conseguíamos ver nada. Estou satisfeito por ter marcado pontos.”

 

 

 

Fiquei aborrecido por não ter visto a bandeirada de xadrez. É muito frustrante, mas por vezes acontece. Foi difícil, mas divertido. Foi desafiante, mas bom para a Fórmula 1 deixar-nos competir e não termos um arranque atrás do Safety-Car.

 

Estava a gerar calor nos meus pneus, dado que coloquei slicks muito cedo e perdi alguma temperatura, estávamos a conseguir. Foi-me pedido para ceder o lugar, mas quando deixei passar o Romain, perdi outra posição e molhei os pneus. Depois tivemos uma contrariedade, portanto, no final, foi pouco importante.”

 

 

 

Levar dois pontos daqui, é evidente que trabalhámos muito para isso, mas não esperávamos. No geral, tivemos um bom final de fim-de-semana. Por outro lado, agora estamos no oitavo lugar do Campeonato de Construtores e não no sétimo. Ao vir para aqui sabíamos que isso poderia acontecer, mas vamos lutar arduamente para voltar regressar a sétimo. Os nosso pilotos, a nossa equipa, realizaram um bom trabalho. Não havia nada de errado com a nossa estratégia de hoje. Reagimos bem, sempre. Ambos os pilotos mantiveram os carros intactos. O Kevin poderia ter terminado, mas teve uma dificuldade com a electrónica. Vamos investigar e o motivo que levou a que o carro se tenha desligado completamente. O Romain realizou um bom trabalho e terminou em oitavo com dois pontos. Vamos continuar.!

 

 

 

O décimo quinto round do Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1 é o Grande Prémio da Malásia, que se disputa no Sepang Circuit. Os treinos-livres iniciam-se no dia 29 de Setembro, a qualificação a 30 e a corrida a 1 de Outubro.

 

 

A Haas F1 Team estreou-se em 2016 no Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1, tornando-se na primeira equipa de Fórmula 1 americana desde 1986. Fundada pelo industrialista Gene Haas, a Haas F1 Team está sediada nos Estados Unidos da América em Kannpolis, América do Norte, o mesmo centro onde está baseada a sua equipa Campeã na NASCAR Spint Cup Series, Stewart-Haas Racing. Haas é o fundador da Haas Automation, a maior construtora de máquinas CNC da América do Norte e o presidente da Haas F1 Team.

 

 

A Haas Automation, Inc. é o construtor de máquinas CNC líder na América. Fundada em 1983 por Gene Haas, a Haas Automation constrói uma linha completa de centro de maquinação verticais e horizontais, centros basculantes, mesas rotativas, etc. Todos os produtos da Haas são construídos na fábrica de 93.000m2 da empresa, sediada em Oxnard, Califórnia, e distribuídas através de uma rede mundial de Haas Factory Outlets que fornecem à indústria os melhor serviço de venda, serviços e apoio, enquanto oferece uma relação custo/performance sem paralelo. Para mais informação visitar www.HaasCNC.com, , on Facebook at www.Facebook.com/HaasAutomationInc, on Twitter @Haas_Automation and on Instagram @Haas_Automation.

 

Sobre a Haas Factory Outlet - Portugal

A Haas Automation, Inc está representada em Portugal através da Haas Factory Outlet – Portugal. Um empresa situada nos arredores do Porto, perto do Aeroporto Francisco Sá Carneiro. Desta forma, pode aceder aos produtos da Haas Automation e todos os seus serviços. Para mais informação visitar haasportugal.com/ ou facebook.com/haasportugal. 

 

SEGUNDO A OPINIÃO DO JORNALISTA JOÃO CARLOS COSTA

À terceira foi de vez. A primeira esteve para acontecer para a temporada de 1988, com Ron Dennis e Jean Sage a assinarem uma carta de intenções até que a... Honda se chegou à frente e ofereceu os motores da Williams à McLaren. Depois a história repetiu-se durante o ano de 1993, quando Dennis andou a namorar os Renault que a Williams tinha (e a Ligier também, via as ligações de Guy com o President Mitterand). O namoro não deu em casamento e Dennis voltou-se para a... Peugeot. A história foi contada por Joe Saward. Fiz apenas de "correia de transmissão".

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

SINGAPORE GRAND PRIX RACE – INFOGRAPHICS

alt

alt

 

HAAS NO G.P.SINGAPURA

 

Evento:  Qualificação para o Grande Prémio de Singapura (14º round de 20)

Data:  Sábado, 16 de Setembro

Local:  Marina Bay Street Circuit

Layout:  5,065 quilómetros, 23 curvas

Condições climatéricas:  Céu limpo e húmido

Temperatura do ar:  28,5-28,9ºC

Temperatura da pista:  32,8-33,7ºC

Pole-Position:  Sebastian Vettel da Scuderia Ferrari (1m39,491 – novo recorde)

Resultado:  Romain Grosjean 15º / Kevin Magnussen 16º

 

 

 

●  Tem a duração de 18 minutos, com a participação de todos os 20 pilotos
●  Os 15 pilotos mais rápidos avançam para a Q2

Grosjean:  15º (1m43,627s), advanced to Q2

Magnussen:  16º (1m43,756s)

Piloto mais rápido:  Max Verstappen da Red Bull (1m42,010s)

Cutoff:  15º Romain Grosjean da Haas F1 Team (1m43,627s)

 

 

 

●  Tem a duração de 15 minutos, com a participação dos 15 pilotos mais rápidos provenientes da Q1
●  Os 10 pilotos mais rápidos avançam para a Q3

Grosjean:  15º (1m43,883s)

Piloto mais rápido:  Max Verstappen da Red Bull (1m40,332s)

Cutoff:  10º Carlos Sainz Jr. da Toro Rosso (1m41,826s)

 

 

 

●  Tem  a duração de 12 minutos, com a participação dos 15 pilotos mais rápidos provenientes da Q2, lutando todos pela pole-position

Pole-Position:  Sebastian Vettel da Scuderia Ferrari (1m39,491s)

Segundo:  Max Verstappen da Red Bull (1m39,814s)

 

 

 

Os pilotos da Haas F1 Team, Romain Grosjean e Kevin Magnussen, qualificaram-se, no décimo quinto e décimo sexto lugares, respectivamente, para o Grande Prémio de Singapura, que se disputa amanhã à noite no Marina Bay Street Circuit.

 

Grosjean registou o décimo quinto tempo na Q1, ao completar uma volta ao circuito de 5,065 quilómetros e vinte e três curvas em 1m43,627s. Magnussen foi o décimo sexto mais rápido, 1m43,756s. Apenas os quinze mais rápidos passaram à Q2.

 

Na Q2, Grosjean manteve-se como o décimo quinto mais rápido, 1m43,883s, o que o deixou a cinco lugares dos dez primeiros, que avançaram para a Q3.

 

Tanto Grosjean como Magnussen rodaram exclusivamente com pneus Pirelli P Zero Roxo/Ultramacio ao longo da qualificação.

 

Sebastian Vettel, da Scuderia Ferrari, conquistou a pole-position para o Grande Prémio de Singapura. A sua melhor volta foi concluída em 1m39,491s, constitui um novo recorde para o Marina Bay Circuit  e deixou o segundo classificado, Max Verstappen, a 0,323s. Esta foi a quadragésima nona pole-position da carreira de Fórmula 1 de Vettel, a sua terceira este ano e a sua quarta em Marina Bay.

 

Antes, de Grosjean, Magnussen e o resto do pelotão participarem na qualificação tiveram ainda a sessão final de treinos-livres para poderem afinar os seus carros para uma volta rápida ao longo da pista. Para simular a qualificação, ambos os pilotos rodaram exclusivamente com pneus ultramacios.

 

Magnussen registou o décimo sexto lugar, 1m44,041s, tendo a sua melhor volta sido a décima primeira das dezasseis que completou. Grosjean também alcançou o seu melhor crono na sua décima primeira volta – 1m44,295s, o que o colocou no décimo oitavo posto.

 

Ambos os pilotos realizaram um programa de dezasseis voltas, iniciando a terceira sessão com uma volta de reconhecimento, seguido de uma série de sete voltas com ultramacios. Uma série final de oito voltas com borrachas ultramacias frescas terminou a sessão, o que permitiu que ambos os pilotos alcançassem os seus melhores tempos.

 

O mais rápido da terceira sessão foi Verstappen, tendo a sua melhor volta, 1m41,829s, deixado Vettel, o segundo mais rápido, a 0,072s.

 

 

 

O mais importante é qua façamos o nosso melhor na qualificação. Penso que nós os dois demos o máximo que poderíamos dar. Atacámos ao máximo, mas infelizmente, não temos um carro muito equilibrado aqui. Estou certo de que poderemos aprender muito para o futuro com este fim-de-semana, mas claro, quando estamos tão envolvidos, é custoso. De ontem para hoje realizámos alguns melhoramentos. Estou orgulhoso. É uma corrida longa e dura. Vamos esperar que amanhã o carro funcione melhor. Vamos trabalhar para ter a melhor estratégia possível, talvez possamos ter sorte com um Safety-Car e tentar alcançar os lugares da frente de alguma forma.”

 

 

 

Não creio que a Q2 estivesse fora do nosso alcance. Apanhei um Renault na última curva da minha última volta, o que me custou o tempo de que precisava para passar à Q2. Tem sido um fim-de-semana duro. Não temos sido suficientemente fortes, mas vamos lutar. É complicado apontar a forma como a corrida se desenrolará. Vamos esperar para ver, amanhã.”

 

 

 

Penso que este resultado foi o máximo a que poderíamos aspirar este fim-de-semana. O meio do pelotão é muito competitivo. Sabemos que muitas coisas podem acontecer aqui, num circuito citadino. Vamos ver o que acontece. É claro que vamos dar o nosso melhor para conquistarmos pontos.”

 

 

 

A Haas F1 Team estreou-se em 2016 no Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1, tornando-se na primeira equipa de Fórmula 1 americana desde 1986. Fundada pelo industrialista Gene Haas, a Haas F1 Team está sediada nos Estados Unidos da América em Kannpolis, América do Norte, o mesmo centro onde está baseada a sua equipa Campeã na NASCAR Spint Cup Series, Stewart-Haas Racing. Haas é o fundador da Haas Automation, a maior construtora de máquinas CNC da América do Norte e o presidente da Haas F1 Team.

 

 

A Haas Automation, Inc. é o construtor de máquinas CNC líder na América. Fundada em 1983 por Gene Haas, a Haas Automation constrói uma linha completa de centro de maquinação verticais e horizontais, centros basculantes, mesas rotativas, etc. Todos os produtos da Haas são construídos na fábrica de 93.000m2 da empresa, sediada em Oxnard, Califórnia, e distribuídas através de uma rede mundial de Haas Factory Outlets que fornecem à indústria os melhor serviço de venda, serviços e apoio, enquanto oferece uma relação custo/performance sem paralelo. Para mais informação visitar www.HaasCNC.com, , on Facebook at www.Facebook.com/HaasAutomationInc, on Twitter @Haas_Automation and on Instagram @Haas_Automation.

