Velocidade Online

Mundial - Fórmula 1

CAMPEONATO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2019 - SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

Quinta, 02 Maio 2019 07:44 | Actualizado em Terça, 15 Outubro 2019 08:21

GRANDE PRÉMIO DO AZERBAIJÃO – CORRIDA

 

BOTTAS VENCE COM UMA VITÓRIA BASEADA

NO COMPOSTO MÉDIO



 A Mercedes obteve mais uma dobradinha no Azerbaijão, desta vez com Valtteri Bottas na frente de Lewis Hamilton, a mesma ordem com que iniciaram a prova. Os primeiros quatro classificados optaram por estratégias similares de apenas uma paragem, ao iniciar com o composto macio para mais tarde trocar para médio. O melhor classificado com uma opção alternativa foi o Ferrari de Charles Leclerc, terminando na quinta posição depois de iniciar da oitava posição da grelha com o composto médio para trocar posteriormente pelo macio.

MOMENTOS CHAVE

·       Contra o habitual em Bakú, apenas foi registado uma situação Virtual Safety Car e muito menos incidentes, por isso a corrida não contou com as mudanças dramáticas das estratégias habituais.

·       Muitos pilotos optaram pelo composto macio para em seguida trocar pelo médio, revelando um grande ritmo e durabilidade ao longo da corrida.

·       Registaram-se algumas estratégias alternativas interessantes: O Red Bull de Pierre Gasly foi um dos três pilotos que iniciou do Pit Lane com os pneus médios. Completou 38 voltas com estes pneus e rodava em sexto antes de desistir, situação que despoletou um Virtual Safety Car.

·       Alguns pilotos foram ao pit lane em duas ocasiões: Leclerc realizou uma última paragem final para montar o segundo jogo de macios e somar com isso o ponto de volta mais rápida, tal como Lando Norris na sua cavalgada até ao oitavo posto final.

·       O Alfa Romeo de Kimi Räikkönen foi outro dos pilotos que, apesar de iniciar desde o pit lane, ainda pontuou. O seu décimo posto final foi baseado numa estratégia Macio-Médio, completando 44 voltas no composto mai8s duro.

DESEMPENHO DOS PNEUS

·       DURO C2: Não foi utilizado ao longo do fim de semana, consequência dos níveis de desgaste e degradação demasiado baixos, o que fez médio e do  macio as melhores opções para Bakú. Nem sequer foi muito utilizado durante as sessões livres, assim as equipes não acumularam demasiados dados sobre o mesmo.

·       MÉDIO C3: Utilizado durante a maior parte do Grande Prémio, revelou um bom equilibrio entre as prestações e durabilidade, o que fez dele a eleição mais adequada. Foi o protagonista dos turnos mais longos, confirmando uma consistência impressionante.

·       MACIO C4: A opção de Charles Leclerc no final do Grande Prémio para estabelecer a Volta mais rápida. Muitos pilotos iniciaram com este composto, embora optassem pela durabilidade do médio para o turno mais longo da corrida. Ao estar fora da Q3, o Monegasco contou com alguns jogos extra do composto marcado a vermelho, e foi capaz de montar um jogo para obter o ponto extra da volta mais rápida, atingindo este objetivo e, aliás, um novo recorde de volta no circuito.


MARIO ISOLA, RESPONSÁVEL DE F1 E CAR RACING

“O caminho para este Grande Prémio não foi fácil para as equipas, depois de uma primeira sessão de treinos livres cancelada, duas bandeiras vermelhas na segunda e uma sessão de qualificação interrompida em condições meteorológicas de tempo frio. Estas circunstâncias dificultaram a leitura do comportamento dos pneus, aos quais foram acrescentadas temperaturas de asfalto mais quentes em comparação com as edições anteriores. Ficou claro que a janela de opções seria ampla e que algumas estratégias alternativas seriam registadas, tal como demonstrou Charles Leclerc, ao somar o ponto da volta mais rápida. Com isto, ficou comprovado o impacto desta nova regra de 2019, que o monegasco explorou bem. Ao mesmo tempo, a liderança do campeonato ficou mais curta e renhida, com apenas um ponto de margem entre o primeiro e o segundo classificado.”


MELHOR TEMPO POR COMPOSTO



TURNO MAIS LONGO DA CORRIDA POR COMPOSTO




Facebook
Facebook
Visitas
Visitantes em linha
contador gratuito de visitas Total de visitas
Contacte-nos