Velocidade Online

Mundial - Fórmula 1

CAMPEONATO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2018 - A HAAS NO GP DO MONACO

Sábado, 26 Maio 2018 22:42 | Actualizado em Terça, 17 Julho 2018 03:52

Haas F1 Team, Uma Boa Aposta Para o Mónaco

A Equipa Americana Regressa ao Palco do seu Primeiro Resultado de Duplos Pontos

 

O Grande Prémio do Mónaco de 2017 provou ser um marco histórico para a Haas F1 Team, uma vez que os seus pilotos, Romain Grosjean e Kevin Magnussen, terminaram em oitavo e décimo, respectivamente, a septuagésima quinta edição da icónica corrida. Marcou o primeiro resultado nos pontos com ambos os carros da Haas F1 Team e mostrou o crescimento da equipa desde a sua estreia, no Grande Prémio da Austrália de 2016.

 

A Haas F1 Team não parou de crescer. De facto, no seu terceiro ano está em plena evolução, com a velocidade evidenciada nos testes de pré-temporada no Circuit de Barcelona – Catalunya, performance que foi carregada para as primeiras cinco corridas da temporada de 2018 do Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1.

 

Três resultados nos pontos foram já conquistados pela Haas F1 Team, mas existe alguma dor, uma vez que a equipa americana deveria ter registado pontos em cinco das cinco corridas. Apesar das oportunidades perdidas, a Haas F1 Team está actualmente no sexto lugar do Campeonato de Construtores com dezanove pontos, a vinte e um pontos da McLaren, a quinta classificada, e um à frente da Force India, a sétima.

 

Mesmo no traçado sinuoso do Mónaco, onde a falta de ultrapassagens é uma evidencia, a Haas F1 Team olha para o circuito de 3,337 quilómetros e dezanove curvas como uma oportunidade. O seu pior resultado no Mónaco foi um décimo terceiro lugar e o seu resultado médio é o décimo, e entre o resultado de pontos duplos do ano passado e a velocidade evidenciada este ano, a Haas F1 Team está pronta para a prova da Riviera Francesa.

 

Em oposição ao glamour do Mónaco está o traçado do Circuit de Monaco, mantendo-se quase inalterado desde a sua estreia. A primeira corrida foi realizada em 1929, quando Anthony Noghes, filho de um abastado barão dos cigarros, propôs a realização de uma corrida ao longo das ruas de Monte Carlo. A 14 de Abril, o primeiro Grande Prémio do Mónaco foi efectuado, vencido pelo Bugatti conduzido por Williams Grover-Williams. Na edição deste ano, a septuagésima quinta do Grande Prémio do Mónaco, o mesmo layout que Noghes desenhou será o desafio dos pilotos de Fórmula 1.

 

Desafio é a palavra-chave, dado que não há traçado mais desafiante que o Mónaco. A corrida de setenta e oito voltas ao circuito de 3,337 quilómetros e dezanove curvas detém inúmeras elevações e as curvas mais apertadas da temporada de vinte e uma corridas. Pode também orgulhar-se de ser a única pista de Fórmula 1 com um túnel, que obriga os pilotos a ajustarem os seus olhos da luminosidade do sol às sombras em todas as voltas.

 

O Mónaco é o circuito mais curto da Fórmula 1 e a casa da curva mais lenta da categoria – o gancho da Curva 6 – que os pilotos descrevem a cerda 50Km/h com a direcção no máximo. Por isso, o tricampeão mundial Nelson Piquet afirmou que competir no Mónaco era “como andar de bicicleta na sala de estar”. Apesar de ser o circuito mais curto, Mónaco é a corrida mais longa da Fórmula 1 no que diz respeito à duração e, se for afligida por mau tempo, alcançará o limite de duas horas. Como resultado, o brilho e o glamour do Mónaco justapõe-se ao bom senso necessário para circular num circuito citadino que tem quase noventa anos e tem ao seu redor rails ameaçadores.

 

Os pilotos da Haas F1 Team, Romain Grosjean e Kevin Magnussen, no seu conjunto, participaram em nove Grandes Prémios do Mónaco – seis através de Grosjean e três de Magnussen. O melhor resultado de Grosjean foi o oitavo em 2014 e o de Magnussen foi o décimo, também em 2014 e em 2017.

 

Magnussen chega ao Mónaco em alta. Marcou tantos resultados entre os seis primeiros nas quatro corridas (duas) como anteriormente em toda a sua carreira de Fórmula 1. O seu resultado mais recente foi o melhor dos outros, o sexto lugar, no Grande Prémio de Espanha, quando apenas os pilotos das Três Grandes, Mercedes, Scuderia Ferrari e Red Bull ficaram à sua frente.

 

Grosjean, por seu lado, está frente a um baralho de carta. Vai cumprir uma penalização de três lugares na grelha de partida no Grande do Mónaco, devido a um acidente na corrida anterior, em Barcelona. Mas com dez pódios no seu nome, provou a sua habilidade para lutar por posições e alcançar resultados, mesmo num circuito citadino de noventa anos delimitado por rails.