 

Sobre a Haas Factory Outlet - Portugal

A Haas Automation, Inc está representada em Portugal através da Haas Factory Outlet – Portugal. Um empresa situada nos arredores do Porto, perto do Aeroporto Francisco Sá Carneiro. Desta forma, pode aceder aos produtos da Haas Automation e todos os seus serviços. Para mais informação visitar haasportugal.com/ ou facebook.com/haasportugal. 

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

SINGAPORE GRAND PRIX RACE
 
FROM FIFTH ON THE GRID, LEWIS HAMILTON WINS A RACE AFFECTED BY RAIN AND SAFETY CARS, USING AN INTERMEDIATE-ULTRASOFT ONE-STOPPER
 
MIXTURE OF WET AND INTERMEDIATE TYRES AT THE START. ALL FIVE AVAILABLE TYRES USED DURING THE RACE WITH DIFFERENT STRATEGIES
 
FASTEST RACE LAP BREAKS MARINA BAY RECORD  WITH RAPID TRACK EVOLUTION IN THE SECOND HALF OF THE RACE
  a533 Copy– For the first time in its history, the Singapore Grand Prix was a wet race, with the top six starting on the intermediate tyre and a mixture of wets and intermediates further down the grid. There were two safety car periods in the first half of the race, with the track still wet, which were used by some drivers to change from wet to intermediate tyres, while Daniel Ricciardo, who had started on intermediates, opted to change to a fresh set of intermediates. The Red Bull driver finished the grand prix second, behind the Mercedes of race winner Lewis Hamilton  The track eventually dried out after the restart, with the first drivers to change onto slicks being Haas’s Kevin Magnussen and Williams’s Felipe Massa on lap 24. Once the crossover point had been reached, all the frontrunners switched to slicks with most opting for the ultrasoft, although Toro Rosso’s Carlos Sainz went for supersofts – claiming his best career result of fourth at the finish. Jolyon Palmer (Renault) and Stoffel Vandoorne (McLaren) also took their best results in Formula 1, while Hamilton set a new race lap record of 1m45.008s on the ultrasoft: more than two seconds faster than last year’s fastest race lap.
 
MARIO ISOLA - HEAD OF CAR RACING “The start of the race was unknown territory for everyone, with no wet weather running during the weekend up to now. This tactical uncertainty was compounded by the first of three safety cars, immediately after the start, meaning that strategy was mainly a question of reacting to changing circumstances on track. Intermediates were generally the best choice for the conditions during the first half of the race, although the full wets also performed strongly on a track that was only drying out very slowly. Once the surface was dry, track evolution happened quickly, with everyone apart from Carlos Sainz – who drove a fantastic race – opting to finish the grand prix on the ultrasoft.”
 
BEST TIME BY COMPOUND
 
 
 
 
 
     Ericsson 2m02.843s Sainz 1m46.537s Hamilton 1m45.008s Hamilton 1m58.469s Hulkenberg 2m06.580s

Ricciardo 1m45.301s
Palmer 2m00.177s
Palmer 2m07.583s

Bottas 1m45.405s
Ricciardo 2m00.246
Perez 2m07.642s
 
 
 
 
LONGEST STINT OF THE RACE
 
 
 
TRUTHOMETER Lewis Hamilton won the race using a one-stop strategy as predicted, but nobody expected that it would be from intermediate to ultrasoft, on lap 29. Ricciardo, behind him, chose to take on a fresh set of intermediates under the safety car, but also used a combination of intermediate and ultrasoft. The highest-placed driver to start the race on the full wet was Force India’s Sergio Perez, who finished fifth.
 
 

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

 

G.P.SINGAPURA

 

MERCEDES SOMA E SEGUE APÓS SUICIDIO DA FERRARIa530 Copya531 Copy

 

 

 

 

 

Lewis Hamilton alcançou a sua 60ª vitória na Fórmula 1, a 3ª em Singapura e a 7ª esta época;

  • Valtteri Bottas terminou na 3ª posição, o seu melhor resultado em Singapura e o seu 10º pódio esta temporada;
  • Lewis Hamilton completou a volta mais rápida do circuito, nesta que foi a primeira corrida noturna com chuva;
  • Esta foi a 73ª vitória dos Silver Arrows na Fórmula 1 e a 9ª esta época;
  • Lewis Hamilton (263 pontos) aumentou a vantagem no Mundial de Pilotos para 28 pontos para Sebastian Vettel (235 pontos), com Valtteri (212 pontos) na terceira posição;
  • Mercedes-AMG Petronas Motorsport (475 pontos) lidera o Mundial de Construtores para a Ferrari (373 pontos).

 

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1

  1. DEsabafo  de Carlos Sainz Jr:

    Si... es el pedal del acelerador... hoy habia que tener mucho tacto con el...

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1

 

O CASO DO GRANDE PRÉMIO DE SINGAPURA

 

 

  1. Fica como imagem do dia... e comentário também! Ferrari kamikaze....

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

2017 Singapore Grand Prix – Sets available for the race – Infographics

alt

 

SAINZ JUNIOR NA RENAULT NA F 1

 

Carlos Sainz será piloto da Renault Sport Formula One Team em 2018

 

A Renault Sport Formula One Team tem o prazer de anunciar que Carlos Sainz será seu piloto para a temporada de Fórmula 1 de 2018.

 

Carlos de 23 anos de idade, já participou em 53 grandes-prémios, desde a sua estreia na Austrália na época de 2015. Até à data somou 100 pontos, tendo como melhor registo a sexta posição final por quatro ocasiões.

 

Antes da Fórmula 1, Carlos venceu a Fórmula Renault 3.5 em 2014, bem como a Fórmula Renault 2.0 NEC em 2011.

 

Cyril Abiteboul, Diretor-Geral, Renault Sport Racing:

“O Carlos Sainz é um piloto muito promissor que tem estado no nosso radar há já algum tempo e é uma escolha perfeitamente alinhada com os nossos planos estratégicos de médio prazo. Acreditamos que o Nico e o Carlos se vão complementar dentro e fora de pista e que essa conjugação nos irá permitir evoluir positivamente na grelha. Gostaria ainda de agradecer ao Helmut Marko por nos emprestar o Carlos por este período. Temos ainda de agradecer ao Jolyon pelo seu trabalho e pelo empenho durante estas duas épocas. É um piloto dedicado e desejamos-lhe o melhor para a sua carreira.”

 

Carlos Sainz:

“Estou muito feliz por passar a fazer parte da Renault Sport Formula One Team. Ser piloto de Fórmula 1 de um construtor automóvel é uma grande honra que tenho esperança em recompensar com as minhas melhores performances em pista. Estou ansioso por trabalhar com todos em Enstone e Viry, e de pilotar ao lado do Nico Hülkenberg. Eu já trabalhei de perto com a Renault na Fórmula 1 e anteriormente em outras disciplinas, pelo que, conheço as suas capacidades e motivação. É o início de um novo e muito excitante capítulo na minha carreira. Gostaria ainda de agradecer à Red Bull por toda a confiança e apoio ao longo da minha carreira e por me permitirem agarrar esta oportunidade.

 

 

 

 

 

 

 

 

Dr Helmut Marko, Consultor da Red Bull para o desporto motorizado:

“Estamos contentes por ter alcançado um acordo para que o Carlos vá correr com a Renault Sport Formula One Team em 2018. Ele tem um tremendo talento e vai beneficiar do trabalho com uma equipa de um construtor automóvel ao lado de um piloto muito experiente. Vai ser um desafio diferente para o Carlos e vamos continuar atentos à forma como vai progredir, uma vez que, continuará a fazer parte da “família” Red Bull."

 a526 Copya527 Copy

 

MCLAREN E RENAULT CONFIRMA PARCERIA

 

A McLaren Racing e a Renault Sport Racing confirmam parceria

 

A Renault Sport Racing e a McLaren Racing têm o prazer de anunciar um acordo de parceria para o fornecimento de motores para as temporadas de 2018, 2019 e 2020. A Renault Sport Racing irá fornecer os seus motores de Fórmula 1 à McLaren, em estreita colaboração com os engenheiros e os técnicos desta equipa.

 

Mesmo com uma presença comum na Fórmula 1 desde 1977 (a McLaren Racing disputou 814 GP; a Renault 591 enquanto fornecedora de motores), as duas entidades não tinham tido, até agora, ocasião de colaborar.

 

Para a McLaren Racing, a razão para esta parceria é evidente: a Renault demonstrou a sua capacidade para produzir motores capazes de conquistar títulos mundiais, tanto para a sua escuderia de fábrica, como para as equipas clientes.

 

Para a Renault Sport Racing, este acordo permite trabalhar com uma segunda escuderia de primeiro plano, capaz de fornecer todo o retorno para o progressivo desenvolvimento do motor. 

 

A parceria McLaren-Renault tem como objetivo a vitória.

 

Jérôme Stoll, Presidente da Renault Sport Racing :

«Esta é uma decisão estratégica para a Renault Sport Racing. É a primeira vez que vamos trabalhar com a McLaren e estamos orgulhosos por termos chegado a acordo com uma estrutura com tal historial na Fórmula 1. Esta aliança não será apenas técnica e desportiva, pois será também suportada por ações de marketing e de comunicação.»

 

Cyril Abiteboul, Diretor-Geral da Renault Sport Racing :

«Estamos muito contentes por podermos anunciar esta parceria entre a Renault Sport Racing e a McLaren Racing. É muito excitante cria esta relação entre duas marcas históricas na Fórmula 1 e que vão, pela primeira vez, cooperar. A McLaren é uma equipa inspiradora, com pilotos talentosos, que nos irão ajudar, não somente no desenvolvimento do motor, mas, também, servir de referência e de exemplo para o desenvolvimento da nossa atividade de chassis. É um novo recomeço para uma equipa várias vezes campeã do Mundo e que está impaciente para recuperar a glória.»

 

Sheikh Mohammed bin Essa Al Khalifa (Presidente Executivo e Diretor do Comité Executivo do McLaren Group) :

«A Renault é um construtor que, tal como a McLaren, tem a Fórmula 1 profundamente enraizada no seu ADN. A Renault introduziu o conceito da sobrealimentação na Fórmula 1 em 1977, ganhou Grandes-Prémio com e sem motores turbo, e foi sempre pioneira no desenvolvimento de novas tecnologias para a Fórmula 1.

 

Um McLaren impulsionado pela Renault Sport Racing é um novo e excitante conceito para a Fórmula 1. Na McLaren, temos a motivação, o desejo e os recursos para sermos competitivos em 2018 e com a força da Renault deveremos fazer um significativo progresso para o topo da grelha.

 

O anúncio de hoje marca o início de um novo capítulo na história da McLaren.»

 

Zak Brown, Diretor Executivo do McLaren Technology Group:

«Este anúncio dá-nos a estabilidade necessária para desenvolvermos o nosso chassis e o nosso programa técnico para a temporada de 2018.

