Velocidade Online

Mundial - Fórmula 1

CAMPEONATO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2018 - A HAAS NO GP DO BRASIL ESTE FIM DE SEMANA

Sexta, 09 Novembro 2018 10:06 | Actualizado em Sábado, 17 Novembro 2018 13:39

Lutadores Até ao Fim

Haas F1 Team Entra na Penúltima Corrida Com a Intenção de Chegar aos Pontos em Interlagos

 

 Num desporto assente na velocidade, faz sentido que a temporada de nove meses pareça voar, dado que depois da sexagésima nona temporada ter início a 25 de Março com o Grande Prémio da Austrália, o Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1 prepara-se para a penúltima ronda da época, com o Grande Prémio do Brasil, que se realiza a 11 de Novembro no Autódromo José Carlos Pace, em Interlagos, nos arredores de São Paulo.

 

A Haas F1 Team chega ao Grande Prémio do Brasil enquanto realiza a sua melhor temporada de sempre. Depois de debutar em 2016, a equipa americana tem vindo a melhorar consistentemente, marcando vinte e nove pontos na sua primeira época e quarenta e sete o ano passado. Com duas corridas por disputar no calendário de vinte e uma rondas, a Haas F1 Team já assegurou oitenta e quatro pontos e está no quinto lugar do Campeonato de Construtores. Está a trinta pontos da Renault, que está em quarto, e tem uma vantagem de vinte e dois sobre a McLaren, a sexta.

 

Depois de duas corridas seguidas em que a Haas F1 Team não marcou pontos, o déficit para a Renault aumentou e a vantagem para a McLaren contraiu. Em nenhum momento durante a temporada de 2018 a Haas F1 Team esteve três provas sem pontuar, tornando o circuito de 4,309 quilómetros e quinze curvas um palco de grande importância para Romain Grosjean e Kevin Magnussen.

 

Ambos os homens já terminaram nos pontos no Brasil, tendo qualquer um deles como melhor resultado um nono lugar. O de Grosjean surgiu em 2015, na sua última temporada com a Lotus. O de Magnussen aconteceu em 2014, quando se estreou na Fórmula 1, com as cores da McLaren.

 

Terminar o Grande Prémio do Brasil nos pontos não é um feito fácil. As três grandes – Mercedes, Scuderia Ferrari e Red Bull – monopolizam habitualmente as primeiras seis posições, deixando apenas quatro lugares para a luta das equipas do meio do pelotão. Esse é o caso em todos os Grandes Prémios, mas Interlagos têm outro nível de intensidade, uma vez que o circuito ondulante da maior cidade do Brasil é um desafio para pilotos e equipas.

 

Realiza-se no sentido contrário ao dos ponteiros do relógio e consiste no miolo, entre as curvas seis e doze, com três longas rectas entre as curvas três e quatro, cinco e seis e da curva catorze até à recta da meta, que termina no “S” de Senna, a curva um, assim baptizada devido ao tricampeão mundial Ayrton Senna, que nasceu em São Paulo.

 

O máximo de apoio aerodinâmico é a configuração preferida na secção sinuosa, mas para poder maximizar as suas potencialidades nas rectas, os carros têm que oferecer o mínimo de resistência aerodinâmica possível. Algum do apoio aerodinâmico será perdido ainda antes dos carros entrarem em pista, dado que São Paulo está a oitocentos metros de altitude.

 

Competir em altitude provou ser um problema para a Haas F1 Team, como se verificou na Cidade do México. O arrefecimento foi um problema, sobretudo no que diz respeito ao motor e aos travões. O ar mais rarefeito significa também que o turbo tem de girar a velocidades superiores para injectar mais oxigénio no motor. Mas o maior efeito é a perda de performance aerodinâmica, com a redução da densidade do ar a diminuir a apoio aerodinâmico e a aderência geral.

 

Mas com as lições tiradas na Cidade do México, juntamente com compostos de pneus mais duros – a Pirelli leva para São Paulo as borrachas P Zero Branco/Médio, amarelo e supermacio – a Haas F1 Team olha para a penúltima corrida da temporada como uma oportunidade para mostrar performances capazes de lhe assegurar pontos.

