Velocidade Online

Comércio e Industria - Novidades

COMÉRCIO & INDUSTRIA - GUERRA COMERCIAL ESTADOS UNIDOS - CHINA

Sexta, 28 Junho 2019 08:58 | Actualizado em Sábado, 12 Outubro 2019 08:22

Guerra Comercial: os EUA em todas as frentes

A administração Trump parece determinada a continuar, a todo custo, a guerra comercial contra os principais parceiros comerciais dos Estados Unidos.
Mais de um ano depois do início das hostilidades, aqui estão as principais frentes abertas pelo presidente republicano.
 
China

Negociações com Pequim estão num impasse. Os dois lados, que estavam prestes a assinar um acordo no início de maio, suspenderam as negociações formais, com Donald Trump e os seus negociadores a acusar a China de não honrar os compromissos assumidos no acordo.

As tréguas, em vigor desde o início de dezembro, chegaram ao fim a 10 de maio, quando o governo dos EUA subiu as taxas entre 10 e 25 por cento sobre 200 mil milhões de produtos chineses. 50 mil milhões de mercadorias já estavam sobrecarregados nessa altura.

Pequim, por sua vez, aumentou as tarifas a de junho sobre 60 mil milhões de bens dos Estados Unidos.
 
União Europeia

A trégua continua, mas Donald Trump ainda ameaça com tarifas adicionais sobre as importações dos países membros da UE.

A 17 de maio, o presidente republicano concedeu a Bruxelas (e ao Japão) até seis meses para negociar um acordo comercial para o setor automóvel, ou iria impor direitos alfandegários adicionais.

Do lado europeu, os países membros estão a lutar para se colocarem em ordem de batalha, sendo que a França opõe-se às negociações com os Estados Unidos. A comissária do comércio da UE, Cecilia Malmström, recebeu um mandato para negociar. Mas a 22 de maio, pediu mais tempo para abrir formalmente as negociações.

O principal ponto de discordância é o facto de Washington querer incluir a agricultura nas negociações, ao que Bruxelas e a França se recusam.

Segunda-feira, Donald Trump deixou entender que tinha no visor vinho francês, que possui tarifas mais favoráveis do que o vinho americano.
 
Canadá e México

Com Ottawa e México, a situação continua confusa desde que Donald Trump ligou o arquivo comercial ao problema da imigração ilegal com a Cidade do México.

Nas últimas semanas, os três países iniciaram o processo de ratificação do novo acordo de livre comércio, denominado Acordo Estados Unidos-México-Canadá (SCMTA), assinado a 30 de outubro.

Mas a 30 de maio, o presidente causou problemas ao ameaçar impor tarifas sobre todas as importações do México se este não tomar medidas drásticas para impedir o fluxo de entrada de imigrantes ilegais no país.

Sexta-feira à noite, depois de vários dias de negociações amargas, Washington e o México quebraram um acordo sobre imigração. Mas segunda-feira, Donald Trump assegurou que se parte deste acordo não fosse aprovado pelo congresso mexicano, "as tarifas serão restabelecidas".

Tais tarifas poderiam não apenas prejudicar a ratificação da AEUMC, mas também afetar adversamente as economias dos EUA e do México.
 
Índia

Este é um dos últimos alvos de Donald Trump. Os Estados Unidos terminaram dia 5 de junho os benefícios comerciais sobre as importações da Índia. Este país tinha um Sistema de Preferências Generalizadas (GSP) de longa data, que permitia o livre acesso ao mercado dos EUA. O presidente dos EUA reclamou do acesso insuficiente ao mercado indiano para as exportações dos EUA.
 
Irão

No passado dia 8 de maio, Washington reforçou as suas sanções económicas contra o Irão, acrescentando aço, ferro, alumínio e cobre às áreas alvo de medidas punitivas.

Em agosto de 2018, Donald Trump restabeleceu as sanções económicas contra Teerão, capital do Irão, após a retirada dos Estados Unidos do acordo nuclear entre este último, Estados Unidos, China, Rússia, Grã-Bretanha, França e Alemanha.

O acordo levantou algumas das sanções contra em troca do compromisso do Irão não adquirir armas nucleares.

No ano passado, a primeira salva das sanções dos Estados Unidos dizia respeito à aviação automobilística, aos bloqueios às transações financeiras e à importação de matérias-primas, antes de afetar a energia e as finanças.


Facebook
Facebook
Visitas
Visitantes em linha
contador gratuito de visitas Total de visitas
Contacte-nos