 

A McLaren sempre trabalhou para formar parcerias estáveis com os seus fornecedores. Estamos convencidos que teremos um real valor acrescentado, trabalhando lado a lado com a Renault Sport Racing, no desenvolvimento da atual unidade de potência, de modo a somar sucessos com regularidade.»

 

 

 

RENAULT SPORT RACING COLOCA

 

A Renault Sport Racing coloca um ponto final na sua parceria com a Scuderia Toro Rosso

 

A Renault Sport Racing confirma que, de comum acordo, colocará, no término da época de 2017, um ponto final na sua parceria com Scuderia Toro Rosso.

 

A Renault Sport esteve associada à Scuderia Toro Rosso nas temporadas de 2014, 2015 e 2017 tendo sido obtidos, durante este período, 137 pontos. Os dois quartos lugares obtidos por Max Verstappen em 2015 ficam a constituir os melhores resultados.

 

 

 

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

SINGAPORE GRAND PRIX QUALIFYING
 
FERRARI’S SEBASTIAN VETTEL SEALS POLE ON THE ULTRASOFT  WITH FASTEST-EVER LAP OF SINGAPORE
 
P ZERO PURPLE ONLY USED FROM START TO FINISH OF QUALIFYING  IN SINGAPORE, WITH SIGNIFICANT TRACK EVOLUTION
 
 ONE STOP IS THE MOST LIKELY RACE STRATEGY,  BUT SAFETY CARS CAN BE A FACTOR AS USUAL ON THIS CIRCUIT

  a512 Copy– Ferrari driver Sebastian Vettel claimed pole position under the lights of Singapore on the P Zero Purple ultrasoft tyre, which was used by all the drivers from start to finish of qualifying. Vettel’s time of 1m39.491s – 3.1 seconds faster than last year’s pole – is the quickest lap ever seen at the Marina Bay circuit, with the 2016 pole time already beaten in Q1. Track temperature was around 34 degrees centigrade during qualifying.  There was high track evolution during Q1 in particular; also because of some oil dropped from a previous support race. Tyre wear and degradation as measured during FP2 yesterday remained quite low even on the ultrasoft tyre, opening up the possibility of a one-stop strategy tomorrow even if tyre degradation should increase.
 
MARIO ISOLA - HEAD OF CAR RACING “The track got progressively faster quite quickly, once the oil on the track had cleared. This allowed an incredibly fast and closely-fought qualifying session, with plenty of drivers beating the previous all-time record at Singapore. On a circuit which favours the mechanical grip like this one, the wider 2017 tyres offered an important contribution to this result. As tyre wear and degradation is low on all three compounds, one-stop should be the favoured strategy; however, with a 100% safety car record in Singapore and unpredictable track conditions, teams will need to remain versatile and adapt their strategies to the circumstances of the race.”
 
HOW THE TYRES BEHAVED TODAY
      Used in qualifying and FP3 today: around a second faster than supersoft. Only used for some installation laps in FP3 today, important tomorrow. Could become a key ingredient of a one-stopper tomorrow.   
 
FREE PRACTICE 3 – TOP 3 TIMES
 
 
 
 
 
 
QUALIFYING TOP 10
 
 
 
MOST LAPS BY COMPOUND SO FAR
 
 
 
BEST TIME BY COMPOUND SO FAR
 
DRIVER TIME COMPOUND
Verstappen 1m 41.829s ULTRASOFT NEW
Vettel 1m 41.901s ULTRASOFT NEW
Hamilton 1m 41.971s ULTRASOFT NEW
DRIVER TIME COMPOUND
Vettel 1m 39.491s ULTRASOFT NEW
Verstappen 1m 39.814s ULTRASOFT NEW
Ricciardo 1m 39.840s ULTRASOFT NEW
Raikkonen 1m 40.069s ULTRASOFT NEW
Hamilton 1m 40.126s ULTRASOFT NEW
Bottas 1m 40.810s ULTRASOFT NEW
Hulkenberg 1m 41.013s ULTRASOFT NEW
Alonso 1m 41.179s ULTRASOFT NEW
Vandoorne 1m 41.398s ULTRASOFT NEW
Sainz 1m 42.056s ULTRASOFT NEW
COMPOUND DRIVER LAPS
SOFT Vettel 23
SUPERSOFT Grosjean, Perez, Verstappen 23
ULTRASOFT Ricciardo 26
COMPOUND DRIVER TIME
SOFT Hamilton 1m 42.505s

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

SINGAPORE GRAND PRIX PRACTICE SESSIONS
 
ALL-TIME TRACK RECORD ALREADY BROKEN IN FP1 USING THE ULTRASOFT  AT THE MARINA BAY CIRCUIT 
 
RED BULL DOMINATES BOTH SESSIONS, WITH DANIEL RICCIARDO GOING MORE THAN THREE SECONDS FASTER THAN LAST YEAR’S BEST FP2 TIME
 
AROUND A SECOND BETWEEN SUPERSOFT  AND ULTRASOFT COMPOUNDS SO FAR

  31i6686 6_Copy The fastest-ever laps of the Marina Bay circuit were run today, with Red Bull’s Daniel Ricciardo smashing the previous all-time record of 1m42.584s by more than two and a half seconds. This was thanks to a time of 1m40.852s on the P Zero Purple ultrasoft in FP2: 3.3 seconds faster than last year’s best FP2 time. The ultrasoft compound has proved to be around a second faster than the supersoft so far, with a high degree of track evolution during FP1 after some mid-morning rain. Conditions for both sessions remained dry though with high humidity: typical of Singapore’s tricky and bumpy asphalt, with all three compounds used today.
 
MARIO ISOLA - HEAD OF CAR RACING “We’ve seen a very big increase in speed compared to last year, with the lap record already broken in FP1 and the fastest FP2 time more than three seconds quicker than last year’s equivalent. In many ways, this isn’t much of a surprise as the 2017 tyres and regulations enhance cornering speeds specifically, and at 23 corners Marina Bay has more corners than any other track. There’s a gap of around a second between the supersoft and ultrasoft so far; it’s a bit harder to assess the soft as there was less running on it today. However, if its pace is close enough to the supersoft, it could certainly come into play as a potential race tyre on Sunday.”
 
FREE PRACTICE 1 – TOP 3 TIMES
 
 
FREE PRACTICE 2 – TOP 3 TIMES
 
 
FP1 - BEST TIME BY COMPOUND 
DRIVER TIME COMPOUND
Ricciardo 1m 42.489s ULTRASOFT NEW
Vettel 1m 42.598s ULTRASOFT NEW
Verstappen 1m 42.610s ULTRASOFT NEW
DRIVER TIME COMPOUND
Ricciardo 1m 40.852s ULTRASOFT NEW
Verstappen 1m 41.408s ULTRASOFT NEW
Hamilton 1m 41.555s ULTRASOFT NEW
 
 
 
 
 
 
 
FP2 - BEST TIME BY COMPOUND 
 
 
 
MOST LAPS BY COMPOUND SO FAR
 
 
 
TYRE STATISTICS OF THE DAY
 
 
* The above number gives the total amount of kilometres driven in FP1 and FP2 today, all drivers combined. ** Per compound, all drivers combined.
 
 
MINIMUM PRESCRIBED TYRE PRESSURES
 
18.5 psi (fronts) – 17.0 psi (rears)
 

 

HONDA FORNECE MOTORES À TORO ROSSO

 

Honda fornecerá as motorizações F1 para a Scuderia Toro Rosso
 
A Honda e a Scuderia Toro Rosso anunciam hoje que chegaram a acordo quanto ao fornecimento dos motores para a época de 2018 do Campeonato Mundial de Fórmula 1 (F1) da FIA*. Com base neste acordo, para a época de 2018, a Honda irá fornecer motores para uma equipa de trabalho a ser formada com a Toro Rosso.
 
*Federação Internacional do Automóvel
 
 
Takahiro Hachigo, Presidente e Diretor Representativo da Honda Motor Co., Ltd “Toro Rosso é uma equipa experiente com uma energia jovial e com história na criação das estrelas do futuro. Todos na Honda estão ansiosos por trabalhar com a Toro Rosso, e estamos muito entusiasmados por iniciar este novo capítulo da nossa caminhada na F1 com eles. Gostaria de expressar a nossa gratidão para com a Liberty Media e a FIA pela cooperação que deram na realização desta parceria. A Honda e a Toro Rosso trabalharão como uma só equipa e farão todos os esforços para o progresso e para um futuro bem-sucedido juntos. Apreciamos o apoio dos nossos fãs ao começar este desafio.”
 
 
Franz Tost, Diretor de Equipa da Scuderia Toro Rosso  “Todos na equipa estão ansiosos para começar a trabalhar com a Honda. Desde que o seu fundador Soichiro Honda começou a inscrever as suas motos em eventos desportivos, que as corridas sempre foram um pilar central que caracteriza a empresa. É um desafio muito entusiasmante e espero que ambos ganhem bastante ao desenvolver-se em conjunto. A Honda tem uma longa história na Formula 1, desde 1964 quando entrou pela primeira vez no desporto com a sua própria equipa e, como fornecedores de motores já com cinco títulos de Campeonato Mundial de Pilotos e seis títulos de Construtores. Esta herança, em conjunto com a confiança que temos na capacidade da Honda para o sucesso, faz-me acreditar fortemente que alcançaremos um futuro frutífero juntos.”
 
Localização:  Faenza, Itália Representante: Franz Tost Primeira corrida F1: 2006 Website oficial: http://www.scuderiatororosso.com

 

MCLAREN E HONDA TERMINAM PARCERIA NA F 1

 

McLaren e Honda vão terminar parceria no Campeonato de F1
 
Honda e McLaren anunciam que chegaram à decisão de descontinuar a parceria no Campeonato Mundial de Fórmula 1 (F1) da FIA*, no final da época de 2017. A parceria havia sido estabelecida em 2015 quando a equipa regressava à F1, continuando a competir nas restantes corridas até ao final da época de 2017.
 
*Federação Internacional do Automóvel
 
Takahiro Hachigo, Presidente e Diretor Representativo da Honda Motor Co., Ltd “É lamentável que tenhamos de nos separar da McLaren antes de alcançarmos as nossas ambições, no entanto, tomámos esta decisão com a convicção de que este é melhor caminho para o futuro de ambos. Em nome da Honda, gostaria de expressar a minha sincera gratidão para com os fãs que sempre demonstraram um grande apoio para com a equipa, bem como para com os pilotos, membros da equipa e todos os envolvidos que partilharam connosco as alegrias e tristezas desde que começámos a preparar o nosso regresso à F1 em 2015. A Honda continuará a competir juntamente com a McLaren até ao final da época de 2017, e depois continuará com as suas atividades na F1 em 2018 e diante.”
 
Shaikh Mohammed bin Essa Al Khalifa, Presidente Executivo e Diretor do Comité Executivo do McLaren Group “A Honda é uma grande empresa que, como a McLaren, está na F1 para ganhar. Apesar da nossa parceria não ter alcançado o sucesso desejado, isso não diminui a grande história que as duas empresas viveram juntas, nem os nossos esforços para alcançar o sucesso na F1. Nesta altura, é do melhor interesse das duas empresas, que cada uma persiga as suas ambições desportivas separadamente.”
 
