Velocidade Online

Comércio e Industria - Novidades

COMÉRCIO & INDUSTRIA - BRANCO É A CÔR PREFERIDA

Segunda, 09 Setembro 2019 12:12 | Actualizado em Sábado, 21 Setembro 2019 04:47

Carros autónomos preferem as cores brancas

A cor do corpo do veículo pode afetar drasticamente o desempenho dos mesmos.
Os carros autónomos serão um dos grandes desafios para a indústria automóvel. E as oficinas também serão afetadas por essa realidade. Terão de enfrentar as mudanças na indústria para assegurar as suas taxas de desempenho e rentabilidade.

No entanto, não são apenas os fabricantes de automóveis e as oficinas de reparação de automóveis que precisam de se adaptar às enormes mudanças que afetam o desenvolvimento de carros autónomos. Para além das mudanças de regulamentação que devem ser realizadas pelos governos para a implementação, os fabricantes de peças e os fabricantes de revestimentos automóveis precisam desempenhar o seu papel para responder aos requisitos que a nova tecnologia vai trazer.

O aumento da condução autónoma vai afetar inclusive as cores dos veículos que ainda estão para chegar. Os veículos autónomos funcionam graças ao uso de um grande número de sensores conectados em tempo real entre eles, com pessoas, infraestruturas e todo tipo de dispositivos. A chegada do 5G, o desenvolvimento de cidades inteligentes e a Internet das Coisas (IoT) também desempenhará um papel importante no desenvolvimento desta condução.

O funcionamento adequado de carros sem condutor depende de um grande número de fatores, mas à medida que o seu desenvolvimento avançou, os engenheiros notaram algo realmente importante: a cor do corpo do veículo pode afetar drasticamente o desempenho dos mesmos.
O motivo é simples. Carros autónomos são suportados por múltiplos sensores e unidades de processamento de informações que ajudam a interpretar o ambiente ao seu redor, ajudando-os a mexer-se na direção e na velocidade certas. Graças a eles, esses veículos são capazes de detectar se o carro em frente está a acelerar ou desacelerar, ou se está a mudar de faixa. É uma questão de segurança e precisão.

Por isso, enganar esses sensores e colocar em risco os passageiros de um veículo autónomo poderia ser mais simples do que poderíamos imaginar à primeira vista. De fato, muitos dos veículos em uso em todo o mundo são, aos olhos do veículo autónomo, obstáculos complexos para detectar e monitorar. E o motivo não é outro senão o seu revestimento.

Durante os testes, os engenheiros perceberam que as cores altamente reflexivas são mais fáceis de detectar pelos sistemas LiDAR, os dispositivos que permitem que os veículos autónomos determinem a distância de um emissor a um objeto ou superfície, ao usar um feixe de laser pulsado. O Lidar funciona como um radar, mas em vez de enviar ondas de rádio ele emite pulsos de luz infravermelha e mede quanto tempo eles demoram a voltar depois de embater nos objetos próximos.


Facebook
Facebook
Visitas
Visitantes em linha
contador gratuito de visitas Total de visitas
Contacte-nos