Autódromo José Carlos Pace

Perímetro: 4,309 km

Voltas: 71

Distância de corrida: 305,909 km

Transmissão: Sport TV5 – 17h10

Sobre a Haas Automation

A Haas Automation, Inc. é o construtor de máquinas CNC líder na América. Fundada em 1983 por Gene Haas, a Haas Automation constrói uma linha completa de centro de maquinação verticais e horizontais, centros basculantes, mesas rotativas, etc. Todos os produtos da Haas são construídos na fábrica de 93.000m2 da empresa, sediada em Oxnard, Califórnia, e distribuídas através de uma rede mundial de Haas Factory Outlets que fornecem à indústria os melhor serviço de venda, serviços e apoio, enquanto oferece uma relação custo/performance sem paralelo. Para mais informação visitar www.HaasCNC.com.

 

Sobre a Haas Factory Outlet - Portugal             

A Haas Automation, Inc está representada em Portugal através da Haas Factory Outlet – Portugal. Um empresa situada nos arredores do Porto, perto do Aeroporto Francisco Sá Carneiro. Desta forma, pode aceder aos produtos da Haas Automation e todos os seus serviços. Para mais informação visitar haasportugal.com/ ou facebook.com/haasportugal.

 

Autódromo José Carlos Pace

  • Número de voltas: 71 
  • Distância de corrida: 305,909 quilómetros
  • Velocidade na via das boxes: 80 Km/h
  • O Autódromo José Carlos Pace albergou a Fórmula 1 pela primeira vez em 1973, primeiro num traçado com 7,960 quilómetros, onde se manteve até 1977. Em 1978 rumou ao Circuito de Jacarépagua, para regressar a Interlagos nos dois anos seguintes. Em 1981 a Fórmula 1 dirigiu-se por nove anos a Jacarépagua. Em 1990 voltou definitivamente a Interlagos, depois de uma reconfiguração massiva que reduziu a extensão do circuito para 4,309 quilómetros e 15 curvas. A edição do ano passado foi o trigésimo sexto Grande Prémio disputado no Autódromo José Carlos Pace.
  • Max Verstappen detém o recorde da volta de corrida ao Autódromo José Carlos Pace (1m11,044s), realizada em 2017 em Red Bull.
  • Valtteri Bottas detém o recorde da volta de qualificação ao Autódromo José Carlos Pace (1m08,322s), realizada em 2017 com a Red Bull na Q3.
  • O Autódromo José Carlos Pace detém uma das voltas mais curtas do ano, mas também uma das mais intensa. O circuito ondulante é um desafio para pilotos e equipa. Realiza-se no sentido contrário ao dos ponteiros do relógio e consiste num miolo sinuoso entre as curvas 6 e 12, com três longas rectas entre as curvas 3 e 4, 5 e 6 e da curva 14 até ao início do “S” de Senna, a Curva 1. Uma configuração máxima de apoio aerodinâmico seria a preferida para a zona estreita e sinuosa, mas para maximizar o carro nas rectas, os carros precisam de ter o mínimo de resistência aerodinâmica possível. Algum do apoio aerodinâmico é perdido ainda antes dos carros irem para a pista, uma vez que o traçado está situado a 800 metros de altitude. Tudo isto coloca ênfase na aderência num circuito com muitos ressaltos. A Pirelli levou para Interlagos os seus P Zero Laranja/Duro, Branco/Médio e Amarelo/Macio, esperando-se que os médios e os macios sejam os mais usados.
  • Sabia que: o nome tradicional do circuito, Interlagos, advém do facto da pista ser construída numa zona situada entre dois lagos artificiais, o Guarapiranga e o Billings, que foram criados no início dos século XX para fornecer água a São Paulo. Em 1985, o circuito foi rebaptizado como Autódromo José Carlos Pace, em honra de Pace, um piloto brasileiro que morreu em 1977 num acidente de avião. A primeira e única vitória de Pace na Fórmula 1 surgiu em Interlagos.
  • Durante o Grande Prémio do Brasil, a temperatura mínima situar-se-á entre os 14ºC e 17ºC e a máxima entre os 20ºC e 27ºC. A humidade relativa estará entre os 55% e os 98%. A velocidade do vento variará entre os 3Km/h e os 21Km/h, raramente excedendo os 29 Km/h.


Facebook
Facebook
Visitas
Visitantes em linha
contador gratuito de visitas Total de visitas
Contacte-nos