Zak Brown, Diretor Executivo, McLaren Technology Group “Nunca existiram dúvidas quanto ao compromisso da Honda nem quanto à energia depositada na missão de alcançar o sucesso na F1. Eles são comprovamente vencedores e inovadores. Devido a uma combinação de razões a nossa parceria não vingou como qualquer um de nós teria desejado. Não foi certamente por falta de esforço quer por parte da Honda ou da McLaren, mas chegou a altura de seguir em diferentes direções. Como companheiros de corrida, esperamos ver o grande nome da Honda de volta ao topo – o nosso desporto é melhor com o seu envolvimento. Eu sei que esta opinião é partilhada por todos neste desporto.”

 

MCLAREN E HONDA TERMINAM PARCERIA NA F 1

 

McLaren e Honda vão terminar parceria no Campeonato de F1
 
Honda e McLaren anunciam que chegaram à decisão de descontinuar a parceria no Campeonato Mundial de Fórmula 1 (F1) da FIA*, no final da época de 2017. A parceria havia sido estabelecida em 2015 quando a equipa regressava à F1, continuando a competir nas restantes corridas até ao final da época de 2017.
 
*Federação Internacional do Automóvel
 
Takahiro Hachigo, Presidente e Diretor Representativo da Honda Motor Co., Ltd “É lamentável que tenhamos de nos separar da McLaren antes de alcançarmos as nossas ambições, no entanto, tomámos esta decisão com a convicção de que este é melhor caminho para o futuro de ambos. Em nome da Honda, gostaria de expressar a minha sincera gratidão para com os fãs que sempre demonstraram um grande apoio para com a equipa, bem como para com os pilotos, membros da equipa e todos os envolvidos que partilharam connosco as alegrias e tristezas desde que começámos a preparar o nosso regresso à F1 em 2015. A Honda continuará a competir juntamente com a McLaren até ao final da época de 2017, e depois continuará com as suas atividades na F1 em 2018 e diante.”
 
Shaikh Mohammed bin Essa Al Khalifa, Presidente Executivo e Diretor do Comité Executivo do McLaren Group “A Honda é uma grande empresa que, como a McLaren, está na F1 para ganhar. Apesar da nossa parceria não ter alcançado o sucesso desejado, isso não diminui a grande história que as duas empresas viveram juntas, nem os nossos esforços para alcançar o sucesso na F1. Nesta altura, é do melhor interesse das duas empresas, que cada uma persiga as suas ambições desportivas separadamente.”
 
Zak Brown, Diretor Executivo, McLaren Technology Group “Nunca existiram dúvidas quanto ao compromisso da Honda nem quanto à energia depositada na missão de alcançar o sucesso na F1. Eles são comprovamente vencedores e inovadores. Devido a uma combinação de razões a nossa parceria não vingou como qualquer um de nós teria desejado. Não foi certamente por falta de esforço quer por parte da Honda ou da McLaren, mas chegou a altura de seguir em diferentes direções. Como companheiros de corrida, esperamos ver o grande nome da Honda de volta ao topo – o nosso desporto é melhor com o seu envolvimento. Eu sei que esta opinião é partilhada por todos neste desporto.”

 

HAAS NO G.P.SINGAPURA

 

Evento:  Primeira e Segunda sessões de treinos-livres

Data:  Sexta-Feira,15 de Setembro

Local:  Marina Bay Street Circuit

Layout:  5,065 quilómetros, 23 curvas

Condições climatéricas na 1ª sessão:  Céu limpo e húmido

Temperatura do ar na 1ª sessão:  29,6-30,7ºC

Temperatura da pista na 1ª sessão33-35,1ºC

Condições climatéricas na 2ª sessão:  Céu limpo e húmido

Temperatura do ar na 2ª sessão:  29,4-29,9ºC

Temperatura da pista na 2ª sessão:  30,1-32,5ºC

Pilotos:  Romain Grosjean, Kevin Magnussen e Antonio Giovinazzi

 

 

 

Grosjean:  15º (1m46,456s), 20 voltas completadas

Giovinazzi:  16º (1m46,782s), 27 voltas completadas

Piloto mais rápido:  Daniel Ricciardo da Red Bull (1m42,489s)

Mais voltas completadas:  Lewis Hamilton da Mercedes, Valtteri Bottas da Mercedes, Felipe Massa da Williams e Antonio Giovinazzi da Haas F1 Team (27 cada um)

 

 

 

Magnussen:  17º (1m44,417s), 32 voltas completadas

Grosjean:  18º (1m44,928s), 29 voltas completadas

Piloto mais rápido:  Daniel Ricciardo da Red Bull (1m40,852s)

Mais voltas completadas:  Carlos Sainz Jr. da Toro Rosso (38)

 

 

 

O décimo quarto round do Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1 começou com as sessões de treinos-livres de sexta-feira realizadas no Marina Bay Street Circuit, o que permitiu às equipas prepararem o Grande Prémio de Singapura, que se disputa no próximo domingo à noite.

 

Duas sessões de noventa minutos foram realizadas no circuito de 5,065 quilómetros e vinte e três curvas sob calor e humidade, com António Giovinazzi a juntar-se aos pilotos regulares da Haas F1 Team, Romain Grosjean e Kevin Magnussen.

 

Giovinazzi, o terceiro piloto da Scuderia Ferrari, tomou o volante do VF-17 na primeira sessão, enquanto Magnussen lhe cedia graciosamente o seu lugar para que pudesse ganhar mais experiência na Fórmula 1. O piloto de vinte e três anos de Martina Franca, Itália, pilotou um carro de Fórmula 1 no início do ano, quando substituiu o lesionado Pascal Wehrlein na Sauber durante a primeira sessão de testes de Inverno, que se realizaram no Circuit Catalunya – Barcelona, e também, nos Grandes Prémios da Austrália e da China. Esta foi a terceira sessão de treinos-livres das sete que Giovinazzi pilotará para a Haas F1 Team.

 

Giovinazzi completou vinte e sete voltas, tendo a melhor, 1m46,782s, surgido na décima quinta volta, ficando no décimo sexto posto da tabela de tempos. Grosjean completou vinte voltas durante a primeira sessão, assinando o tempo de 1m46,456s na sua décima sétima passagem pela linha de meta, o que o deixou no décimo quinto lugar. Ambos os pilotos rodaram exclusivamente com pneus Pirelli P Zero Vermelho/Supermacio e foram os únicos a fazê-lo, uma vez que todos os outros experimentaram os ultramacios.

 

Daniel Ricciardo, da Red Bull, foi o mais rápido na primeira sessão, tendo o tempo da sua volta, 1m42,489s, deixando o segundo mais rápido, Sebastian Vettel da Scuderia Ferrari, a 0,109s e batendo o anterior recorde, detido por Nico Rosberg – 1m42,584s, alcançado o ano passado ao serviço da Mercedes durante a Q3.

 

A velocidade aumentou e os tempos caíram na segunda sessão. Magnussen regressou aos comandos do seu Haas VF-17 e terminou a segunda sessão como décimo sétimo registo, 1m44,417s, o melhor alcançado esta sexta-feira em Marina Bay por um piloto da Haas F1 Team. O crono de Magnussen surgiu na sua décima primeira das trinta e duas voltas que completou, tendo utilizado pneus ultramacios para o efeito. Grosjean melhorou a sua marca da primeira sessão em 1,528s, com uma volta completada em 1m44,928s quando passou pela linha meta pela décima terceira vez, também ele usando pneus ultramacios. Terminou a sessão com o décimo oitavo tempo e vinte e nove voltas registadas.

 

Ricciardo permaneceu como o piloto mais rápido em pista, liderando a segunda sessão com uma marca de 1m40,852s, o que representa uma evolução de 1,637s relativamente ao tempo que assinou na primeira sessão. No encalço de Ricciardo ficou o seu colega de equipa na Red Bull, Max Verstappen, que ficou a 0,556s da melhor crono do dia.

 

Entre as duas sessões treinos-livres, a Haas F1 Team completou cento e oito voltas – 49 pelas mãos de Grosjean, 32 pelas de Magnussen e 27 pelas de Giovinazzi.

 

 

 

Foi um dia duro. Singapura é, por si só, uma desafio – para os mecânicos, pilotos e carros – com todo o calor e humidade que se faz sentir. Temos tido algumas dificuldades ao longo de todo o dia. Penso que fizemos alguns progressos na traseira do carro, mas temos ainda que trabalhar na frente. Esta é uma situação com qual temos  tido dificuldades em circuitos citadinos como os do Mónaco, mas lá melhorámos para a qualificação. Não tenho um bom feeling da frente – estou a sentir dificuldades em tirar o máximo de partido. Penso que hoje à noite vamos tentar encontrar algumas coisas para amanhã e esperamos ter a resposta correcta.”

 

 

 

É evidente que o ritmo não está fantástico. Temos que trabalhar para perceber se conseguimos encontrar mais ritmo. Caso contrário, será um fim-de-semana difícil para nós. Penso que temos alguma coisa com que trabalhar, resta saber se chega, mas vamos ver. Foi divertido pilotar aqui, mas a nossa prioridade é sermos competitivos.”

 

 

 

Antes de mais, quero agradecer à Haas e à Ferrari por esta oportunidade. Foi uma sessão importante para mim. A última vez que pilotei o carro foi no início de Agosto, portanto, regressar numa pista tão difícil como a de Singapura, foi uma experiência difícil, mas gostei da pista. Foi fantástico. Estou muito satisfeito. Fiz o melhor que pude para a equipa. Completámos todas as voltas que podíamos, portanto, estou muito satisfeito com esta sessão. É claro que, falhar Monza foi desapontante, dado estava à frente dos meus fãs, mas no final, estou muito satisfeito por trocar Monza por esta pista, uma vez que aprendi uma nova pista e ganhei experiência.”

 

 

 

Hoje não foi um dia fácil. Estamos ainda a tentar encontrar as afinações com os pilotos, enquanto tentamos encontrar a janela de funcionamento dos pneus. Vamos continuar a trabalhar e tentaremos encontrar mais performance para amanhã. Para além de um ligeiro dano quando o Kevin bateu numa roda durante a segunda sessão, completámos as duas sessões com os carros intactos. O António realizou um bom trabalho esta manhã. Penso que temos dados suficientes para analisar. Vamos esperar encontrar algo para amanhã.”

 

 

 

Os pilotos terão mais uma sessão de treinos-livres no sábado (18h00-19h00) antes do início da qualificação, às 21h00. A qualificação consiste em três segmentos, com os dezasseis mais rápidos da Q1 a passarem para a Q2. Os dez mais rápidos da Q2 avançam para a Q3, onde disputam a pole-position.

