Velocidade Online

Moto - Todo o Terreno

MOTOS - VOLTA AO MUNDO COM FRANCISCO SANDE E CASTRO - BOLIVIA

Sábado, 09 Dezembro 2017 17:02 | Actualizado em Quarta, 16 Outubro 2019 19:37

Cheguei a La Paz pelas duas da tarde. Tinha marcado um Hotel perto do centro  essa manhã pela internet para não andar perdido pela cidade. Tenho usado o GPS do telemóvel da Google para me guiar nas cidades, desde que perdi o que tinha na moto, antes de chegar à Australia.  Este sistema de agora tem feito o serviço mas há estradas secundárias que a própria Google não tem digitalizadas ou outras onde, talvez por terem sido modificadas recentemente, o Google se perde. Foi o que aconteceu agora e às tantas estava no meio de uma favela de La Paz, sem saber para que lado me virar e só pensava nos dois italianos que no início do ano seguiram o GPS das suas BMW para o interior de uma favela no Rio de Janeiro e foram alvejados, um deles acabando morto.

Felizmente dei rapidamente com o caminho certo e nunca me senti verdadeiramente em perigo.
Cheguei ao Hotel pelas três da tarde. Deixei a moto guardada numa loja que tinham com porta para a rua e não estava em funcionamento e aproveitei para ir visitar o centro da cidade a pé.
Passei por uma manifestação, em frente ao tribunal, que praticamente bloqueava duas ruas, tal era o aglomerado de gente.
- De que se queixam?, perguntei a uma senhora.
- Queremos que se faça justiça e soltem quem foi ontem aqui preso injustamente.
Na espécie de pequeno restaurante onde almocei onde apenas faziam uns fritos com queijo dentro e outros com mel acompanhados por uma bebida quente que já cá tinha provado e à vista parece sangue espesso, eram de opinião diferente dos manifestantes
- O que estavam à espera estes estudantes? Atacaram a polícia.
- Com paus e pedras? Perguntei.
- Não, com dinamite, que aqui não se faz a coisa por menos.
E pouco depois ouviam-se pequenas explosões do que pareciam ser foguetes atirados contra o tribunal.
Fui ainda até á praça principal e visitei o museu de arte que é bastante fraco quando comparado com os que tenho visto mundo fora.
La Paz é do género de Lisboa, com acentuadas subidas e descidas por toda a cidade. Assim, quando voltava ao Hotel, depois de uma caminhada de mais de uma hora por aqueles declives, sentei-me a descansar num degrau de uma porta, após ter enfrentado uma íngreme subida agravada por estarmos a 3600 metros de altitude e os pulmões terem dificuldade em serem oxigenados.
Qual é o meu espanto quando se vem sentar um homem ao meu lado que era nem mais nem menos que o Indiano que viajava de moto com a Iraniana. Fartámo-nos de rir. Que maior coincidência pode acontecer numa cidade de mais de dois milhões de habitantes?
Ficámos um pouco á conversa e despedimo-nos com a certeza de que nos voltaríamos a encontrar durante esta viagem, embora ele supostamente ficasse mais quatro dias em La Paz e fosse rumo ao Sul pela Argentina enquanto eu iria pelo Chile.



Facebook
Facebook
Visitas
Visitantes em linha
contador gratuito de visitas Total de visitas
Contacte-nos