Velocidade Online

Moto - Diversos

MOTOS - VOLTA AO MUNDO COM FRANCISCO SANDE E CASTRO - ARGENTINA

Domingo, 07 Janeiro 2018 20:09 | Actualizado em Domingo, 20 Outubro 2019 13:06

Na manhã em que parti de Argerich o Adalberto disse que me acompanharia na sua moto durante meia dúzia de quilómetros mas pediu-me para antes passarmos na Igreja da aldeia. No dia que passámos juntos não falámos em religião e ele não tinha ideia que eu era ateu mas pediu-me, por favor, para que o acompanhasse à pequena igreja. Lá chegados, benzeu-se e mostrou-me primeiro, com orgulho, a estátua de cristo por cima do altar que referiu ser “talhada numa só peça de madeira”. De seguida disse-me:

- Francisco, eu não sei se és crente ou não mas eu sou e pedi que viesses aqui porque quero pedir a Deus que te acompanhe e te proteja nesta tua viagem. E assim fez a sua oração.

Este Adalberto é um tipo encantador, típico das pessoas que vivem fora das grandes cidades e um enorme contraste com o género de pessoas que vim a encontrar em Buenos Aires e arredores.

Ele perdeu a mãe quando tinha quatro anos e o irmão dois. Lembra-se muito pouco dela mas, embora não tenha estudado, pois o pai era alcoólico e eles viveram com uma tia, declinou um poema lindo que há vinte anos escreveu dedicado à mãe. Começou a trabalhar com 14 anos como aprendiz de mecânico e aos 24 tinha uma oficina com onze pessoas a trabalharem para ele. Trabalhou muito toda a vida, como ele refere e se lê na sua cara. Mais tarde cansou-se da mecânica e dedicou-se à agricultura e ao gado, adquirindo aos poucos uma enorme propriedade onde tem as suas 700 vacas.


Buenos Aires e arredores tem mais de 12 milhões de habitantes, quase metade da população argentina. É uma cidade fantástica, moderna e com imensa vida mas a sua população é quase toda composta por descendentes de europeus, ao contrário do que acontece nas outras capitais da América Latina onde vemos muitos mestiços. Aqui, não só os espanhóis dizimaram a população indígena como os ingleses chegaram a invadir a zona, mantendo ainda hoje as famosas ilhas Malvinas em seu poder enquanto, mais tarde, também Napoleão conquistou esta parte da Argentina. O resultado é um povo pouco humilde de personalidade e que têm mais parecenças, físicas e de mentalidade, com ingleses ou franceses que com latinos, até pela quantidade de loiras, mesmo sendo muitas falsas, que vemos nas ruas. A maioria, tal como os franceses, parecem ser pessoas mal resolvidas com a vida, antipáticas no primeiro contacto, a acharem-se superiores aos povos vizinhos e fascinados com os europeus que consideram ser o grupo de que fazem parte, mesmo se odeiam os ingleses por causa do conflito com as ilhas.

Um bom exemplo da sua atitude arrogante foi quando cheguei já tarde para embarcar com a moto no ferry que me levou ao Uruguai.

A mulher que estava à porta quando eu cheguei, sem dizer nada, abanou a cabeça como quem diz: o que é que quer?

Eu, para a provocar, não respondi e abanei também a cabeça. Voltámos a trocar abanões de cabeça até que ela me disse:

- O que é?

- Vou embarcar

- A esta hora?

- Sim, a esta hora.

- Não sei se pode

- Posso (estava tranquilo porque já me tinham vendido o bilhete)

- Não sabe que tem que chegar uma hora antes?

- Sim, mas atrasei-me.

- O seu passaporte e os documentos da moto.

E lá ficou a olhar para os dois a ver se encontrava alguma boa razão  para me impedir de embarcar. Inaturável. Fez-me lembrar uma cena que tive há uns anos com uma guarda fronteiriça Suiça ou as que tenho mais vezes com as miúdas que trabalham nas áreas de serviço das auto estradas francesas, em que já lhes tenho perguntado, qual psicólogo, se têm algum problema grave na vida que queiram contar.

É abismal a diferença entre os povos simples, simpáticos e de bem com a vida que encontramos no resto da América do Sul e estes da região de Buenos Aires e até um pouco de Santiago do Chile.


Facebook
Facebook
Visitas
Visitantes em linha
contador gratuito de visitas Total de visitas
Contacte-nos