 

 

 

A Haas F1 Team estreou-se em 2016 no Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1, tornando-se na primeira equipa de Fórmula 1 americana desde 1986. Fundada pelo industrialista Gene Haas, a Haas F1 Team está sediada nos Estados Unidos da América em Kannpolis, América do Norte, o mesmo centro onde está baseada a sua equipa Campeã na NASCAR Spint Cup Series, Stewart-Haas Racing. Haas é o fundador da Haas Automation, a maior construtora de máquinas CNC da América do Norte e o presidente da Haas F1 Team.

 

 

A Haas Automation, Inc. é o construtor de máquinas CNC líder na América. Fundada em 1983 por Gene Haas, a Haas Automation constrói uma linha completa de centro de maquinação verticais e horizontais, centros basculantes, mesas rotativas, etc. Todos os produtos da Haas são construídos na fábrica de 93.000m2 da empresa, sediada em Oxnard, Califórnia, e distribuídas através de uma rede mundial de Haas Factory Outlets que fornecem à indústria os melhor serviço de venda, serviços e apoio, enquanto oferece uma relação custo/performance sem paralelo. Para mais informação visitar www.HaasCNC.com, , on Facebook at www.Facebook.com/HaasAutomationInc, on Twitter @Haas_Automation and on Instagram @Haas_Automation.

 

Sobre a Haas Factory Outlet - Portugal

A Haas Automation, Inc está representada em Portugal através da Haas Factory Outlet – Portugal. Um empresa situada nos arredores do Porto, perto do Aeroporto Francisco Sá Carneiro. Desta forma, pode aceder aos produtos da Haas Automation e todos os seus serviços. Para mais informação visitar haasportugal.com/ ou facebook.com/haasportugal. 

 

HAAS NO G.P.SINGAPURA

 

A Dinâmica das Corridas Muda em  Singapura

Depois da Corrida Mais Rápida, em Monza,

A Haas F1 Team está Pronta para a Corrida Mais Longa da Temporada

 

) – Depois de competir na corrida mais curta no que diz respeito à duração, uma vez que a 3 de Setembro o Grande Prémio de Itália, disputado em no Autodromo Nazionale di Monza, de 5,793 quilómetros, terminou após uma louca hora e quinze minutos, as equipas vão participar na corrida mais longa do Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1 – o Grande Prémio de Singapura, que terá lugar no Marina Bay Street Circuit, de 5,065 quilómetros, no próximo domingo.

 

Desde que passou a integrar o calendário da Fórmula 1 em 2008, todos os Grandes Prémios de Singapura terminaram a menos de quatro minutos das duas horas de prova, que são o limite máximo da categoria. A corrida de 2015 foi a mais longa de todas, ao ultrapassar as duas horas por um minuto e vinte e dois segundos. No entanto, ninguém se queixa da visita a Singapura. É uma cultura avançada e uma incrível modernização tomou conta da ilha tropical localizada a apenas um grau norte do equador e tornou-a numa plataforma de negócios e turismo, com a visita da Fórmula 1 à única cidade-estado do mundo a combinar as duas vertentes de uma forma gloriosa.

 

Quando Singapura ingressou na Fórmula 1, era mais que um evento num local espantoso. Foi a primeira corrida nocturna da Fórmula 1 e o primeiro circuito citadino da Ásia. O Grande Prémio de Singapura tem vindo a crescer desde então, com os pilotos a anteciparem a sua passagem pelo circuito de vinte e três curvas, apesar da sua natureza desafiante.

 

Poderosos focos iluminam a pista com tal luminosidade que os pilotos dizem que a pista fica mais iluminada que durante o dia, muito embora não existam brilhos. Com todos aqueles focos a cintilar nas formas dos carros enquanto viajam a mais de trezentos e vinte quilómetros por hora pelas rectas com faíscas a emanarem do fundo plano, os adeptos são presenteados com uma festa para os sentidos que só pode ser encontrada no Marina Bay Street Circuit.

 

Para domar a loucura destes vinte e dois carros de Fórmula 1 a gritar em redor desta pista elaborada, os pilotos têm que ter coragem para mantê-los intactos. Os muros que delimitam o Marina Bay Street Circuit não perdoam, mas para um piloto atingir cada grama de potencial da velocidade do seu monolugar, tem que dançar com os muros enquanto navega pelos inúmeros ressaltos da pista.

 

Se isso não for suficiente, Singapura em Setembro é muito quente. Para além disso, é também muito húmido. Por muito que exista a questão estética por detrás da corrida se realizar à noite, as horas nocturnas são mais frescas para pilotos e espectadores. Ainda assim, as temperaturas dentro dos carros chegam aos 60ºC.

 

Apesar da dureza da pista e do difícil ambiente, o Grande Prémio de Singapura é apreciado pelos pilotos. A atmosfera electrizante da cidade e a beleza da Fórmula 1 à noite, durante a qual as chamas dos escapes e os disco em brasa oferecem um espectáculo de cor, que passa despercebido durante as provas diurnas, sobressai, o que é admirado pelos pilotos. É um Mónaco dos tempos modernos.

 

As luzes brilham em Marina Bay e a Haas F1 Team também quer brilhar. A equipa americana vai para a décima quarta ronda de vinte corridas do calendário da Fórmula 1 embrenhada numa incrível batalha com a Toro Rosso e a Renault. Com trinta e cinco pontos conquistados até agora, figura no sétimo lugar do Campeonato de Construtores, estando a Haas F1 Team a apenas cinco pontos da Toro Rosso, detendo um ponto de vantagem sobre a oitava classificada, a Renault.

 

Estas pequenas margens podem mudar drasticamente com um bom resultado nos pontos e os pilotos da Haas F1 Team, Romain Grosjean e Kevin Magnussen, estão atentos a este facto. Grosjean marcou pontos há duas corridas, no Grande Prémio da Bélgica, ao alcançar um sétimo posto, que ajudou a equipa ultrapassar os vinte e nove pontos que somou na sua temporada de estreia, em 2016. Magnussen conquistou pontos pela última vez no Grande Prémio do Azerbaijão, em Junho. Ambos os pilotos estão sedentos em garantir mais pontos nas restantes corridas de 2017.

 

Singapura, a casa de numerosos restaurantes de alta-cozinha que satisfazem até os mais exigentes palatos, pode servir à menos exigente Haas F1 Team um prato de pontos. Pontos são pontos, sejam como forem servidos, e no décimo aniversário do Grande Prémio de Singapura, um resultado entre os dez primeiros tornará os pontos ainda mais especiais. A mesa de Singapura está posta para a Haas F1 Team.

Marina Bay Street Circuit

 

Preímetro: 5,065Km

Voltas: 61

Distância de Corrida: 308,828 km

Transmissão: Sport TV1 – 13h00

 

 

obre a Haas Automation

A Haas Automation, Inc. é o construtor de máquinas CNC líder na América. Fundada em 1983 por Gene Haas, a Haas Automation constrói uma linha completa de centro de maquinação verticais e horizontais, centros basculantes, mesas rotativas, etc. Todos os produtos da Haas são construídos na fábrica de 93.000m2 da empresa, sediada em Oxnard, Califórnia, e distribuídas através de uma rede mundial de Haas Factory Outlets que fornecem à indústria os melhor serviço de venda, serviços e apoio, enquanto oferece uma relação custo/performance sem paralelo. Para mais informação visitar www.HaasCNC.com.

 

Sobre a Haas Factory Outlet - Portugal             

A Haas Automation, Inc está representada em Portugal através da Haas Factory Outlet – Portugal. Um empresa situada nos arredores do Porto, perto do Aeroporto Francisco Sá Carneiro. Desta forma, pode aceder aos produtos da Haas Automation e todos os seus serviços. Para mais informação visitar haasportugal.com/ ou facebook.com/haasportugal.

 

 

Os últimos dois Grandes Prémios foram disputados em circuitos de alta-velocidade, onde as equipas optam por ter nos seus carros níveis de apoio aerodinâmicos reduzidos. Na Bélgica pareceu que funcionou bem para a equipa, mas esse não foi o caso em Itália. Apesar da qualificação no molhado, durante o sábado, o que motivou que os resultados nestas duas pistas de alta-velocidade tenham sido tão diferentes?

“Penso que o resultado não foi assim tão diferente. Em Monza, o ritmo de corrida do Kevin foi muito bom. O Romain arrancou de último, depois tocou em alguém no arranque, o que obrigou a ir às boxes para mudar a asa dianteira, o que acabou com a corrida dele. É muito difícil competir quando começamos tão detrás, mas o Kevin terminou em décimo primeiro. Cinco equipas terminaram à nossa frente. Tínhamos o sexto carro mais rápido. Se um ou dois tivessem abandonado, teríamos ganho mais alguns pontos. Portanto, Monza não foi um fim-de-semana fantástico. Spa foi melhor. O carro demonstrou um nível de performance semelhante em ambas as corridas. No entanto, em Spa, com algumas desistências, talvez tenha sido melhor, e alguns dos nossos oponentes estiveram um pouco pior, o que nos colocou nos pontos. No geral, o desenvolvimento que estamos a realizar na versão de alta-velocidade do carro é muito pequeno e tivemos um resultado decente. Diria que fomos um pouco melhores em Spa que em Monza, mas na verdade não foi muito diferente. Pareceu pior do que foi na realidade.”

 

Agora seguem para um circuito citadino, onde o apoio aerodinâmico é muito mais necessário. O Grande Prémio de Singapura adapta-se melhor ao Haas VF-17 que as pistas de alta-velocidade?

“Não tem a ver apenas com os níveis do apoio aerodinâmico, está também relacionado com a forma como usamos os pneus e que nível de apoio aerodinâmico temos que usar. Como sempre este ano, não podemos olhar só para nós, é preciso também perceber como estão os nossos adversários e se o carro deles funciona no circuito. Temos sempre que perceber onde estamos relativamente aos nossos adversários na luta pelo meio do pelotão.”

 

Para usar os pneus correctamente é preciso encontrar a sua janela de funcionamento. Com a Pirelli a levar os macios, supermacios e ultramacios para Singapura, quais são as suas expectativas?

“Diria que na qualificação, o pneu mais macio será sempre o mais rápido – mesmo se os pilotos não sentem grande diferença. Os pneus mais duros nunca foram os mais rápidos. Na corrida, o mais importante é a distância, o que podemos fazer, e o quão rápido será a quebra de performance e o tempo que se perde. Normalmente, o pneu mais macio do fim-de-semana é sempre o mais rápido. Penso que essa tendência manter-se-á em Singapura.”

 

Singapura é uma das três corridas nocturnas do calendário da Fórmula 1, sendo também a primeira que se disputou durante a noite. Gosta de competir à noite?

“Penso que uma corrida citadina disputada à noite é muito porreiro. Eu gosto. É algo diferente. Singapura é uma cidade fantástica. O mais simpático é que, realizar a corrida à noite, torna o ambiente um pouco mais fresco, dado que durante o dia há muito calor. Se todas as corridas fossem à noite, talvez não gostasse, mas algumas por ano é muito bom.”

 

Com a temporada europeia de Fórmula 1 terminada, o uso dos camiões e da unidade de hospitalidade está também terminado. Ajuda ter o vosso equipamento na pista de forma consistente, é complicado realizar a transição de novo para a corridas intercontinentais?