 

Um bom resultado no domingo começa com uma boa qualificação no sábado. Espera-se que o mais novo topo de pneus da Pirelli – o hipermacio – tenha um papel central. Este é o pneu mais macio e, consequentemente, o mais rápido que a Pirelli alguma vez fez e realizará a sua estreia em corrida no Mónaco. Os hipermacios são apropriados para todos os circuitos pouco exigentes ao nível da aderência mecânica, mas como troca para esta velocidade extra e aderência é uma vida mais curta.

 

As equipas testaram extensivamente este composto, mais recentemente em Barcelona nos dias 15 e 16 de Maio, e tiraram boas conclusões. Não é de estranhar que as equipas escolheram um elevado de número de jogos hipermacios. Grosjean e Magnussen não são excepção, cada um deles optando por nove jogos hipermacios para usar nos treinos-livres, qualificação e corrida.

 

Com o seus carros equipados com hipermacios numa zona conhecida pela híper-exuberância, a Haas F1 Team está pronta. Não apostem contra ela.

Circuit de Monaco

 

Perímetro: 3,337 km

Voltas: 78

Distância de corrida: 260,286 km

Transmissão televisiva:

Sport TV5 – 14h10

 

 

Sobre a Haas Automation, Inc

A Haas Automation, Inc. é o construtor de máquinas CNC líder na América. Fundada em 1983 por Gene Haas, a Haas Automation constrói uma linha completa de centro de maquinação verticais e horizontais, centros basculantes, mesas rotativas, etc. Todos os produtos da Haas são construídos na fábrica de 93.000m2 da empresa, sediada em Oxnard, Califórnia, e distribuídas através de uma rede mundial de Haas Factory Outlets que fornecem à indústria os melhor serviço de venda, serviços e apoio, enquanto oferece uma relação custo/performance sem paralelo. Para mais informação visitar www.HaasCNC.com, , on Facebook at www.Facebook.com/HaasAutomationInc, on Twitter @Haas_Automation and on Instagram @Haas_Automation.

 

Sobre a Haas Factory Outlet - Portugal

A Haas Automation, Inc está representada em Portugal através da Haas Factory Outlet – Portugal. Um empresa situada nos arredores do Porto, perto do Aeroporto Francisco Sá Carneiro. Desta forma, pode aceder aos produtos da Haas Automation e todos os seus serviços. Para mais informação visitar haasportugal.com/ ou facebook.com/haasportugal.

 

 

 

Circuit de Monaco

  • Número de voltas: 78
  • Distância de corrida: 260,286 quilómetros
  • Velocidade na via das boxes: 60 Km/h
  • Este circuito de 3,337 quilómetros e 19 curvas alberga a Fórmula 1 desde 1950 e 2017 marca a 75º edição do Grande Prémio do Mónaco.
  • Sérgio Pérez detém o recorde da volta no Mónaco (1m14,820s), realizada o ano passado com a Force India.
  • Kimi Raikkonen detém o recorde da volta de qualificação no Mónaco (1m12,178s), realizada em 2017 com a Ferrari.
  • Não existe pista mais desafiante na Fórmula 1 que o Mónaco, ostentando muitas elevações e a curva mais lenta do calendário – o gancho da curva 6 – que os pilotos descrevem a baixíssima velocidade, 50 Km/h, enquanto têm a direcção no máximo. Apesar de ser a pista mais curta da temporada, a prova do Mónaco é a mais longa no que diz respeito a duração, e se for afligida pela chuva, certamente que atingirá o limite de duas horas. O Mónaco tem também o único túnel da Fórmula 1, o que obriga os pilotos a ajustar os seus olhos do brilho do sol para as sombras todas as voltas.
  • Sabia que: Antes de 1969 não existiam barreiras de protecção no circuito do Mónaco. As condições do circuito eram, basicamente, idênticas às dos restantes dias, durante o seu uso civil, excpetuando os carros estacionados nas bermas das ruas. Se um piloto saísse de pista, embateria no que estivesse por perto – edifícios, postes de iluminação, janelas, etc. No caso de Alberto Ascari e Paul Hawkins, terminaram na água. Dado que a pista não tinha barreiras, ambos terminaram na marina mediterrânica. Em 1970 e 1971, os rails foram sendo colocados em pontos específicos e em 1972 quase todo o circuito era rodeado deles.
  • Durante o Grande Prémio do Mónaco, a temperatura mínima variará entre os 15ºC-16ºC e a máxima entre os 18ºC-19ºC. A velocidade do vento estará entre os 3 Km/h – 23 Km/h, raramente excedendo os 40 Km/h.

 

  • Grosjean: um jogo de P Zero Vermelho/Supermacio, três jogos de P Zero Roxo/Ultramacio e nove jogos de P Zero Rosa/Hipermacio
  • Magnussen: dois jogo de P Zero Vermelho/Supermacio, dois jogos de P Zero Roxo/Ultramacio e nove jogos de P Zero Rosa/Hipermacio


Facebook
Facebook
Visitas
Visitantes em linha
contador gratuito de visitas Total de visitas
Contacte-nos