Velocidade Online

Mundial - Ralis

CAMPEONATO MUNDO DE RALIS - RALI DE PORTUGAL - SEGUNDO A OPINIÃO DE JOÃO CARLOS COSTA

Terça, 28 Maio 2019 09:27 | Actualizado em Sábado, 12 Outubro 2019 01:26

PORQUE é semana de Rali de Portugal... e porque tenho muitas, mesmo muitas saudades de fazer directos dos finais dos troços para a rádio.

Vinte e dois anos. O meu último Rali de Portugal para a rádio. Era aquele tempo em que se fazia o final dos troços em directo. Em que as emissoras lutavam para ser a primeira a dar tempos e incidências.
Por esses anos (1997) já havia telemóveis. Não era mais necessária a montagem de linhas especiais, com telefones de campanha, junto do “stop" dos finais das classificativas. Essa maneira de cobrir o Rali de Portugal continuava a ser uma tradição, ainda que os tempos chegassem ao secretário no imediato. Até já havia parciais dos troços. Contudo, o público estava habituado aos momentos de emoção, quando nós, os portadores de notícias frescas, lançávamos nas ondas do éter a magia de um tempo e o comparávamos com os anteriores. Quando fazíamos contas rápidas para ditar quem liderava, quem perdia ou ganhava posições. Quando anunciávamos problemas ou criávamos a expectativa do que se podia passar nos troços seguintes, que não seriamos nós a relatar.
Passávamos dias a comer pó, na verdadeira acepção da palavra. E adorávamos! Nas ligações, fazíamos um rali dentro do rali para conseguirmos cumprir o programa de pelo menos três, mas muitas vezes quatro, finais de troços por etapa (eram 31 nesse ano de regresso ao campeonato principal). Arriscava-se, às vezes para além do aceitável, mas era um gozo imenso, apesar do cansaço.
Feito este preâmbulo (longo), vamos à história. Uma das minhas coroas de glória. O final da 1ª etapa, com 13 especiais, correspondia à primeira passagem pelos troços da zona de Fafe (ou quase): St. Quitéria, Fafe-Lameirinha e Luílhas. Tinha-me calhado o final do primeiro. Joaquim Capelo (actual director da FPAK), que estava sem piloto para navegar, foi o meu motorista nesse ano. Chegar a tempo ao final dos troços não era problema, até porque ele conhecia os caminhos todos, os “normais” e os “outros”. Assentámos arraiais cedo naquela curta recta com campo lavrado do lado esquerdo e muro do lado do oposto. Gronholm, Sainz e McRae tinham deixado o rali prematuramente. Liderava Makinen, com o Mitsubishi, seguido de Eriksson (Subaru) e Loix (Toyota). Em St. Quitéria, serio o sueco a fazer o melhor tempo, empatado com Loix. Lembro-me de anunciar que passava para o comando da prova com 2s de vantagem para o campeão do mundo. Minutos depois chegavam Rui Madeira  com o Impreza nº 8. Deixei o “Quim” ir falar com o Nuno e, sozinho, abri a porta do piloto. Alguém gritou que fizera o 3º tempo, a 1s apenas. Estava em directo mas, por segundos, ficámos, eu e o Rui, a olhar um para o outro. E o olhar do almadense dizia tudo. Era hora de atacar. Desviei o olhar e concentrei-me nos Pirelli. Estavam quase perfeitos, ao contrário dos carros que tinham passado antes. Pouco ou nada tinham sofrido naqueles 9km do início da ronda final do dia. Acho que o deixei incrédulo quando, live, lhe perguntei: vais ganhar um dos dois troços de hoje, não vais? Com uma voz “curta” respondeu: “não vai ser fácil”.
Nunca saberei se pensava mesmo que era possível. Mas a saúde do Impreza e mais ainda dos pneus Pirelli, deram-me asas (sem Red Bull) para anunciar aos ouvintes: “Rui Madeira e Nuno Rodrigues da Silva vão ainda hoje dar-nos uma grande alegria”, explicando porquê: “têm tudo para ser de novo Top 3 na Lameirinha e se continuarem a poupar os Pirelli, ganhar depois em Luílhas, onde os pneus podem fazer a diferença”.
Acabei a transmissão e nem um minuto depois tocou o telemóvel. Era o Pedro Castelo, que coordenava a emissão. “Tu és louco? Dizes uma coisa daquelas no ar? As pessoas vão ficar com enorme expectativa, sobretudo quem está nos troços”. Com calma, retorqui: “Pedro… vais ver!”.
Na ida para o carro contei ao Quim Capelo. A resposta foi a mesma. “Estás louco; isso é quase impossível, lembra-te que o carro dele não é da última evolução”. Pouco depois foi a vez da dupla Barbosa da Gama/Antonio Jose Araujo Mocho ligar do final de Luílhas, meio “zangados”, porque podia deixá-los em “maus lençóis”.
A verdade é que a história teve um "happy-end". No lusco-fusco do final do dia, o Rui e o Nuno fizeram o segundo tempo na Lameirinha, a seis segundos de Eriksson, mas batendo Makinen por 1s. E em Luílhas arrecadaram o triunfo que tinha previsto. Nos 10,5 km bem complicados, “aviaram” dois segundos ao sueco e sete ao finlandês. Ainda hoje, considero esses três troços a maior performance de Rui Madeira ao volante de um carro de ralis. Se calhar ele discorda...
Nunca mais vou esquecer o “gozo” que tive ao ouvir Barbosa da Gama anunciar o resultado no directo, relembrando a minha previsão, feita cerca de uma hora antes.
No final da etapa, ao jantar, lembro-me de António Mocho me ter dito - “porra, tu és mágico ou quê?!”.
Acreditem que não foi premunição. Foi apenas resultado de uma franca troca de olhares. E a análise correcta de uma situação.
Que saudades tenho de fazer directos de finais de troços no Rali de Portugal.


Facebook
Facebook
Visitas
Visitantes em linha
contador gratuito de visitas Total de visitas
Contacte-nos