“É bom termos o nosso equipamento por perto. Sabemos onde vamos e não temos que mudar tudo todos os fins-de-semana, mas por outro lado, faz parte do nosso trabalho trabalhar com o que nos dão. Todas as peças que levamos para as corridas intercontinentais são enviadas de barco em contentores, portanto, é tudo nosso. Apenas está numa construção distinta e precisa ser montada. Os nossos camiões e a unidade de hospitalidade serão revistos e reparados e regressarão na Primavera.”

 

Singapura tornou-se num local de destino para a Fórmula 1. O que é que a torna num evento tão desejável?

“É uma corrida numa grande cidade – numa cidade porreira – e é uma corrida nocturna. Existem alguns elementos porreiros para as pessoas quando lá vão. A noite é interessante, podemos ficar na cidade e caminhar até à pista.”

 

Singapura provocou o aparecimento de mais corridas nocturnas na Fórmula 1, tal como Bristol Motor Speedway fomentou o aparecimento de mais corridas nocturnas na NASCAR. Já esteve em ambas. Como as compara? Há semelhanças?

“Diria que uma corrida nocturna é sempre excitante e penso que, se todas as corridas fossem nocturnas, não seria tão interessante. Tanto nas corridas nocturnas da NASCAR como nas de Fórmula 1, temos um dia inteiro de antecipação. É porreiro.”

 

O horário de Singapura parece ter sido construído de uma forma inteligente. Os treinos-livres e a qualificação são mais ou menos no mesmo horário da corrida, o que permite às equipas reunir dados consistentes. Os adeptos em todo o globo recebem horários de TV consistentes para seguir todas as transmissões, uma vez que os horários são os mesmos que em todas as corridas europeias. Como competidor, stakeholder, pode descrever de que forma isto pode ser benéfico para a Fórmula 1?

“Horários televisivos consistentes são bons, dado que os adeptos sabem quando ligar a televisão. Isso é muito complicado de conseguir numa categoria global, portanto, este horário é bom desse ponto de vista. É também bom para as equipas, porque dormirão durante o dia e trabalharão durante a noite e não terão jet-lag.”

 

Pode descrever a atmosfera gerada por uma corrida nocturna? Existe uma sensação de excitação e antecipação por o Grande Prémio de Singapura ser tão estimulante visualmente?

“A adrenalina é mais elevada quando a atmosfera em redor da pista está mais calma. Os espectadores têm o dia inteiro para se prepararem e ficarem excitados e para nós é calmo.”

 

 

Os últimos dois Grandes Prémios foram disputados em circuitos de alta velocidade, onde as equipas optam por ter nos seus carros níveis de apoio aerodinâmicos reduzidos. Na Bélgica pareceu que funcionou bem para a equipa, mas esse não foi o caso em Itália. Apesar da qualificação no molhado, durante o sábado, o que motivou que os resultados nestas duas pistas de alta-velocidade tenham sido tão diferentes?

“Penso que Monza tem mais a ver com arrasto e a eficiência do pacote de baixo apoio aerodinâmico. Em Spa há mais curvas onde podemos explorar um pouco mais o potencial do carro. Portanto, sim, tivemos mais algumas dificuldades em Itália. O ritmo de sexta-feira parecia ser bom, mas ao longo do Grande Prémio foi um pouco mais complicado e difícil.”

 

Agora seguem para um circuito citadino, onde o apoio aerodinâmico é muito mais necessário. O Grande Prémio de Singapura adapta-se melhor ao Haas VF-17 que as pistas de alta-velocidade?

“Penso que sim. Sempre que competimos com o apoio aerodinâmico máximo, o carro parece funcionar melhor. Temos uma melhor eficiência entre arrasto e apoio aerodinâmico, portanto, é positivo. A chave para nós será encontrar a janela de funcionamento dos pneus. Se a encontrarmos, estaremos bem. Mas como sempre, será difícil.”

 

Singapura é uma das três corridas nocturnas do calendário da Fórmula 1, sendo também a primeira que se disputou durante a noite. Gostas de competir à noite?

“Gosto do Grande Prémio de Singapura. Gosto de competir à noite. É muito divertido. Gera imagens fantásticas e, claramente, Singapura, é uma das corridas mais bonitas para ser disputada à noite. É fantástico. Fornece algo diferente ao calendário. Estou ansioso por perceber o que poderemos fazer.”

 

Dado o Grande Prémio de Singapura se realizar à noite, a sensação de velocidade aumenta?

“Na verdade, é muito mais fácil à noite, uma vez que a luz nunca muda. A luminosidade é sempre a mesma. Mantemos a mesma viseira e pilotamos àquelas velocidades naquelas condições sem problemas.”

 

Podes descrever a atmosfera gerada por uma corrida nocturna? Existe uma sensação de excitação e antecipação por o Grande Prémio de Singapura ser tão estimulante visualmente?

“É muito porreiro. Todos adoram, sobretudo os VIP’s, que depois da corrida vão para festas. É especial, é verdade. É uma corrida pela qual todos esperam. É uma pista complicada e estamos a competir no meio da cidade durante a noite, quando está muito quente e húmido, portanto, existem muitos factores que a tornam excitante.”

 

O layout de Singapura força os pilotos a andarem perto dos muros da pista na maioria da volta. A margem de erro na Fórmula 1 é pequena, mas parece ser ainda mais pequena no Marina Bay Street Circuit.

“Sim. Muitas vezes temos que respirar fundo e esperar pelo melhor, especialmente quando estamos a andar no máximo durante a qualificação, dado que estamos muito perto dos muros.”

 

De que forma geres todos os ressaltos do circuito de Singapura e, existe uma secção específica da pista que tentes evitar?

“Sobretudo entre as curvas três e quatro e na longa recta há muitos ressaltos. Nesses locais queremos mesmo encontrar a trajectória correcta. Quando tentamos ultrapassar nessa zona, temos mesmo que ter a certeza de que temos o carro nas mãos, é muito complicado.”

 

O Marina Bay Street Circuit tem vinte e três curvas, o máximo do calendário de Fórmula 1. Quais são as mais difíceis e porquê?

“Para ser honesto, todas as curvas são complicadas. É difícil escolher uma.”

 

Entre os ressaltos da pista e o calor, o Grande Prémio de Singapura é muito exigente fisicamente?

“Pode ser muito duro. Ao longo da semana nunca vimos o sol e isso rouba-nos alguma energia. Depois temos a humidade, e claro, é sempre uma corrida longa. Normalmente atingimos o limite de duas horas. É muito, muito exigente. Lembro-me que em 2013 perdi quatro quilogramas de água durante a corrida, o que é muito.”

 

Para além da sua exigência física, o Grande Prémio de Singapura é também mentalmente exaustivo, devido à proximidade aos muros, a sua diversidade de curvas e a elevada frequência de Safety-Cars?

“Mentalmente é muito difícil, tão difícil como fisicamente. É claramente uma daquelas corridas em que temos que estar na nossa melhor forma física de toda a temporada.”

 

Apesar das exigências físicas e psicológicas do Grande Prémio de Singapura, os pilotos adoram-no. Porquê?

“Simplesmente porque adoramos desafios. É por isso que estamos na Fórmula 1 e é por isso que pilotamos estes carros e corremos com eles a mais de trezentos quilómetros por hora. Adoramos.”

 

Devido ao calor e à humidade de Singapura, fazes alguma preparação especial para esta corrida e para este fim-de-semana de modo a te manteres hidratado?

“Penso que desde que estejas em boa forma, está tudo bem. Aguento bem o calor, habitualmente. Preparo-me, entro no carro e dou o meu melhor.”

 

Existem oportunidades de ultrapassagem no Marina Bay Street Circuit?

“Sim, na longa recta depois da Curva 4 e depois quando voltamos, depois da ponte, na segunda recta mais longa do circuito, na zona de travagem.”

 

Antes de correres de Fórmula 1 no Marina Bay Circuit, tiveste alguma experiência nesta pista?

“Não.”

 

A tua primeira corrida nocturna foi em Singapura em 2009? O que foi que pensaste da experiência?

“Foi muito porreiro. Os focos de iluminação são perfeitos e nem nos apercebemos que estamos a competir de noite. Não fiz muitas voltas da primeira vez, mas foi uma grande experiência.”

 

Qual é a tua zona preferida do Marina Bay Street Circuit?

“Boa questão. Gosto desde as curvas um a três, o primeiro complexo.”

 

Descreve uma volta ao Marina Bay Street Circuit.

“Vamos na recta da meta a caminho da primeira curva, temos uma travagem forte, é fácil bloquear uma roda. Queremos ir com alguma velocidade. Vamos para o gancho e é complicado acelerar. Depois temos a Curva 4, uma curva de velocidade média, e estamos já na recta mais longa do circuito, que tem uma grande travagem no seu final. Temos uma direita, de vinte graus, seguida de uma esquerda de noventa graus. Então vamos para a esquerda com alguma velocidade na chicane à direita. É muito complicado passar pela ponte. Existe um ressalto, uma travagem complicada no final mesmo antes do gancho à esquerda. Na recta das traseiras é importante ter boa tracção. Depois temos uma grande travagem para a direita de noventa graus.  A zona de travagem seguinte é um pouco complicada, depois temos a chicane – curvas dezoito e dezanove – depois de passarmos o estádio, onde não existe margem de erro. A última sequência – usamos muito do corrector ao longo da Curva 21. Vemos muitos carros a rasparem na parede, na saída. A última curva é a segunda mais rápida da pista. É muito porreira. Saímos com muita velocidade para a recta da meta.”

 

 

 

 

 

 

Os últimos dois Grandes Prémios foram disputados em circuitos de alta velocidade, onde as equipas optam por ter nos seus carros níveis de apoio aerodinâmicos reduzidos. Na Bélgica pareceu que funcionou bem para a equipa, mas esse não foi o caso em Itália. Apesar da qualificação no molhado, durante o sábado, o que motivou que os resultados nestas duas pistas de alta-velocidade tenham sido tão diferentes?

“Penso que errámos um pouco na escolha dos pneus para chuva, em Monza. O carro estava a comportar-se bem com pneus de chuva, mas os intermédios não foi uma escolha acertada, dado que não conseguíamos gerar temperatura. Penso que, com pneus de chuva, seríamos muito mais rápidos. É um pneu novo e estamos sempre a aprender. Lição aprendida.”

 

Agora seguem para um circuito citadino, onde o apoio aerodinâmico é muito mais necessário. O Grande Prémio de Singapura adapta-se melhor ao Haas VF-17 que as pistas de alta-velocidade?

“É difícil dizer. Não tenho muito sucesso a adivinhar a nossa performance. Usualmente, não acerto. Quando lá chegar, logo vejo.”

 

Participaste em dois Grandes Prémios de Singapura e terminaste sempre nos pontos. Existe alguma coisa neste circuito que favorece o teu estilo de pilotagem?

“Na verdade, não sei. Penso que é uma pista porreira, divertida. É difícil ultrapassar, mas ainda assim muito divertida.”

 

Singapura é uma das três corridas nocturnas do calendário da Fórmula 1, sendo também a primeira que se disputou durante a noite. Gostas de competir à noite?

“Diria que sim. Não faz grande diferença. Não notamos muito. É porreiro.”

 

Podes descrever a atmosfera gerada por uma corrida nocturna? Existe uma sensação de excitação e antecipação por o Grande Prémio de Singapura ser tão estimulante visualmente?

“Não é algo em que um piloto pense. É porreiro para a televisão. O carro parece mais brilhante e espectacular.”

 

O layout de Singapura força os pilotos a andarem perto dos muros da pista na maioria da volta. A margem de erro na Fórmula 1 é pequena, mas parece ser ainda mais pequena no Marina Bay Street Circuit.

“Sim, é. Se falhamos uma travagem, ou acelerarmos um pouco mais cedo, temos um muro por perto e, o mais certo, é bater nele. Isso torna as consequências de qualquer erro muito maiores, o que é porreiro.”

 

De que forma geres todos os ressaltos do circuito de Singapura e, existe uma secção específica da pista que tentes evitar?

“Há alguns ressaltos ao longo da pista. Tentamos evitá-los ao máximo. Não é possível evitá-los a todos, uma vez que temos que continuar na trajectória de corrida. É mais fácil bloquear rodas, em alguns locais.”

 

O Marina Bay Street Circuit tem vinte e três curvas, o máximo do calendário de Fórmula 1. Quais são as mais difíceis e porquê?

“A Curva 5. É de alta-velocidade e o muro está muito próximo.”

 

Entre os ressaltos da pista e o calor, o Grande Prémio de Singapura é muito exigente fisicamente?

“É muito duro. Muito quente e húmido. É provavelmente, uma das corridas mais difíceis. Tem a duração de quase duas horas, o limite para a corrida. É uma corrida dura, com muitas curvas – nunca temos descanso. Não tem muitas rectas para podermos relaxar.”

 

Para além da sua exigência física, o Grande Prémio de Singapura é também mentalmente exaustivo, devido à proximidade aos muros, a sua diversidade de curvas e a elevada frequência de Safety-Cars?

“Sim, é, dado que tem uma duração muito grande, portanto, a nossa fadiga afecta a performance mental. É uma corrida dura.”

 

Apesar das exigências físicas e psicológicas do Grande Prémio de Singapura, os pilotos adoram-no. Porquê?

“Penso que se deve ao facto de ser um desafio. É um fim-de-semana diferente de todos os outros que temos no calendário. É único.”

 

Devido ao calor e à humidade de Singapura, fazes alguma preparação especial para esta corrida e para este fim-de-semana de modo a te manteres hidratado?

“Bebemos mais para garantir que nos mantemos hidratados.”

 

Existem oportunidades de ultrapassagem no Marina Bay Street Circuit?

“A Curva 4 e a Curva 7, depois da recta.”

 

A tua primeira corrida nocturna foi em Singapura em 2014?

“Sim, foi a minha primeira vez.”

 

Qual é a tua zona preferida do Marina Bay Street Circuit?

“O segundo sector. É porreiro, sinuoso e divertido.”

 

Descreve uma volta ao Marina Bay Street Circuit.

“Tem ressaltos, é sinuoso e tem muito calor.”

 

 

 

 

Marina Bay Street Circuit

  • Número total de voltas: 61 
  • Distância de corrida: 308,828 quilómetros
  • Velocidade no pit-lane: 60 Km/h
  • Este circuito de 5,065 quilómetros e 23 curvas alberga a Fórmula 1 desde 2008, tendo no ano passado o Grande Prémio de Singapura sido o nono grande prémio da pista.
  • Daniel Ricciardo detém o recorde da volta ao Marina Bay Street Circuit (1m47,187s), assinado em 2016 ao serviço da Red Bull.
  • Nico Rosberg detém o recorde da volta de qualificação no Marina Bay Street Circuit (1m42,584s), assinado em 2016 ao serviço da Mercedes durante a Q3.
  • O Grande Prémio de Singapura, realizado no Marina Bay Street Circuit, estreou em 2008, fazendo história ao ser a primeira corrida de Fórmula 1 nocturna. Hoje, Singapura é uma das três corridas nocturnas constantes no calendário da Fórmula 1, sendo o Bahrein e Abu Dhabi os palcos das restantes. A estreia de Singapura foi um grande sucesso e permanece muito popular entre os pilotos e os adeptos, o que explica o porquê de já não ser a única prova nocturna. Com o famoso horizonte de Singapura como fundo, o Marina Bay Street Circuit promove um dos mais espectacular ambientes da Fórmula 1. Um poderoso sistema de iluminação permite aos pilotos rodarem em pista enquanto os adeptos sentem a velocidade ainda com mais intensidade, com faíscas a emanarem dos carros e com a luz a vibrar nas formas destes. A marina torna Singapura num Mónaco dos tempos modernos e a suas vinte e três curvas tornam este circuito naquele que mais curvas tem.
  • Sabia que: O Grande Prémio de Singapura é a corrida mais longa do ano em termos de duração. Todas as corridas realizadas no Marina Bay Street Circuit terminaram a menos de quatro minutos das duas horas de limite. Duas provas foram encurtadas, não completando as sessenta e uma voltas previstas devido ao limite de duas horas – 2012 (59 voltas) e 2014 (60 voltas). A corrida mais longa realizada no Marina Bay Street Circuit foi a de 2015, que ultrapassou o limite de duas horas em um minuto e vinte e dois segundos. Quando esse limite entra em acção, é mostrada ao líder a bandeirada de xadrez no final da volta que se segue ao fim do período de duas horas de prova.
  • Durante o Grande Prémio de Singapura, a temperatura mínima estará entre os 25ºC e os 26ºC e a máxima entre os 29ºC e 30ºC. A humidade relativa estará entre os 62% e os 92%. O vento variará entre os 0 Km/h e os 18 Km/h, raramente excedendo os 21 Km/h. 

 

  • Pirelli leva para Singapura os seguintes compostos:
    • P Zero Amarelo/Macio pouca aderência, menos desgaste (usado para séries longas de voltas)
    • P Zero Vermelho/Supermacio mais aderência, desgaste médio (usado para pequenas séries de voltas e para o segmento inicial da qualificação)
    • P Zero Roxo/Ultramacio maior quantidade de aderência, elevado nível de desgaste(usado para a qualificação e para situações específicas de corridas)
  • Dois dos três compostos disponíveis têm que ser usados durante a corrida. As equipas podem decidir quando querem utilizar cada uma dos compostos, o que proporciona um elemento de estratégia para a corrida. Cada piloto pode usar todos os três tipos de pneus na corrida, se assim desejar.(Se a corrida for disputada com a pista molhada, os Cinturato Azul, pneu de chuva, e o Cinturato Verde, intermédios, estarão disponíveis).
  • A Pirelli fornece a cada piloto 13 jogos de pneus para seco durante o fim-de-semana. Destes 13 jogos, os pilotos e as suas equipas podem escolher a especificação de dez entre os compostos selecionados pela Pirelli. Os três restantes são definidos pela Pirelli – dois pneus de especificação obrigatória  para a corrida (um de P Zero Amarelo/Macio e outro P Zero Vermelho/Supermacio) e um obrigatória para a Q3 (um P Zero Roxo/Ultramacio).
  • Os pilotos da Haas F1 Team escolheram da seguinte forma:
    • Grosjean: um jogos de P Zero Amarelo/Macio, quatro jogos de P Zero Vermelho/Supermacio e oito jogos de P Zero Roxo/Ultramacio
    • Magnussen: um jogos de P Zero Amarelo/Macio, quatro jogos de P Zero Vermelho/Supermacio e oito jogos de P Zero Roxo/Ultamacio   

 

SEGUNDO A OPINIÃO DO JORNALISTA JOÃO CARLOS COSTA

SEGUNDO A OPINIÃO DO JORNALISTA JOÃO CARLOS COSTA

 

AS REVIRAVOLTAS NO MUNDIAL DE FÓRMULA 1

 

 

  1. Falamos, postamos, comentamos e depois... aprendemos!

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

 

  1. Quatro provas, quatro curvas e  valores. A Pirelli explica porque são fabulosos estes F1 de 2017. 290 em Pouhon e Copse! Sem palavras...

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

 

  1. PIRELLI trabalha para F1/2018.

  2.  

    Objectivo: DIVERSIDADE ESTRATÉGIA COM 3 OPÇÕES
    . Combinação dura 1 PARADA
    . Combinação média 2 PARADA...
    . Combinação macia 3 PARADA

    Desenvolvimento 2018:
    . 6 OU 7 compostos
    . Degrau mais mole em todos os compostos
    . Novas janelas trabalho temp
    . Mais degradação térmica

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1

CAMPEONATO MUNDO DE FÓRMULA  1 - 2017

 

A TECNOLOGIA NA F 1

 

 

 

 

  1. Os apendices aerodinâmicos que receberam a designação de "barbatanas"  devem ficar nos F1 para 2018, ao contrário do que estava previsto. A ideia é ter mais espaço para patrocinadores e aumentar ainda mais o tamanho dos números.

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

 

G.P. SINGAPURA

 

 

 

  1. Eis o novo looking para os capacetes de Hulkenberg, para o Grande Prémio de Fórmula 1 em Singapura

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

 

NOS BASTIDORES

 

  1. A equipa da REnault de Fórmula 1,  quis Ricciardo para 2018 no meio das negociações para deixar de fornecer a Toro Rosso. 

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

 

 

 

 

  1. O Grande Premio de Fórmula 1 em Singapura assinou contrato para mais quatro anos,em que  os monolugares irão percorrer este circuito citadino no Oriente.

 

LUCAS DI GRASSI

 

Roborace anuncia Lucas di Grassi como CEO

Campeão da Fórmula E, brasileiro continua suas atividades como piloto e agora assume novo compromisso no desenvolvimento da primeira categoria de carros autônomos

 

 

A Roborace, primeira plataforma de motorsport autônoma do planeta, anunciou nesta quarta-feira (13) durante o Frankfurt Motor Show seu novo CEO: o brasileiro Lucas di Grassi, campeão da Fórmula E, que assume o compromisso após um ano atuando como conselheiro da categoria. O anúncio acontece exatamente três anos após outro marco na carreira do piloto – a vitória na primeira corrida da história da Fórmula E, em Pequim, em 2014.

Di Grassi, que já competiu na Fórmula 1, no FIA WEC e na Fórmula E, onde é o atual campeão, tem sido peça fundamental na construção e no crescimento da série de carros elétricos durante os últimos quatro anos e espera levar sua experiência em negócios para a competição de carros autônomos.

“Queremos levar a Roborace onde o esporte a motor não pode chegar, direcionando o foco na plataforma de tecnologia autônoma e relevante para o futuro da indústria automotiva”, diz o brasileiro. “O futuro da mobilidade é autônomo – este já é um consenso da indústria atualmente. Da mesma forma, acredito que o esporte a motor serve trata-se do piloto, de quem é o melhor ser humano ao volante. Queremos desenvolver a Roborace para que ela seja um complemento do motorsport tradicional – e não substituí-lo. Convidamos fabricantes, fornecedores, companhias de tecnologia e universidades a usar nossa plataforma  para mostrar suas tecnologias e capacidade intelectual nos sistemas de condução autônoma. Com a tecnologia se desenvolvendo tão rápido nós temos de nos manter flexíveis nos eventos, corridas e nos desafios que estamos promovendo”.

A Roborace é a primeira categoria mundial de carros 100% autônomos – sem a interferência de um piloto; são também movidos a eletricidade. O brasileiro de 33 anos acredita que os veículos autônomos representam o futuro da tecnologia automotiva e tem atuado como consultor ao lado do até então CEO Denis Sverdlov desde a concepção da categoria.

Sverdlov assume agora o papel de consultor para também trabalhar em outros projetos, incluindo o ARRIVAL – empresa de tecnologia automotiva baseada em Oxford, na Inglaterra, e que recentemente anunciou parceria com o correio britânico (Royal Mail) para usar seus trucks elétricos.

“Estamos mais do que felizes com o fato de Lucas ter se juntado a nós oficialmente, e isso mostra que a Roborace continua a crescer. Ele traz uma riqueza de conhecimento de outras competições que ele desenvolveu e evoluiu, e somos privilegiados com o benefício de sua experiência!”, destacou Sverdlov. “Lucas realmente entende a importância do que a Roborace pode alcançar – deixando nossas ruas e estradas mais inteligentes e seguras e compartilhando os benefícios da Inteligência Artificial para trazer avanços em todas as áreas – de assistência ao motorista a prevenção de colisões, tecnologias de segurança até à completa autonomia”.

Sverdlov inventou a Roborace com o objetivo de criar uma plataforma para que equipes e empresas desenvolvam tecnologias autônomas com softwares de Inteligência Artificial em um ambiente de competição, com o foco tanto em mostrar ao público as novas tecnologias e ajudá-lo a se sentir mais confortável quando encontrar a tecnologia pelas ruas e estradas. A categoria irá também ajudar a desenvolver a tecnologia de  maneira mais rápida graças aos ambientes extremos aos quais os carros serão expostos, incluindo os circuitos de rua da Fórmula E.

A parceria da Roborace com a Fórmula E já rendeu algumas demonstrações históricas na última temporada em Marrakesh, Buenos Aires, Berlim, Nova York e Montreal com o ‘DevBot’ – o veículo de desenvolvimento da categoria.

Na próxima temporada, a competição deve usar o ‘Robocar’ desenhado pelo futuruista automotivo de Hollywood Daniel Simon para suas demonstrações e desafios pelo mundo todo.

A Roborace usará a temporada 4 da Fórmula E para desenvolver um formato flexível para a competição que possa ser adaptado a rápidos desenvolvimentos tanto na tecnologia elétrica como autônoma para as indústrias e auxiliar seus parceiros na divulgação de tecnologias relevantes e comerciais para veículos de rua.a411 Copy

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1

 

Equipa Silver Arrows termina a prova na 1ª e 2ª posição no Autodromo Nazionale de Monza

  • Lewis Hamilton conquistou ontem a 59ª vitória da sua carreira, depois de partir da 1ª posição na grelha de partida;
  • Esta foi a 4ª vitória em Monza para Hamilton e a 6ª esta época de Fórmula 1;
  • Valtteri terminou na 2ª posição e pela primeira vez alcançou o pódio em Monza;
  • Este resultado marca a 72ª vitória dos Silvers Arrows na Fórmula 1 e a 3ª vez que a equipa termina na 1ª e 2ª posição esta época.
  • Lewis Hamilton alcançou a liderança no Mundial de Pilotos (238 pontos), com Sebastian Vettel em 2º (235 pontos) e Valtteri (197 pontos) em 3º.
  • A equipa Mercedes-AMG Petronas Motorsport (435 pontos) lidera o Mundial de Construtores com uma diferença de 62 pontos para a Ferrari.a376 Copya377 Copy
 

SEGUNDO A OPINIÃO DO JORNALISTA JOÃO CARLOS COSTA

  1. Dizem que está mais que assinado. E por três anos, até ao final de 2020, quando acabar o actual regulamento de unidades motrizes. Ao que parece com paridade de desenvolvimento com a equipa oficial e a Red Bull.

 

ALEX LYNN NA FÓRMULA E

 

Alex Lynn joins DS Virgin Racing for Formula E

 

It’s hard to find words to tell you how excited I am to be announced as a full-season driver with DS Virgin Racing in the FIA Formula E Championship.

The electric single-seater series has taken motorsport by storm in its first three seasons, and I’d say that it’s probably now second only to Formula 1 in terms of people aspiring to get there.

I’ve been involved in some way in Formula E over the past 12 months now. It’s a series I decided a while ago I wanted to make a beeline for, and to get myself into a full-time role was definitely my goal. I’m really excited that I’ve managed to get that opportunity.

I have initially operated as DS Virgin Racing’s reserve driver during the 2016-17 season. My role has included SIM work, on track testing plus the shakedown in Mexico City before I made my full race debut in New York in July where I managed to secure pole position.

Joining a race-winning team makes this opportunity in Formula E even better. It’s now become one of the biggest championships in motor racing and I will be racing with one of the top teams which for me is a big honour and privilege. Indeed, it was a pleasure to serve my apprenticeship last season with the people at DS Virgin Racing, the quality and professionalism within the organisation is second to none - from Alex Tai at the top to Technical Director Chris Gorne in charge of the engineering team - they’re all very high quality people.

It goes without saying how cool the Formula E calendar is. It starts in Hong Kong with a double-header on December 2/3 and I can’t wait to get to out there and fight for a great result. It’s going to be amazing to discover the cities on the schedule, most of which will be new to me.

There is one unfortunate side-effect of committing to the Formula E Championship. Following my race win in the Sebring 12 hours, I was supposed to be competing at the Petit Le Mans race at Road Atlanta in October again for Wayne Taylor Racing in their Cadillac Prototype. Unfortunately the race now clashes with the recently announced official Formula E test at Valencia, and that has to take priority for me. It was heartbreaking to call up my team-mates Ricky and Jordan Taylor to explain I unfortunately can’t make it. Whilst I personally feel I’ve let them down, in reality it's just unfortunate timing and nobody’s fault. It would have been so nice to help them secure the IMSA SportsCar Championship title which they have every chance of wrapping up at that race. The good news is they’ve managed to sign up a former Indy 500 winner in the form of Ryan Hunter-Reay to replace me: that shows what a top team they are!

Clashes are something I shouldn’t encounter between Formula E and the FIA World Endurance Championship. That’s been my biggest programme of 2017 so far, with G-Drive Racing, and the good thing is that WEC and Formula E try their utmost not to have any calendar clashes, so it’s my plan to continue in both championships. I’ve just had my latest race in the G-Drive ORECA-Gibson in Mexico City, where I finished fourth in the LMP2 class with Roman Rusinov and Pierre Thiriet.

It was a strange race. We qualified fourth and we had a really strong car. I nearly passed everyone into Turn 1 on the outside, but Nicolas Lapierre got his elbows out and there was a bit of a melee! Once I cleared Oliver Jarvis, and later Lapierre, everything was good as I settled into second place and we had some really strong speed. I had some good battles when I was driving and I’m very pleased with my performance. Things didn’t quite go our way when I wasn’t driving, but it was great to be back in the car for the first time since the Le Mans 24 Hours.

I’m excited that we’re now into the flyaway races in the WEC, because it’s a really nice part of the championship. We lost a lot of points at Le Mans so that kind of makes it less stressful for myself, Pierre and Roman now. We just want to go out and win as many races as we can, and it’ll be interesting to see how we do.

 

 

 

Nat-Twiss-NY-ePrix-2017-5288

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

SINGAPORE GRAND PRIX PREVIEW Round 14 of 20 Singapore, 15-17 September 2017

   Following one of the season’s most straightforward onestop races in terms of strategy, at Monza, Formula 1 now heads to one of the most complex tactical races of the year, around the illuminated streets of Singapore. The three softest tyres in the P Zero range – soft, supersoft, and ultrasoft – have once again been brought to Singapore, just as was the case last year, ready for a 61-lap race that normally lasts close to the full two-hour limit, with more than one pit stop. Added to this unusual challenge are the usual considerations of a non-permanent street circuit: variable levels of low grip, street furniture such as manholes and white lines, as well as a high probability of safety cars: 100% so far in the track’s nine-year history.
 
THE THREE NOMINATED COMPOUNDS
  
 
THE CIRCUIT FROM A TYRE POINT OF VIEW
 
 
 With each session starting late and continuing into the night, the pattern of track temperature and track evolution is different compared to usual daytime sessions.  With 23 corners, the tyres have their work cut out; it’s one turn after another.  While it’s the circuit with the most corners of the year, it’s also the second-slowest lap after Monaco: a unique combination.  Even at night, ambient temperatures remain high, leading to some thermal degradation.  The rear left is the most stressed tyre, which will largely dictate the number of pit stops.  Two stops won the race last year, but there were several three-stoppers as well.
 
MARIO ISOLA - HEAD OF CAR RACING “Singapore is always one of the most exciting and unpredictable races of the year, in which pit stop strategy often plays a crucial role in the outcome: also because of the near certainty of a safety car at some point during the arduous two hours. Having said that, pole position has historically had a strong influence on the race win at Marina Bay, so
 
 
 
 
qualifying will be crucial as well. In order to prepare, teams will have to pay particularly close attention to the free practice data as track temperature at night will evolve in quite a different way than it does at a conventional daytime race. Understanding this will be key to getting a good handle on wear and degradation rates, and so implementing an effective tyre strategy”.
 
WHAT’S NEW?     Team have generally favoured the ultrasoft tyre for Singapore, with the soft and supersoft being chosen in more modest quantities.  There are no major modifications to the circuit layout and infrastructure this year.  Pirelli’s 2018 slick tyre prototype test programme continued at Paul Ricard last week, with Lewis Hamilton and Valtteri Bottas driving for Mercedes and fully completing the test schedule.  Pirelli claimed its first overall FIA championship title of 2017 recently, thanks to Simone Faggioli who clinched the European Hillclimb Championship on P Zero tyres.  Pirelli’s star guest at Salon Privé in the United Kingdom was former F1 driver John Watson from Northern Ireland, well-known for his overtaking prowess on street circuits.
 
MARINA BAY STREET CIRCUIT MINIMUM STARTING PRESSURES (SLICKS)
 
 
18.5 psi (front) – 17.0 psi (rear)
 
EOS  CAMBER LIMIT
 
 
-3.75° (front) | -2.00° (rear)

SINGAPORE GRAND PRIX PREVIEW

 

alt


     

 
Mais artigos...

João Raposo

Telemóvel: +351 961 686 867
E-mail: jraposo-air@portugalmail.pt